teia de ideia [mídia e tecnologia]

Francisco Rolfsen Belda

Exercício 1. Análise de veículos de divulgação científica

com 25 comentários

O trabalho propõe a análise, individual por cada aluno, de um veículo de jornalismo ou divulgação científica, considerando os seguintes critérios de formatação da publicação:

1. Aspectos institucionais: a que empresa pertence o veículo, outros veículos associados em mídia impressa ou eletrônica, cidade onde está sediada, sucursais e correspondentes, organograma da equipe, número de funcionários, número de jornalistas, estrutura da redação, estruturas de apoio.

2. Aspectos comerciais: segmento de público-alvo, modelo básico de negócios, formatos publicitários, venda de publicidade, cobrança pela publicação ou pelo acesso a conteúdo, agenciamento de conteúdo a outros veículos, prestação de serviços, financiamento público, apoio cultural, participação em editais de fomento, meios de distribuição e venda.

3. Aspectos editoriais: abrangência geográfica e temática de cobertura, estrutura editorial (seções, canais, editoriais), categorias e formatos de conteúdo, uso de multimídia, design e outros aspectos visuais (fotos, ilustrações, infográficos), estilo de linguagem (vocabulário, narrativa), nível de especialização, política de revisão dos textos por especialistas, práticas de cross-mídia com outros veículos, modos de interação com o público, processos de pauta e edição de conteúdo, critérios de atribuição de interesse aos temas de destaque.

Para isso, o aluno deve:

a) Fazer um estudo analítico da formatação do veículo escolhido

b) Entrevistar profissionais de jornalismo que atuam na publicação

c) Fazer pesquisas complementares em livros e sites relacionados

Ao final, deve ser elaborado um relatório impresso em 3 capítulos, com 5 a 10 páginas, de acordo com os tópicos elencados acima. Podem ser anexadas imagens (reprodução de páginas ou telas do veículo, fotos, gráficos) e a transcrição da entrevista realizada.

Prazo de entrega: 23 de abril.

Alguns veículos sugeridos: 

Revistas: Super Interessante, Galileu, Scientifc Americam, Pesquisa Fapesp, Mundo Estranho, Ciência Hoje, National Geographic, Globo Rural

Televisão: Globo Ciência, Globo Ecologia, Globo Rural, Repórter Eco, Cidades e Soluções, Documentários (BBC, TV Cultura, NatGeo, Discovery etc.), Caçadores de Mitos, Espaço Aberto Ciência & Tecnologia, Olhar Digital

Jornais: Vida& (Estadão), Ciência (Folha), Ilustríssima (Folha)

Institucionais: Unesp Ciência, Univerciência (UFSCar), Jornal da USP, Jornal da Unicamp, Prosa Rural (Embrapa)

Escrito por Francisco Rolfsen Belda

12/03/2012 às 18:03

25 Respostas para 'Exercício 1. Análise de veículos de divulgação científica'

Acompanhe os comentários com RSS ou TrackBack para 'Exercício 1. Análise de veículos de divulgação científica'.

  1. Análise do veículo “Globo Rural”:

    O telejornal “Globo Rural” faz parte da grade da programação da tv Globo,que pertence as empresas jornalísticas das Organizações Globo.

    Outros veículos pertencente a empresa:

    Publicações:

    Época
    Época Negócios
    Época SP
    Autoesporte
    Casa e Jardim
    Crescer
    Criativa
    Galileu
    Globo Rural
    GQ
    Marie Claire
    Monet
    Pequenas Empresas & Grandes Negócios
    Quem

    Jornais:

    O Globo
    Extra

    Grade da tv Globo:

    Bem Estar
    Bom Dia Brasil
    Jornal Hoje
    Jornal Nacional
    Jornal da Globo
    Fantástico
    Globo Repórter
    Globo Rural
    Profissão Repórter
    Brasileiros
    Globo Mar
    Pequenas Empresas & Grandes Negócios
    Ação

    Rádios:

    GloboRadio
    CBN
    Rádio Globo
    BEAT98
    BHFM
    Globo FM
    Multishow FM
    Rádio GNT
    Rádio Zona de Impacto
    BHFM
    Multishow FM
    Rádio GNT
    Rádio Zona de Impacto

    Site:
    http://www.globo.com/

    Canais globosat:

    globosat
    Canal Brasil
    Canal Futura
    Combate
    Globo News
    Globosat HD
    GNT
    Megapix
    Multishow
    PFC
    Premiere FC
    SporTV
    Telecine
    Universal Channel
    Viva

    Algumas Sucursais:

    EPTV CENTRAL
    EPTV cAMPINAS
    EPTV RIBEIRÃO
    EPTV SUL DE MINAS
    TV TEM BAURU e MARÍLIA
    TV TEM ITAPETININGA E REGIÃO
    TV TEM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E ARAÇATUBA
    TV TEM SOROCABA E JUNDIAÍ
    TV VANGUARDA – REGIÃO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
    RBS TV – RIO GRANDE DO SUL
    RPC TV – PARANÁ
    TV CABO BRANCO – PARAÍBA
    REDE AMAZÔNICA – AMAZONAS
    REDE BAHIA – BAHIA
    TV VERDES MARES – CEARÁ
    REDE BRASÍLIA – DISTRITO FEDERAL
    TV GAZETA – ESPÍRITO SANTO
    TV ANHANGUERA – GOIÁS
    TV MIRANTE – MARANHÃO
    TV CENTRO AMÉRICA – MATO GROSSO
    TV MORENA – MATO GROSSO DO SUL
    TV MINAS – BELO HORIZONTE E REGIÃO
    TV INTEGRAÇÃO – TRIÂNGULO MINEIRO

    O “GLOBO RURAL” É SUB DIVIDIBO EM DOIS PROGRAMAS,SENDO UM DIÁRIO E OUTRO SEMANAL.

    A PRODUÇÃO DO TELEJORNAL É DIVIDIDO EM REGIÕES E TAMBÉM CONTAM COM O APOIO DAS FILIAIS DA GLOBO PARA AS PRODUÇÕES DAS MATÉRIAS E REPORTÁGENS.

    Equipe do Globo Rural:

    chefe da redação: Gabriel Romeiro,
    chefe de reportagem: Lucas Battaglin,
    editores do Grud:
    Sérgio Coelho
    Pedro Serra
    Kica Tomaz
    Benê Cavechini
    produtora: Janete Galbiati.
    editor-chefe: Humberto Pereira

    A equipe ainda conta com os Jornalistas:

    Ana Paula Campos
    Helen Martins
    Nelson Araújo
    Vico Iasi
    Priscila Brandão

    A idéia de fazer um Globo Rural diário surgiu na década oitenta.

    A equipe chegou a fazer alguns boletins diários, que entravam na programação Globo com informações do dia a dia da agropecuária.

    Até que o editor-chefe Humberto pereira,que é um dos idealizadores dos dois programas (diário e semanal) informou que na época a idéia não foi pra frente por motivos econômicos.

    Já em 1994 surgiu outra oportunidade, mas desta vez no rádio. O programa “CBN Campo”,que era
    uma parceria entre o Globo Rural e a rádio CBN.

    O programa caminhou na mesma idéia para estar atendendo o mesmo público e divulgar as seguintes informações: cotações,informações meteorológicas, o andamento das safras,entre outras reportagens.

    O programa era formatado em boletins diários de quinze minutos.

    A equipe fazia entradas, ao vivo,três vezes por dia,
    tratando principalmente de economia e política agrícola.

    O programa foi exibido até 1996 e era apresentado por Fábio Perez.

    O jornalista Vico Iasi, que hoje faz parte da equipe do Globo rural, trabalhou nessa experiência e contou que a redação,formada por quatro jornalistas, foi uma das primeiras experiências de jornalismo
    diário que partiu da equipe do Globo Rural.

    Finalmente, no ano 2000, a equipe recebeu uma oportunidade do departamento comercial
    da TV Globo para viabilizar a produção do Grud.

    O novo programa abriu espaço para a contratação de mais quatro jornalistas:

    Levy Soares de Lima,Laura Vieira,César Dassie, Kica Tomaz e Raquel Gale, que ficou apenas alguns
    meses na equipe do Grud e foi substituída por Viviane Dias.

    Um ano depois, o comando passou para Sérgio Coelho, que é o editor-executivo
    do programa até hoje.

    No final de 2003, com a saída de Viviane Dias, e o editor Pedro Serra,no ano de 2005, substituindo Renata
    Fiorenzano, que tinha assumido o lugar de César Dassie, remanejado para a edição de cartas da edição semanal.

    O programa “Globo Rural” começou com quinze minutos de programa,De outubro de 2000 a 2008 foi veiculado de 6h15 às 6h30.

    Em abril de 2008, ganhou mais cinco minutos.E nos dias de hoje a programa começa às 6h e vai até 6h30, contando os intervalos comerciais.

    A produção mais que dobrou em dez anos de existência. Acompanhando o fortalecimento do setor agropecuário na última década.

    Com isso se constata que todo o desenvolvimento em tecnologia e mecanização, a agricultura e a pecuária brasileira se tornaram mais competitivas, e o país conquistou várias posições de destaque no ranking mundial.

    Atualmente somos os maiores exportadores de carne bovina e de frango. A plantação de soja cresce a cada ano,o mesmo acontece com a produção de açúcar, etanol, café e suco de laranja,entre outros.

    Com a evolução de todas essas áreas,foi necessário um maior investimento no “veículo de comunicação”

    O programa Globo Rural conta com seguintes “atrações”:

    – Agenda sobre eventos sobre agronegócio e outras áreas específicas do programa.
    – Cotações sobre o mercado e produtos
    – Vida rural
    – indicadores econômicos
    – Índices de mercado
    – Vida Rural
    – Entre outras “atrações”

    Com o estudo do veículo de comunicação “Globo Rural,cheguei a conclusão que com o fortalecimento do mercado e com investimentos para a produção do mesmo,o programa nos dias de hoje é um sucesso.

    Lucas Pandolfelli Zampieri

    23/04/2012 em 9:28

  2. Cássio Leonardo Carrara
    Código: 03509-006
    4º ano de Comunicação Social – Jornalismo
    Prof. Francisco Belda
    Disciplina: Jornalismo Científico

    Análise de veículo de divulgação científica

    1. Introdução
    Este trabalho procura analisar o veículo de divulgação científica “Cidades e Soluções”, programa televisivo com duração de 30 minutos (incluindo intervalo), exibido desde outubro de 2006 no canal Globo News.
    O programa inédito vai ao ar toda quarta-feira às 23h30 e é reprisado na Globo News nos seguintes horários: sábado às 5h30, domingo às 21h30, segunda-feira às 3h05, 8h30 e 16h30 e quinta-feira às 12h30; no canal Futura, é exibido sexta-feira, às 20h30 e domingo às 14h30.

    2. Aspectos institucionais
    A Globo News, que exibe o programa “Cidades e Soluções”, é um canal de notícias 24 horas, pertencente às Organizações Globo, do qual a Rede Globo de Televisão é o veículo de comunicação mais conhecido. Foi criado em 15 de outubro de 1996 pela jornalista Alice Maria e tem como principais noticiários o Jornal da Globo News, Jornal das Dez, Globo News em Pauta, Estúdio i e Conta Corrente.
    O canal está sediado no Rio de Janeiro-RJ, com estúdios na capital fluminense e em São Paulo-SP. A cobertura é nacional e está disponível através dos seguintes meios:

    – Aberta: Rio de Janeiro (canal 36) e São Paulo (canal 19);
    – Satélite: canal 40 (GVT TV, Sky Brasil, Claro TV e Oi TV) e canal 340 (Telefônica TV Digital e CTBC TV);
    – Cabo: canal 40 (NET, TVA, JET e Sim TV).

    O programa analisado é o do dia 4 de abril, que apresentou dicas para deixar a casa ambientalmente mais sustentável dentro do orçamento. O jornalista André Trigueiro e o arquiteto Heliomar Venâncio visitaram uma casa na Favela da Rocinha, uma das comunidades de menor renda no Brasil, e outra em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, e apresentaram soluções sustentáveis para decoração e disposição da casa dentro das possibilidades financeiras dos moradores.
    A equipe do programa “Cidades e Soluções” é formada por três jornalistas:

    – André Trigueiro: editor-chefe do programa; é jornalista com pós-graduação em Gestão Ambiental pela COPPE/UFRJ, professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC/RJ, autor do livro Mundo Sustentável – “Abrindo Espaço na Mídia para um Planeta em Transformação” (Ed. Globo, 2005) e Coordenador Editorial e um dos autores do livro Meio Ambiente no século XXI (Ed. Sextante, 2003). Atua também como repórter e apresentador do “Jornal das Dez”, da Globo News e comentarista na Rádio CBN, em que apresenta aos sábados e domingos o programa “Mundo Sustentável”. Conquistou vários prêmios de Jornalismo nas áreas de meio ambiente e desenvolvimento sustentável.

    – Klara Duccini: formada em Comunicação Social pela PUC-RJ, ingressou na Globo News em 2005 participando do programa “Estagiar”. Participa do “Cidades e Soluções” desde 2011.

    – Aline Peres: formada em Comunicação Social pela PUC-RS, iniciou em 2006 sua carreira jornalística na RBS TV, em Porto Alegre-RS, afiliada da Rede Globo. Participa do “Cidades e Soluções” desde 2011.

    O programa apresenta a seguinte estrutura de equipe:
    – Roteiro e edição: André Trigueiro;
    – Produção e edição: Klara Duccini e Aline Peres;
    – Edição e finalização: Marcus Vinícius e Rita Araújo;
    – Imagens: Evilásio Carneiro;
    – Áudio e técnico: Renato Ferreira e Paulo César;
    – Arte: Martha Sampaio e Danilo Lucas;
    – Pesquisa: Ana Paula Mandina;
    – Produção musical: Marion Lemonnier;
    – Coordenação de produção: Maristela Pereira e Márcia Saad;
    – Chefe de redação: Márcia Monteiro.

    O foco do programa é apresentar soluções ambientalmente sustentáveis no meio urbano, proporcionando dicas para que as pessoas não percam a sua qualidade de vida, proporcionada pelos vantagens urbanas, e ao mesmo tempo despertem a consciência ecológica tão necessária para o futuro do planeta. Voltado para assuntos de meio ambiente e desenvolvimento sustentável, há outros veículos de divulgação não só na televisão, mas como no meio impresso e online:

    – Impresso: Revista Geração Sustentável, Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Revista de Economia & Desenvolvimento Sustentável (Universidade Federal de Campina Grande – UFCG), Revista Novo Ambiente, Revista Sustentabilidade, Revista Extensão Rural e Desenvolvimento Sustentável, Revista Atitude Sustentável, Revista Eco 21.
    – Online:
    Envolverde (www.envolverde.com.br),
    Eco Desenvolvimento (www.ecodesenvolvimento.org.br),
    Mundo Sustentável (www.mundosustentavel.com.br).
    – Programa de TV: TV Ambiental, Rede Globo (Globo Repórter, Globo Ciência, Globo Ecologia, Globo Rural), TV Cultura (Repórter Eco).

    3. Aspectos comerciais
    A publicidade no programa é feita somente durante os intervalos comerciais e no início do programa. As empresas ou produtos que patrocinam o programa (anunciado como “Oferecimento” no início) são:

    – Natura Ekos: este comercial apresenta um perfume através do slogan “homem e natureza”; perfeitamente ligado com o tema do programa, o perfume faz a ponte entre o modo de vida urbano, a vaidade pessoal e, ao mesmo tempo, passa a ideia da sustentabilidade, ligando o homem à natureza, sua origem.
    – Pão de Açúcar: hipermercados são o símbolo da modernidade urbana; ao mesmo tempo, o comercial passa a imagem do ecologicamente correto, trazendo uma mensagem de preservação ambiental.
    – Banco do Brasil Estilo: este comercial fala do alcance de metas pessoais, atrelado ao seu próprio estilo de vida, que deve ser valorizado; a ideia é que o Banco do Brasil se adapte ao seu estilo de vida para apresentar soluções para sua vida, exatamente a mesma intenção do programa “Cidades e Soluções.

    Durante o único intervalo comercial no dia 4 de abril, também foram feitas apenas propagandas de produtos relacionadas ao modo de vida urbano e à valorização do bem-estar pessoal:

    – Veículos: Mitsubishi Lancer, FIAT Grand Siena e Toyota Corolla XLS; todas as propagandas de veículos apresentam seu produto como o melhor para trafegar na cidade, privilegiando os aspectos de conforto, segurança e, principalmente, o bem-estar e a sensação de poder que a aquisição do veículo proporciona.
    – Conscientização no trânsito: propaganda do Governo Federal para incentivar a prudência no trânsito e o respeito aos outros motoristas no meio urbano; passa a mensagem de que não vivemos isolados no mundo e precisamos nos respeitar e compreender mutuamente para uma boa convivência.
    – Parque temático: propaganda do Beach Park, relacionado ao descanso e aproveitamento das férias; passa a mensagem de que trabalhar é importante, mas também é necessário dedicar um tempo a si próprio e à família em prol do bem-estar pessoal e da renovação de energias.

    4. Aspectos editoriais
    O programa “Cidades e Soluções”, com abrangência nacional, procura mostrar soluções inteligentes e inovadoras de desenvolvimento sustentável e uso adequado dos recursos naturais, melhorando a vida das pessoas e contribuindo para a preservação e boa utilização do meio ambiente. Na maioria dos casos apresentados, a solução é simples, de baixo custo e fácil de ser aplicada.
    A linguagem utilizada é simples para facilitar o entendimento do público e a edição do programa inclui o uso de imagens e/ou artes gráficas para ilustrar o tema que está sendo abordado. A abordagem das inovações científicas é feita através de exemplos práticos e reais, comuns ao cotidiano das pessoas.
    O programa mantém um blog: http://g1.globo.com/platb/globo-news-cidades-e-solucoes/; através dele, o telespectador tem acesso aos temas que serão abordados semanalmente e consegue consultar o arquivo do programa, através de vídeos separados pela data de exibição.
    É possível também pautar o “Cidades e Soluções”. Caso queira, o telespectador pode enviar um vídeo através do link “Sua cidade, sua solução”, em que é possível enviar conteúdo sobre soluções que acontecem na casa, bairro ou cidade do telespectador. Um exemplo pode ser visto pelo link http://g1.globo.com/platb/globo-news-cidades-e-solucoes/2012/03/30/sua-cidade-sua-solucao-5/, com soluções enviadas por internautas de Brasília (aplicados no ambiente universitário) e Goiânia (calçada consciente).
    Outra alternativa de interação é feita através do link “Reunião de pauta”, em que é possível enviar sugestões para a equipe do programa sugerindo temas interessantes.
    O programa “Cidades e Soluções”, pela importância do conteúdo abordado, acumula vários prêmios:
    – Prêmio Ethos de Jornalismo na categoria mídia eletrônica TV (2007);
    – Prêmio ABCR de Jornalismo;
    – Prêmio Especial do Júri do CEBDS na Categoria Mídia (2007);
    – Prêmio ABRELPE de Reportagem (2007);
    – I Prêmio Microcamp de Jornalismo na categoria telejornalismo (2008);
    – Prêmio Urbanidade / IAB-RJ (2008);
    – Prêmio Top Etanol de Jornalismo, na categoria telejornalismo (2010).

    Cássio Leonardo Carrara

    23/04/2012 em 14:07

  3. Veículo a ser analisado: Super Interessante

    1. Aspectos institucionais:
    O veículo analisado trata-se da revista de divulgação científica pertencente ao grupo Abril. A super Interessante possui sua versão impressa e online, sediada na grande São Paulo, o grupo Abril possui publicações dos mais diversos cunhos jornalísticos.
    Segue o organograma da revista que pode ser encontrado no site: http://super.abril.com.br/institucional/expediente.shtml

    Fundador: VICTOR CIVITA
    (1907-1990)
    Editor: Roberto Civita
    Conselho Editorial: Roberto Civita (Presidente), Thomaz Souto Corrêa (Vice-Presidente), Elda Müller, Fábio Colletti Barbosa, Giancarlo Civita, Jairo Mendes Leal, José Roberto Guzzo, Victor Civita
    Presidente Executivo Abril Mídia: Jairo Mendes Leal
    Diretor de Assinaturas: Fernando Costa
    Diretor Geral Digital: Manoel Lemos
    Diretor Financeiro e Administrativo: Fabio Petrossi Gallo
    Diretora Geral de Publicidade: Thais Chede Soares
    Diretor de Planejamento Estratégico e Novos Negócios: Daniel de Andrade Gomes
    Diretora de Recursos Humanos: Paula Traldi
    Diretor de Serviços Editoriais: Alfredo Ogawa
    Diretora Superintendente: Claudia Giudice
    Diretor de Núcleo: Dimas Mietto

    INTERNET NÚCLEO JOVEM & INFANTIL
    Editor: Frederico Di Giacomo
    Editora-Assistente: Mariana Nadai
    Repórteres: Ana Prado, Ludmilla Balduino e Otavio Cohen
    Designer: Daniel Lazaroni Apolinario, Juliana Moreira e Laura Rittmeister
    Webmasters: Bruno Xavier e Thiago Moura
    Estagiários: Carolina Vellei, Carolina Vilaverde (texto) e Lucas Otsuka (webmaster)
    Colaboração: Lorena Dana (redes sociais)
    Diretor de Redação: Sérgio Gwercman
    Editores: Alexandre Versignassi, Bruno Garattoni, Felipe Van Deursen, Mariana Caetano, Larissa Santana
    Repórter: Karin Hueck
    Editora de Arte: Renata Steffen
    Designers: Jorge Oliveira e Rafael Quick
    Estagiário: Raphael Galassi
    Atendimento ao Leitor: Adriana Meneghello
    Coordenadora Administrativa: Giselda Gala
    Coordenadora Assistente de Redação: Ivete Lobato
    CTI – UN ll: Alvaro Zeni (supervisor), André Hauly, Edvânia Silva, Erika Nakamura, Juarez Macedo, Leandro Marcinari, Zeca França, Leo Ferreira, Regina Sano e Vanessa Dalberto
    PUBLICIDADE CENTRALIZADA
    Diretores: Ana Paula Teixeira, Marcia Soter, Robson Monte
    Executivos de Negócios: Ana Paula Viegas, Caio Souza, Camilla Dell, Camila Folhas, Carla Andrade, Claudia Galdino, Cleide Gomes, Cristiano Persona, Daniela Serafim, Eliane Pinho, Emiliano Hansenn, Fabio Santos, Marcello Almeida, Marcelo Cavalheiro, Marcio Bezerra, Maria Lucia Strotbek, Marcus Vinicius, Nilo Bastos, Regina Maurano, Renata Miolli, Rodrigo Toledo, Selma Costa, Susana Vieira, Tatiana Mendes
    PUBLICIDADE DIGITAL
    Diretor: André Almeida
    Gerente: Virginia Any
    Gerente de Estratégia Comercial: Alexandra Mendonça
    Executivos de Negócios: André Bortolai, André Machado, Caio Moreira, Camila Barcellos, Carolina Lopes, Cinthia Curty, David Padula, Elaine Collaço, Fabíola Granja, Flavia Kannebley, Gabriel Souto, Guilherme Bruno de Luca, Guilherme Oliveira, Herbert Fernandes, Juliana Vicedomini, Luciana Menezes, Rafael de Camargo Moreira, Renata Carvalho, Renata Simões
    PUBLICIDADE REGIONAL
    Diretores: Marcos Peregrina Gomez, Paulo Renato Simões
    Gerentes: Andrea Veiga, Cristiano Rygaard, Edson Melo, Francisco Barbeiro Neto, Ivan Rizental, João Paulo Pizarro, Mauro Sannazzaro, Ricardo Mariani, Sonia Paula, Vania Passolongo
    Executivos de Negócios: Ana Carolina Cassano, Adriano Freire, Ailze Cunha, Beatriz Ottino, Camila Jardim, Caroline Platilha, Catarina Lopes, Celia Pyramo, Clea Chies, Daniel Empinotti, Henri Marques, Ítalo Raimundo, José Castilho, Josi Lopes, Juliana Erthal, Juliane Ribeiro, Julio Tortorello, Leda Costa, Luana Issa, Luciene Lima, Pamela Berri Manica, Paola Dornelles, Ricardo Menin, Samara Sampaio de O. Reijnders
    PUBLICIDADE SÃO PAULO
    Diretor: Alberto Simões de Faria
    Gerentes: Sandra Fernandes
    Executivos de Negócios: Alessandra Calissi, Analucia Bertola, David Padula, Eduardo Chedid, Fernanda Melo, Flavia Magalhães, Juliana Compagnoni, Karine Grigório, Leila Raso, Luis Fernando Lopes, Mara Marques, Paulo Trindade, Reinaldo Murino, Roberta Maneiro, Samarah Almeida, Shirlene Pinheiro, Soraya Coen, Thaira Ferro
    Assistente: Miriam Moya Manzano
    DESENVOLVIMENTO COMERCIAL
    Diretor: Jacques Baisi Ricardo
    INTEGRAÇÃO COMERCIAL
    Diretor: Sandra Sampaio
    MARKETING E CIRCULAÇÃO
    Diretora de Marketing: Louise Faleiros
    Gerente de Marketing: Angelica Garcia
    Gerente de Núcleo: Edson Bottura
    Analista: Thays Panizza, Tales Esparta
    Gerente de Eventos: Mônica Romano
    Analistas: Adriana Paolini, Mariana Perri
    Estagiária: Mayra Banci
    Gerente Marketing Publicitário: Cezar Almeida
    Analista: Paulo Victor Gouvêa
    Estagiária: Maria Fernanda Zanuto
    Gerente de Circulação Avulsas: Magali Superbi
    Gerente de Circulação Assinaturas: Juarez Ferreira

    Presidente do Conselho de Administração: Roberto Civita (Presidente), Giancarlo Civita (Vice-Presidente), Esmaré Weideman, Hein Brand, Victor Civita
    Presidente Executivo: Fábio Colletti Barbosa

    2. Aspectos comerciais:
    O modelo analisado conta com um público-alvo de pessoas que tenham interesse em publicações científicas, não apenas em matérias informativas. O que diferencia a publicação das demais do grupo é a análise de cientistas envolvendo pesquisas de universidades nacionais e internacionais, logo suas matérias contam com afirmações comprovadas cientificamente em laboratórios, por meio de pesquisas patenteadas e sérias.
    A revista conta com propagandas meia página, uma página (frente ou verso) ou duas páginas conjuntas (não obtive informações detalhadas de como é feita a venda das propagandas). Além da receita a revista é vendida em bancas e livrarias, e conta também com assinantes mensais.
    O site da revista é aberto ao público, porem as matérias julgadas de maior interesse se obtém acesso unicamente se for assinante, contando também com a venda de modelos próprios para Ipad e Iphone.

    3. Aspectos editoriais:
    A revista é veiculada nacionalmente, porém existem assinaturas internacionais. Com aspecto despojado, a revista prende a atenção dos leitores não apenas pela estruturação da matéria, mas pela diagramação, as matérias contam com apoio visual de gráficos, ilustrações e fotos, o que deixa a leitura mais leve e menos cansativa.
    Há uma abrangência de temas tanto no conteúdo impresso quanto online. Na publicação online contamos com um índice no início da página que permite abertura para abas de interesse multifocais:
    http://super.abril.com.br/blogs/ideias-verdes/
    Mais abaixo o site conta também com um sub-índice curioso, tratando de matérias polêmicas como Maconha; Bíblia; memória; internet; música; redirecionando o leitor para páginas que contenham matérias sobre o assunto dominante.
    http://super.abril.com.br/home/

    Suas publicações impressas e online utilizam linguagem acessível, mesmo tratando-se de uma publicação científica o linguajar adotado pela revista leva a seu público acesso a ciência, sem que ele precise ser um cientista e entender determinadas alcunhas e cacoetes utilizados pelos especialistas. Não adotar uma linguagem especializada torna a revista mais interessante para quem assina, e pode ser considerada além de uma jogada de marketing direto, uma inovação na área de publicações científicas.
    Alguns aspectos editorias, como produção de pauta e matéria, revisão e integração com outros veículos, tal como a entrevista com um jornalista da publicação, não puderam ser feitas, uma vez q o veículo não respondeu a nenhum dos meus e-mails nesses quinze (quinze) dias, algumas informações como estas são primordiais na análise, mas creio não ter sido a única aluna a ter problemas do tipo, e espero que o professor entenda que não foi falta de empenho, mas infelizmente alguns fatores nós alunos não temos controle.

    Att
    Naira Paschoal
    03509-018

    Naira Paschoal

    23/04/2012 em 17:24

  4. Análise da Revista Galileu

    Aluno: Evandro Goulart Código: 03509-030

    Introdução

    Este trabalho é um exercício da disciplina Jornalismo Científico do Curso de Jornalismo da UNIARA.
    A realização tem por base fazer com que o aluno/leitor compreenda como é feita, realizada e ou produzida uma publicação com direcionamento a públicos distintos.
    A Revista Galileu é a versão reformula e melhorada da revista Globo Ciência criada em 1991 que era voltada à divulgação científica, posteriormente em 2009 passa para Galileu na qual abrange além de divulgação científica e outras áreas da sociedade.
    No site também ouve uma reformulação com inclusão de matérias com infográficos e vídeos mais elaborados além de enquetes que depois eram também colocadas na versão impressa com o resultado e espaço reservado para sugestões de reportagens. Quando houve essa mudança o site, adota o lema “O futuro antes”.
    Sem dúvida a revista trata com um rigor as matérias realizadas, com informações e arte, infográficos e todo recurso que possa fazer que o leitor entenda a matéria sendo ela uma pesquisa, informação ou simplesmente a apresentação de um dado estatístico por exemplo.

    Capitulo I – Aspectos institucionais

    A revista Galileu pertence ao grupo da Editora Globo que é mais uma empresa do conglomerado das Organizações Globo que inclui TVs, rádios, jornais, sites, gravadora, internet, cinema/distribuidores.
    A editora tem sua sede em São Paulo com subsedes nas principais capitais do país e recebem as pautas e se cãs virar matéria e for de sua região realizam depois mandam tudo pra sede.
    A revista tem divisões para cada área especifica da empresa, contando com Publicitários Jornalistas.
    A revista Galileu tem como missão selecionar e traduzir as melhores e mais inovadoras idéias e atitudes que estão transformando o mundo. Galileu adianta o futuro nos campos da ciência, da tecnologia, da cultura e do comportamento e apresenta ao leitor as mais importantes e inspiradoras histórias do nosso tempo.

    Capitulo II – Aspectos Comerciais

    A revista e voltada para História, religião e saúde são os temas da revista, que, desde 2009, após uma reforma visual e editorial, e junto com o site, adota o lema “O futuro antes”, o público alvo são pessoas interessadas em assuntos que tenham numa abordagem científica. A divulgação impressa ou pelo site das matérias previstas para a próxima edição faz enquetes disponibiliza matérias anteriores. A maioria das matérias é disponibilizada na íntegra para o assinante, mas alguns tópicos são acessíveis para os não assinantes.
    A publicidade da revista vem pautada em preceitos que a Editora Globo adota um deles é a questão de como aquela publicidade pode ser positiva ou negativa quanto ao tipo de matéria vinculada, a revista ainda se preocupa com a questão do meio ambiente é a faz presente em suas matérias além de o papel usado na impressão das revistas ser reflorestado.
    Os meios de distribuição são as bancas de jornal e revistas, assinaturas realizadas na qual e revista entrega a edição de casa mês na casa do assinante, temos também as versões para comprar on-line.

    Capitulo III – Aspectos Editoriais

    Matérias destacadas na capa ainda:
    “Guerra pela Web”, como a rede domina a sociedade, é expõe alguns aspectos se pode acontecer uma inversão quanto como se controlar nesse meio.
    “1986 x 2008”, relação entre os primeiros e os últimos campeões olímpicos isso claro devido aos jogos de Londres 2012 que ocorrem Julho.
    “Conexão Palestina”, mudança de um país através de energia sustentável e outras ações.
    Arte da capa são 2 lápis de escrever e uma esta quebrando os dois formando um cruz. (simbolizando a ansiedade positiva), cores preto fundo e na parte escrita usada as cores branco e cinza, essa na verdade nem é uma arte em outras publicações da revista ela usa mais recursos gráficos.
    Índice da Revista
    Demais matérias na revista, mais na distribuição fica evidente qual é a matéria principal “Ansiedade Positiva”, com maior texto e também maior área gráfica.

    Outros assuntos abordados no índice:

    Consumo – impressora USB
    Números para prevenir quedas de governo
    Comparações de esportes olímpicos, mudanças e igualdades conforme os tempos e novos atletas.
    Disputas pelo controle da Web, e armas que nós meramente usuários podemos usar.
    Palestina, sustentação pela tecnologia.
    Sessão Cinema com filmes que não se pode deixar de assistir.
    Novas idéias e o rumo que elas podem colocar para a sociedade.
    Novas profissões
    e + matérias mas sem um destaque grande.

    Carta ao Leitor (resumo das matérias sobre o olhar da empresa)
    Título Oxímoro é uma definição de união de conceitos oposto, criando assim um terceiro, se faz essa relação com a matéria principal da edição de março a ansiedade positiva. Depois discorre sobre a questão da Palestina, o que pensamos ao ouvir o nome desse país, e relata a mudança que a tecnologia vem trazendo aos seus habitantes. A questão do controle da internet, como estabelecer um controle e como estamos sendo vigiados na Web. As indicações do Oscar e quais critérios são os critérios utilizados pela Academia. Na mesma página da carta ao leitor temos a ficha técnica da revista, jornalistas, assistentes responsáveis pelas questões publicidade, neste mesmo quadro atendimento ao assinante, e-mail telefones para criticas sugestões destaca também que o produto foi usado com fontes responsáveis.
    Inbox – palavra inglesa quer dizer Caixa de Entrada (Descrevem os twittess, os leitores da Galileu escrevem sobre matérias que já saíram sugestão de pautas, elogios).
    Email dos leitores falando sobre as matérias da revista de diversas partes do país, mostrando assim a abrangência da revista no Brasil.
    Diagrama – representação visual, através de uma calcinha a música fogo e paixão 1988 até 2012.

    Sessão Erramos
    Online
    Site da revista
    Matérias de destaque no site, artigos sobre diversos assuntos e enquetes novas, e resultados das anteriores
    Enter (idéias, pessoas fatos e tendências)
    Matéria sobre uma substancia que é expelido pela baleia cachalote, esse objeto é produzido nas entranhas (dentro) da baleia.
    Excremento (fezes) ceroso (que contem cera), a revista não explica, faz comparação quanto a seu valioso valor, que é quase igual a do ouro, aos seres humanos usado na gastronomia, para a tortinha mais cara do mundo Mince Pie (torta de comer) que vale U$$ 4.700, além de aromatizante também está em livros como o segredo de Chanel na qual atribui o sucesso do perfume francês a esse excremento.
    Além desses assuntos abordados acima a revista somente tem uma matéria com grande infográfico e arte na questão do Oscar 2012 onde explica o passo a passo da Academia na escolha do Oscar.
    Em seu site a revista disponibiliza canais como NOTÍCIAS das suas publicações alem de assuntos que estejam acontecendo que a revista não teve tempo de abordar, os VÍDEOS são divididos de duas partes são eles Galileu TV e animações, o primeiro são vídeos que trazem testes com novas tecnologias, games e os vídeos mais acessados no You Tube, o segundo tópicos são todos os infográficos desenvolvidos pela revista elencados em ordem cronologia, BLOGS contendo o link, imagens e vídeos dos blogs das pessoas ou serviços mais procurados na rede vai desde como fazer um vídeo viral até parodias de Hits da internet. Na sessão GAMES têm a analise dos jogos mais inovadores (alguns com link para baixar) até os clássicos como Pac Man e Mario Bros, REVISTA contando com a edição atual para navegar e edições anteriores, RSS campo onde pode se ver todas as publicações da Editora Globo se caso gostar de algo a revista escolhida manda alertas em seu e-mail com as reportagens. DOWNLOAD disponibiliza outros games além de campos específicos como Biologia, química, física, matemática e outros, além do aplicativo para IPAD, por fim pode-se ter na integra os PRINCÍPIOS EDITORIAIS esse princípios norteiam todo conglomerado das Organizações Globo onde tem como tópicos a responsabilidade do jornalista quanto ao tratamento de noticias e fontes a questão da isenção e demais assuntos fazendo assim acredita as organizações que todas as empresas do grupo “trabalhem pela mesma cartilha”. Na análise da revista de março de 2012 destaca-se a matéria sobre Maior destaque “Ansiedade Positiva”, matéria cientifica na qual discorre os pontos positivos e negativos da ansiedade, que consome 4 paginas com especialistas além de um questionário para medir o nível de ansiedade.

    Fontes:
    http://revistagalileu.globo.com/
    http://editora.globo.com/
    http://editoraglobo.globo.com/expediente.htm

    Evandro Goulart

    23/04/2012 em 20:06

  5. Analisando as três revistas que tenho em mãos da Galileu Setembro de 2010,Maio de 2011 e junho de 2011 percebe se que as capas sempre são chamativas com fontes que destacam a matéria principal .A revista tem sempre no começo uma publicidade e logo depois do lado esquerdo tem o Índice com bastante fotos,e a matéria principal sempre fica com a imagem maior destacada no meio do índice. O Login é a parte Editorial da revista nem sempre fica do mesmo lado da página .O Inbox e Online também variam de páginas mas sempre no começo da revista .A revista tem bastante publicidade nela, mas todas são mais voltadas para o publico jovem
    As matérias são sempre de duas páginas com linguagem simples e com bastante fotos para destacar algo importante ou infográficos para ajudar a explicar o contexto .A revista Galileu junho de 2011 ,sua matéria principal é “O que te Motiva “ possui muitas fotos,infográficos e tem 10 páginas que é possível fazer uma leitura rápida com fácil entendimento do leitor .Toda a revista é dedicada a matérias voltadas para a motivação das pessoas .A Galileu maio de 2011 com a matéria principal “Máquinas que pensam” também tem 10 páginas com muitas imagens demonstrando o que o repórter quer dizer e com infográficos bem interessantes com uma linguagem simples e com outras matérias não só voltadas para tecnologia e sim também sobre saúde e ciência .A Revista de setembro de 2010 com a matéria principal “Quanto custa para ser Feliz” também abusa de fotos e infográficos para deixar a matéria mais interessante e jovial e tem 8 páginas de conteúdo bem interessante para o leitor e com fácil entendimento .E as outra matérias são sobre tecnologia .
    Cada revista tem pelo menos 11 matérias com o conteúdo um pouco mais aprofundado de mais ou menos de duas a três páginas dedicadas a elas
    As seções da revista Galileu são as seguintes: Enter – na revista de maio de 2011 fala sobre o Michio Kaku físico garante que podemos mexer com a mente ou até pegar um elevador para a lua ,já na revista do mês de setembro 2010 fala sobre o grande Rebelde ,uma arte na Web com o artista chinês AI WEIWEI . Mostra sempre o que está acontecendo no mundo ,com textos curtos e muita informação; Breve História na revista de maio fala sobre a história do sapato e na revista de setembro sobre vídeo –game .Sempre contando histórias de produtos do nosso dia a dia ;Numeralha na revista de maio fala sobre Dados que nós armazenamos com um infográficos bastante detalhado e a de setembro fala sobre Desastres Naturais;Consumo – na revista de maio fala sobre o Nintendo 3DS ,Impressora Turbina Caseira e a de Setembro fala sobre Som da Sony,Relógio da Oakley ,Carregador Solar entre outros sempre mostrando lançamentos de produtos novos que ainda ninguém possui ou ouviu falar ;Você Tem Que – na revista de maio fala sobre jogar L.A – NOIRE ,um jogo ,dá dicas de ver fotos do fotografo Dani Shitagi,dica de Filme “Contra o Tempo” , dica de comprar produtos do Wikileaks ,já na revista de Setembro dá a dica de filme do Resident Evil o Recomeço, ver a série Justified ,dá a dica de música do novo trabalho da banda Weezer e etc,sempre abordando dicas de filmes, livros,música e etc ;Novas idéias – na revista de maio aborda sobre os temas medicina,roupas com produtos reciclaveis,alimentação e Fúria da natureza e na revista de setembro aborda os temas alimentação ,medicina,mídia,cultura e economia .Sempre falando sobre temas diferentes.

    Aspectos institucionais

    A Revista Galileu pertence à Editora Globo formada pelas empresas organizações Globo, Rede Globo de Televisão, GLOBOSAT, Sistema Globo de rádio, Infoglobo, Fundação Roberto Marinho, Globo.com, Som Livre e Geo Eventos. A sede da editora Globo é no Rio De Janeiro. A revista Galileu é a antiga revista Globo Ciência que foi criada em 1991, o nome foi uma estratégia de marketing.
    A Galileu possui mais ou menos 106 pessoas trabalhando em setores separados como Diretora editorial, Diretor de Redação, Diretor de Arte, Redatora Chefe, Editores, Editor Assistente, Repórteres, Arte, Colaboradores, Estagiários, Assistente de Redação, Galileu Online Repórter, Gerente Coordenador, Desenvolvedores, Pesquisa, Publicidade, Diretoria de Publicidade Centralizada, Executivos de Negócios, Diretor e Gerente de Publicidade de São Paulo, Executivos de Negócios de São Paulo, Gerente e Diretor de publicidade Online, Opec online, Escritórios Regionais e etc.
    Os jornalistas que trabalham na redação são três repórteres e um estagiário com textos e colaboradores ao total de 13 pessoa

    Aspectos comerciais

    O público alvo da revista Galileu são leitores que apreciam a ciência e também para leitores que gostam de conhecimentos gerais. A Publicidade conta com 40 profissionais no estado de São Paulo e possui escritórios em Brasília e Rio de Janeiro e tem o apoio de 16 escritórios regionais em todo o Brasil. A Publicidade é focada na criação de projetos customizados para cada cliente.
    Para assinar a Revista Galileu por um ano é R$138,60 e por 2 anos R$277,20 .Nas bancas a revista custa R$9,90
    Apoio Cultural da Revista são a ANER (Associação Nacional Dos Editores e Revistas) FUNDAÇÃO ABRINQ, IVC (Instituto Verificador de Circulação) e FIPP.
    A distribuição da revista Galileu é feita através de assinatura por telefone,via internet ou também pode ser encontrada nas bancas

    Aspectos editoriais

    Uma nova remodelagem da revista Galileu do seu layout foi em junho de 2004. Ela teve alterações nas matérias em como elas eram produzidas e como era passada para o leitor. Elas passaram a concentrar mais informação em menos espaço, com uso freqüente de infográficos ,fotos e recursos de edição que facilitam o entendimento dos temas abordados
    A Galileu passou a produzir uma série de especiais sobre temas como os maiores crimes da história, paranormalidade, ficção científica e cérebro. A prática estimulou a produção de novos títulos, como Galileu Vestibular que, a cada seis meses, reúne conteúdo extraído de Galileu e Revista Época voltado para os vestibulandos.
    Em abril de 2006, Galileu passou por uma nova reformulação. Com colaboradores Especiais como Marcelo Gleiser, Claudio Julio Tognolli, Arthur Veríssimo e Ricardo Bonalume Neto eram presença na revista. Além disso, Galileu passou a publicar textos traduzidos de publicações de prestígio como New Scientist, Fast Company e New York Magazine.
    A edição 215, de junho de 2009, trouxe uma nova Galileu, como é informado na carta ao leitor, de autoria do diretor da revista. Essa edição trouxe mudanças nas páginas e capa ,em todo seu visual .A linguagem e a temática da revista também mudou transformando a revista mais leve e jovem
    Em janeiro de 2010, outra nova linha editorial ocorreu na Revista Galileu reformulando assim o seu layout, com muito mais enfoque nas galerias de fotos e agora passou a ter conteúdo multimídia, como animações e vídeos. A revista passou a contar com uma equipe apenas para o website e quatro blogs: Segundos de Sabedoria: Verdade Inconveniente, Fórmula do Amor e Pergunte ao Linus

    Entrevistar profissionais de jornalismo que atuam na publicação:
    Fiquei a espera de resposta de dois jornalistas da Revista Galileu e dois estagiários,mas não consegui respostas no período de três semanas ,peço desculpas por não ter conseguido aprofundar mais o relatório com opiniões de jornalistas da revista .

    Bibliografia

    www. revistagalileu.globo.com
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Galileu_(revista)

    Camila Fernanda Servo

    23/04/2012 em 21:44

  6. Jornalismo Científico – 4º ano – Jornalismo 2012
    Francisco de Assis Bergamim – 03509-055

    Análise de uma publicação científica: Revista COMO FUNCIONA

    1. Aspectos institucionais:

    Edição em português de uma publicação original inglesa (How It Works), da editora Image Publishing. Uma página na Internet e uma série de outras vinte publicações, derivadas da revista principal (Como Funciona) completam o portfólio da editora no âmbito das publicações científicas e de tecnologia, além de outros trinta aplicativos para as plataformas iOS e Android. No Brasil a revista é licenciada pela On Line Editora e publicada pelo IBC (Instituto Brasileiro de Cultura Ltda). A circulação é auditada pelo IVC (Instituto Verificador de Circulação).

    Image Publishing é um produtor de conteúdo de tecnologia global com um portfólio de 22 revistas, sites, livros temáticos, aplicativos e outros produtos multimídia vendidos em todo o mundo, em papel, e sobre as principais plataformas digitais. As publicações giram em torno de quatro mercados principais: tecnologia, fotografia, videogames e conhecimento/ciência, as principais delas são publicadas no Brasil.

    A sede da editora inglesa fica no resort de Bournemouth, na cidade de Dorset, no sul da Inglaterra, há 164 quilômetros de Londres.

    A On Line Editora, a licenciada brasileira da publicação, além da tradução, ainda faz ajustes na diagramação final, para o texto traduzido se encaixe na arte original da revista. No Brasil, dezesseis pessoas estão envolvidas com a publicação, do presidente da Editora ao supervisor de assinaturas e colaboradores. A jornalista responsável é Andréa Calmon (MTB 47741). Ela, infelizmente, não respondeu nossa mensagem.

    Há menos de um ano sendo publicada no Brasil escolhemos a edição de número sete para esta avaliação.
    Foi escolhida esta publicação, por ser exatamente o oposto das publicações científicas especializadas. O argumento defendido é que a informação deve estar a serviço do público geral, a serviço da cultura popular, que precisa saber das coisas que afetam as suas vidas, por mais simples ou complexas que possam parecer. A revista pode ser ponto de partida que o leitor leigo se aproxime da ciência e por publicação científica, enquanto as revistas especializadas atingem segmentos menores e específicos, não estando ao alcance da compreensão do grande público.

    2. Aspectos comerciais:

    Por enquanto, utiliza os espaços para a divulgação de produtos da própria editora no Brasil. As publicidades existentes atualmente são de página inteira.

    Quanto ao público alvo, este é bem amplo, por ser uma revista de conteúdo variado e de leitura fácil. Estudantes de todos os níveis e pessoas de todas as idades são potenciais leitores do conteúdo da revista.

    3. Aspectos editoriais:

    Áreas de conhecimento: Esta edição tratou de questões sobre “Meio Ambiente”, “Ciência”, “Tecnologia”, “Transporte”, “Espaço” e “História”.

    São 82 páginas com absurdos 941 “dados curiosos”, conforme estampado na capa. Pelo grande volume de informações que aparecem na edição, os assuntos são tratados de forma superficial, mas sem que a informação principal deixe de ser prestada. Mesmo assim, uma mesma página pode conter 17 respostas, algumas com apenas uma linha, ou somente 10 palavras. E muitas destas, geralmente acrescentam dados às informações abordadas na seção. Mas, há páginas em que todas as questões são sobre assuntos diferentes um dos outros. A expressão que mais aparece na revista é “por que”. Parece aquela criança na fase de descobertas, que fica o tempo indagando.

    Cada uma das seções nesta edição tem ainda subdivisões, ou “categorias explicadas”. Nas oito páginas de Meio Ambiente as categorias são: “Animais”, “Clima”, “Geografia”, “Plantas” e “Geral”. Nas doze páginas de Ciência: “Biologia”, “Química”, “Física” e “Geral”. Nas dezesseis páginas de Tecnologia: “Informática”, “Eletrônica”, “Gadgets”, Engenharia”, “Comunicação”, “Doméstico”, “Entretenimento”, “ Medicina” e “Geral”. Nas sete páginas de Transporte: “Veículos Extraterrestres”, “Aéreo”, “Ferroviário”, “Estradas”, “Marítimos”, “Veículos do Futuro” e “Geral”. Nas dez páginas de Espaço: “Exploração”, “Sistema Solar”, “Universo”, “Astronomia” e “Geral”. Nas seis páginas de História: “Mundo Antigo”, Construções e Lugares”, “Indústrias”, “Invenções”, “Era Medieval”, “Pessoas e Locais”, “ Armas e Guerras” e “Geral”. Apesar desta subdivisão dentro de cada seção, não fica claro na leitura onde elas estão localizadas.

    Além dos temas principais tratados nesta edição, a revista ainda tem seções que abordam os assuntos mais recentes, onde se propõe a divulgar informações que mostrem os últimos acontecimentos da ciência, da tecnologia e do meio ambiente. É o caso da seção Olhar Global. Neste caso, o conhecimento ainda é hipotético, analítico, defendem-se argumentos já com alguma proposta concreta, mas ainda carente da extensa repetição da comprovação, e mais ainda, sem passar pela aceitação dos mercados a que se destinam.

    Ao final da revista oito páginas são dedicadas a uma seção de conhecimento variado respondendo a questões do leitor feitas por meio eletrônico. Nesta edição, as questões da seção Quero Saber são respondidas por cientistas do Museu de Ciência de Londres, da Universidade de Manchester e do Museu Natural de História, de Londres.

    Há ainda a seção Cartas, com a manifestação dos leitores, no caso desta edição todas feitas por mensagem eletrônica. Chamou a atenção a manifestação de uma leitora, Ivanir Calado, que alertou para erros na tradução da revista apontando que estas falhas são naturalmente “desagradáveis” em publicações comuns, e que seriam “totalmente imperdoáveis” em divulgações científicas. Um exemplo é a tradução “chips de silicone” para “silicon chips”, quando deveria ser “chips de silício”. A leitora descreve pensar em “um par de peitos cibernéticos”, e não no componente eletrônico. Ele pede um pouco mais de cuidado com a linguagem científica, que “é cheia de falsos cognatos que podem fazer tropeçar os profissionais mais bem intencionados”.

    Outra seção que sugere a realização de uma experiência caseira. A proposta é que o leitor conheça princípios científicos de forma prática e simples. Nesta edição o experimento é a construção de um ‘mergulhador cartesiano’ para o estudo de um princípio clássico proposto pelo cientista francês René Descartes e de Pascal. É tudo muito simples e pode ser feito com materiais encontrados na própria casa do leitor.

    A revista é concluída com a chamada do que será publicado na próxima edição.

    Estilo de linguagem: Apesar de se tratar de uma revista de divulgação científica, ela o faz em linguagem apropriada ao grande público leigo, com certeza, formado de curiosos em diversos graus de formação e estudo. A revista não é voltada para pessoas com conhecimento específico e mais aprofundado de questões científicas. Por não ser especializada trata com superficialidade os temas, numa demonstração de esforço para tornar popular, assuntos científicos variados, e transferir o conhecimento. É uma revista de generalidades e curiosidades. Como produto comercial cumpre a proposta de democratizar o conhecimento. Uma mente com algum grau de curiosidade não encontrará dificuldades em se interessar rapidamente pela leitura.

    A revista abusa de slogans para cada uma das seções, chegando a ter dois para a mesma: Quero Saber: Respostas para mentes curiosas; Quero Saber: Porque mentes curiosas querem saber; Olhar Global: O mundo incrível em que vivemos; Olhar Global: Um olhar novo sobre o mundo; Como Funciona: A revista que alimenta a sua mente.

    Além de um sumário geral no início da revista, cada seção tem seu próprio sumário com as subdivisões do tema abordado.

    Aspecto gráfico e artístico:

    A revista abusa de imagens e infográficos. Apesar do impacto que seu visual causa, ela não se torna desagradável e nem cansativa. Pelo contrário, as imagens ajudam muito a completar o texto e vice-versa. Em sua diagramação a revista ainda usa de diversos recursos de gráficos, menus, imagens e outras técnicas para dar a informação. Em todos os espaços da página tem um recurso gráfico ou textual. Os infográficos, usados de forma quase excessiva, dão visualidade a processos complexos do texto e nem sempre compreensíveis do leitor leigo no assunto.

    A revista dá a informação de forma sucinta e reduzida. Além disso, há outra técnica, que é a divisão do texto em tópicos, o que facilita ainda mais a redução do texto e possibilita uma diagramação onde o aspecto artístico se destaca.

    Francisco de Assis Bergamim

    23/04/2012 em 22:35

  7. Revista Mundo Estranho
    Aluna: Mirieli Coutinho – Código: 03509-034

    Aspectos Institucionais

    A revista Mundo Estranho pertence ao Grupo Abril, que foi fundado por Victor Civita, em 1950, emprega hoje mais de nove mil pessoas. A Editora Abril fornece informação, cultura, educação e entretenimento para praticamente todos os segmentos de público e atua de forma integrada em várias mídias.

    Site: http://www.grupoabril.com.br/institucional/sobre-abril.shtml tem um Vídeo Institucional do Grupo Abril.

    No site ainda encontra o código de conduta do Grupo Abril http://www.grupoabril.com.br/arquivo/codigodeconduta.pdf

    Missão
    A Abril está empenhada em contribuir para a difusão de informação, cultura e entretenimento para o progresso da educação, a melhoria da qualidade de vida, o desenvolvimento da livre iniciativa e o fortalecimento das instituições democráticas do país. (maio 1980)

    Valores
    Excelência, integridade, pioneirismo e valorização das pessoas.

    Princípios
    Competitividade, foco no cliente, rentabilidade e trabalho em equipe.

    Organograma da equipe – Revista Mundo Estranho

    Redação Mundo Estranho:
    Diretora: Patricia Hargreaves
    Editores: Marcel Nadale e Tiago Jokura (texto)
    Designers: Babi Brasileiro, Bernardo Borges e Diego Sanches
    Estagiários: Mariana Pires (texto), Paula Bustamante (desing)
    Atendimento ao leito: Adriana Meneghello
    Colaboradores: depende da edição.
    INTERNET – site
    Editor: Frederico Di Giacomo
    Repórteres: Mariana Nadai, Otávio Cohen
    Designer: Daniel Lazaroni, Juliana Moreira
    Webmaster: Bruno Xavier
    Estagiários: Carolina Vellei (texto), Lucas Otsuka (webmaster)
    Colaboração: Luiza Sahd

    Aspectos Comerciais

    A Mundo Estranho é a única revista para garotos do país. Irreverente, divertida e com uma linguagem visual forte, nasceu como um filhote da Superinteressante, especialmente voltada para aqueles leitores que queriam mais curiosidades. Com uma leitura rápida, clara e objetiva, tratando assuntos complexos de maneira simples e divertida, atraiu uma faixa de leitores mais jovens. Mundo Estranho instiga o adolescente que busca conhecimento geral, tornando-se uma ponte entre as revistas infantis e as adultas.

    Conheça através desse vídeo como a Revista Mundo Estranho faz para engajar sua audiência: http://www.youtube.com/watch?v=Ses2jr3p1iw&feature=player_embedded

    Mundo Estranho na Rede
    A ME tem vários canais de comunicação na internet, no site: http://www.mundoestranho.com.br uma equipe de cinco pessoas mantém o banco de dados mais curioso do mundo, com todas as perguntas respondidas pela revista desde 2002. Além disso, a ME tem comunidades no Orkut e no Facebook, além do perfil no Twitter. E todo mês rolam dois eventos em que a ME entra em contato direto com quem é louco por curiosidades: no chat, via MSN convidamos algumas pessoas para avaliar a revista. Via twitcam, dois representantes da redação batem um papo, em vídeo, com os leitores.

    Como é feita a Revista Mundo Estranho

    1- O primeiro passo é definir que matérias vão entrar na edição – e isso é feito com a ajuda dos leitores. Dentre milhares de perguntas e sugestões enviadas, algumas são escolhidas para publicação. Em seguida, rola uma divisão das matérias entre designers e editores.

    2- Cada pergunta é enviada para um repórter que, após consultar especialistas e livros, se reúne com designer e editor para discutir o formato da reportagem. Se escolhemos usar infográficos ou ilustrações complexas, o designer convida um ilustrador para participar de uma segunda reunião. O ilustrador envia rascunhos para aprovação de designer e editor antes de finalizar a ilustra.

    3- A edição das matérias começa com o editor recebendo o texto do repórter, checando informações e adaptando o estilo à linguagem da ME( Mundo Estranho). O texto editado é aplicado, pelo designer, em um arquivo com espaços bem definidos para ilustração e texto. O último passo é aplicar a arte-final. Enquanto rola a edição, a ilustração e o texto da capa são bolados sob aprovação da chefia.

    4- Nem só de jornalismo vive uma revista. Por isso, a ME oferece algumas páginas para anunciantes. O pessoal da publicidade faz contatos com agências e empresas interessadas em se comunicar com os seletos leitores estranhos.

    5- Com matérias editadas e espaços publicitários definidos, começa o fechamento. É hora de revisar os textos e numerar as páginas. Os arquivos com textos e ilustrações, diagramados no software InDesign, são transformados em formato PDF antes de ser enviados para a gráfica.

    6- Antes da impressão é preciso definir quantidade de páginas, tipo de papel, se vai entrar algum encarte – como este pôster – e prazo de lançamento. Também é preciso avaliar a expectativa de vendas pelo Brasil antes de definir a tiragem – número de exemplares – da edição.

    7- A revista chega aos leitores de todo o Brasil – e até de outros países – por correio. Para chegar às bancas, a ME viaja de caminhão, de avião e até de barco. Graças a um trabalho de fidelização e de captação de novos leitores, a ME já tem mais de 57 mil assinantes.

    8- Enquanto você se diverte lendo a ME, uma equipe de marketing trabalha para criar promoções e produtos para leitores – dando visibilidade à marca Mundo Estranho. Assim, a revista é apresentada a novos leitores e a parceiros comerciais e publicitários.

    9- Para tudo funcionar, só com muita organização: desde o cadastro e lançamento de pagamentos para repórteres e ilustradores – que não trabalham dentro da redação – até o momento de ler e responder mensagens de leitores com sugestões e críticas à revista.

    Circulação Atual
    Tiragem: 138.376
    Assinaturas: 63.941
    Avulsas: 39.805
    Circulação Líquida: 103.746
    Fonte: IVC dez/11
    Total de Leitores: 471.838
    Fonte: Projeção Brasil de Leitores consolidado 2011

    Circulação Média
    Assinaturas Média: 63.362
    Avulsas Média: 51.491
    Circulação Líquida Média: 114.853
    Fonte: IVC jan-dez 2011

    Informações Adicionais
    Capa: Couchê A 130g
    Miolo: SCA 52glo
    Formato Final: 202×266 mm
    Lombada: Canoa
    Periodicidade: Mensal
    Preço de Capa: R$ 9.95

    Aspectos Editoriais

    O intuito da revista Mundo Estranho da Abril, a qual visa dar um maior conhecimento a seus leitores, mas de uma forma bem divertida e informal, onde são feitas curiosidades muito peculiares, para aquelas pessoas que procuram ter um conhecimento maior, só que sobre fatos curiosos, engraçados e bizarros, assim fazendo se valer e muito tal revista.

    De acordo com a Diretora da Redação Patrícia Hargreaves a revista não tem fronteiras geográficas e nem temáticas. Falam sobre tudo: ciência, cultura, bizarrice, crimes, geografica, história, etc.

    Ela conta ainda que os processos de pauta e edição de conteúdo são entre 70 e 80% de perguntas de leitores. “As questões são selecionadas de acordo com o que temos, precisamos focar numa edição, elas são selecionadas a partir da escolha do tema da reportagem de capa. Imagine assim, é como se a reportagem de capa fosse a parte principal do recheio de um sanduíche: hot dog, carne, frango, atum, tudo que entra na edição é definido a partir dele, são os acompanhamentos: matéria secundária (o pão), seções (alface, tomate, maionese, ketchup, mostarda, batata)”, revela.

    A diretora da redação explica como funciona a política de revisão dos textos por especialistas. “Ouvimos os especialistas antes de escrevermos e desenharmos. Raramente, em casos bastante específicos, mostramos as páginas para evitarmos erros. Mas repito que isto é raríssimo e dificilmnte uma matéria sai da redação”, explica Patrícia.

    Ela finaliza contando sobre os modos de interação com o público. “Temos avaliações mensais com leitores selecionados via MSN, uma vez por mês temos uma twitcam com dois membros da equipe, direto da redação. E recebemos e-mails e SMS de leitores”.

    De acordo com a revista ME há prática de Cross mídia com o site nãosalvo.com.br e com a rede elemidia.

    Estrutura Editorial:

    – Seções

    Cinema & TV: Os lançamentos mais recentes da indústria do entretenimento nas telas.

    Contando Ninguém Acredita: Uma das seções de maior sucesso da revista, conta pequenos causos bizarros do mundo inteiro.

    Debate que eu gosto: Os argumentos dos dois lados a respeito de um tema polêmico.

    Duelo: Uma disputa que pode ser entre duas pessoas, situações, personagens, eventos – só uma sai vencedora.

    Games: Notícias e dicas do mundo dos games.

    Mapa Estranho: Mapas que mostram lugares imaginários.

    Perguntas e Respostas: Perguntas e Respostas sobre os mais diversos temas.

    Retrato Falado: Perfil de bandidos que surgiram ao longo da história.

    Tech: As novidades tecnológicas.

    The book is on the table: Os últimos lançamentos da literatura e dos quadrinhos.

    Top 10: Ranking inéditos com temas curioso.

    – Canais
    Alimentação, Ambiente, Ciência, Cinema & TV, Cotidiano, Cultura, Esporte, Geografia, História, Mundo Animal, Religião, Saúde e Tecnologia.

    OBS: O TRABALHO FOI ENTREGUE IMPRESSO TAMBÉM.

    Mirieli Coutinho

    23/04/2012 em 23:21

  8. SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL
    Uma análise do veículo de divulgação científica
    Aluno: Felipe Turioni Martins
    Código: 03509-037
    4º ano de Comunicação Social – Jornalismo
    Prof. Dr. Francisco Rolfsen Belda?
    Disciplina: Jornalismo Científico
    Introdução
    Este trabalho propõe-se a analisar a revista SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL, como veículo de divulgação científica e pretende mostrar os aspectos da publicação em relação à linha editorial, além dos aspectos institucionais e comerciais do produto.

    1. Aspectos institucionais
    SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL é uma publicação mensal da Ediouro Duetto Editorial Ltda, sob licença da tradicional SCIENTIFIC AMERICAN INC.
    A versão brasileira da quase bicentenária revista norte-americana completa 10 anos em junho de 2012. A edição analisada para este trabalho é a de numero 119, de abril de 2012.
    No Brasil, a revista é publicada pela Duetto Editorial, uma vertente para o mercado de revistas da editora de livros Ediouro.
    Organizada em três grupos de publicações – Conhecimento, Estilo e Viagem -, a Duetto edita hoje:

    Grupo Conhecimento
    Scientific American Brasil
    Scientific American Brasil – Especiais Temáticos
    Scientific American Brasil – Gênios da Ciência
    Scientific American Brasil – História da Ciência
    Scientific American Brasil – Ciência e Saúde
    DVD Hubble
    CD-ROM 2 anos de Scientific American Brasil
    DVD Exploração do Espaço
    DVD Scientific American 5 anos
    DVD Planetário
    DVD Evolução
    Scientific American Brasil – A Ciência na Cozinha
    Scientific American Brasil – Matemática
    Scientific American Brasil – Anuário de Astronomia
    Scientific American Brasil – Atlas Digital Corpo Humano
    Scientific American Brasil – Amazônia
    Scientific American Brasil – DVD Evolução
    Scientific American Brasil – DVD O Universo Elegante
    Scientific American Brasil – Oceanos
    Scientific American Brasil – A História do Telescópio
    Scientific American Brasil – 100 Anos do Prêmio Nobel
    Mente & Cérebro e suas edições especiais
    História Viva e suas edições especiais
    Conhecer

    Grupo Estilo
    Cabelos & Cia.
    Estetica ModaCabelo

    Grupo Viagem
    Lonely Planet

    A Duetto possui atualmente um quadro de 90 profissionais, escritórios em São Paulo e Rio de Janeiro. É filiada à ANER – Associação Nacional dos Editores de Revistas e à MPA – Magazine Publishers of America. Todas as suas revistas têm circulação auditada pelo IVC – Instituto Verificador de Circulação.

    Como parte integrante do Grupo Conhecimento, a revista SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL é dirigida por Janir Hollanda, e conta atualmente com uma equipe de 11 profissionais.

    Redação SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL:

    Editor-Chefe
    Ulisses Capozzoli
    Assistente de Edição
    Débora Queiroz dos Santos

    Editora de Arte
    Simone Oliveira Vieira
    Assistentes de Arte
    Ana Salles
    João Marcelo Simão

    Pesquisa Iconográfica
    Pesquisadora
    Gabriela Farcetta

    Estagiária
    Denise Martins

    Núcleo Multimídia (www.sciam.com.br)
    Diretora
    Mariana Monné
    Web Designer
    Rafael Gushiken
    Redatora Web
    Fernanda Figueiredo
    Coordenadora de Vendas Web
    Michele Lima

    É possível notar que a SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL possui um quadro jornalístico reduzido, possuindo apenas chefes e editores de área, além de um pesquisador e uma estagiária. Boa parte do conteúdo da versão brasileira da revista é traduzido da SCIENTIFIC AMERICAN norte-americana, incluindo textos de colaboradores internacionais e de repórteres, redatores e editores próprios da versão original. Uma pequena parte da edição brasileira é exclusiva e conta com artigos de colaboradores nacionais, além de textos do editor-chefe da revista, Ulisse Copozzoli, e uma seção própria – “Céu do mês”. Há espaço de um mês entre a publicação do conteúdo original e o traduzido. A capa da revista do mês de abril da SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL é a reprodução da SCIENTIFIC AMERICAN de março.

    2. Aspectos comerciais
    Vendida em bancas e também por assinaturas, a SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL tem tiragem mensal de 36.100 exemplares, vendidos no Brasil e em Portugal aos preços de R$ 11,90 e € 4,90, respectivamente. O valor da assinatura anual da revista, com as edições especiais é R$ 203. Também é possível adquirir a versão digital da revista para tablets, por US$ 2,99.

    Em 2012, a SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL terá 18 edições ao longo do ano, entre mensais e especiais. De acordo com o blog da revista (www.blogdasciam.blog.uol.com.br), a SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL vem batendo recorde nas bancas em 2012.

    “O volume 46, primeiro das duas edições especiais dedicadas ao tempo, está batendo recorde de venda entre todas as edições da série especial e isso também deverá ocorrer com a edição 47, segundo avaliação do departamento de distribuição da Duetto Editorial.

    A edição mensal 118 de Scientific American Brasil relativa ao mês de março passado, com capa dedicada ao “universo quântico” também atingiu a maior venda em bancas dos últimos anos com percentual de quase 50% em bancas, sem contar assinaturas.

    Já a edição especial 46, dedicada ao tempo, está próxima de 53% das vendas em bancas, também sem incluir as vendas por assinatura.”

    Ao folhear a edição analisada para este trabalho (Abril 2012), foram encontradas 7 áreas ocupadas com publicidade, a maioria de uma página, além do miolo (calhau) e uma meia página. Entre os anunciantes, livros de outras editoras, um simpósio de divulgação científica, uma campanha de um site e de uma empresa de tecnologia, direcionada ao perfil do leitor da revista.

    O valor dos anúncios varia de R$ 15 mil a R$ 62,5 mil. Se somada as páginas vendidas, excluindo o calhau, a edição de abril faturou R$ 164 mil com publicidade.

    (ver tabela de preços)

    3. Aspectos editoriais
    Baseada em uma tradição quase bicentenária, a SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL mantém os aspectos editoriais da revista original, “acompanhando passo a passo o progresso da ciência e da tecnologia, noticiando as últimas invenções, apontando novas tendências e prevendo futuros desenvolvimentos.”

    A maior parte do conteúdo é produzida por colaboradores de diversas áreas. Na edição analisada, é possível encontrar artigos de especialistas em neurociência, astrofísica, paleontologia, sustentabilidade, medicina e biotecnologia.

    Os textos apresentam narrativas de pesquisas dos próprios especialistas, em linguagem próxima do leitor. Um dos recursos mais utilizados é a narração em primeira pessoa para relatar os estudos. “Nos últimos anos, nós dois e nossos colegas chegamos a suspeitos muito intrigantes, que parecem mais ativos no cérebro que em outros tecidos”, escreveram os neurocientistas Fred H. Cage e Alysson R. Muotri na matéria de capa, “O que torna o cérebro singular”, sobre “genes saltadores” que movimentam-se em neurônios e alteram seu funcionamento. Para exemplificar o assunto, os pesquisadores utilizaram um caso de gêmeos, que mesmo idênticos conseguem manter personalidades diferentes. O recurso permite uma fluidez na leitura.

    Uma característica comum nas páginas da revista são as referências aos autores dos textos. Além da assinatura embaixo do título, a página inicial de cada matéria possui um box com o histórico acadêmico do autor, dando maior credibilidade ao que foi escrito.

    Mas não é apenas a confiança na fonte que faz um texto ser publicado na SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL ou na original norte-americana. Uma análise editorial criteriosa garante a publicação dos estudos. Por isso, o editor-chefe precisa ser experiente na área da divulgação científica, mesmo sabendo que está sujeito a equívocos, como curiosamente ocorreu na edição sob análise neste trabalho.

    Na seção “Avanços” um artigo de uma pesquisadora brasileira foi publicado e causou polêmica, merecendo retratação do editor-chefe da revista brasileira, Ulisses Capazzoli, no blog da SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL.

    Jornalista especializado em divulgação de Ciência e mestre e doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP), Capazzoli foi obrigado a se render aos argumentos dos críticos que contrariaram sua decisão em publicar o artigo “A Eficiência Questionada da Homeopatia”, da bióloga Nina Ximenes, da Universidade Federal de Viçosa.

    No blog, o editor-chefe confirmou que cometeu um erro de avaliação ao publicar o artigo sobre algo que não seria considerado ciência, levantando o debate sobre o assunto. “Atropelei o conteúdo conceitual: Scientific American, refletindo talvez a maioria das opiniões no meio científico, entende que homeopatia não é ciência”, escreveu.
    Ainda no texto, Capazzoli explica porque publicou o artigo. “O fato de se tratar de uma universidade de prestígio na área agrícola e de o curso ter patrocínio da principal agência de financiamento à pesquisa científica no Brasil, o CNPq, fizeram com que eu aceitasse e publicasse a nota produzida por uma colaboradora, bióloga, que fez o curso de 10 meses na UFV. Esse foi o meu erro de avaliação.”

    A retratação fez com que deixasse clara a relação estreita da revista com o ambiente científico, e a importância que o veículo possui no meio.

    Além de artigo de colaboradores do meio acadêmico e científico, as edições mantém uma espécie de cross-media, por contar com a participação de articulistas de outros meios de comunicação, como o jornalista de tecnologia David Pogue, do jornal The New York Times. Pogue e sua coluna de tecnologia fazem parte do quadro fixo de artigos, que conta ainda com Donald Q. Lamb, da Universidade de Chicago, e Deborah Franklin, do NY Times e das revistas Fortune e Health Magazine, além do editor-chefe, Ulisses Capazzoli.

    Outras seções fixas são: “Ponto de Vista”, uma espécie de editorial; “Cartas”, com a participação dos leitores por e-mail; “50, 100 & 150 Anos de Memória”, com compilações do que foi destaque na SCIENTIFIC AMERICAN no mesmo mês de anos atrás; “Avanços”, com novidades e conquistas da ciência, tecnologia e medicina; “Ciência em Pauta”, com opiniões e análises do conselho editorial da revista, e uma área com entrevista em formato pingue-pongue.

    Referências:

    Revista Scientific American Brasil, Duetto (Abril 2012)

    Blog da Scientific American Brasil

    Felipe Turioni

    24/04/2012 em 1:11

  9. A atividade entregue para avaliação do 1° bimestre foi a análise da Revista UnespCiência de março de 2012, ano 3, número 28 e pertence a UNESP- Universidade Estadual Paulista.

    Referências:

    Revista UNESPCiencia, ano 3, edição 28 – Editora Unesp Fundação.

    http://www.editoraunesp.com.br

    http://www.unesp.br/revista

    andreza palanca

    24/04/2012 em 9:11

  10. Veículo a ser analisado: Revista Galileu

    Introdução:

    O exercício da disciplina Jornalismo Científico:

    Para realizar um trabalho da disciplina usei com base uma publicação no ramo da ciência a Revista analisada em questão foi a Revista Galileu que abrange conhecimento e informação para o seu leitor. Mas o conhecimento da Revista mostra uma maneira diferente no seu conteúdo com isso faz com que o aluno/leitor e explica como é feita, realizada e ou produzida uma publicação.
    A Revista Galileu abrange além de divulgação científica no seu site ouve uma transformação com inclusão de matérias e infográficos e vídeos diferenciados.

    revistagalileu.globo.com/

    1. Aspectos institucionais:

    A Revista Galileu pertence ao grupo da Editora Globo.
    Uma empresa do aglomerado de empresa e de Organizações Globo que inclui TVs, rádios, jornais, sites, gravadora, internet, GLOBOSAT, Infoglobo sua sede da editoria Globo é no Rio de Janeiro. A Revista Globo Ciência foi criada em 1991 mais o nome foi mudado por uma estratégia de marketing e com isso passou a ser chamada “Revista Galileu”.
    A sua missão é selecionar e traduzir e evolver com suas ideias inovadoras que estão mudando o mundo. No campo da ciência e tecnologia apresenta ao seu leitor qualidade e varias história empolgante.
    A revista tem divisões para cada área especifica da empresa, possuindo mais ou menos 106 pessoas trabalhando em vários setores:
    Com a Diretoria editorial Diretor de Redação, Diretor de Arte Redatora Chefe, Editores, Editor Assistente, Gerente Coordenador, Desenvolvedores, Pesquisa, Publicidade, Diretoria de Publicidade etc.
    No total são 13 pessoas que trabalham na revista nos setores de jornalismo são: três repórteres e um estagiário e colaboradores.

    2. Aspectos comerciais:

    A divulgação da Revista Galileu em aspectos comerciais abrangem leitores que apreciam a ciência e que querem conhecimentos nessa área específica. Sua publicidade adota com questão de meio ambiente, matéria tecnologias fazendo o leitor ter mais informação nesse contexto.
    As sua distribuição nas bancas de jornal a Revista Galileu custa R$9,90, mas a sua publicidade é focalizada na ideia de ter cada vez mais cliente buscando alternativas com projetos customizados para cada cliente. A revista tem versões para compra on-line e assinatura por telefone.

    3. Aspectos editoriais:

    A revista Galileu passou por uma transformação em 2004 o seu layout e as sua matéria foram produzidas de maneira diferente de como era passada para o seu leitor a revista passou a concentrar mais na maneira de informar em menos espaço.
    Os usos frequentem fotos de infográficos para mostra e facilitar a compreensão do seu leitor e com isso o seu entendimento com as matérias empolgantes e história que são discutidas e abordadas nas suas páginas e no seu conteúdo.
    A linguagem da revista Galileu mostra uma maneira diferente no seu conteúdo facilitando as informações e conhecimento para o seu leitor.
    Eu tentei por duas semanas entrevistar o Diretor de redação: Emiliano Urbim, mas fiquei sem resposta da Revista Galileu, peço desculpas por não ter conseguido mais informação nos aspectos editorias da Revista.

    Francisléia Regina de Favere

    24/04/2012 em 12:46

  11. Tamiris Marchi Bunhola
    Código: 03509-049
    4º ano de Comunicação Social – Jornalismo
    Prof. Francisco Belda
    Disciplina: Jornalismo Científico
    Análise de veículo de divulgação científica.
    Veículo a ser analisado: Super Interessante.
    Periodicidade: Mensal.
    Aspectos institucionais:
    Veículo analisado trata-se da revista de divulgação científica que pertence ao grupo Abril. A super Interessante possui a versão impressa e online, sediada em São Paulo, a Abril possui publicações dos mais diversos cunhos jornalísticos.
    Segue o site da revista:
    http://super.abril.com.br/home/
    Expediente
    EDITORA ABRIL
    Fundador: VICTOR CIVITA
    (1907-1990)
    Editor: Roberto Civita
    Conselho Editorial: Roberto Civita (Presidente), Thomaz Souto Corrêa (Vice-Presidente), Elda Müller, Fábio Colletti Barbosa, Giancarlo Civita, Jairo Mendes Leal, José Roberto Guzzo, Victor Civita
    Presidente Executivo Abril Mídia: Jairo Mendes Leal
    Diretor de Assinaturas: Fernando Costa
    Diretor Geral Digital: Manoel Lemos
    Diretor Financeiro e Administrativo: Fabio Petrossi Gallo
    Diretora Geral de Publicidade: Thais Chede Soares
    Diretor de Planejamento Estratégico e Novos Negócios: Daniel de Andrade Gomes
    Diretora de Recursos Humanos: Paula Traldi
    Diretor de Serviços Editoriais: Alfredo Ogawa
    Diretora Superintendente: Claudia Giudice
    Diretor de Núcleo: Dimas Mietto
    SUPER INTERESSANTE
    INTERNET NÚCLEO JOVEM & INFANTIL
    Editor: Frederico Di Giacomo
    Editora-Assistente: Mariana Nadai
    Repórteres: Ana Prado, Ludmilla Balduino e Otavio Cohen

    Designer: Daniel Lazaroni Apolinario, Juliana Moreira e Laura Rittmeister
    Webmasters: Bruno Xavier e Thiago Moura
    Estagiários: Carolina Vellei, Carolina Vilaverde (texto) e Lucas Otsuka (webmaster)
    Colaboração: Lorena Dana (redes sociais)
    Diretor de Redação: Sérgio Gwercman
    Editores: Alexandre Versignassi, Bruno Garattoni, Felipe Van Deursen, Mariana Caetano, Larissa Santana
    Repórter: Karin Hueck
    Editora de Arte: Renata Steffen
    Designers: Jorge Oliveira e Rafael Quick
    Estagiário: Raphael Galassi
    Atendimento ao Leitor: Adriana Meneghello
    Coordenadora Administrativa: Giselda Gala
    Coordenadora Assistente de Redação: Ivete Lobato
    CTI – UN ll: Alvaro Zeni (supervisor), André Hauly, Edvânia Silva, Erika Nakamura, Juarez Macedo, Leandro Marcinari, Zeca França, Leo Ferreira, Regina Sano e Vanessa Dalberto
    PUBLICIDADE CENTRALIZADA
    Diretores: Ana Paula Teixeira, Marcia Soter, Robson Monte
    Executivos de Negócios: Ana Paula Viegas, Caio Souza, Camilla Dell, Camila Folhas, Carla Andrade, Claudia Galdino, Cleide Gomes, Cristiano Persona, Daniela Serafim, Eliane Pinho, Emiliano Hansenn, Fabio Santos, Marcello Almeida, Marcelo Cavalheiro, Marcio Bezerra, Maria Lucia Strotbek, Marcus Vinicius, Nilo Bastos, Regina Maurano, Renata Miolli, Rodrigo Toledo, Selma Costa, Susana Vieira, Tatiana Mendes
    PUBLICIDADE DIGITAL
    Diretor: André Almeida
    Gerente: Virginia Any
    Gerente de Estratégia Comercial: Alexandra Mendonça
    Executivos de Negócios: André Bortolai, André Machado, Caio Moreira, Camila Barcellos, Carolina Lopes, Cinthia Curty, David Padula, Elaine Collaço, Fabíola Granja, Flavia Kannebley, Gabriel Souto, Guilherme Bruno de Luca, Guilherme Oliveira, Herbert Fernandes, Juliana Vicedomini, Luciana Menezes, Rafael de Camargo Moreira, Renata Carvalho, Renata Simões
    PUBLICIDADE REGIONAL
    Diretores: Marcos Peregrina Gomez, Paulo Renato Simões
    Gerentes: Andrea Veiga, Cristiano Rygaard, Edson Melo, Francisco Barbeiro Neto, Ivan Rizental, João Paulo Pizarro, Mauro Sannazzaro, Ricardo Mariani, Sonia Paula, Vania Passolongo
    Executivos de Negócios: Ana Carolina Cassano, Adriano Freire, Ailze Cunha, Beatriz Ottino, Camila Jardim, Caroline Platilha, Catarina Lopes, Celia Pyramo, Clea Chies, Daniel Empinotti, Henri Marques, Ítalo Raimundo, José Castilho, Josi Lopes, Juliana Erthal, Juliane Ribeiro, Julio Tortorello, Leda Costa, Luana Issa, Luciene Lima, Pamela Berri Manica, Paola Dornelles, Ricardo Menin, Samara Sampaio de O. Reijnders
    PUBLICIDADE SÃO PAULO
    Diretor: Alberto Simões de Faria

    Gerentes: Sandra Fernandes
    Executivos de Negócios: Alessandra Calissi, Analucia Bertola, David Padula, Eduardo Chedid, Fernanda Melo, Flavia Magalhães, Juliana Compagnoni, Karine Grigório, Leila Raso, Luis Fernando Lopes, Mara Marques, Paulo Trindade, Reinaldo Murino, Roberta Maneiro, Samarah Almeida, Shirlene Pinheiro, Soraya Coen, Thaira Ferro
    Assistente: Miriam Moya Manzano
    DESENVOLVIMENTO COMERCIAL
    Diretor: Jacques Baisi Ricardo
    INTEGRAÇÃO COMERCIAL
    Diretor: Sandra Sampaio
    MARKETING E CIRCULAÇÃO
    Diretora de Marketing: Louise Faleiros
    Gerente de Marketing: Angelica Garcia
    Gerente de Núcleo: Edson Bottura
    Analista: Thays Panizza, Tales Esparta
    Gerente de Eventos: Mônica Romano
    Analistas: Adriana Paolini, Mariana Perri
    Estagiária: Mayra Banci
    Gerente Marketing Publicitário: Cezar Almeida
    Analista: Paulo Victor Gouvêa
    Estagiária: Maria Fernanda Zanuto
    Gerente de Circulação Avulsas: Magali Superbi
    Gerente de Circulação Assinaturas: Juarez Ferreira

    Presidente do Conselho de Administração: Roberto Civita (Presidente), Giancarlo Civita (Vice-Presidente), Esmaré Weideman, Hein Brand, Victor Civita
    Presidente Executivo: Fábio Colletti Barbosa
    http://www.abril.com.br
    Aspectos comerciais
    A revista super interessante tem várias propagandas como: Caixa, Heineken, Dove, Lg, Sky e Faber Castell. (Revista Analisada Março de 2012, Edição 302, Tiragem 413.564 exemplares. Capa: Foto Dulla. Produção: Andrea Vilas Boas. Maquiagem: Renato Vermont. Objetos: Tatuapé Garden, Adji, Levi’s).
    Essa revista a cada edição ela traz novas curiosidades, mátérias, informações que surpreende o leitor e cada vez mais atrai públicos de toda idade e a inúmeros gostos chamando assim a atenção de pessoas que têm interesse em publicações científicas mas, não só a isso e sim a outros tipos de informações. A Super aborda assuntos do tipo: Ciência, Curiosidades, Cultura, Tecnologia, Comportamento, História, Atualidades e Saúde.
    Obtive algumas informações trocando email com a Adriana Meneghello, ela é da redação e fica responsável pelos email que os leitores mandam. Segue o email: superleitor.abril@atleitor.com.br
    Adriana me passou um site http://www.publiabril.com.br/marcas/superinteressante/revista/informacoes-gerais com um vídeo que era da seguinte maneira:
    VÍDEO: ARTE DE ENGAJAR AUDIÊNCIA. (Uma tradução do Vídeo):
    “Mensalmente nossas publicações chegam nas mãos de 505.235 pessoas. 22 vezes a média mensal de vendas do livro “O Alquimista”.
    2 milhões e 500 mil pessoas acessam nossos sites por mês. O dobro de pessoas que viram pela net o show do Paul no Rio em 2011.
    537 mil pessoas interagem com nossas marcas nas redes sociais. O dobro de perfis criados por dia no twitter.
    45 mil pessoas fizeram dowload de nossos aplicativos para Ipad. 37 vezes o número de Japoneses na fila pelo 1º Ipad.
    Nosso negócio é engajar pessoas. Dúvida¿ Olha o que a gente faz em 24 horas. 1000 pessoas passam a seguir a Super.
    4 mil estudantes pedem a opinião dos amigos sobre teste do (Guia do Estudante).
    250 jovens conversam com a (Mundo Estranho) pela twitcam.
    1047 pessoas jogam um (Newsgame) da Super.
    964 pessoas recomendam no twitter cada matéria da Super.
    712 pessoas fazem dowload dos aplicativos para Ipad.”

    Depois da Adriana ter me passado este site com o vídeo pedi outro contato para mais algumas informações e ela me passou o contato do Diretor de Redação, Sérgio Gwercman. Liguei na redação e consegui falar com ele e fiz as seguintes questões.
    O número de funcionários e jornalistas. Número de Funcionários que trabalha com ele, são 11 e 6 são jornalistas. Os formatos publicitários são páginas simples com as propagandas e páginas duplas também são usadas. Depende de cada propaganda e de cada edição e informações que serão colocadas na revista. A super interessante não tem o apoio cultural. As vendas de publicidade são: Digital, Regional e em São Paulo. Consegui por telefone só essas informações básicas pois foi um pouco complicado conseguir mais contatos e outros dados.

    Aspectos Editoriais
    A revista tem um site com altas informações, dinâmica, bem-humorada. Aborda grande diversidade de assuntos. Tudo de um modo simples, claro, ilustrado e divertido para todo o público. Uma revista para a leitura e pesquisa.
    O modo de interação com o público é bem acessível tanto impresso quanto online. Os critérios de atribuição de interesse aos temas de destaque é que dependendo do assunto que eles tem esse assunto é colocado na capa da revista como uma matéria principal e com conhecimentos bastante complexos e com argumentos, citações de cientistas, pesquisadores, psiquiatras, psicólogos, professores ou seja, uma porção de profissionais bem qualificados que são usados como fontes de matérias para ter uma alta qualidade de informação agradando assim o leitor.
    A Super é vendida em bancas, livrarias, contém assinantes nacionais e internacionais.
    Gráficos, ilustrações, fotos compõe a revista. Variados temas com uma linguagem simples, com um bom entendimento para todo o público.
    No site encontra-se outras diferentes revistas da Super Interessante como essa abaixo. E algumas promoções também. (Uma pequena amostra do que você pode encontrar no site)
    ESPECIAIS SUPER. (SUPER INTERESSANTE)
    Intrigantes, fascinantes, imperdíveis. As edições de Especiais Superinteressante vêm com todas as respostas que você sempre quis saber e muitas outras que sequer tinha pensado em perguntar. São 12 edições por ano para você matar sua sede de conhecimento com os temas mais relevantes da atualidade e toda qualidade da Superinteressante.
    Você assina as especiais super 2012 e ganha a coleção mitologia 3 volumes com as histórias da mitologia grega.

    Bibliografia: Site Revista Super Interessante, A Revista Super Interessante, Site Editora Abril, Contato por email com Adriana Meneghello e contato por telefone com Sérgio Gwercman (Diretor de Redação).

    Tamiris Marchi Bunhola

    24/04/2012 em 13:19

  12. Rodrigo Peronti Rodrigues
    Código: 03509-023
    4º ano de Comunicação Social – jornalismo
    Disciplina: Jornalismo Científico – Prof. Francisco Belda
    Análise de veículo de divulgação científica: Jornal da USP
    Introdução

    Este trabalho objetiva a análise do Jornal da USP, um dos maiores veículos de divulgação científica do país. A análise fica divida em: Aspectos Institucionais, Aspectos Comerciais e Aspectos Editoriais.

    O Jornal da USP surgiu em 1985, possui 20 páginas e tem tiragem semanal de 20 mil exemplares, que são distribuídos, principalmente, para a comunidade interna de todos os Campi da Universidade de São Paulo espalhados pelo estado, mas também atingi a comunidade externa, levando conhecimento científico e divulgando as pesquisas produzidas dentro da USP para todo o país.

    Aspectos Institucionais

    O Jornal da USP é administrado pela Coordenadoria de Comunicação Social da USP, também responsável por comandar a Assessoria de Imprensa geral da Universidade, a Revista USP, a Revista Espaço Aberto, o Portal e a Agência de Notícias, além da Rádio USP FM e da TV USP.

    A Redação do Jornal da USP está localizada fora do Campus da USP, mas continua na cidade de São Paulo, não existindo sucursais. Porém, todas as Assessorias de Comunicação das Unidades da Universidade, espalhadas pelo Estado, fornecem matérias e pautas para serem veiculadas no Jornal.

    A USP possui campus nas seguintes cidades:

    -São Paulo
    -São Carlos
    -Bauru
    -Lorena
    -Piracicaba
    -Pirassununga
    -Ribeirão Preto
    -São Sebastião

    São 48 Unidades de pesquisa divididas nas áreas de exatas, humanas e biológicas. Cada unidade tem sua contribuição para o Jornal da USP.

    Atualmente, o Jornal possui 20 profissionais (fora membros da Coordenadoria de Comunicação Social e da Reitoria da USP) que atuam na Edição e na Reportagem das matérias, sendo que os Editores são: Jorge Maruta (Fotografia), Moisés Dorado dos Santos (Arte), Roberto C. G. Castro (texto) e Cinderela Caldeira (online). As editorias do Jornal estão divididas em:

    -Ciência
    -Comunidade
    -Cultura
    -Interligado
    -Internacional
    -Nacional
    -Especial
    -Opinião

    Aspectos comerciais

    Segundo Roberto Castro, editor de texto do Jornal da USP, a linha editorial possui quatro aspectos principais:

    a) Debate sobre as principais questões nacionais e internacionais, sempre do ponto de vista dos professores da USP;
    b) Divulgação de pesquisas feitas na USP;
    c) Agenda cultural, com as principais atrações culturais da USP e da cidade de São Paulo na semana;
    d) Divulgação de ações administrativas que tenham reflexo na vida da comunidade acadêmica.

    “O público-alvo são professores, funcionários e estudantes da USP. O jornal é enviado para instituições fora da USP, como a Assembleia Legislativa e o Congresso Nacional. Além disso, ele chegar à sociedade em geral porque é levado daqui pelos estudantes. Assim, ele chega aos meios de comunicação e a outros setores”, explica Castro.

    Dessa forma, o Jornal passa a se tornar fonte de pauta para as mídias do país e do mundo, principalmente através da divulgação online, pelo site: http://espaber.uspnet.usp.br/jorusp/, que apresenta algumas das principais matérias da edição impressa, mas de forma resumida.

    Na editoria Especial, de outubro do ano passado (2011), o Jornal da USP foi considerado o mais antigo veículo de divulgação científica do país, além de também levar o título de mais importante meio de comunicação na mesma área. “Considero importantíssimo o trabalho de divulgação científica realizado pelo Jornal da USP, na medida em que permite que a sociedade tenha conhecimento do que é realizado pela Universidade”, ressalta Castro.

    Assim, o Jornal se torna também um meio de prestação de contas da universidade pública para a população, mostrando onde está sendo empregada a verba e importância dos investimentos na área acadêmica, principalmente para a preservação da cultura, melhora da saúde, na infraestrutura social e nas relações interpessoais dentro da comunidade.

    Aspectos Editoriais

    O Jornal da USP tem suas divisões por editorias como já foi citado acima, cada uma delas conta com o apoio das unidades do interior e da capital para agregar conteúdo e difundir o conhecimento gerado e pesquisado por todos os campi da Universidade.

    “Alguns campi e unidades que têm assessoria de imprensa enviam material para o jornal. Esse material é divulgado nas páginas do Jornal da USP, desde que inserido na linha editorial do jornal. A pauta é feita pelos editores, que escolhem os assuntos a serem abordados de acordo com a linha editorial do e com o interesse do público-alvo”, explica Roberto Castro.

    O editor ainda conta que a abrangência do Jornal está focalizada no público da capital paulista, principalmente nos aspectos culturais. Mas as divulgações científicas não se restringem à capital, sendo amplamente comentadas por diversas mídias de todo o Estado e do próprio país.

    Porém, o conhecimento nacional é difundido principalmente através do site do Jornal da USP, já que a versão impressa é distribuída apenas dentro dos Campi de são Paulo. Quando um exemplar impresso chega a outro Estado, provavelmente foi levado por algum estudante, funcionário ou docente.

    Todos os temas são relevantes, mas a importância maior é dada para aqueles que têm aplicação direta na sociedade, ou que fazem ligação com fatos e problemas da vida do cidadão comum, afinal, a universidade e as pesquisas científicas objetivam a otimização da vida em comunidade, buscando respostas e soluções para dúvidas e problemas humanos.

  13. Tamiris Marchi Bunhola
    Código: 03509-049
    4º ano de Comunicação Social – Jornalismo
    Prof. Francisco Belda
    Disciplina: Jornalismo Científico
    Análise de veículo de divulgação científica.
    Veículo a ser analisado: Super Interessante.
    Periodicidade: Mensal.
    Aspectos institucionais:
    Veículo analisado trata-se da revista de divulgação científica que pertence ao grupo Abril. A super Interessante possui a versão impressa e online, sediada em São Paulo, a Abril possui publicações dos mais diversos cunhos jornalísticos.
    Segue o site da revista:
    http://super.abril.com.br/home/
    Expediente
    EDITORA ABRIL
    Fundador: VICTOR CIVITA
    (1907-1990)
    Editor: Roberto Civita
    Conselho Editorial: Roberto Civita (Presidente), Thomaz Souto Corrêa (Vice-Presidente), Elda Müller, Fábio Colletti Barbosa, Giancarlo Civita, Jairo Mendes Leal, José Roberto Guzzo, Victor Civita
    Presidente Executivo Abril Mídia: Jairo Mendes Leal
    Diretor de Assinaturas: Fernando Costa
    Diretor Geral Digital: Manoel Lemos
    Diretor Financeiro e Administrativo: Fabio Petrossi Gallo
    Diretora Geral de Publicidade: Thais Chede Soares
    Diretor de Planejamento Estratégico e Novos Negócios: Daniel de Andrade Gomes
    Diretora de Recursos Humanos: Paula Traldi
    Diretor de Serviços Editoriais: Alfredo Ogawa
    Diretora Superintendente: Claudia Giudice
    Diretor de Núcleo: Dimas Mietto
    SUPER INTERESSANTE
    INTERNET NÚCLEO JOVEM & INFANTIL
    Editor: Frederico Di Giacomo
    Editora-Assistente: Mariana Nadai
    Repórteres: Ana Prado, Ludmilla Balduino e Otavio Cohen
    Designer: Daniel Lazaroni Apolinario, Juliana Moreira e Laura Rittmeister
    Webmasters: Bruno Xavier e Thiago Moura
    Estagiários: Carolina Vellei, Carolina Vilaverde (texto) e Lucas Otsuka (webmaster)
    Colaboração: Lorena Dana (redes sociais)
    Diretor de Redação: Sérgio Gwercman
    Editores: Alexandre Versignassi, Bruno Garattoni, Felipe Van Deursen, Mariana Caetano, Larissa Santana
    Repórter: Karin Hueck
    Editora de Arte: Renata Steffen
    Designers: Jorge Oliveira e Rafael Quick
    Estagiário: Raphael Galassi
    Atendimento ao Leitor: Adriana Meneghello
    Coordenadora Administrativa: Giselda Gala
    Coordenadora Assistente de Redação: Ivete Lobato
    CTI – UN ll: Alvaro Zeni (supervisor), André Hauly, Edvânia Silva, Erika Nakamura, Juarez Macedo, Leandro Marcinari, Zeca França, Leo Ferreira, Regina Sano e Vanessa Dalberto
    PUBLICIDADE CENTRALIZADA
    Diretores: Ana Paula Teixeira, Marcia Soter, Robson Monte
    Executivos de Negócios: Ana Paula Viegas, Caio Souza, Camilla Dell, Camila Folhas, Carla Andrade, Claudia Galdino, Cleide Gomes, Cristiano Persona, Daniela Serafim, Eliane Pinho, Emiliano Hansenn, Fabio Santos, Marcello Almeida, Marcelo Cavalheiro, Marcio Bezerra, Maria Lucia Strotbek, Marcus Vinicius, Nilo Bastos, Regina Maurano, Renata Miolli, Rodrigo Toledo, Selma Costa, Susana Vieira, Tatiana Mendes
    PUBLICIDADE DIGITAL
    Diretor: André Almeida
    Gerente: Virginia Any
    Gerente de Estratégia Comercial: Alexandra Mendonça
    Executivos de Negócios: André Bortolai, André Machado, Caio Moreira, Camila Barcellos, Carolina Lopes, Cinthia Curty, David Padula, Elaine Collaço, Fabíola Granja, Flavia Kannebley, Gabriel Souto, Guilherme Bruno de Luca, Guilherme Oliveira, Herbert Fernandes, Juliana Vicedomini, Luciana Menezes, Rafael de Camargo Moreira, Renata Carvalho, Renata Simões
    PUBLICIDADE REGIONAL
    Diretores: Marcos Peregrina Gomez, Paulo Renato Simões
    Gerentes: Andrea Veiga, Cristiano Rygaard, Edson Melo, Francisco Barbeiro Neto, Ivan Rizental, João Paulo Pizarro, Mauro Sannazzaro, Ricardo Mariani, Sonia Paula, Vania Passolongo
    Executivos de Negócios: Ana Carolina Cassano, Adriano Freire, Ailze Cunha, Beatriz Ottino, Camila Jardim, Caroline Platilha, Catarina Lopes, Celia Pyramo, Clea Chies, Daniel Empinotti, Henri Marques, Ítalo Raimundo, José Castilho, Josi Lopes, Juliana Erthal, Juliane Ribeiro, Julio Tortorello, Leda Costa, Luana Issa, Luciene Lima, Pamela Berri Manica, Paola Dornelles, Ricardo Menin, Samara Sampaio de O. Reijnders
    PUBLICIDADE SÃO PAULO
    Diretor: Alberto Simões de Faria
    Gerentes: Sandra Fernandes
    Executivos de Negócios: Alessandra Calissi, Analucia Bertola, David Padula, Eduardo Chedid, Fernanda Melo, Flavia Magalhães, Juliana Compagnoni, Karine Grigório, Leila Raso, Luis Fernando Lopes, Mara Marques, Paulo Trindade, Reinaldo Murino, Roberta Maneiro, Samarah Almeida, Shirlene Pinheiro, Soraya Coen, Thaira Ferro
    Assistente: Miriam Moya Manzano
    DESENVOLVIMENTO COMERCIAL
    Diretor: Jacques Baisi Ricardo
    INTEGRAÇÃO COMERCIAL
    Diretor: Sandra Sampaio
    MARKETING E CIRCULAÇÃO
    Diretora de Marketing: Louise Faleiros
    Gerente de Marketing: Angelica Garcia
    Gerente de Núcleo: Edson Bottura
    Analista: Thays Panizza, Tales Esparta
    Gerente de Eventos: Mônica Romano
    Analistas: Adriana Paolini, Mariana Perri
    Estagiária: Mayra Banci
    Gerente Marketing Publicitário: Cezar Almeida
    Analista: Paulo Victor Gouvêa
    Estagiária: Maria Fernanda Zanuto
    Gerente de Circulação Avulsas: Magali Superbi
    Gerente de Circulação Assinaturas: Juarez Ferreira

    Presidente do Conselho de Administração: Roberto Civita (Presidente), Giancarlo Civita (Vice-Presidente), Esmaré Weideman, Hein Brand, Victor Civita
    Presidente Executivo: Fábio Colletti Barbosa
    http://www.abril.com.br
    Aspectos comerciais
    A revista super interessante tem várias propagandas como: Caixa, Heineken, Dove, Lg, Sky e Faber Castell. (Revista Analisada Março de 2012, Edição 302, Tiragem 413.564 exemplares. Capa: Foto Dulla. Produção: Andrea Vilas Boas. Maquiagem: Renato Vermont. Objetos: Tatuapé Garden, Adji, Levi’s).
    Essa revista a cada edição ela traz novas curiosidades, mátérias, informações que surpreende o leitor e cada vez mais atrai públicos de toda idade e a inúmeros gostos chamando assim a atenção de pessoas que têm interesse em publicações científicas mas, não só a isso e sim a outros tipos de informações. A Super aborda assuntos do tipo: Ciência, Curiosidades, Cultura, Tecnologia, Comportamento, História, Atualidades e Saúde.
    Obtive algumas informações trocando email com a Adriana Meneghello, ela é da redação e fica responsável pelos email que os leitores mandam. Segue o email: superleitor.abril@atleitor.com.br
    Adriana me passou um site http://www.publiabril.com.br/marcas/superinteressante/revista/informacoes-gerais com um vídeo que era da seguinte maneira:

    VÍDEO: ARTE DE ENGAJAR AUDIÊNCIA. (Uma tradução do Vídeo):
    “Mensalmente nossas publicações chegam nas mãos de 505.235 pessoas. 22 vezes a média mensal de vendas do livro “O Alquimista”.
    2 milhões e 500 mil pessoas acessam nossos sites por mês. O dobro de pessoas que viram pela net o show do Paul no Rio em 2011.
    537 mil pessoas interagem com nossas marcas nas redes sociais. O dobro de perfis criados por dia no twitter.
    45 mil pessoas fizeram dowload de nossos aplicativos para Ipad. 37 vezes o número de Japoneses na fila pelo 1º Ipad.
    Nosso negócio é engajar pessoas. Dúvida¿ Olha o que a gente faz em 24 horas. 1000 pessoas passam a seguir a Super.
    4 mil estudantes pedem a opinião dos amigos sobre teste do (Guia do Estudante).
    250 jovens conversam com a (Mundo Estranho) pela twitcam.
    1047 pessoas jogam um (Newsgame) da Super.
    964 pessoas recomendam no twitter cada matéria da Super.
    712 pessoas fazem dowload dos aplicativos para Ipad.”

    Depois da Adriana ter me passado este site com o vídeo pedi outro contato para mais algumas informações e ela me passou o contato do Diretor de Redação, Sérgio Gwercman. Liguei na redação e consegui falar com ele e fiz as seguintes questões.
    O número de funcionários e jornalistas. Número de Funcionários que trabalha com ele, são 11 e 6 são jornalistas. Os formatos publicitários são páginas simples com as propagandas e páginas duplas também são usadas. Depende de cada propaganda e de cada edição e informações que serão colocadas na revista. A super interessante não tem o apoio cultural. As vendas de publicidade são: Digital, Regional e em São Paulo. Consegui por telefone só essas informações básicas pois foi um pouco complicado conseguir mais contatos e outros dados.

    Aspectos Editoriais
    A revista tem um site com altas informações, dinâmica, bem-humorada. Aborda grande diversidade de assuntos. Tudo de um modo simples, claro, ilustrado e divertido para todo o público. Uma revista para a leitura e pesquisa.
    O modo de interação com o público é bem acessível tanto impresso quanto online. Os critérios de atribuição de interesse aos temas de destaque é que dependendo do assunto que eles tem esse assunto é colocado na capa da revista como uma matéria principal e com conhecimentos bastante complexos e com argumentos, citações de cientistas, pesquisadores, psiquiatras, psicólogos, professores ou seja, uma porção de profissionais bem qualificados que são usados como fontes de matérias para ter uma alta qualidade de informação agradando assim o leitor.
    A Super é vendida em bancas, livrarias, contém assinantes nacionais e internacionais.
    Gráficos, ilustrações, fotos compõe a revista. Variados temas com uma linguagem simples, com um bom entendimento para todo o público.
    No site encontra-se outras diferentes revistas da Super Interessante como essa abaixo. E algumas promoções também. (Uma pequena amostra do que você pode encontrar no site)
    ESPECIAIS SUPER. (SUPER INTERESSANTE)
    Intrigantes, fascinantes, imperdíveis. As edições de Especiais Superinteressante vêm com todas as respostas que você sempre quis saber e muitas outras que sequer tinha pensado em perguntar. São 12 edições por ano para você matar sua sede de conhecimento com os temas mais relevantes da atualidade e toda qualidade da Superinteressante.
    Você assina as especiais super 2012 e ganha a coleção mitologia 3 volumes com as histórias da mitologia grega.
    Bibliografia: Site Revista Super Interessante, A Revista Super Interessante, Site Editora Abril, Contato por email com Adriana Meneghello e contato por telefone com Sérgio Gwercman (Diretor de Redação).

    Tamiris Marchi Bunhola

    24/04/2012 em 16:30

  14. Aluno: Vitor Hugo Franceschini de Carvalho 03509-024

    Publicação Analisada: Revista Mundo Estranho
    Empresa pertencente: Editora Abril
    A Revista Mundo Estranho tem uma abrangência nacional e possui um publico alvo de jovens. Mas, a revista se mostra uma publicação direcionada a todas as idades. São mais de 130 pessoas envolvidas na revista, desde jornalistas até profissionais de marketing e design. A revista está sediada na cidade de São Paulo.
    Expediente:

    Fundador: VICTOR CIVITA
    (1907-1990)
    Editor: Roberto Civita
    Conselho Editorial: Roberto Civita (Presidente), Thomaz Souto Corrêa (Vice-Presidente), Elda Müller, Fábio Colletti Barbosa, Giancarlo Civita, Jairo Mendes Leal, José Roberto Guzzo, Victor Civita
    Presidente Executivo Abril Mídia: Jairo Mendes Leal
    Diretor de Assinaturas: Fernando Costa
    Diretor Geral Digital: Manoel Lemos
    Diretor Financeiro e Administrativo: Fabio Petrossi Gallo
    Diretora Geral de Publicidade: Thais Chede Soares
    Diretor de Planejamento Estratégico e Novos Negócios: Daniel de Andrade Gomes
    Diretora de Recursos Humanos: Paula Traldi
    Diretor de Serviços Editoriais: Alfredo Ogawa
    Diretora Superintendente: Claudia Giudice
    Diretor de Núcleo: Dimas Mietto

    INTERNET NÚCLEO JOVEM & INFANTIL
    Editor: Frederico Di Giacomo
    Editora-Assistente: Mariana Nadai
    Repórteres: Ana Prado, Ludmilla Balduino e Otavio Cohen
    Designer: Daniel Lazaroni Apolinario, Juliana Moreira e Laura Rittmeister
    Webmasters: Bruno Xavier e Thiago Moura
    Estagiários: Carolina Vellei, Carolina Vilaverde (texto) e Lucas Otsuka (webmaster)
    Colaboração: Lorena Dana (redes sociais)
    Diretora de Redação: Patricia Hargreaves
    Editores: Tiago Jokura e Marcel Nadale (texto); Fabricio Miranda (arte)
    Designers: Bernardo Borges e Diego Sanches
    Estagiário: Luiz Romero (texto), Paula Bustamante (design)
    Atendimento ao leitor: Adriana Meneghello
    CTI: Alvaro Zeni (supervisor), André Hauly, Erika Nakamura, Edvânia Silva, Juarez Macedo, Leandro Marcinari, Zeca França, Leo Ferreira, Regina Sano
    PUBLICIDADE CENTRALIZADA
    Diretores: Ana Paula Teixeira, Marcia Soter, Robson Monte
    Executivos de Negócios: Ana Paula Viegas, Caio Souza, Camila Folhas, Camilla Dell, Carla Andrade, Claudia Galdino, Cleide Gomes, Cristiano Persona, Daniela Serafim, Eliane Pinho, Emiliano Hansenn, Fabio Santos, Jary Guimarães, Marcello Almeida, Marcelo Cavalheiro, Marcio Bezerra, Marcus Vinicius, Maria Lucia Strotbek, Nilo Bastos, Regina Maurano, Renata Miolli, Rodrigo Toledo, Selma Costa, Susana Vieira, Tatiana Mendes
    PUBLICIDADE DIGITAL
    Diretor: André Almeida
    Gerente: Virginia Any
    PUBLICIDADE REGIONAL
    Diretores: Marcos Peregrina Gomez, Paulo Renato Simões
    Gerentes: Andrea Veiga, Cristiano Rygaard, Edson Melo, Francisco Barbeiro Neto, Ivan Rizental, João Paulo Pizarro, Mauro Sannazzaro, Ricardo Mariani, Sonia Paula, Vania Passolongo
    Executivos de Negócios: Ana Carolina Cassano, Adriano Freire, Ailze Cunha, Beatriz Ottino, Caroline Platilha, Celia Pyramo, Clea Chies, Daniel Empinotti, Henri Marques, Ítalo Raimundo, José Castilho, Josi Lopes, Juliana Erthal, Juliane Ribeiro, Julio Tortorello, Leda Costa, Luana Issa, Luciene Lima, Pamela Berri Manica, Paola Dornelles, Ricardo Menin, Rodolfo Garcia, Samara Sampaio de O. Reijnders
    PUBLICIDADE SÃO PAULO
    Diretor: Alberto Simões de Faria Gerentes: Sandra Fernandes
    Executivos de Negócios: Alessandra Calissi, Ana Carolina Kanj, Analucia Bertola, Eduardo Chedid, Flavia Magalhães, Juliana Compagnoni, Leila Raso, Luis Caldas, Luis Fernando Lopes, Mara Marques, Reinaldo Murino, Roberta Maneiro, Shirlene Pinheiro, Thaira Ferro
    Assistente: Liliana Moura, Monise Barbosa
    DESENVOLVIMENTO COMERCIAL
    Diretor: Jacques Baisi Ricardo
    MARKETING E CIRCULAÇÃO
    Diretora de Marketing: Louise Faleiros
    Gerente de Marketing: Angelica Garcia
    Gerente de Núcleo: Edson Bottura
    Analistas: Thays Panizza, Tales Esparta
    Gerente Marketing Publicitário: Cezar Almeida
    Analista: Paulo Victor Gouvêa
    Estagiária: Maria Fernanda Zanuto
    Gerente de Eventos: Mônica Romano Agostinho
    Analistas: Adriana Paolini, Mariana Perri
    Estagiária: Mayra Banci
    Gerente de Circulação Avulsas: Magali Superbi
    Gerente de Circulação Assinaturas: Juarez Ferreira

    Presidente do Conselho de Administração: Roberto Civita (Presidente), Giancarlo Civita (Vice-Presidente), Esmaré Weideman, Hein Brand, Victor Civita
    Presidente Executivo: Fábio Colletti Barbosa
    http://www.abril.com.br

    Análise
    Revista Mundo Estranho, março/2012
    Destrinchando a publicação de Março de 2012
    A edição da revista de março último traz em sua capa a “História Sangrenta da Medicina”. Destrinchando a revista, onde começamos pela carta da diretora de redação na seção Ao Leitor, temos um texto breve e bem intimista, onde a diretora de redação fala até de sua própria infância relacionada ao tema de capa da revista. O texto é breve e interessante. Logo em seguida o editor dá dicas de publicações da própria revista só que de edições especiais.
    O sumário é confuso e muito, mas muito poluído e não sei se caberia a leitores mais velhos, que, geralmente, apresentam problemas de vista. O pior, é que quase toda a revista possui um alto grau de poluição visual. Para uma revista que quer ser levada para um público mais leigo e abrangente.
    Ao contrário do sumário, a seção Mapa Estranho necessita de gráfico e a explicação é muito bem elaborada. Já na página seguinte na matéria Duelo, onde desta vez o confronto é entre Twitter e Facebook, a revista consegue atingir um nível satisfatório, pois o texto é claro e o gráfico simples. Deveria ser assim a revista inteira.
    Na Retrato Falado o texto é bem produzido, com um gráfico agradável, mas ainda assim exagerado. Na seção Debate Que Eu Gosto, sempre há um assunto interessante e o texto não é encoberto pelo exagero das ilustrações, assim como na Duelo. Se a revista seguisse este padrão, seria mais interessante. A Top 10 mantém esse nível (estranhamente da matéria de capa em diante a coisa se confunde, os gráficos se tornam exagerados).
    A matéria de capa se mostra bem confusa e decepciona o leitor (pelo menos eu) com textos diretos, mas pouco explicativos. Uma matéria de capa pouco aprofundada, ainda mais em se tratando de pesquisa, não tem sentido. A matéria passa na revista como se fosse uma matéria qualquer.
    Matéria de capa da revista Mundo Estranho, março/2012
    Em uma matéria especial, intitulada “Identidade Secreta”, o tema é muito interessante, onde mostram a evolução dos logotipos das principais marcas de diversos produtos do mundo inteiro. Os gráficos, imprescindíveis em uma matéria deste tipo, estão muito legais, assim como o conteúdo do texto. Porém, a ordem dos textos está muito confusa e misturada.
    A maior seção da revista Perguntas e Respostas, que ocupa mais de um terço da mesma (cerca de 25 páginas), é a mais interessante e carro-chefe da publicação. Os temas são os mais variados, desde os mais importantes, até os mais fúteis, como por exemplo A Origem Do Nome Dos Elementos Químicos até Como Era O Treinamento De Um Ninja.
    Por ser uma seção maior e mais abrangente, os gráficos variam entre os bons e ruins. As respostas mais diretas e menores possuem gráficos melhores, já as mais explicativas são mais poluídas e confusas. Uma matéria interessante nesta seção é a que pergunta como funciona uma redação de um jornal. Apesar da explicação explicar como funciona um mega jornal impresso, o tema casou perfeitamente com o nosso curso e não poderia deixar de ser citado aqui.
    Na seção Xis Tubo o entretenimento é o foco principal e os gráficos e ordenação de textos melhoram muito, assim como na seguinte, chamada Turma do Fundão. O espaço do leitor, intitulado Volume é muito bom e possui uma coluna interessantíssima chamada Leitor Repórter onde é feita uma pergunta e são publicadas a resposta correta e a mais criativa (talvez a mais absurda). A revista fecha com a Contando Ninguém Acredita, seção muito boa, com texto e gráficos satisfatórios. Geralmente é a primeira que leio, pois começo a revista ao contrário.
    Conclusão
    Cientificamente a revista tenta levar algo novo para um público leigo. Acompanho a revista Mundo Estranho desde seu surgimento em 2003. Mas parei de comprá-la, por nenhum motivo especial, há mais de cinco anos. Lia muito a revista Super Interessante, que para quem não sabe, tinha uma editoria chamada Mundo Estranho, que se tornou uma publicação a parte. Em um modo comparativo, o que posso dizer é que a revista continua praticamente a mesma, com poucas mudanças na parte gráfica e o acréscimo de mais temas irrelevantes.
    Acredito que a diferença de idade, hoje estou com 28 anos, fez a diferença de o interesse ter diminuído perante certos assuntos, já que a revista parece ter um público alvo mais jovem. Assim como seu conteúdo, a parte gráfica é muito poluída e cheia de infográficos. Em minha opinião, parece um site no formato de papel. Ainda prefiro algo com mais texto e menos gráficos. Muitas vezes o gráfico confunde o leitor.
    Site
    Site da revista Mundo Estranho
    O site da revista é muito interessante e possui ícones onde você pode acessar blogs e canais diversos, além de encontrar vídeos e muita informação sobre a publicação. No ícone canais você pode optar por temas que variam de alimentação, passando por esporte e cultura até o mundo animal.
    Nos blogs temos 3 blogs que associam a seções da revista, como a Contando Ninguém Acredita e TdF, Turma do Fundão. O site é simples, mas bem informativo.
    Papo com a Diretora de Redação
    Batemos um breve papo com a diretora de redação da revista Patrícia Heargraves, que nos contou resumidamente como funciona o expediente da revista, o público alvo e a importância da revista cientificamente, segue abaixo:
    Como diretora de redação como você analisa as pautas sugeridas para a Mundo Estranho?
    Patrícia: O editor Marcel Nadale prepara uma pré-pauta, tendo como ponto de partida a matéria de capa (decidia entre nós, com um bom tempo de antecedência). Ele lista rigorosamente todas as seções, com respectivos repórteres que pensa pautar. Eu olho item a item, fazendo comentários, quando necessário.
    Qual o público alvo da publicação?
    Patrícia: Jovens a partir dos 14 anos até quando o leitor se sentir jovem.
    Cientificamente, qual a importância da revista?
    Patrícia: Costumamos dizer que a ME é a comprovação de que o jovem gosta de ler. Ela cumpre um papel importante: fideliza um público que tem tudo para se distrair. Celular, computador, tevê a cabo. Ela funciona como uma espécie de apresentação à leitura como diversão. Acho que é isso. Não sei se isso significa “cientificamente”. Mas é o que buscamos ao fazer em cada edição.

    Vitor Hugo Franceschini

    24/04/2012 em 21:39

  15. Aluno: Murilo Henrique Jacintho
    03509-601
    Disciplina: Jornalismo Científico
    Professor: Francisco Belda
    Análise de revista com publicações de cunho científico.
    Revista: Sociologia
    Editora: Escala
    Edição: nº34
    Introdução
    A revista Sociologia faz parte do núcleo Ciência e Vida da editora Escala, nesse núcleo se reúnem também as revistas Filosofia, Psique e Leituras da História. As publicações do núcleo Ciência e Vida, da Editora Escala, são comprometidas com a divulgação científica de qualidade, publicando informações sobre Psicologia, Neurociências, Psicanálise, Filosofia, Sociologia e História.
    A revista Sociologia é publicada bimestralmente e já segue para a sua 40ª edição, nela é possível encontrar um conjunto de discussões e estudos sobre os fenômenos sociais que permeiam nosso cotidiano. A publicação aplica os conceitos do tema ao dia-a-dia do leitor, buscando levar informação para uso prático na vida de seu leitor.

    Aspectos Gráficos e Editoriais
    Iniciando pela diagramação de abertura, a capa, podemos ver diversas características peculiares em todas as edições. Uma faixa vermelha na parte superior da revista carrega o nome da publicação e outra faixa, porém preta ao lado direito da revista segue sempre com uma caricatura de um dos personagens citados em alguma matéria da edição, no caso da edição de número 34 o personagem é José Bonifácio. Logo abaixo da gravura segue alguns destaques da edição e na área esquerda, que se refere a praticamente todo o espaço da capa é destinado à matéria principal, que segue ou com foto ou ilustração, neste caso o tema é “O futuro do estado”, onde a foto apresenta mãos levantadas em sinal de liberdade, sendo que uma delas carrega um lenço vermelho.
    Em um comparativo entre duas edições a 30 e a 34, o sumário e o editorial são trocados de lugar, na edição 30 a revista se abre com o editorial na primeira página e o sumário na segunda, já na edição 34 as posições se invertem, lembrando que juntamente com o editorial, a página carrega também uma ficha com todo o conselho editorial, nomes e formações, além de possuir também ao lado o expediente e contatos da editora.
    A revista costuma utilizar muito fotos e desenhos em grandes proporções para abrir as matérias, normalmente fotos com os entrevistados e artes para matérias de assuntos determinados.
    O texto sempre é dividido em três colunas e costuma ser bem corrido, com algumas fotos, ou simples imagens ao redor, possui algumas caixas de destaques esporadicamente e utiliza bastante do artifício de destacar frases de impacto do entrevistado em tamanhos tipográficos maiores no meio da reportagem.
    A publicação é dividida em onze seções, são elas:
    – Entrevista (assuntos relevantes na área e com renomados sociólogos, filósofos e etc. Nesta edição o entrevistado foi o teólogo Leonardo Boff.)
    – Sociedade (assuntos intrigantes, projetos relevantes ou pesquisas que apontem fatos do cotidiano, normalmente partem de uma pesquisa acadêmica. Nesta edição a violência sofrida e exercida no cotidiano dos jovens brasileiros.)
    – Registro (nesta seção costuma ser abordado temas de congressos e etc. Nesta publicação a importância do Prêmio Florestan Fernandes, instituído durante o congresso Brasileiro de Sociologia de 2003.)
    – Capa (abordagem do tema de capa da publicação)
    – Sociólogos e Sociologia (entrevista feita exclusivamente com sociólogos com conceitos da área. Nesta edição entrevista com o sociólogo Cesar Callegari.)
    – Pensamento Social (normalmente oriundo de pesquisas acadêmicas, essa seção explora conceitos históricos que refletem na sociedade atual. Nesta edição “O escravismo n formação e consolidação do capitalismo brasileiro”.)
    – Fez Diferença (matéria sobre grandes ícones sociais, normalmente são desses ícones a caricatura da capa. Nesta edição José Bonifácio.)
    – Memória (Nesta edição Oriundi e Calciatori: a Sociedade Esportiva Palmeiras e a imigração italiana ao Brasil)
    – Resenha (resenha sobre livros da área. Nesta edição “Atitudes raciais de pretos e mulatos em São Paulo” de Virginia Leone Bicudo.)
    – Antenado (dicas de livros)
    – Ponto de vista (artigo que expressa o ponto de vista do articulista sobre determinado assunto do meio.)
    – Caderno de exercícios (voltado para a parte didática da sociologia, para professores que aplicam os conceitos em sala de aula.)

    Aspectos Institucionais
    A publicação Sociologia juntamente com todas as publicações do núcleo Ciência e Vida são pertencentes à editora Escala, Grupo Escala de Publicações, uma das maiores editoras do país em número de venda de exemplares. A empresa produz publicações de diversos gêneros especializados, porém o seu forte são as publicações de cunho educacional. A editora também investe em publicações de livros licenciados de grandiosos pensadores do Brasil e do mundo.
    A revista Sociologia é publicada bimestralmente e já segue para a sua 40ª edição, possui cerca de seis anos no mercado, com uma vendagem voltada para um público específico, no caso estudantes da área de humanas, professores e principalmente sociólogos e historiadores (segundo dados coletados em bancas centrais da cidade de Araraquara).
    Aspectos de Linguagem
    Apesar de a revista possuir vários artigos de pesquisas científicas, os textos são jornalísticos e formais, não sendo necessário um alto grau de conhecimento na área para absorver as informações. Para leigos e não habituados em leitura o que de início pode ser uma barreira são os longos textos, matérias extensas e sem muitos elementos visuais interativos trabalhando junto das reportagens, mas para pessoas habituadas e interessadas no assunto, os textos fluem tranquilamente justamente pela sua facilidade de leitura.
    Como de costume as entrevistas são “ping-pong”, as perguntas mostram um grande teor de conhecimento nos assuntos tratados com os entrevistados, o que mostra que entrevistadores possuem um alto grau de conhecimento ao tratar desses assuntos com os personagens.

    Aspectos Comerciais
    Tradando-se de uma revista de sobre sociologia, é natural que não possua um número grande de propagandas ao decorrer da publicação, são pouquíssimas as propagandas inseridas e praticamente todas são divulgações da própria editora, voltada para outras revistas e materiais. Nesta edição existem apenas duas propagandas que não correspondem à editora, uma delas é uma chamada para a conscientização na adoção de crianças carentes e a outra é sobre um livro didático de sociologia da Editora Brasil.

    Página virtual da publicação
    No endereço virtual http://www.sociologiacienciaevida.uol.com.br é possível conferir diversas notícias e reportagens publicadas nas revistas, além de obter informações curiosas como “Sociólogo do mês” com entrevistas com notáveis sociólogos brasileiros. Há também um link para a explicação do que é sociologia, além da apresentação da capa da revista do mês, sumário, edições anteriores, expediente e etc.
    Expediente
    Esta edição é formada por:
    Diretor executivo: Edgar Meo
    Diretora editorial: Karina Alméri
    Diretor de arte: Angel Fragallo
    Jornalistas responsáveis: Karina Alméri e Edgar Melo
    Editor: Daniel Rodrigues Aurélio
    Revisão de textos: Cristiane Garcia
    Diagramação: Juliana Signal e Luciana Toledo
    E diversos colaboradores com suas pesquisas.

    Murilo Henrique

    24/04/2012 em 23:47

  16. Centro Universitário de Araraquara – Uniara
    Jornalismo Científico – Professor Francisco Belda
    Christiano K.O.D.A. – 03511-603

    Veículo analisado: Revista Uniara – Revista do Centro Universitário de Araraquara – Volume 3 N.2 – Dezembro de 2010, 262 páginas.
    Entrevistado: Professor Doutor Denilson Teixeira, editor da revista e docente do mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Uniara.

    A Revista Uniara surgiu em 1997 e, doze anos mais tarde, iniciou o processo de sua reestruturação, com o objetivo de ampliar sua visibilidade no cenário científico brasileiro e também para se adequar aos novos critérios do Sistema Qualis, da Capes.
    Essa mudança mantém as características de construção desde sua criação, há mais de uma década, fundamentada na publicação de artigos originais das diferentes áreas do conhecimento, oferecendo aos seus docentes e discentes um veículo de divulgação de suas pesquisas. No entanto, a evolução da revista ao longo desses doze anos, expressa pela submissão de artigos de autores de outras instituições, vem demonstrando a sua inserção no contexto regional.
    Nessa primeira etapa de reestruturação foi criada uma Comissão Editorial e promovida uma renovação do Conselho Editorial, incluindo nomes de pesquisadores externos à instituição, que devem colaborar com este momento de adequação do periódico às diretrizes propostas na nova política editorial.
    As primeiras mudanças estruturais – normas de publicação e relação entre autores e pareceristas –, foram implementadas, considerando a participação dos editores da Revista Uniara em um encontro da Associação Brasileira de Editores Científicos – Abec, cujo tema central versou sobre os critérios de avaliação de qualidade dos periódicos científicos.
    Um procedimento necessário foi revisar e normatizar o número e o volume da revista, que, na edição de número 12 (a análise é feita na edição 13), já adaptada aos padrões de qualidade, está classificada como Revista Uniara, volume 12, número 2, indicando que, em seu 12º de vida, este periódico teve dois fascículos publicados, alterando assim a sequência anteriormente adotada.
    A adequação da nova política editorial às características regionais e multidisciplinares da Revista Uniara é um processo lento e um enorme desafio a ser enfrentado, uma vez que envolve conceitos de qualidade na busca da indexação nas bases de dados de periódicos científicos. Uma característica, no entanto, continua intacta: sua real vocação, que é disseminar o conhecimento científico. A Revista Uniara vem dividida em artigos originais, artigos de revisão e uma resenha crítica, que abordam as mais variadas áreas do saber.
    O saneamento e a gestão dos recursos hídricos; questões ligadas à saúde; a conservação das florestas; os agentes tóxicos; a educação. Esses são os temas que perpassam esta edição, em textos assinados por autores da “casa” e parceiros de instituições de diversos locais do país.

    Aspectos institucionais
    A revista é impressa e também disponibilizada em PDF, o que é diferente de uma versão eletrônica;
    – Estrutura da equipe:
    Editores: Maria Lúcia Ribeiro, Denilson Teixeira, Luis Henrique Rosim e Lívia Nunes.
    Editoração : Lívia Nunes.
    Capa: Bruno Zago.
    Conselho Editorial: Helena Carvalho De Lorenzo, Inayá Bittencourt e Silva, Luciana Togeiro de Almeida, Mary Rosa Rodrigues de Marchi e Wilson José Alves Pedro.
    Revisão: Dirce Charara Monteiro (Inglês), Lívia Nunes (Português) e Rosmary dos Santos (Bibliográfica).
    Número de funcionários cuidam da revista: quatro – Maria Lúcia Ribeiro, Denilson Teixeira, Luis Henrique Rosim e Lívia Nunes.
    Número de jornalistas na equipe: uma – Lívia Nunes

    Aspectos comerciais
    Veículo gratuito
    Público-alvo: pessoas da área acadêmica
    Anúncios: não publicam
    Cross-mídia: não
    Conteúdo de outros veículos: artigos de pesquisadores de todo o Brasil
    Contúdo da revista: a publicação é multidisciplinar e tem por finalidade divulgar artigos originais de diferentes áreas do conhecimento. Eles não devem ser apresentados em outro periódico e, após a sua aceitação, será solicitada dos autores a transferência dos direitos autorais. Os manuscritos são encaminhados pelo Corpo Editorial a pareceristas (especialistas das áreas correspondentes), que deverão avaliar seu valor científico. Os trabalhos devem ser enquadrados em uma das seguintes modalidades:
    a) Artigos originais: trabalhos inéditos de pesquisa com no máximo vinte páginas, incluindo figuras, tabelas, quadros, esquemas, etc; todas as páginas deverão ser numeradas
    b) Contribuições curtas (short communications): resultados preliminares de pesquisa, com no máximo três páginas, incluindo figuras, tabelas e referências
    c) Resenhas ou análise crítica de livros: máximo de uma página
    d) Resumos de trabalhos publicados (livros, dissertações, teses, trabalhos de conclusão de curso)
    Financiamento: interno (Uniara)
    Distribuição: pelos Correio

    Aspectos Editoriais
    Abrangência geográfica: nacional
    Ilustrações e/ou infográficos: os artigos geralmente têm seus resultados ilustrados por meio de fotos ou figuras (preto e branco)
    Linguagem: acadêmica
    Conteudistas: pesquisadores
    Política de revisão dos textos: os editores fazem a primeira revisão (estrutura e conteúdo) e então os manuscritos são enviados a pareceristas, que farão suas considerações (estrutura, conteúdo e possibilidade de publicação). As alterações sugeridas são enviadas aos autores para correção e nova submissão. O sistema é conhecido como “duplo cego”: nem autor, nem parecerista conhecem a identidade um do outro.
    Periodicidade: semestral

    Análise geral: Revista grande, com páginas em preto e branco contendo muito texto e poucas fotos, gráficos, infográficos, tabelas e ilustrações; letras grandes tornam a leitura menos cansativas.
    Área de conhecimento: exatas, humanas e biológicas
    Análise da linguagem: apesr dos inúmeros termos específicos dos artigos, a linguagem não é complexa, de modo que atrai mais a atenção do leitor.

    Anexos:
    Fotos da revista

    Printscreen da entrevista por e-mail com o professor Denilson Teixeira

  17. Jornalismo Científico – Francisco Belda
    Luis Gustavo Rizzo – 03509-056

    Análise de veículos de divulgação científica

    O veículo de divulgação científica escolhido foi o programa “CIDADES E SOLUÇÕES”, no qual abre espaço na televisão para as experiências que dão certo, que transformam para melhor a vida das pessoas através do uso inteligente e sustentável dos recursos. Em boa parte dos casos, são experiências simples, de baixo custo e fáceis de ser replicadas.

    1. ASPECTOS INSTITUCIONAIS

    O programa “Cidades e Soluções” é veiculado na grade de produção da Globo News um canal fechado de notícias 24 horas, no qual pertence ao grupo Rede Globo de Televisão.

    O programa é exibido desde de outubro de 2006, tem uma duração de 30 minutos, e vai ao ar toda quarta-feira às 23h30, e é reprisado em vários horários, entre eles:

    Globo News – horários alternativos: Sábado às 05h30, Domingo às 21h30, Segunda-feira às 03h05, 08h30 e 16h30, Quinta-feira às 12h30.

    Canal Futura – Sexta-feira às 20h30 e Domingo 14h30.

    A criação da Globo News foi em 15 de outubro de 1996 pela jornalista Alice Maria, tendo como destaque os principais noticiários: Jornal da Globo News, Jornal das Dez, Globo News em Pauta, Estúdio I e Conta Corrente.

    Sua estrutura está sediada na cidade do Rio de Janeiro/RJ, com estúdios na capital Fluminense, e também conta com uma produção na cidade de São Paulo. A cobertura é nacional, sendo disponibilizada nos seguintes canais de televisão:

    “TV Aberta” – Rio de Janeiro – canal 36
    – São Paulo – canal 19

    ”TV via Satélite” – Sky Brasil, Claro TV e Oi TV – canal 40
    – Telefõnica e TV Digital – canal 340

    “TV à Cabo” – NET, TVA e Sim TV – canal 40

    EQUIPE DO PROGRAMA:

    André Trigueiro – jornalista com Pós-graduação em Gestão Ambiental pela COPPE/UFRJ onde hoje leciona a disciplina “Geopolítica Ambiental”, professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC/RJ, autor do livro “Mundo Sustentável – “Abrindo Espaço na Mídia para um Planeta em transformação”, coordenador editorial e um dos autores do livro “Meio Ambiente no século XXI”, e “Espiritismo e Ecologia”, lançado na Bienal Internacional do Livro, no Rio, pela Editora FEB, 2009. É apresentador do Jornal das Dez e editor-chefe do programa Cidades e Soluções, da Globo News. É também comentarista da Rádio CBN e colaborador voluntário da Rádio Rio de Janeiro.

    Karla Duccini – é jornalista, formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Em 2005, deu os primeiros passos na TV, quando ingressou na Globo News através do programa Estagiar. No ano seguinte, com o diploma em mãos, assinou a produção do livro que conta a história do canal “Globo News: 10 anos, 24 horas no Ar”.
    Encerrado o desafio do livro, Klara se tornou produtora e editora da área de Programas da Globo News. Até chegar ao Cidades e Soluções em 2011, acumulou experiência e aprendizado ao passar por diferentes programas do canal: Starte, Sem Fronteiras, Agenda, Pelo Mundo e, por último, Arquivo N.

    Aline Peres – é jornalista, formada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Natural de Porto Alegre/RS, iniciou sua carreira jornalística na RBS TV, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul, em 2006.
    Antes de trocar o sul pelo sudeste do país, passou dois anos em Shanghai, na China, com bolsa de estudos para aprender mandarim e fazer pós-graduação em “Media Management” na Universidade Fudan.
    De volta ao Brasil, passou pelo SporTV e ingressou na Globo News como editora de texto da área de programas, vindo a integrar a equipe do Cidades e Soluções no fim de 2011.

    ESTRUTURA DE EQUIPE:

    Roteiro e edição: André Trigueiro.
    Produção e edição: Klara Duccini e Aline Peres.
    Edição e finalização: Marcus Vinícius e Rita Araújo.
    Imagens: Evilásio Carneiro.
    Áudio e técnico: Renato Ferreira e Paulo César.
    Arte: Martha Sampaio e Danilo Lucas.
    Pesquisa: Ana Paula Mandina.
    Produção musical: Marion Lemonnier.
    Coordenação de produção: Maristela Pereira e Márcia Saad.
    Chefe de redação: Márcia Monteiro.

    2. ASPECTOS COMERCIAIS

    De acordo com André Trigueiro em entrevista a monografia do curso de Assessoria em Comunicação Pública do Instituto de Educação Superior de Brasília-IESB, do Centro de Educação Superior de Brasília.

    “De interesse público que você faça do jornalismo uma ferramenta que revele ou que denuncie aquilo que não funciona ou que está errado, aquilo que a sociedade precisa para se articular, se mobilizar pra combater, pra enfrentar e mostrar quais são os bons exemplos e as boas atitudes inspiradoras, alvissareiras e que a gente precisa ter conhecimento para ver como é possível alcançar um objetivo que melhore a qualidade de vida, que gere benefícios sociais, ambientais, econômicos e políticos”. TRIGUEIRO, André. Informação verbal. Entrevista concedida ao pesquisador. Rio de Janeiro. 2 jan. 2009.

    No programa “Cidades e Soluções” a publicidade é feita somente durante os horários de exibição, tendo como principal meio de publicidade os intervalos comerciais, abertura e fechamento do programa. Dentre suas publicidades destacam-se as empresas:

    Banco do Brasil Estilo;
    Natura Ekos;
    Pão de Açúcar;

    A grade de comerciais do programa também se baseia em propagandas do Governo Federal visando incentivar a prudência no trânsito.

    Abaixo dois links com matérias de patrocínios do programa:

    http://blog.naturaekos.com.br/programa-cidades-e-solucoes-agora-tem-patrocinio-de-natura-ekos/

    http://www.conscienteconstrutora.com.br/diretoria

    3. ASPECTOS EDITORAIS

    O programa “Cidades e Soluções” pode ser classificado como uma série de TV objetiva, dinâmica e de utilidade pública.

    Os programas abordam e questionam problemas enfrentados pelos cidadãos das metrópoles, trazendo soluções possíveis e imediatas a curto e médio prazo. “Priorizamos aquelas soluções que sejam sustentáveis, de baixo custo e fáceis de serem replicadas”, explica o apresentador e editor-chefe André Trigueiro, em entrevista a revista.com.

    As matérias exibidas nos programas apresentam uma linguagem simples de fácil entendimento do público buscando sempre uma abordagem significativa para o telespectador. O programa também conta uma edição que inclui o uso de imagens, artes e infográficos para facilitar o tema abordado. Seus exemplos sempre são verdadeiros, e voltados sempre à sociedade moderna.

    O telespectador e/ou internauta encontra no site (http://g1.globo.com/platb/globo-news-cidades-e-solucoes) muita facilidade e interatividade durante a navegação. Também durante a navegação é possível mandar sugestões de programas e acessar programas e reportagens antigas.

    No site encontra-se: Equipe, Acervo Digital, Sobre o Programa, Horários de Exibição, Quadro Sua Cidade, Sua Solução, Reunião de Pauta, Prêmios, Categorias, Post mais recentes, Arquivos de 2008 até agora e comentários mais recentes.

    No Link abaixo é possível encontrar uma entrevista com André Trigueiro, editor-chefe do programa, no qual fala sobre o programa que debate os desafios do meio ambiente no mundo urbano.

    (http://www.revistapontocom.org.br/edicoes-anteriores-entrevistas/cidades-e-solucoes-na-tv)
    Entrevista na íntegra: Fonte – site do Rio Mídia

    Por que produzir um programa que busca soluções para um mundo sustentável?

    André Trigueiro – A função social do jornalista não se resume a revelar o que está errado, mas também a sinalizar rumo e perspectiva. É isso que tentamos fazer no programa, abrindo espaço para experiências e práticas que já fizeram a diferença – para melhor – na vida das cidades.

    A criação do programa mostra que a mídia pode contribuir de forma responsável no dia-a-dia da população?

    André Trigueiro – Não tenho a menor dúvida disso e espero que mais programas comprometidos em apontar soluções apareçam por aí.
    Geralmente, os meios de comunicação são criticados por adotarem um viés sensacionalista ao abordar questões ligadas ao aquecimento global. Qual é a linha adotada pelo programa?

    André Trigueiro – Mostramos experiências que resolveram efetivamente problemas de cidades no Brasil e no exterior. Não perdemos tempo com os problemas. Apenas lembramos que eles existem para logo em seguida abrirmos espaço para as soluções. Priorizamos aquelas que sejam sustentáveis, de baixo custo e fáceis de serem replicadas. Tem funcionado.

    Em que medida o programa fala com as crianças e os jovens?

    André Trigueiro – Nos comunicamos muito bem com os jovens e temos um ótimo retorno desse segmento. Um ou outro programa talvez seja interessante também para a garotada mais miúda, embora esta não seja a nossa intenção. Nosso público-alvo é amplo e alcança todos os segmentos da sociedade preocupados em descobrir o que dá certo, o que funciona, o que dá resultados. Nesse sentido, entendo que a empatia com o público jovem vem do fato de que falamos de assuntos que trazem esperança. Nos sentimos confiantes na capacidade do ser humano resolver problemas aparentemente insolúveis. E, às vezes, as soluções dependem muito mais de boa vontade do que de dinheiro e tecnologia.

    Há algum retorno de como as escolas vêm utilizando os programas?

    André Trigueiro – Sim. Recebo muitas mensagens de professores e educadores que usam os programas nas salas de aula. Uma professora de Novo Hamburgo (Rio Grande do Sul) chegou a enviar numa pasta todas as redações feitas pelos alunos sobre assuntos do programa. Era o agradecimento dela ao material exibido na TV. A variedade de temas permite que os programas se adaptem facilmente a qualquer grade curricular de qualquer disciplina escolar ou universitária. Trata-se de um programa multidisciplinar que muitos professores já aprenderam a usá-los como recurso pedagógico. Também recebemos mensagens de políticos (vereadores, deputados e senadores) agradecendo o programa pela inspiração para novos projetos. Guardo todas as mensagens comigo, como registro da contribuição do Cidades e Soluções para a construção de um país melhor.

    Luis Gustavo Rizzo

    25/04/2012 em 15:37

  18. Mariana Lemes
    Código: 03509-017
    4º ano de Comunicação Social – Jornalismo
    Prof. Francisco Belda
    Disciplina: Jornalismo Científico

    Análise de veículo de divulgação científica

    1. Introdução
    O presente trabalho tem como objetivo analisar o Caderno Ciência, do Jornal Folha de São Paulo.
    O Caderno Ciência cobre as áreas de pesquisa em ciências naturais e ambientais no Brasil e no mundo com o objetivo de tornar compreensível às pessoas leigas o trabalho de setores especializados, assim aproximando a ciência do leitor.
    O Jornal Folha de São Paulo, é uma fusão dos jornais Folha da Manhã, Folha da Tarde e Folha da Noite, que circulava durante a década de 20.
    O Caderno Ciência surgiu em 1948, ainda no Jornal Folha da Manhã, por José Reis, importante divulgador científico, que recebeu a proposta de desenvolver uma seção permanente de ciência no jornal. Este importante caderno divulga matérias sobre pesquisas científicas, discussões sobre meio ambiente, descobertas de curas de doenças, novas temáticas como genoma, células-tronco, clonagem, além de discutir tópicos de tecnologia, astronomia, entre outros.

    2. Aspectos Institucionais
    O jornal Folha de S. Paulo, atualmente sediado na capital paulista, no bairro Campos Elíseos, pertence ao Grupo Folha, que possui diversos veículos de mídia associados a ele, como jornais (Folha de São Paulo, Agora, Valor e Alô Negócios), revistas, livros, guias, manuais de redação, sites/TI e serviços online, como banco de dados.
    O atual presidente da Folha de São Paulo é Luiz Frias e como diretor editorial Otavio Frias Filho. O Jornal possui nove cadernos diários: Poder, Ciência, Cotidiano, Mercado, Esporte, Ilustrada, Mundo, Corrida e Saúde, e outros suplementares semanais, como Folhateen, Equilíbrio, Folha Tec, Fovest, Turismo, Folhinha, Ilustríssima, Sãopaulo, Guia da Folha, Saber, Por aí, Serafina, Folha Veículos, Empregos, Folha Negócios, Imóveis e The New York Times Internacional Weekly.
    O Jornal também possui sucursais em Brasília (DF), Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG) Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Cuiabá (MT), Recife (PE), Salvador (BA), São José dos Campos (SP), Campinas (SP) e Ribeirão Preto (SP), e cerca de dez correspondentes em diversos países, como Estados Unidos, Argentina, Venezuela, Inglaterra, Israel e China.
    O Grupo Folha conta também com o Datafolha, um dos institutos de pesquisa mais respeitados do país, a editora de livros Publifolha, a livraria virtual Livraria da Folha, uma agência de notícias Folhapress, um dos maiores e mais modernos parques gráficos da América Latina o CTG-F, a Transfolha, dedicada à distribuição de produtos do Grupo Folha, uma gráfica dedicada a jornais e folhetos para empresas, editoras e agências de publicidade a FolhaGráfica e a SPDL, empresa de distribuição e logística estabelecida em associação com o jornal O Estado de S. Paulo.
    Atualmente o Caderno de Ciência tem como editor o jornalista Cláudio Ângelo. Esse caderno trás ao leitor notícias atuais, porém com uma linguagem de fácil entendimento. Para a compreensão dos leitores são utilizados também recursos como: infográficos, imagens ilustrativas, gráficos, entre outros meios de linguagem.
    Na mídia online, o Caderno Ciência também possui uma página de acesso aos leitores: http://www.folha.com.br/ciencia onde as notícias podem ser comentadas e compartilhadas por meio de redes sociais.

    3. Aspectos Comerciais
    O Caderno Ciência pode tem como público alvo os leitores em geral, sejam eles pesquisadores, estudiosos ou apenas curiosos em busca de informação científica de qualidade.
    Para a publicidade, o jornal possui o caderno Classifolha e o site http://www.publicidade.folha.com.br, possuindo representantes em diversas cidades de São Paulo e de outros estados.
    Os preços cobrados para as publicidades variam entre os cadernos diários, os cadernos semanais, os classificados, as edições regionais e outras formas e formatos regionais.

    4. Aspectos Editoriais
    O Jornal Folha de São Paulo tem circulação nacional diária, o mesmo acontece com o Caderno Ciência que publica notícias sobre as últimas pesquisas e descobertas importantes para o Brasil e o mundo. Este Caderno também tem a preocupação de transmitir aos seus leitores matérias com uma linguagem mais fácil, onde todos podem compreender.
    Para a compreensão de notícias mais complexas, o Caderno Ciência trás também o uso de recursos visuais, como infográficos, fotos, ilustrações e outros.
    O Caderno Ciência, assim como todos os outros, estabelece como foco principal de sua linha editorial a busca por um jornalismo crítico, apartidário e pluralista.
    No site http://www.folha.com.br também tem um espaço onde os leitores podem mandar sugestões de pautas, reclamações, críticas e outros.

    Mariana Lemes

    25/04/2012 em 16:09

  19. Instituto Ciência Hoje
    Uma análise do veículo de divulgação científica
    Aluno: Erica Paula Nascimento
    Código: 03509-041
    4º ano de Comunicação Social – Jornalismo
    Prof. Dr. Francisco Rolfsen Belda
    Disciplina: Jornalismo Científico
    Auxilio: Alicia Ivanissevich – Editora executiva do Instituto Ciência Hoje

    Introdução
    Este trabalho é uma a analise do Instituto Ciência Hoje, que pretende mostrar os aspectos da publicação em relação à linha editorial, além dos aspectos institucionais e comerciais do produto.

    1. Aspectos institucionais
    A revista Ciência Hoje é uma publicação do Instituto Ciência Hoje (ICH), organização civil sem fins lucrativos ligada à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).
    O ICH também publica a revista infanto-juvenil ‘Ciência Hoje das Crianças’ (CHC) e produz o site ‘CH On-line’. A sede do ICH é na cidade do Rio de Janeiro e conta com sucursais em São Paulo (capital) e no Paraná (Curitiba) e colaboradores eventuais no Nordeste e em Brasília. São 40 funcionários no ICH, sendo 14 jornalistas e 4 estagiários. A redação conta com um conselho de editores científicos (cinco) que leem e aprovam tudo o que é produzido na revista.

    2. Aspectos comerciais
    O público-alvo são estudantes de ensino médio e universitários, sendo que muitos dos leitores fazem parte da comunidade científica.
    O Departamento Comercial funciona em São Paulo, captando recursos tanto de anunciantes quanto de prefeituras interessadas em comprar a Ciência Hoje das Crianças para distribuir para as escolas públicas de municípios. Os principais anunciantes são: Greenpeace, PUC-SP, SOS Mata Atlântica, MEC, MCT, Banco do Brasil, Petrobras, Finep, UFU, UFPR, além dessas prefeituras que compram a C. Hoje das Crianças. Exemplos: Prefeitura de Osasco, Rio de Janeiro, Franco da Rocha, Diadema, guarulhos.
    Assinaturas de CHC (cerca de 200 mil) são vendidas todo ano para o FNDE/Ministério da Educação para serem distribuídas nas bibliotecas das escolas públicas de todo o país.
    A revista é vendida em bancas do país. Essas vendas representam 30% dos exemplares impressos. As assinaturas respondem por 60% da tiragem.
    Mailing dirigido para 10%.
    3. Aspectos editoriais:
    A revista é distribuída em todo o país e contém artigos de pesquisadores de todas as regiões brasileiras. A cobertura jornalística também procura dar um panorama nacional equilibrado, mas, como a produção científica do Brasil está concentrada nas regiões Sudeste e Sul, essa proporção se faz presente também na cobertura.

    O Instituto Ciência Hoje:
    O Instituto Ciência Hoje (ICH) é uma sociedade civil sem fins lucrativos vinculada à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência . É responsável por projetos de divulgação científica, por meio de uma série de publicações: o Instituto Ciência Hoje publica a revista Ciência Hoje desde 1982, a Ciência Hoje das Crianças desde 1986 e os livros da série Ciência Hoje na Escola desde 1996. Desde 1997, o Instituto mantém também um portal de divulgação científica na internet a Ciência Hoje On-line.
    O Instituto é responsável pela publicação de vários livros na área de divulgação científica. Lançado em 1998 por ocasião dos 50 anos da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Cientistas do Brasil, hoje comercializado diretamente pela SBPC – reúne em 852 páginas depoimentos dos mais importantes nomes da pesquisa no país.
    No ano seguinte, saía à primeira edição do “Pequeno manual de divulgação científica”, em que o jornalista Cássio Leite Vieira apresenta dicas para cientistas e divulgadores. O volume alcançou grande sucesso e teve sua tiragem inicial esgotada, tendo sido reeditado em 2007.
    Em 2002, o ICH editou o volume “Crônicas de sucesso” (esgotado), uma coletânea de reportagens que relatam alguns dos principais momentos da história recente da ciência brasileira. Um ano depois, o Instituto lançou “Amigão da saúde” (também esgotado), livro editado em parceria com a Fundação Roberto Marinho que trata de temas que ajudariam os voluntários do programa Amigos da Escola a sistematizar seu trabalho.
    Em 2007, foi lançado, em parceria com o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), o livro “Física Hoje”- Uma aventura pela natureza dos átomos ao universo, que reúne 11 artigos escritos por renomados pesquisadores brasileiros e originalmente publicados na revista Ciência Hoje ao longo de 2005, em comemoração ao Ano Mundial da Física.
    No ano seguinte, foi lançado o primeiro volume da coleção “Memória Hoje”, que reúne textos sobre episódios marcantes da história das ciências biológicas e ambientais originalmente publicados na seção Memória da revista Ciência Hoje. O segundo volume, dedicado às ciências exatas, foi lançado em 2009.
    Nesse mesmo ano, o Instituto Ciência Hoje lançou o livro “Qual o problema?” Que reúne 35 desafios matemáticos originalmente publicados na coluna de mesmo nome da revista Ciência Hoje, além de cinco enigmas inéditos.
    Em 2010, a coleção Memória Hoje ganhou seu terceiro e último volume, dedicado a textos sobre as grandes conquistas das ciências humanas e sociais. Esse foi também o ano de lançamento de “Astronomia Hoje”, uma coletânea dos artigos publicados na Ciência Hoje em 2009 por ocasião do Ano Internacional da Astronomia.

    O Instituto Ciência Hoje atua também na divulgação científica em meio audiovisual: o Instituto promoveu a realização do programa de televisão “Tome Ciência”, uma série semanal que abordou de forma acessível tema de ciência e tecnologia. O programa foi exibido em redes de TV a cabo de todo o país pela Rede STV, emissora do sistema Sesc-Senac.
    Em outubro de 2004, o Instituto Ciência Hoje se uniu à Rede Globo na campanha “Ciência vale a pena” o Instituto promoveu a realização de filmes de 30 segundos que procuram sensibilizar a opinião pública para a ciência e foram exibidos pela emissora durante sua programação. Viabilizados com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), os filmes tiveram grande repercussão junto ao público e foram também um sucesso de crítica, o conjunto foi premiado na categoria melhor campanha de TV do Festival de Cinema e Vídeo Científico do Mercosul (Cinecien) de 2006.
    A parceria com a Globo teria continuidade em 2008 com outra série de filmes, desta vez para ressaltar a importância da ciência na busca de soluções para o aquecimento global. Também financiada com auxílio da Finep/MCT, a campanha “A ciência pode ajudar” produziu quatro filmes com linguagem acessível ao grande público para veiculação na programação da emissora.
    A parceria com a Rede Globo ganhou novos contornos em abril de 2008, com a estreia do programa Globo Universidade (GU), veiculado aos sábados, às 7h15, com reprises ao longo da semana nos canais Globo News e Futura. O programa contou, entre 2008 e 2011, com consultoria jornalística e científica do Instituto Ciência Hoje.

    A revista Ciência Hoje:
    A revista Ciência Hoje oferece um panorama completo da produção intelectual e tecnológica das universidades, institutos e centros de pesquisa nacionais e dos avanços da ciência internacional. Com projeto gráfico moderno e linguagem didática, a publicação se dirige à comunidade acadêmica, aos professores e estudantes de ensino médio e à sociedade em geral.
    A edição, publicação e distribuição das revistas Ciência Hoje e Ciência Hoje das Crianças são exclusivas do Instituto Ciência Hoje, conforme atestado da Associação Nacional dos Editores de Revistas (Aner).

    A revista Ciência Hoje das Crianças:
    A revista Ciência Hoje das Crianças mostra ao público infantil que a ciência faz parte da vida de cada um e pode ser muito divertida. A revista estimula a curiosidade e a compreensão dos fenômenos do dia-a-dia, com a ajuda de ilustrações e experiências que podem ser realizadas pelas próprias crianças. É instrumento fundamental em sala de aula como fonte de pesquisa aos professores e de grande importância para os alunos na elaboração de deveres e projetos escolares. A publicação é adotada pelo MEC e distribuída para 107 mil escolas, como material de apoio paradidático.
    Além da revista Ciência Hoje das Crianças o Instituto também tem uma série que é distribuída nas escolas públicas. A série Ciência Hoje na Escola possui 14 volumes de leitura complementar aos livros didáticos, indicada como material de apoio ao ensino fundamental. Os livros são compostos pela reunião de artigos escritos por pesquisadores de laboratórios brasileiros, fartamente ilustrados e compilados com experiências para serem realizadas em sala de aula. Cada volume contém um índice por palavra-chave e um caderno especial de orientação aos professores.
    Para participar e contribuir ativamente com o avanço educacional do país, o ICH criou o Programa Ciência Hoje de Apoio à Educação (PCHAE), que visa a transformar a postura de professores e alunos em relação ao ensino das ciências e contribuir para melhorar os índices de alfabetização em escolas públicas brasileiras. Para promover a inserção da ciência como elemento vivo no cotidiano dos alunos, utiliza a revista Ciência Hoje das Crianças como principal instrumento de apoio e agrega um curso presencial de Formação ao Corpo Docente.
    Por fim, uma parceria entre a TV Cultura e a Ciência Hoje das Crianças levou à criação, em 2008, do programa Pequenos Cientistas. Apresentado pelos dinossauros Rex e Diná, os mascotes da CHC, a atração tem o objetivo de mostrar, a cada episódio, o lado divertido e curioso da ciência para o público infantil. Exibido pelo canal a cabo TV Rá Tim Bum, o programa vai ao ar aos sábados e domingos, às 11h10, 17h30 e 5h10.
    Ciência Hoje On-Line

    A Ciência Hoje On-line é uma iniciativa pioneira de divulgação científica na internet brasileira. Além de disponibilizar parte do conteúdo das publicações do ICH, o portal publica notícias exclusivas atualizadas diariamente que oferecem ao leitor uma cobertura dinâmica da atualidade científica no Brasil e no mundo.
    O portal tem a missão de ampliar o público atingido pelas publicações do ICH e se tornar uma referência para leitores em busca de informações sobre ciência na internet. O objetivo vem sendo cumprido com sucesso: em novembro de 2009, quando estreou a nova versão do portal, a CH On-line tinha em média cerca de um milhão de páginas acessadas por mês.

    O Instituto Ciência Hoje é de extrema importância, pois além das pesquisas elaboradas ela fala de ciência de uma maneira fácil e bem acessível para todos os públicos.
    Na revista Ciência Hoje, os artigos e matérias são distribuídas de maneira sucinta e dividida em tópicos o que proporciona uma melhor leitura, além das imagens que complementam as matérias.
    Na revista Ciência Hoje das crianças as matérias são de maneira bem explicativa, ilustradas e divertidas, o que acaba prendendo a atenção das crianças e assim elas acabam aprendendo de maneira rápida e interessante.
    O Ciência Hoje On-Line é um site bem conciso, as matérias são bem distribuídas, e muito atualizadas, a linguagem usada é bem coloquial tornando de fácil acesso e entendimento do público./
    Os vídeos feito em parcerias, com a Rede Globo, os livros lançados, os manuais são de extrema importância para a sociedade, pois tem temas de interesse público e são produzido de informalmente e descontraída, tornando a ciência cada vez mais interessante.

    erica roveder

    26/04/2012 em 14:39

  20. Professor Belda, estou complementando meu post do dia 23/4 às 14h07 com a entrevista do editor-chefe do programa “Cidades e Soluções”, André Trigueiro, que só me retornou hoje, dia 27-4-2012.

    1- A publicidade é feita apenas em comerciais ou existe algum formato inserido nas matérias?

    Não aceitamos em hipóstese alguma, sob qualquer pretexto, que haja qualquer tipo de publicidade embutida em nossos programas. Quando mostramos alguma empresa, produto ou experiência governamental que sriva de exemplo, mostramos apenas e tão somente pelo mérito. Somos jornalistas, não publicitários.

    2- Qual o público-alvo?
    O público do canal Globo News. É para ele que realizamos o programa. Trata-se de um segmento com bom nível de escolaridade e informação.

    3- Como são definidas as pautas?
    Fazemos uma reunião semanal e discutimos entre nós diferentes sugestões que podem ter origem em ideias nossas, de colegas, pautas enviadas por assinantes ou internautas.

    Cássio Leonardo Carrara

    27/04/2012 em 7:38

  21. Centro Universitário de Araraquara
    Uniara

    Jornalismo
    (Jornalismo Científico)

    Análise da Revista Nova Escola
    Especializada em Educação

    Aluno: Tiago da Mata – 03509-039

    Aspectos institucionais:

    O veículo que escolhi para análise foi a Revista Nova Escola, uma revista brasileira, mensal, direcionada ao educador (professor), pertence à Editora Abril (Grupo Abril), Fundação Victor Civita.

    – Editora Abril
    É uma editora brasileira, sediada em São Paulo (capital), e é parte do Grupo Abril. Ela é uma Sociedade Anônima, fundada em 1950. A Abrilpar, holding da família Civita, controla a Abril S.A.
    O furte da Editora são as revistas e os sites de suas publicações. Atualmente publica 54 títulos, com circulação de 188,5 milhões de exemplares, em um universo de quase 28 milhões de leitores e 4,1 milhões de assinaturas, sendo a maior do segmento na América Latina.
    A editora é líder em 21 dos 25 segmentos em que atua e tem sete entre as 10 revistas mais lidas do país.
    Roberto Civita (CEO do Gupo Abril e Diretor Editorial) e Jairo Mendes Leal (Presidente Executivo da Abril Mídia), são duas das pessoas mais importantes da Editora, que possui atualmente aproximadamente seis mil empregados.

    – Outros Veículos da Editora:
    Veja, Superinteressante, Minha Casa, Saúde, Exame, Você S.A., National Geographic Brasil, Vip, Placar, Recreio, Mundo Estranho, Contigo!, Minha Novela, Capricho, Playboy, Claudia, Quatro Rodas, entre outras. Além de sites de cada uma das publicações.
    A editora também tem revistas em quadrinho: Zé Carioca, Tio Patinhas, Princesas, Mickey, Pato Donald, entre outros.

    Grupo Abril:
    – MISSÃO: A Abril está empenhada em contribuir para a difusão de informação, cultura e entretenimento para o progresso da educação, a melhoria da qualidade de vida, o desenvolvimento da livre iniciativa e o fortalecimento das instituições democráticas do país.
    – VALORES: Excelência, integridade, pioneirismo e valorização das pessoas.
    – PRINCÍPIOS: Competitividade, foco no cliente, rentabilidade e trabalho em equipe.
    EXPEDIENTE:

    – Equipe da Revista Nova Escola
    Diretora de Redação: Maggi Krause (desde Janeiro de 2012).
    Redatora Chefe: Denise Pellegrini
    Diretora de Arte: Manuela Novais
    Coordenadora Pedagógica: Regina Scarpa
    Editoras: Ana Lígia Scachetti e Beatriz Vichessi
    Editoras-assistentes: Bruna Nicolielo e Elisa Meireles
    Repórteres: Anderson Moço, Beatriz Santomauro, Elisângela Fernandes e Fernanda Salla.
    Estagiárias: Camila Camilo, Márcia Scapaticio e Mariana Queen
    Editora de Arte: Julia Browne
    Designers: Alice Vasconcellos e Victor Malta

    – Nova Escola Online
    Editor: Rodrigo Ratier
    Editoras-assistentes: Janaína Castro e Paula Nadal
    Editor de Arte: Vilmar Oliveira
    Webmaster: Felipe Costa

    – Nova Escola Gestão Escolar
    Editora: Paola Gentile
    Editora de Arte: Renata Borges
    Editora-assistente: Verônica Fraidenraich
    Repórteres: Aurélio Amaral e Ocimara Balmant

    Análise da Redação da Nova Escola

    Analisando o expediente da Revista, percebi um número maior de mulheres. Dos 28 funcionários (incluindo os estagiários), apenas seis são homens, mostrando assim que “opinião” feminina está mais presente na revista.
    A meu ver, a escolha da direção em ter mais profissionais femininas na redação se deve à facilidade que as mulheres têm em falar de educação e de interagir com os educadores, que, a meu ver, são na sua maioria mulheres. Não que os homens não saibam ou não consigam falar sobre educação, ou não saibam interagir com educadores, mas pela maior facilidade que as mulheres têm.
    Então, a primeira análise que faço, é que a redação da Nova Escola é “dominada” pelas mulheres.
    Outro fato que me chamou a atenção, é que, antes de ver o expediente, eu achava que a revista tinha vários repórteres, mas após conferir puder ver que são apenas quatro, que correm o Brasil inteiro para realizar matérias específicas de educação.
    Outro fato é que o expediente não apresenta fotógrafos, portanto, posso concluir que os repórteres são os próprios fotógrafos de suas matérias, o que na minha opinião está corretíssimo. Não que uma revista não possa ter um fotógrafo, mas que em certas ocasiões nunca o fotógrafo vai conseguir “enxergar” da mesma forma que o repórter vê ou imagina uma foto.
    Em minha opinião, revistas, jornais, entre outros veículos, que tem pessoas responsáveis apenas por fotografar, dê liberdade para o repórter poder tirar suas próprias fotos, sei que muitas vezes isso não é possível, mas quando for, é essencial.

    Além da revista imprensa a Nova Escola também tem um site no mesmo segmento da revista. Site: http://www.revistaescola.abril.com.br

    Aspectos comerciais:

    – Expediente Comercial
    Gerente de Publicidade: Sandra Maskovich
    Executiva de Negócios: Fernanda Sant’Anna Rocha
    Gerente de Marketing e Publicações: Elizabeth Sachetti
    Analista de Marketing: Felippe Arruda
    Gerente de Assinaturas: Rosana Berbel
    Gerente de Circulação Avulsas: Marco Marcondes
    Pacote de Assinaturas: Cynthia Vasconcellos
    Analista de Planejamento e Controle Operacional: Kátia Gimenes
    Processos Gráficos: Vitor Nogueira

    A revista Nova Escola é uma publicação mensal, voltada à comunidade de professores do ensino fundamental.
    No Estado de São Paulo, ela é distribuída para todos os Professores do ensino fundamental, gratuitamente. Uma parceria do Governo do Estado com a Editora Abril.
    Nas bancas, não sei o motivo, mas cada edição da revista vem com um preço diferente marcado. Nas edições de Fevereiro/Março deste ano, ela saiu por R$ 6,50. Nas edições de Janeiro/Fevereiro deste ano, ela saiu por R$ 4,20.
    Segundo alguns donos de bancas de revistas, a Nova Escola vem sempre certa quantidade, e quase não fica sobras. Tem um venda boa, e não só para professores, mas também a mães que querem ajudar na educação escolar dos filhos.
    A revista Nova só é encontrada nas Bancas, após sair para os assinantes.
    A revista também pode ser assinada, pelo site da Editora Abril. Pela assinatura a revista sai por R$ 4,20 e tem as opções para 1, 2, 3 ou 4 anos. Segundo a Editora, o preço para assinantes é o de custo, sem fins lucrativos.

    Publicidade

    A revista traz um tipo de publicidade diferente das que costumamos ver em outras publicações da Abril. Assim como as matérias, todas as publicidades apresentadas na revista são voltadas à educação.
    Encontramos publicidades de instituições de ensino, de Sistemas de Ensino Positivo e Objetivo, até do Governo Federal. Encontramos também publicidades de Editoras como a Saraiva e a Positivo, além de institucionais da própria Abril. Também encontramos páginas dedicadas a publicidade da própria Revista Nova Escola, institucionais de Bancos, entre outras.
    Além das institucionais, a Novas Escola também traz propagandas de empresas e produtos voltados à educação, aos educadores e ao público infantil, como a Malwee, Bic e outros. Traz também publicidade de programas que envolve educação e meio ambiente, com o apoio de empresas famosas com a Coca-Cola, Petrobras, Caixa, CPFL entre outras.
    Na Nova Escola não encontramos propagandas, de produtos, promoções e marcas, como em outras revistas.

    Distribuição e Logística:

    O Grupo Abril possui uma sólida estrutura de distribuição e logística nos principais canais de vendas do mercado brasileiro. Conheça os detalhes:
    O Holding de distribuição e logística composta por quatro empresas. Três delas são dedicadas à distribuição (Dinap, FC Comercial e Magazine Express) e uma é o braço logístico do Grupo Abril (Treelog).
    A estrutura da DGB garante a competitividade do negócio e possibilita aos editores acesso a um diversificado portfólio de produtos e serviços: desde atuação comercial nos pontos de venda, em diferentes níveis, até suporte de trade marketing. A holding garante, ainda, agilidade e segurança na distribuição dos produtos em 100% do território nacional.

    Planos de Assinatura da Nova Escola
    Aspectos Editoriais:

    A Revista Nova Escola, através de assinaturas, chega a todo o território nacional, em São Paulo, ela é distribuída nas escolas de ensino fundamental, gratuitamente, por meio de uma parceria entre o Governo Estadual e a Editora Abril.

    – Estrutura Editorial:

    A as matérias/colunas são divididas em: Capa, Seções, Reportagens e Sala de Aula.

    – Capa: É a matéria que é apresentada na capa da revista, ou a matéria “principal.
    – Seções: São seções, colunas, onde a revista se interage com o leitor, respondendo perguntas e apresentando assuntos pequenos.
    É dividida em: Caro Educador, Caixa Postal, Online, Carrera, Gestão, Na Dúvida?, Heloísa Responde, E Agora Telma?, O X da Questão, Fala Mestre!, Retrato, Em Dia, Estante, Pense Nisso.
    – Reportagens: Cada edição aborda temas diferentes, alguns específicos como Formação, Políticas Públicas, Pesquisa, Prática Pedagógica, entre outros.
    -Sala de Aula: Aborda as matérias (Português, Matemática, História, Geografia, entre outras), mostra ao educador formas novas de abordagem, dicas e várias novidades dentro do assunto abordado.

    Palavras da Diretora de Redação Maggi Krause
    (entrevista concedida para o site da Abril).

    Em entrevista à própria Editora Abril, Maggi explica que os projetos didáticos da revista, são criados e testados por docentes vencedores do Prêmio Victor Civita, o que faz das ideias sugeridas ainda mais especiais.
    Ela conta também que as histórias contadas por professores são acompanhadas por especialistas e nessas histórias o leitor vai encontrar histórias de dificuldades, superação e ao ajuda.
    A diretora explica também que a Revista presa muito pelos seus leitores, e que é muito importante à união entre os leitores e a equipe que prepara a revista. Segundo ela, isso além de criar uma relação de amizade, faz com que a revista se especialize ainda mais e leve ao leitor matérias de seu maior interesse e necessidade.
    Maggi ainda complementa dizendo que o professor é o responsável pelo ensinamento do aluno, e quanto maior for o seu preparo, melhor e mais fácil será passar os ensinamentos aos alunos.
    Quanto à especialidade da revista, Maggi diz que o interesse da revista é de difundir informações, difundir o conhecimento para o aprimoramento do educador.
    A Diretora ainda afirma que aproximadamente 65% dos professores usam a Revista Nova Escola como uma ferramenta de apoio para o planejamento de aulas e 60% deles consideram as reportagens da revista como boas e ótimas.

    Revista

    Entre suas editorias, ela aborda diversos assuntos da área educacional, em diversas formas de textos jornalísticos: entrevistas com especialistas em diversos assuntos dentro da educação, artigos, relatos de experiências, ideias que os professores podem usar dentro das salas de aula e seções destinadas a divulgação de trabalhos desenvolvidos em diferentes comunidades do país. Ela também é um meio de divulgar atividades culturais e programas sociais.
    A Nova Escola é bastante colorida, e traz em suas páginas várias imagens, desenhos, e algumas vezes até infográficos, mas o que não é sua especialidade. O foco principal são as matérias escritas e não as imagens ou infográficos.
    O que eu pude perceber que a revista tem uma preocupação muito especial quanto à interação com o publico alvo da revista. Em grande parte de suas páginas, são abordados temas pedidos pelos leitores, esclarecendo dúvidas e trazendo o leitor para mais próximo da Revista.
    Ela também tem uma atenção especial quando às redes sociais (Facebook e Twitter), onde mandem um canal aberto com o leitor e em todas as edições são publicados comentários, opiniões e perguntas passadas pelos leitores por meio das redes sociais.
    Os textos apresentados na Revista, tem um papel de popularizar o conhecimento cientifico para os professores, que é o publico alvo, os leitores, que buscam na revista informação e atualização quanto a práticas pedagógicas.
    A minha crítica final é que, a revista Nova Escola tenta “ensinar” o educador a “ensinar” os alunos, ou seja, em linguagem simples, ela quer “ensinar o padre a rezar a missa” ou o educador a dar aula.
    Em minha opinião, o professor tem que ter suas próprias formas de dar aula, suas próprias abordagens e deve usar a revista apenas para tirar ideias e dúvidas.

    Tiago da Mata

    28/04/2012 em 15:56

  22. Aluna: Renata Toffino
    Código: 03509-021
    Jornalismo
    Disciplina: Jornalismo Científico
    Professor: Francisco Belda
    Análise de Veículo de Divulgação Científica
    Revista: Dinheiro Rural.

    Introdução:

    A análise foi feita sobre a revista Dinheiro Rural, a revista do Agronegócio Brasileiro. Ela traz em seu conteúdo muitas informações importantes para principalmente fazendeiros fiéis e que estão determinados a crescer financeiramente mas de maneira correta dentro dos padrões saudáveis que uma pecuária deve ter.
    A revista trabalha com informações precisas que vão desde pequenas matérias à grandes pesquisas que também trazem em seu meio muita qualidade e eficiência. Sem preconceito ela trata vários assuntos ligados à pecuária, que tem grande espaço hoje em todo o território brasileiro.
    Além de você poder comprar a revista Dinheiro Rural nas bancas, você também pode adquirir informações no site http://www.revistadinheirorural.com.br. A revista está sediada em Belo Horizonte e conta com uma grande equipe para seu desenvolvimento e atividades precisas.
    Ela é voltada principalmente para interesses de fazendeiros que lidam com o campo ao longo de suas vidas, sendo assim, a revista Dinheiro Rural trabalha focando seus objetivos nos negócios rurais. Procura se especializar bastante em todos os âmbitos que dizem respeito a toda a pecuária.
    A revista do agronegócio brasileiro, mostra tudo sobre a área que é responsável por um terço do PIB nacional e não para de crescer. Possui dicas preciosas para você fazer do campo um negócio lucrativo. Aborda o campo como fonte de negócios e investimentos, dando dicas de como investir na área, novos lançamentos, a ciência e muito mais.
    Seu desenvolvimento é feito com muito capricho, ela trabalha com alguns infográficos, com muitas imagens bem distribuídas, tem seus textos de forma narrativa e muito bem ilustrados. É importante destacar também que a revista é muito elogiada. Seus leitores dizem estar adorando as matérias, dizem que a seleção das matérias são ótimas, enfim, muitos elogios e muito reconhecimento de seus leitores que com certeza continuam sempre mais aproveitando então tantas informações apuradas com grande qualidade.
    A revista também reconhece seus erros ao decorrer das edições, que são destacadas em uma de suas páginas, isso também mostra a consideração e respeito que esta tem para com seus leitores. Ao decorrer da revista é possível notar algumas propagandas, das quais estas são propositais, sendo depois divulgada melhor sobre seus serviços e qualidades.
    Esta edição da revista Dinheiro Rural trabalha com os seguintes tópicos: Porteira Aberta (educação), Cachoeira (única), Entrevista (Sara Eyal), Mundo dos Leilões (elo de raça), Puro Sangue (na telona), Por trás da Cena (futebol de campo), Vitrine Rural (segura, peão). Depois também seguidos da Agroeconomia (agrônomos de Dilma), (safrinha turbinada). Depois a Agrotecnologia (feliz natal, seu ticão), (transgênicos), (portal África). Seguido do Agronegócio (trem da cana), (fertilizantes),(JBS Friboi), (cacau), (no sol do Piauí), (Benri).Com o tópico Estilo Campo (Sidra em alta) e depois a Agrofinanças (visa agro), (ferramentas), (artigo).
    A revista é formada por vários integrantes sendo eles:
    Editor e Diretor responsável: Domingo Alzugaray.
    Editora: Cátia Alzugaray.
    Presidente Executivo: Caco Alzugaray.
    Diretor Editorial: Carlos José Marques.
    Diretor de núcleo: Milton Gamez.
    Editor Executivo: Clayton Netz.
    Editora: Vera Ondei.
    Repórteres: Alécia Pontes, Daniel Popov e Diego Costa.
    Diretor de Arte de Núcleo: Paulo Roberto Albe.
    Chefe de Arte: Edyges Neres.
    Diagramadores: Bruno Ramalho, Fabiano Duarte, Fábio L. Silva, Juliana Morais e Patrícia Lia Ferreira.
    Ilustradores: Evandro Rodrigues(Chefe), Daniel Vincent e Denis S. Cardoso.
    Serviços Gráficos: Diretor: Fernando Rodrigues.
    Coordenador Gráfico: Ivanete Gomes.
    Destaco aqui uma matéria interessante que a revista Dinheiro Rural apresentou:
    A matéria fala de um grão transgênico que promete ganhos de até 15% na produtividade e que poderá ser cultivado já na próxima safra, este grão é também chamado de Power Core.
    O colombiano Ramiro Dela Cruz, presidente da Dow AgroSciences do Brasil, divisão agrícola do grupo americano Dow Chemical, é um apaixonado por milho.Ele aprendeu a apreciar pratos à base do cereal quando era diretor-comercial da empresa México, país que tem como uma de suas atrações culinárias o tamal, um parente muito próximo das brasileiríssimas pamonhas.No mês passado Dela Cruz estava de volta mas dessa vez para mostrar uma nova geração de sementes transgênicas de milho, tecnologia que a Dow AgroSciences está prestes a colocar no mercado.
    Essas novas variedades são muito resistentes ao ataque de lagartas e prometem um aumento de produtividade entre 10% e 15% nas lavouras. “Essa semente vai ajudar muito no mercado nos próximos meses”, afirma De La Cruz. A tecnologia das novas sementes foi desenvolvida em conjunto com a Monsanto, que no mês passado também apresentou sementes de soja resistentes a lagartas.
    Segundo a empresa, as novas sementes representam a terceira geração de transgênicos. A primeira geração, de 2008, era resistente ao herbicida glifosato. Na segunda geração de transgênicos, os pesquisadores introduziram no gene do milho uma proteína presente na bactéria BT, que intoxica e leva à morte Três espécies de lagartas: a lagarta- do- cartucho, a broca do colmo e a lagarta elasmo.
    No Brasil nove milhões dos 15,3 milhões de hectares cultivados com o cereal na safra 2010/2011 eram transgênicos. Segundo Dela Cruz, ainda é pouco diante do que vem pela frente. A previsão de crescimento do cultivo de milho no País é de 85%, nos próximos dois anos, segundo a Associação Brasileira de sementes e mudas.Para Rolando Alegria, diretor de biotecnologia da Dow no Brasil, o aumento da produtividade virá em grande parte do avanço da biotecnologia.
    A redução do uso de inseticidas também vem empurrando os agricultores para o milho geneticamente modificado. Estudos da consultoria Céleres, de Uberlândia(MG), mostram que, no oeste do Paraná, o agricultor que utilizou semente transgênica na última safra gastou 38% menos com a proteção da lavoura, se comparado a seus colegas que ainda plantam o milho convencional.
    “Outro estudo em Goiás mostrou que os produtores tiveram uma economia de 28% em relação ao milho convencional”, diz Jorge Attie, analista de biotecnologia da Céleres. Para De La Cruz, com as novas sementes a economia pode aumentar. “ A Dow tem pesquisado muito quais variedades de sementes que têm essa pegada”.
    Em 2011, a empresa investiu US$600 milhões em pesquisas, 12% do faturamento global. O esforço se justifica. Há cinco anos, a venda de sementes representava apenas 10% dos negócios globais da Dow. Hoje, representa 25% e a expectativa é de aumentar para 30% nos próximos cinco anos.
    Esta matéria da revista vem bem ilustrada tornando seu conteúdo muito mais interessante. E também é utilizado um pequeno infográfico.
    Mais uma matéria importante também da revista Dinheiro Rural é sobre a febre aftosa.
    Cada vez mais pipocam declarações de representantes de governos, sindicatos e associações de produtores sobre a intenção de tornar os bovinos, suínos e bubalinos de seus Estados livres da febre aftosa, mas sem a vacinação dos rebanhos.A abertura de mercado nos Estados Unidos para a carne suína de Santa Catarina, o único Estado livre da enfermidade sem vacinação no País, e os interesses econômicos do setor produtivo motivam a busca pela mudança do status sanitário do Brasil na Organização Mundial de Saúde Animal(OIE).
    Para que o Brasil obtenha mudança de status na OIE é preciso vontade política e um árduo trabalho pela frente, sob o comando de médicos veterinários, fiscais federais e estaduais. Seria uma temeridade o País partir para a retirada da exigência de vacina, sem antes ter um número adequado de profissionais para a vigilância do sistema de controle do vírus.
    A função de fiscalizar em benefício da saúde pública exige uma estrutura de trabalho com equipamentos, informatização em todas as regiões do País, principalmente nas fronteiras. Além disso, o produtor deve ser conscientizado continuamente por meio de campanhas institucionais. Ou seja, para o País conquistar condição sanitária diferente da atual,que é de livre da aftosa com vacinação, na maior parte de seu território, é preciso mais gente e investimento.
    Qualquer descuido que permita a entrada de um vírus da febre aftosa através desses espaços desprotegidos pode ser catastrófico para a economia do País. Por isso, essas regiões devem ser demarcadas e autossuficientes da produção de bezerros ao abate dos animais.
    Assim, hoje, é preciso intensificar proteção do rebanho através da vacina. Em 2011, na segunda etapa da campanha nacional de vacinação, cerca de 160 milhões de bovinos e bubalinos foram imunizados. Com a vacina, o nível de controle da doença melhorou e 15 Estados já são reconhecidos pela OIE como livres da febre aftosa, com vacinação. O governo federal tem como meta, até o próximo ano, declarar o Brasil como área livre da doença.
    O reconhecimento da OIE já abriria ao Brasil outros mercados para a carne produzida no País, além de intensificar o comércio com compradores mais exigentes, como europeus e americanos. E mais, sem a necessidade de deixar o País vulnerável ao vírus da febre aftosa, caso a decisão de suspender a vacinação ganhe força.

    Renata Toffino

    28/04/2012 em 23:43

  23. Patrícia Lelli Ferreira
    Código: 03509-047
    4º ano de Comunicação Social – Jornalismo
    Prof. Francisco Belda
    Disciplina: Jornalismo Científico

    1. Introdução

    Este trabalho procura analisar o veículo de divulgação científica “Notícias UFSCar”, um jornal veiculado de São Carlos, interior de São Paulo, na rádio da Universidade Federal de São Carlos, a “Radio UFSCar”, uma emissora pública e educativa, que opera a frequência 95,3 FM em São Carlos e região e através da internet, no http://www.radio.ufscar.br, para todo o mundo.

    2. Aspectos institucionais

    O programa é transmitido de segunda a sexta-feira às 12h, com 30 minutos de duração. O “Notícias UFSCar” é um radiojornal exclusivamente de divulgação científica, que leva a seus ouvintes notícias sobre atividade, ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas na própria UFSCar e em outras instituições de Ensino Superior e pesquisa de todo o País.
    Notícias UFSCar é o primeiro produto jornalístico produzido pela rádio, prestes a completar 5 anos, junto com o aniversário da emissora. Desde o começo, o Notícias teve como foco levar à comunidade o conhecimento acadêmico produzido na universidade, em especial para a Universidade Federal. Com o passar do tempo, a abrangência cresceu e o enfoque passou a ser divulgação científica em geral. Desde então, o Notícias se consolidou como um veículo que dialoga tanto com a comunidade acadêmica, quanto com a sociedade, sempre tentando aproximar as duas comunidades, por meio de conteúdo jornalístico de fácil entendimento.
    Os veículos associados com a Rádio UFSCar são o site da rádio (www.radio.ufscar.br), assim como blogs de todos os programas veiculados e redes sociais como Twitter (@noticiasufscar) e Facebook.
    A equipe do programa “Notícias UFSCar” é formada por 2 jornalistas e 2 estagiários de jornalismo, no total são 8 funcionários, 12 estagiários/bolsistas e mais de 40 colaboradores da comunidade.
    A estrutura da redação é composta por 4 computadores, uma híbrida para gravação de entrevistas via telefone e um celular para contato telefônico.

    Organograma da equipe:

    Direção Geral
    Ricardo Rodrigues

    Coordenação de Programação
    Lucas Ferreira

    Coordenação de Jornalismo
    Simone Bezerra
    Daniel Monteiro

    Coordenação Musical
    Mauro Lussi

    Coordenação de Programação Especial
    Hélvio Tamoio

    Coordenação de Áudio
    Gustavo Koshikumo

    Supervisão Técnica e T.I.
    Cristiano Barbosa do Amaral
    Administração
    Agnes Luis
    João Joaquim dos Santos
    Eliane Kanai Wada Macedo

    Produção
    Sheila Castro

    Jornalismo
    Flávio Ubiali
    Ana Paula Vieira

    Programação Musical
    Alexandre Leopoldino

    Técnica de Áudio
    Renê Honorato
    Rafael Simões
    Eduardo Martins

    Informática e T.I.
    Daniel Nacata
    Guilherme Kayo Shida

    3. Aspectos comerciais

    O público alvo do ‘Notícias UFSCar’ é, principalmente, a comunidade acadêmica de São Carlos, ao divulgar pesquisas e conteúdos científicos produzidos dentro da universidade; e sociedade em geral, ao fazer o papel de divulgação científica e difusor de informações “técnicas” para a sociedade. O jornal da ‘Radio UFSCar’ compartilha conteúdo com outras emissoras públicas e nem sempre os jornais que recebem a colaboração são específicos sobre divulgação científica. O ‘Notícias UFSCar’ também presta serviços à sociedade, informando sobre eventos que acontecem na comunidade acadêmica.
    Por tratar-se de uma rádio universitária e educativa, a inserção de comerciais e negociação de espaços publicitários é vetada por lei. Há espaço para os chamados “apoios culturais”, pontuais, normalmente captados para a realização de eventos ou iniciativas especiais. Modelo de negócios, inclusive, pouco utilizado pela rádio.
    A Rádio UFSCar utiliza conteúdo obtido por meio de parcerias com rádios públicas/universitárias de todo o país, via ARPUB (Associação Brasileira das Rádios Públicas do Brasil) e também faz veiculação de conteúdo de material de agências de notícias livres e estatais, como a Agência Brasil.
    A rádio atua de forma a independente, seguindo os preceitos preconizados em seu projeto editorial, no qual atua de forma independente do mercado ou de interesses de instituições privadas, portanto, a prestação de serviço, tais como divulgação de eventos ou iniciativas, dar-se-á somente nos casos de interesse público, dentro dos três eixos básicos da emissora: divulgação científica, democratização da informação e pluralidade de conteúdo.
    A rádio está diretamente ligada à FAI (Fundação de Amparo a Inovação), e seu orçamento é, em sua maioria, advindo da universidade, portanto, verba pública. Os complementos orçamentários vêm de editais ou apoios culturais.
    A rádio normalmente tem a participação em todos os editais de fomento à cultura, divulgação científica e que tratem de inciativas culturais voltadas à democratização da informação, pluralidade de conteúdo e aproximação com a comunidade, como outros meios de financiamento. Os meios de distribuição são via internet, seminários e oficinas específicas, cujos papéis variam de informativos à de formação profissional em diferentes áreas.

    4. Aspectos editoriais

    Divulgação científica com foco em pesquisas e iniciativas que sejam acessíveis ou que já promovam mudanças no cotidiano da sociedade em geral e que estejam fora das chamadas “grandes mídias”. Logo, a abrangência geográfica de cobertura do Notícias UFSCar, tanto de público quanto dos conteúdos, é nacional e até internacional, uma vez que especialistas de diferentes áreas podem comentar ou repercutir resultados de estudos. Através de matérias, reportagens, entrevistas, notas e colaborações de jornalistas de rádios públicas de todo o país, o ouvinte é informado sobre fatos e pesquisas. Os ouvintes podem sugerir pautas.

    A estrutura editorial se baseia em:

    Entrevista: Um convidado repercute um assunto “quente”, recentemente divulgado ou trabalhado, no estúdio. Normalmente uma pesquisa ou estudo cujo resultado foi divulgado;
    Fique Ligado: Notas curtas com informações de interesse dos ouvintes, que variam desde oportunidades de estágio dentro da Universidade até eventos;
    Giro Brasil Agora: Informações diretamente de rádios públicas/universitárias, de todo o país, que têm como objetivo a pluralidade de vozes e procuram aproximar, do público-alvo, a realidade as outras regiões brasileiras;
    Notícias: Desde notas lidas de agências até conteúdo próprio, com foco em divulgação científica.

    As categorias e formatos de conteúdo são baseados em notas curtas, matérias lidas, reportagens próprias e entrevistas.
    O uso de multimídia se dá pela sonoplastia, com uso de vinhetas temáticas acerca dos diferentes assuntos. O nível de especialização é alto, mas de fácil compreensão aos ouvintes.
    O Coordenador de Jornalismo da ‘Radio UFSCar’, João Eduardo Justi faz uma triagem sobre assuntos que sejam de maior interesse público, que tenham grande relevância científica, sejam atuais e tenham grande abrangência. A linguagem é coloquial e direta, apesar do conteúdo específico, uma vez que o foco do programa é divulgação científica e democratização da informação, ou seja, acesso livre da informação à sociedade, portanto, conteúdo de fácil entendimento para os diferentes nichos sociais.
    A política de revisão dos textos por especialistas é utilizada em casos específicos, mas normalmente desencorajada, inclusive, para que o conteúdo seja autônomo e desvinculado do pesquisador. Os textos não são revisados pelos especialistas que foram fontes das matérias. Após essa triagem uma pauta é passada aos estagiários que produzem e escrevem as matérias.
    As práticas de cross-mídia são feita através de parcerias com outras rádios públicas/universitárias do país, com troca de conteúdo, de forma colaborativa.
    A interação com o público é feita através de telefone, mídias sociais, e-mail, site, blog e iniciativas como promoções ou mesmo participação, pessoal, nos programas.
    O processo de pauta e edição de conteúdo é feito através de uma reunião semanal de pauta, com acompanhamento do conteúdo na produção e designação de novas pautas. É realizado um diálogo constante entre os coordenadores de jornalismo e os estagiários, visando o processo continuado de formação profissional desses estagiários. A edição de conteúdo e revisão fica à cargo dos coordenadores e vivências, junto aos estagiários, para que haja formação continuada e correção de erros. O processo de edição e fechamento diários ocorre devido à periodicidade do programa.
    Os critérios de atribuição de interesse aos temas de destaque são feitos de acordo com as pesquisas que devem estar ligadas às diretrizes do projeto editorial da rádio, além de ter caráter informativo e social.

    Roteiro do Notícias UFSCar

    Rádio UFSCar UFSCar – Notícias UFSCar – 24 de abril de 2012

    Tec: Abertura

    Tec: Vinheta

    Loc 1: Margarina sem gordura trans é desenvolvida por pesquisadores brasileiros

    Loc 2: Estudantes preparam o 3 Congresso médico de São Carlos

    Loc 1: Etanol de segunda geração será vendido em dez anos

    Loc 2: cobertura da Rádio UFSCar na Primeira Jornada de Gestão e Análise Ambiental

    Loc 1: Degelo há 400 mil anos gerou efeito gangorra e afundou ilhas

    Loc 2: Exposição na BCo apresenta fósseis e materiais pré-históricos

    Loc 1: O Instituto de Química de São Carlos sediará palestra

    Loc 2: Boa Tarde, direto dos estúdios da Rádio UFSCar, no campus da Universidade, em São Carlos./ Eu sou Daniel Monteiro.//

    Loc 1: E eu sou Simone Bezerra. Agora , terça-feira,24 de abril de 2012/ A temperatura é de 27 graus e não há possibilidade de chuva

    Tec: Cortina

    Loc 2: Margarina sem gordura trans é desenvolvida por pesquisadores brasileiros.//

    Loc 1: Muitos mitos rodeiam a questão do consumo de manteiga ou margarina, principalmente quando a preocupação é com os níveis de colesterol e as possíveis doenças do coração./ Gordura trans faz bem ou mal a saúde?//

    Loc 2: Já é comprovado que a gordura trans é prejudicial à saúde e que pode existir tanto em produtos com gorduras de origem animal, como de origem vegetal./ O que põe em terra o mito de que só a manteiga é maléfica para nossa saúde.//

    Loc 1: A margarina também é um alimento da lista dos proibidos para consumo devido seu teor de gordura trans/ Na USP a pesquisadora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas desenvolveu uma margarina a partir de organismos probióticos./ a bióloga e pesquisadora , Cinthia Hoch Batista de Souza, conta como iniciou o estudo.//

    Loc 2: margarina_cinthia_1 — 0’24″\nDI: “Essa pesquisa surgiu…”\nDF: “…amplamente consumido.”

    Loc 1: A esta altura já surgiram as dúvidas, como por exemplo, o que é um organismo probiótico?/ Organismos probióticos são bactérias que repõe alguns micro–organismos no intestino./ Estas bactérias diminuem o risco de doenças e favorecem o bom funcionamento deste órgão./ \nOs probióticos são conhecidos como lactobacilos, bifidus e são encontradas principalmente em iogurtes e fermentados.//

    Loc 2: Para a produção de alimentos com substâncias bioativas, como os probióticos é necessário passar por uma avaliação da ANVISA — Agência Nacional de Vigilância Sanitária./ Desde 1999 existe uma legislação que prevê medidas e proporções para utilização destes micro–organismos na produção de produtos alimentícios.//\n \n Além disso é necessário também uma alegação que comprove quais os benefícios trazidos pelas bactérias contidas em cada produto./ A pesquisadora explica como é a formulação desta margarina.//

    Loc 1: margarina_cinthia_2 — 0’45 “\nDI: “Essa margarina contém…”\nDF: “…multiplicação do probiótico no produto.”

    Loc 2: A pesquisadora conta que segundo a legislação é necessário dez elevado a sexta potência de unidades formadoras de colônias de micro–organismos probióticos por grama de produto ./ Para chegar neste produto final foram testadas sete formulações, até conseguir chegar a fórmula adequada para consumo.//\n \n Os benefícios causados pela ingestão desta substância vai impedir que ocorra a multiplicação de bactérias causadoras de doenças gastrointestinais, o que em outras palavras aumenta a defesa do organismo.//

    Loc 1: SONORA margarina_cinthia_3 – 1’04”\nDI: Nos pegamos..\nDF: viabilidade deste probiótico.

    Loc 2: Além de conter substâncias probióticas esta margarina apresenta uma outra característica./ Este produto foi elaborado a partir de uma formulação simbiótica./ O que significa ter uma composição simbiótica para o consumidor final?//\n \n Cinthia explica que uma fórmula simbiótica é composta por organismos probióticos e prebióticos./ As substâncias prébióticas são substâncias que agem alimentando e estimulando o crescimento de diversas bactérias existentes no intestino, que tem ações benéficas, como os probióticos.//

    Loc 1: Sonora margarina_cinthia_4.\nDI: Pra esse produto…\nDF: …formulações já estão bem definidas.

    Loc 2: O principal benefício da margarina está justamente na sua composição./ Esta margarina ainda não está disponível no mercado e segundo Cinthia faltam pequenos ajuste de escala para que a margarina chegue as prateleiras dos supermercados.//\n \n Ainda recomenda, o ideal é que não se consuma alimentos com gordura trans, embora ainda existam produtos com este tipo de gordura./ A pesquisadora enfatiza que é necessário sempre estar atento aos rótulos, quando for comprar produtos industrializados.//

    Tec: Cortina

    Loc 1: Planejado e organizado pelos estudantes, o terceiro congresso médico universitário de São Carlos é fruto do desejo dos estudantes de consolidar sua formação acadêmica por meio de um evento que juntasse atualização científica, ensino médico e visão global da saúde no Brasil.

    Loc 2: O CoMUSCar tem como objetivo reunir estudantes e profissionais das áreas de saúde, visando a atualização dos conhecimentos dos participantes e o incentivo à pesquisa, contando com palestras, mesas redondas e oficinas sobre diversos temas atuais além da apresentação de trabalhos, com a premiação dos três primeiros colocados, incluindo o prêmio Sérgio Arouca.

    Loc 1: Esses prêmios têm a intenção de promover o interesse científico e aprimorar conhecimentos adquiridos durante os cursos de graduação da área da saúde. O evento será realizado nos dias 3, 4, 5 e 6 de maio de 2012, no Teatro Florestan Fernandes da UFSCar – campus São Carlos.

    Loc 2: Para maiores informações, acessar o site do evento http://www.ufscar.br/comuscar ou entrar em contato pelo e-mail comuscar@gmail.com

    Tec: Cortina

    Loc 1: Etanol de segunda geração será vendido em dez anos.//

    Loc 2: O Brasil já está produzindo em laboratório o álcool feito a partir do bagaço e da palha da cana-de-açúcar./ Em cinco anos, terá início a produção demonstrativa do chamado etanol de segunda geração em escala industrial e, em dez anos, o combustível renovável estará nas bombas dos postos de abastecimento, misturado ao atual álcool de primeira geração, feito a partir do caldo da cana-de-açúcar, como prevê a bióloga Elba Bon, professora do Departamento de Bioquímica da Universidade Federal do Rio de Janeiro.//

    Loc 1: Para ela, a tecnologia que está sendo pesquisada para a extração do etanol de segunda geração “está vindo para ficar e vai dobrar a produção de etanol sem aumentar a área plantada”, juntando com os resíduos da palha do milho e do trigo.//

    Loc 2: Além das vantagens ambientais, Elba Bon enumera razões econômicas do novo etanol, como baixo custo da biomassa; pouca necessidade de investimento em infraestrutura para transporte; diminuição da competição com a produção de açúcar.//

    Loc 1: A pesquisadora também elenca razões geopolíticas, como desenvolvimento de tecnologia nacional face à concorrência internacional, que já explora etanol de segunda geração; razões sociais, como vocação para o campo e geração de emprego, inclusive de pessoal qualificado; e razões de saúde pública para o uso desse etanol.//

    Loc 2: Embora vantajoso, a bióloga alerta que o custo do etanol de segunda geração é maior do que o da produção atual:/ que vai competir com a geração de energia das usinas, feita hoje com a queima dos resíduos da cana; e, ainda, que a produção em larga escala depende da descoberta de uma enzima que consiga quebrar as moléculas de açúcar para fazer a fermentação do álcool.//

    Loc 1: “A dificuldade técnica é conseguir retirar os açúcares desse material sólido para fazer a fermentação”, complementa o também biólogo João Ricardo Moreira de Almeida, pesquisador da Embrapa Embrapa Agroenergia./ Segundo ele, para extrair o etanol de segunda geração é preciso utilizar enzimas de micro-organismos, que quebram as estruturas e permitem a fermentação do álcool.//

    Loc 2: Esses micro-organismos atuam na natureza para degradar material em decomposição./ As pesquisas em andamento, em laboratórios públicos e privados, nacionais e de estrangeiros, apostam em micro-organismos encontrados no solo da Floresta Amazônica, capaz de degradar folhas, frutos, galhos e pedaços de árvore que caem, e nos micro-organismos encontrados no aparelho digestivo dos caprinos, conhecidos por ingerirem vários tipos de alimentos.//

    Loc 1: Segundo os dois especialistas, as pesquisas com micro-organismos para a extração de etanol de segunda geração têm recebido amparo regular de diversos órgãos de fomento, como a Capes, o CNPq, a Fapesp, e a Finep.

    Tec: Cortina

    Loc 2: Até o dia vinte e sete de abril, sexta-feira, a UFSCar promove a Primeira Jornada de Gestão e Análise Ambiental.//

    Loc 1: Hoje pela manhã, o Professor do Instituto de Economia da UNICAMP, Alexandre Gori Maia ministrou a Palestra Valoração Ambiental.//

    Loc 2: A repórter Ana Paula Vieira nos traz mais informações sobre o evento.//

    Tec: Cortina

    Loc 1: Degelo há 400 mil anos gerou efeito gangorra e afundou ilhas.//

    Loc 2: Um problema que vinha bagunçando as estimativas de aumento do nível do mar decorrente do aquecimento global acaba de ser resolvido.//

    Loc 1: O que atrapalhava os cientistas é que um pedaço da crosta terrestre atua como gangorra:/ quando o gelo do Canadá derrete muito, tira peso de uma borda da placa tectônica norte–americana e faz a outra borda descer, afundando no mar ilhas como as Bahamas e as Bermudas.//

    Loc 2: Foi isso o que aconteceu 400 mil anos atrás e fez o mar avançar mais de 20 metro de altura nesses arquipélagos./ Na época, o planeta estava em uma era glacial e passou por um intervalo de aquecimento de 10 mil anos.//

    Loc 1: Geólogos descobriram que o mar tinha avançado sobre as Bahamas e as Bermudas nesse período./ Fósseis de animais marinhos com essa idade foram encontrados em regiões altas.//

    Loc 2: Uma elevação de 20 metros no nível dos oceanos, porém, era uma catástrofe que não estava de acordo com os cálculos dos cientistas./ Para que isso acontecesse, seria preciso um derretimento completo das plataformas de gelo da Groenlândia e da Antártida.//

    Loc 1: Mas um estudo em edição recente da “Nature” mostra que o problema foi mesmo causado pelo “efeito gangorra”, que fez as ilhas afundarem mais que o previsto.//

    Loc 2: A geóloga Maureen Rayno, da Universidade Columbia, nos EUA, autora da pesquisa, concluiu que a inclinação tectônica afundou as Bahamas em 10 metros./ Como o derretimento da Antártida Ocidental e da Groenlândia já tinham adicionado 10 metros ao nível do mar, a impressão é que a água subiu 20 metros.//

    Loc 1: Segundo Raymo, as Bahamas e as Bermudas deverão enfrentar de novo o problema com o aquecimento global.//

    Loc 2: O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática estima que o nível do mar deve subir 60 cm até o fim deste século./ Raymo diz que a tendência é que o painel revise essa previsão até para pior./ Num cenário de 1 metro de elevação da água, 145 milhões de pessoas podem ter de se deslocar, estima um relatório da ONU.//

    Tec: Cortina

    Loc 1: \nAté o dia 30 de maio, acontece na Biblioteca Comunitária (BCo) da UFSCar a “PaleoExpo 2012: dinossauros e outros seres pré-históricos”, organizada pelo Departamento de Ação Cultural da BCo, sob coordenação do professor Marcelo Adorna Fernandes, do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva .

    Loc 2: A mostra apresenta parte do material recolhido pelo professor Adorna Fernandes. No total, o acervo pré-histórico preservado na UFSCar conta com aproximadamente 2.700 peças, entre vestígios e fósseis de animais que viveram de 500 milhões a 10 mil anos atrás.

    Loc 1: Alguns objetos, como pegadas de dinossauros impressas na rocha, foram encontradas na região de São Carlos e a coleção também conta com fósseis de répteis aquáticos da região de Rio Claro.

    Loc 2: Entre os destaques estão o esqueleto completo de um dinossauro predador brasileiro, o Abelissauro, com oito metros de comprimento e três metros de altura, e também o Anhanguera, um pterossauro do Ceará com cinco metros de envergadura. O evento é gratuito e aberto a todos os interessados.

    Loc 1: As visitas à PaleoExpo 2012 podem ser feitas de segunda a sexta-feira, das 8 às 22 horas, e aos sábados, das 8 às 14 horas. Agendamentos e mais informações podem ser obtidos no Departamento de Ação Cultural da BCo, pelo telefone (16) 3351-8275.

    Tec: Cortina

    Loc 2: Instituto de Química de São Carlos sediará palestra.//

    Loc 1: O Instituto de Química de São Carlos, da USP, recebe nesta quarta-feira, dia 25, às 16 horas, o pesquisador Sérgio Luiz Monteiro Salles Filho, que dará a palestra “Tão perto, tão longe: o crescimento da pesquisa no Brasil”.//

    Loc 2: Quando um não quer, dois não fazem:/ caminhos tortuosos da política de CTI no Brasil; A terceira missão da Universidade:/ duas já não bastam?; Ensino é melhor com pesquisa… e a recíproca? são alguns dos questionamentos que serão apresentados e discutidos durante o evento.//

    Loc 1: O palestrante é pesquisador do Instituto de Geociências da UNICAMP, além de coordenador de avaliação de programas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, a FAPESP e Diretor da Faculdade de Ciências Aplicadas da UNICAMP.//

    Loc 2: O evento integra a programação do Ciclo de Palestras e Seminários Química às 16h, coordenado pelos professores Roberto Gomes de Souza Berlinck e Andrei Leitão.//

    Loc 1: A palestra é gratuita, aberta a todos os interessados e será realizada no anfiteatro térreo do Instituto de Química, no Campus 1 da USP, na Avenida Trabalhador são-carlense, 400./ Mais informações:Tel.: (16) 3373-8831//

    Tec: Cortina

    Loc 2: E assim termina o Notícias UFSCar./ O Notícias UFSCar tem edição de Simone Bezerra./ A supervisão técnica é de Cristiano Amaral e Gustavo Koshikumo./ Os textos são de Ana Paula Vieira, Flavio Ubialli, Simone Bezerra e Daniel Monteiro/ Na técnica hoje temos aqui no estúdio ———–./

    Loc 1: Continue conosco na programação da Rádio UFSCar./ Uma boa tarde e até o próximo Notícias UFSCar, amanhã, ao meio dia.

    Patrícia Lelli Ferreira

    03/05/2012 em 14:07

  24. Análise de publicação científica:
    Nome: Davi Marques Pastrelo – nº 03511-602
    Revista Scientific American Brasil (SciAm), edição especial – nº 09.
    Edição especial número 09 – Novas Luzes sobre o sistema solar. As últimas revelações sobre nossos vizinhos, planeta a planeta.

    1) Aspectos institucionais:

    a) Histórico:

    A revista Scientific American Brasil, é uma revista de divulgação científica popular publicada no Brasil.
    A empresa que controla a publicação é a Scientific American, uma empresa fundada por Rufus M. Porter em 1845 como um jornal de quatro páginas publicado semanalmente.

    Além de Brasil, Estados Unidos e Canadá, a revista é publicada em 17 países, dentre eles: Alemanha, França, Itália, Espanha, Polônia, República Tcheca, Ucrânia, Rússia, Japão China, Coréia, Israel, Kwait, Holanda e Bélgica, Grécia, Índia e Taiwan A revista possui ainda a premiação, Scientific American 50 Award, premiação desde 2002 premia contribuições à ciência e tecnologia publicadas na revista durante o ano anterior.

    Categoria: Ciência popular

    Frequência: mensal
    Circulação total: 476.867
    Primeira edição: 28 de agosto de 1845
    Companhia: Nature Publishing Group
    País: Estados Unidos
    Idioma: Inglês

    Link: http://www.scientificamerican.com/

    b) Scientific American no Brasil:

    No Brasil, a Scientific American é publicada desde abril de 2001, pelo grupo Duetto. O grupo Duetto possui atualmente um quadro de 90 profissionais, escritórios em São Paulo e Rio de Janeiro. É filiada à ANER – Associação Nacional dos Editores de Revistas e à MPA – Magazine Publishers of America. Todas as suas revistas têm circulação auditada pelo IVC – Instituto Verificador de Circulação.

    Link: http://www2.uol.com.br/sciam/

    De acordo com a editora Duetto, a revista SciAm Brasil teve um crescimento no número de vendas, o que comprova o crescimento deste tipo de publicação no país. O volume 46, primeiro das duas edições especiais dedicadas ao tempo, bateu recorde de venda entre todas as edições da série especial e isso também deverá ocorrer com a edição 47, segundo avaliação do departamento de distribuição da Duetto Editorial.

    A edição mensal nº 118 de Scientific American Brasil relativa ao mês de março passado, com capa dedicada ao “universo quântico” também atingiu a maior venda em bancas dos últimos anos com percentual de quase 50% em bancas, sem contar assinaturas.
    Já a edição especial 46, dedicada ao tempo, está próxima de 53% das vendas em bancas, também sem incluir as vendas por assinatura.
    Em 2012, ao contrário dos anos anteriores, a Scientific American Brasil terá 18 edições ao longo do ano, entre mensais e especiais.

    Duetto Editorial:

    Fundado em abril de 2001, o grupo está dividido em dois grupos de publicações e atualmente possui os seguintes produtos:

    Grupo Conhecimento

    Scientific American Brasil Scientific American Brasil

    – Especiais Temáticos Scientific American Brasil – Gênios da Ciência Scientific American Brasil – História da Ciência Scientific American Brasil – Ciência e Saúde DVD Hubble CD-ROM 2 anos de Scientific American Brasil DVD Exploração do Espaço DVD Scientific American 5 anos DVD Planetário DVD Evolução Scientific American Brasil – A Ciência na Cozinha Scientific American Brasil – Matemática Scientific American Brasil – Anuário de Astronomia Scientific American Brasil – Atlas Digital Corpo Humano Scientific American Brasil – Amazônia Scientific American Brasil – DVD Evolução Scientific American Brasil – DVD O Universo Elegante Scientific American Brasil – Oceanos Scientific American Brasil – A História do Telescópio Scientific American Brasil – 100 Anos do Prêmio Nobel Mente & Cérebro e suas edições especiais História Viva e suas edições especiais Conhecer Grupo Estilo e viagem Cabelos & Cia. Estetica ModaCabelo Lonely Planet

    2) Aspectos comerciais:

    Segmento Ciência popular
    Frequência: mensal (mídia impressa)
    Circulação total: ?
    Primeira edição: abril de 2001
    Companhia: Grupo Duetto
    País: Brasil

    Idioma: Português
    Público alvo: Pessoas de ambos os sexos, a partir de 12 anos de idade que se interessem por ciência e tecnologia.
    Link: http://www2.uol.com.br/sciam/

    Veículos: Mídia impressa, mensal, nº de páginas 100.
    Publicidade: Há vários formatos na mídia impressa, para mais detalhes consultar tabela.

    3) Aspectos editoriais:

    a) Abrangência editorial: Brasil e Portugal

    b) Temática de cobertura: Ciência em geral, astronomia, química, física, astrofísica, biologia, história, urbanismo, migrações, evolução e curiosidades.

    Estrutura editorial: Seção de cartas: com dúvidas e sugestões de leitores

    Matéria de capa:
    Matéria principal Matérias secundárias:
    Matérias secundárias Seção ponto de vista:
    Opinião de algum especialista

    d) A revista analisada foi a Edição Especial nº9 da American Scientific Brasil:

    A revista apresenta uma especial sobre o sistema solar. Há várias matérias analisadas na área de conhecimento, a astronomia e tecnologia de ponta. Cada planeta e lua do sistema solar apresenta uma matéria de destaque. Dentre eles:

    -Sol – Composição, e camadas, erupções solares. Infográficos
    -Mercúrio – Estatísticas e dados com infográficos.
    -Vênus – Mudança climática em Vênus, clima e geologia.
    – Terra – A origem da água na Terra
    – Lua – Formação e composição. – Marte – Formação e composição, comparações com a Terra, geografia, se um dia ele abrigou vida e água em estado líquido.
    -Cinturão de asteroides – Medidas em tamanhos, rotas e principais planetoides (Eros, Gaspra e Vesta).
    – Júpiter e suas quatro grandes luas, composição, formação e tamanho de cada uma delas (Europa, Ganimedes, Calixto e Io).
    – Saturno, seus anéis (origens e dinâmica) e suas principais luas (Titã, Galatéia, Larissa e Proteu) – Urano – Como foi descoberto, anéis, e suas luas, Miranda, Ariel, Umbriel, Titânia e Oberon. Composição química. – Netuno – Como foi descoberto, anéis, e suas luas e composição química.
    – Plutão – O que a missão New Horizons, que chegará ao planeta em 2015, o que ela pode revelar sobre o planeta mais distante do sol e sua lua Caronte.
    – Cinturão de Kuiper – Uma nuvem de detritos que fica além de Plutão e pode revelar a origem do sistema solar.
    – Nuvem de Oort: Uma nuvem de detritos, asteroides e meteoros, que de acordo com os cientistas é de onde se originam os cometas.

    Linguagem:

    A matéria especial é voltada para o público leigo e possui uma linguagem bastante simples. Apresenta muitas ilustrações feitas por computador, infográficos, tabelas com dados sobre tamanho, composição dos planetas, suas luas, tempo de órbita em relação ao Sol (translação), duração do dia (rotação), distância em relação ao Sol.

    Há fotos e infográficos detalhados sobre as expedições de naves não tripuladas que viajaram até outros planetas com detalhes sobre equipamentos, câmeras, motores de propulsão, combustível usado e peso.

    A linguagem é coloquial, o autor utiliza termos científicos, porém sua linguagem é acessível, sendo possível a qualquer pessoa alfabetizada compreender que o texto trata de custos, e possíveis novas descobertas.

    Instituições:

    Nasa, Instituto das Ciências Telescópicas Espaciais de Baltimore, EUA.

    Fontes:

    Nasa Instituto das Ciências Telescópicas Espaciais de Baltimore, EUA.
    Pessoas Citadas:

    Matérias
    – Sol: Bhola N. Dwivedi, Kenneth J.H. Phillips.
    – Mercúrio: Robert M. Nelson.
    -Vênus: Marl A. Bullock e David H. Grinspoon.
    – Terra: James F. Kasting.
    – Lua: James F. Kasting.
    – Marte: Arden L. Albee.
    – Cinturão de asteroides: Erick Aspahulg.
    – Júpiter e suas luas: Torrence V. Johnson, Robert T. Pappalardo, JamesW. Head e Ronald Greeley.
    – Saturno: Joseph A. Burns, Douglas P. Hamilton e Mark R. Showalter. – Urano: Joseph A. Burns, Douglas P. Hamilton e Mark R. Showalter. – Netuno: Joseph A. Burns, Douglas P. Hamilton e Mark R. Showalter.
    – Plutão: A. Alan Stern.
    – Cinturão de Kuiper: Paul R. Weissman.
    – Nuvem de Oort: Paul R. Weissman.

    A revista American Scientific Brasil publica ainda DVDs e outros matérias em mídia online no país.

    Davi Marques Pastrelo

    07/05/2012 em 19:28

  25. Mocmonografias – Seu Site de Monografias e TCC na Internet…

    Exercício 1. Análise de veículos de divulgação científica em Teia de Ideia :: comunicação…

Deixe uma resposta