teia de ideia [mídia e tecnologia]

Francisco Rolfsen Belda

Avaliação dissertativa: jornalismo e mídias digitais

com 32 comentários

Com base nas reflexões e textos apresentados em sala de aula, bem como em sua leitura do livro de Mark Briggs, escreva um texto de aproximadamente 30 linhas sobre o cenário atual e as tendências do jornalismo em mídias digitais. Poste seu texto como comentário neste post.

Escrito por Francisco Rolfsen Belda

22/04/2012 às 23:21

32 Respostas para 'Avaliação dissertativa: jornalismo e mídias digitais'

Acompanhe os comentários com RSS ou TrackBack para 'Avaliação dissertativa: jornalismo e mídias digitais'.

  1. Nome: Larissa Mestieri
    Nº03511-016

    Jornalismo e suas transições

    O jornalismo já passou por muitas fases de transições entre uma era e outra, porém isso não se trata de uma substituição, mas sim de uma renovação.
    Com o fácil acesso a notícias em portais on-line, o jornal impresso vem perdendo seus furos e matérias inéditas. Hoje nós podemos acessar um site de noticias e já ficar sabendo do fato, não precisamos mais contar com o jornal para saber alguma novidade. Esse é o diferencial da informação digital: o acesso fácil, a credibilidade. O jornal pode nos trazer uma reportagem completa sobre o que aconteceu, mas a notícia nós já saberíamos.
    É por isso que hoje as bancas de jornal mais parecem lojas de conveniência, pois os jornais são os que menos são vendidos. Para que o leitor se sinta mais atraído pela versão impressa, os jornais podem publicar as opiniões dos leitores, fazendo com que eles se sintam colaboradores e parte da redação, estimulando assim seu interesse pela leitura.
    A propaganda é uma grande aliada do jornalismo impresso. Quando vimos uma propaganda em algum site, nosso primeiro movimento é fechar a janela, mesmo que nem tenhamos lido sobre o que se trata. No papel isso é diferente, pois é inevitável passarmos os olhos em um anuncio, mesmo que lemos apenas por cima, ele sempre a chama atenção aos nossos olhos.
    Hoje em dia existe um aplicativo chamado ‘localização globalizada’. Com esse aplicativo os jornais passam o lugar para onde você deseja ir, só é preciso ter esse aplicativo na internet ou no celular.
    Nos EUA um jornalista teve a idéia de vender apenas as reportagens que interessavam aos leitores, em minha opinião não foi uma idéia produtiva, pois os leitores querem saber dos acontecimentos, não apenas de um em especial. O americano Bill Keller, redator do jornal The News York Times, lançou a ideia de cobrar pelo jornalismo on-line. Porém, a meu ver, essa concepção também não funcionaria, pelo menos aqui no Brasil. Com tantos sites de notícias e acessos gratuitos à informação, a maioria dos brasileiros não pagaria para ler o conteúdo dos sites pagos.
    Contudo, as notícias on-line podem ter renovado o jornalismo, mas não substitui o jornal impresso. Mesmo que o papel tenha perdido leitores, a credibilidade e a interação fazem com que ele não desapareça. E se perdemos um jornal impresso é só ir à banca e comprar outro, mas se perdemos no notebook ou tablet, perderemos o acesso as notícias.

    Larissa Mestieri

    23/04/2012 em 21:34

  2. Do comodismo à mudança

    As tecnologias avançam a cada dia e diante disso temos que estar preparados e flexíveis às mudanças que ocorrem e nos envolvem. O jornalismo avança muito com toda a praticidade e mobilidade que encontramos hoje, o jornalista “mochileiro” tem o poder de fotografar, filmar, entrevistar e logo em seguida publicar, o que ajuda para atualizações em tempo reais das notícias.
    Levando em consideração o lado de “empresa”, muitas já têm optado e inserido novas tecnologias, assim como aplicativos para telefones celulares, com a finalidade de atingir um número maior de leitores.
    A utilização de blogs para jornalistas tem criado uma certa integração entre jornalista x leitor, segundo Bem Mutzabaugh, colunista do USAToday.com: “Os leitores de um blog colaboram com seu texto e ajudam. Eles querem que você dê a notícia correta”.
    Hoje tudo gira em torno de tecnologia e, um bom jornalista, tem de estar preparado e querer mudanças. Acredito que o processo e aceitação no Brasil ainda seja lento, comparado à realidade que países Europeus e Anglo saxões vivem.Eexemplo disso seria o próprio aparelho celular, antes considerado um aparelho em que só “pessoas ricas” usavam, depois de algum tempo o uso ficou “globalizado” e hoje, mesmo que seja um aparelho mais simples, é fácil de ser encontrado com qualquer pessoa (por isso a minha afirmação de ser um processo lento de aceitação no Brasil).
    Outra funcionalidade no jornalismo digitial, seria o tempo, em um só clique, as pessoas poderiam se informar do que está acontecendo no mundo, poderia então dizer que a digitalização e as tecnologias avançadas ocupariam o lugar do rádio, o qual é muito ouvido pelas pessoas até mesmo pelo tempo que elas disponibilizam e da atenção que ele requer. O tempo para a população brasileira anda escasso, o trânsito inferna, os trabalhos acumulados, a rotina, tudo que faz com que o brasileiro prefira coisas rápidas, instantâneas, e a tecnologia nos agradaria neste sentido.
    Tudo caminha para que no futuro todos possamos estar “nas nuvens”, aproveitando tudo que as novas tecnologias têm a nos oferecer, e se trabalhamos com elas, que possamos abrir as mentes e ir em busca sempre do algo mais e nunca ficarmos parados esperando algo “pingar das nuvens”: “Mudar é inevitável. Progredir é opcional. O futuro é agora – Mark Briggs”.

    Rafaela Carolina da Silva

    23/04/2012 em 21:47

  3. Atividade: Jornalismo e Mídias Digitais

    Título: Internet: o maior salto do jornalismo desde o linotipo.

    Não há mais dúvida! O jornalismo está de cara nova.
    Essa afirmação parece um tanto ousada, mas depois de olharmos mais detidamente algum material sobre o assunto a partir da ótica de autores confiáveis, fica claro que o jornalismo era um antes da internet e é outro depois dela. Isso se deve, entre outras coisas, em virtude da possibilidade de os jornalistas poderem buscar em outras fontes, novos subsídios que balizem de modo mais atraente os assuntos sobre os quais estão a escrever.
    A internet e mais objetivamente as Redes Sociais, são preciosos repositórios de assuntos, busca por fontes, pautas e é claro, opiniões dos atores do cotidiano e que obviamente, são pauta constante para os executores do jornalismo.
    Não obstante o fato da essência do jornalismo dever ser mantida, ou seja, continuam fundamentais o princípio elementar da oitiva das partes e a apuração aguçada dos fatos, a internet representa um passo gigantesco no acesso do operador do jornalismo à diversidade de idéias, opiniões e coisas que se relacionam com o assunto a ser noticiado. Mas se por um lado o acesso do jornalista ao assunto passou a representar uma vantagem, por outro há certo temor que permeia a classe em função da perda da exclusividade da notícia, já que qualquer pessoa que tenha algum modo de registrar algo interessante pode vir a ser um repórter informal e conseguir o tão perseguido “furo jornalístico”.
    Mas não há o que temer. O jornalista será sempre aquela pessoa especial, que perseguirá uma forma criativa e idônea de conseguir o fato noticioso e se não puder cobri-lo com exclusividade, fará uma cobertura mais aprofundada, tornando aquele fato ainda mais interessante ao leitor.
    Penso que o jornalista está conseguindo navegar por esse mar turbulento, mas que é cheio de emoções e de oportunidades. Assim, é importante lembrar a célebre frase de Mark Briggs, um dos autores confiáveis a que me referi no início deste texto. “Um mar tranqüilo não faz um bom marinheiro”. Naveguemos, pois.

    Paulo H. R. Cardozo

    23/04/2012 em 21:50

  4. Novas Tecnologias. Comunicação e informação entre as pessoas.

    Hoje o jornalismo e a mídia digital andam juntos pra um avanço no mundo das informações. O jornalismo em si pode considerar o impresso ganha muito com esse avanço da tecnologia, não podemos dizer que ele perde credibilidade, pois um leitor de anos não vai deixar de assinar um jornal, pelo fato de que a mesma noticia está em um site da Internet.
    Podemos considerar mídia digital tudo que chega ao cliente final por meio eletrônico, tais como games, conteúdo para celulares, TV digital, outdoors eletrônicos, meios que permitam interatividade. Com o aparecimento das mídias digitais houve um aumento do leque de escolhas, permitindo que o consumidor procure pelo que deseja e entre em contato com a marca de forma envolvente, esse tipo de mídia tem um forte apelo junto ao publico jovem, alem de ter um custo mais baixo que as outras tecnologias tradicionais.
    Em futuro que podemos considerar próximo, o jornalismo na mídia digital crescera muito, por ter um maior numero de pessoas utilizando a internet. A única preocupação que se deve tomar por esse uso da mídia digital, é que as empresas vão precisar encontrar alternativas que lhes permitam aproximar-se de todos os públicos de modo mais afetivo, pois as pessoas desejam ter maior proximidade com as marcas.
    Uma das grandes contribuições das novas tecnologias foi propiciar o contato com a matéria-prima do conhecimento, a informação, de modo ágil e não oneroso. Se pudermos acessar a informação por diversos meios tecnológicos isso significa que as novas tecnologias provocam mudanças, sobretudo, no campo da educação. As informações são menos dependentes do professor, pois de certo modo, a tecnologia nos supre o suficiente, ficando para o mestre ajudar o aluno a interpretar os inúmeros dados, relacioná-los e contextualizá-los. Nesse momento entra em cena um professor que o seu principal objetivo não é mais transferir a informação, mas sim atuar como orientador e mediador em diversos aspectos.

    Larissa Menezes

    23/04/2012 em 21:51

  5. Atualmente as mídias digitais avançaram muito em questão de participação das pessoas em rede. Hoje, um jornalista publica alguma matéria em algum site e as pessoas podem se tornar usuários deste site, desta forma o próprio site permite que esses usuários participem do assunto, interferindo e publicando assuntos que tem a ver com a matéria.
    Em tempo real, tudo pode ser postado, compartilhado e comentado pelos usuários e pelos próprios jornalistas que publicam a matéria. O cenário digital vem aumentando rapidamente e constantemente, pois, hoje até as redes sociais como Facebook são alvo de publicações jornalísticas no qual são permitidos debates, grupos de estudo e compartilhamento de assunto, assuntos que vão de um simples comentário até postagem de vídeos e fotos.
    Tudo influencia as pessoas, pois com a internet gratuita ficou fácil para qualquer pessoa ter acesso à internet e desta forma permitindo a opinião de todos os tipos e classes de pessoas, a tal “opinião pública” agora em mídia digital.
    Blogs, redes socias, sites de notícias, todos esses entres outros são de acesso fácil e rápido. E com isso o jornalista acaba saindo em vantagem , por ter a chance de publicar sua matéria e aqueles que se interessam podem acessar essa matéria e dar sua opinião com alguma postagem na parte de baixo.
    A tendêndia é só aumentar os acessos, e o cenário digital com o tempo vai se ampliando. Os jornalistas terão mais usuários vendo suas publicações e os acessos aumentarão, fazendo com que aquele jornalista se destaque, ganhe credibilidade e vangantens em postar matérias na qual o mundo inteiro poderá ter acesso. De um lado, o profissional se destaca e cresce, de um outro lado todos participam, e os acessos se tornam mais fáceis.

    Gabriela Paris

    23/04/2012 em 21:56

  6. Gabriela Paris

    23/04/2012 em 21:58

  7. Tendências da era digital

    O jornalismo na era digital ,hoje com a modernidade e as grandes tecnologias torna o jornalismo tradicional em sessões de jornalismo participativo, o cenário ficou mais complexo. Hoje tem um fluxo intenso de informações via mídias sociais, isso deu-se a internet que acelerou o fluxo de comunicação, mudando e introduzindo novas ferramentas de trabalho, trazendo novas tecnologias, fazendo com as informações cheguem com velocidade, trazendo as noticias em tempo real e em vários formatos de multimídias, em formas de textos, linguagens, plataformas, blogs, face book, Orkut , etc.
    Na era digital o uso da internet nos possibilita transmitir e também colher noticias.
    A maneira como apresentamos a noticia hoje é diferente de dez anos atrás, hoje é tudo mais rápido, a era da informação esta sendo mais do que uma mudança social, ela é uma mudança na condição humana, mostrando as pessoas a possibilidade de conhecimentos que antes era restrito e hoje pode ser acessível a qualquer pessoa, ex: o que conseguíamos ver só no papel como livros, hoje vemos na internet milhares de livros disponíveis, e acessível para qualquer pessoa ler e adquirir conhecimento.
    Com a evolução tecnológica, a internet passou a ser uma ferramenta de trabalho e comunicação entre as pessoas do mundo inteiro, a integração e a troca de idéias se tornaram mais rápidas e natural, mas a realidade ainda nos mostra que mesmo havendo muitas pessoas interagidas na internet, há milhões de pessoas que nunca acessaram a rede.
    O maior impacto da internet foi ter mudado o comportamento das pessoas , essas mudanças deram-se aos surgimentos de comunidades virtuais e intensivas da atuação do internauta como objeto principal ,alguns números da internet 1,4 bilhão de pessoas online em todo mundo 1 bilhão de buscas por dia, apenas no Google 300 milhões de usuários em redes sociais (Google Brasil).
    Estamos conectados o tempo todo.

  8. Jornalismo digital

    A evolução das mídias digitais está transformando o jornalismo de todas as formas. A facilidade de acesso à internet está atraindo os principais veículos de comunicação, que estão digitalizando suas notícias. A Folha de São Paulo é um bom exemplo disso, antes existia apenas o jornal impresso, mas há algum tempo eles transferiram seu acervo para a internet. Sem contar que com a digitalização os leitores podem ter acesso a qualquer notícia, a hora que quiserem e não precisam mais guardar um monte de jornais.
    A chegada das redes sociais também atraiu os meios de comunicação, que podem postar em seus perfis notícias em primeira mão para seus seguidores. Os mais importantes veículos de comunicação já aderiram às redes sociais.
    O mundo digital também está gerando empregos para os jornalistas, que podem ser contratados para atuarem apenas na área on-line de um veículo de comunicação. Porém esses jornalistas devem ser responsáveis e cumprir seus horários, pois a internet sempre anuncia a notícia em primeira mão, e você deve por obrigação anunciar primeiro que o seu concorrente.
    A interatividade com o leitor é outro fator positivo da internet. Os leitores podem acessar uma notícia e comentar logo abaixo do texto se gostaram ou acrescentar alguma informação a mais que o jornalista não tinha para a produção da matéria. Desta forma os leitores podem manter contato com os jornalistas, fator que gera mais acessos nas matérias se o jornalista for conhecido.
    O blog é outra ferramenta onde pode existir interatividade entre o jornalista e o leitor. Vários jornalistas famosos criaram seus blogs para postar textos e debater com os internautas.
    O problema do jornalismo digital é o dinheiro, pois ainda não descobriram uma forma de lucrar com esse tipo de veículo. Os anúncios na rede são baratos e jornal por assinatura online não é uma boa idéia, porque vários sites podem publicar sobre o mesmo assunto sem cobrar nada do público. Mas quando esse problema for resolvido o jornalismo digital ganhará mais força ainda.

    Luiz Pereira Pardim Neto

    23/04/2012 em 21:59

  9. Elo: Jornalismo e tecnologia

    Ao falar de jornalismo e tecnologias digitais, nos deparamos com uma aliança que vem ganhando muita força de alguns anos para cá. Todo o imediatismo, credibilidade e mobilidade que são as principais características jornalísticas estão alta graças à tecnologia.
    Existem diversos recursos tecnológicos que surgiram para facilitar o acesso à informação, visando sempre à praticidade na hora de noticiar, informar ou transmitir alguma mensagem. A internet revolucionou o mundo e não seria diferente nos meios jornalísticos e comunicacionais.
    O mundo é movido por inovações em todas as áreas, porém a mais conhecida e utilizada são as tecnologias digitais. As pessoas estão cada vez mais em busca dos lançamentos do mercado, portabilidade de produtos e principalmente a facilidade de uso e conhecimento que a tecnologia oferece.
    Ao jornalismo, aplica-se facilmente a teoria do elo, pois a internet é prática, acessível a todos e contém todos os tipos de informações, oportunidade perfeita para que todos façam parte do mundo jornalístico, seja como profissional ou leitor.
    Os benefícios de fazer jornalismo com tecnologia é muito grande. Podemos conquistar a atenção de milhares de pessoas em pouco tempo, obter notícias quase que em tempo real, e a interação do profissional com o leitor por meio de sugestões e comentários é um dos diferenciais do jornalismo on-line.
    Há quem seja contra a tecnologia aplicada ao jornalismo, pois muitos temem pelo fim do jornal impresso, mas, “tecnologia jornalística” nada mais é do que um agregado as várias maneiras de textos jornalísticos. É claro que houve uma grande mudança em impressos, eles ficaram mais curtos, em termos textuais, porém continuam com as mesma essência de abordagem, isso o diferencia de um jornal on-line por exemplo, onde as abordagens nem sempre existem.
    A tecnologia é o futuro e logo estará presente por toda a parte, e cabe a cada profissional utilizá-la da maneira correta para desenvolver um trabalho que tenha credibilidade, competência e claro bons textos jornalísticos.

    Analy Vieira

    23/04/2012 em 22:01

  10. Cenário atual e as tendências do jornalismo em mídias digitais.

    Nos dias atuais, o mundo digital generaliza a informação em tempo real, multiplicando o acesso às fontes, reduzindo os custos de produção e possibilitando assim uma maior interação.O Jornalismo ainda continua sendo o mesmo de sempre, precisando haver somente iniciativas capazes de adequar o antigo jornalismo às novas modalidades, procurando adaptar-se às mudanças rotineiras, caso contrário perdem espaço no mercado, que por fim acaba sendo preenchido por outros mais hábeis.

    Com essas tendências atuais das mídias digitais, há uma ampliação de audiência e a interação conseqüentemente é maior que o esperado, onde o jornalismo ganha força, tendo espaço para se tornar mais dinâmico, que por sinal é algo ótimo. Assim, como em qualquer outro meio há ameaças, onde a perda do conteúdo e da qualidade, são fatores importantíssimos, que por sinal ocorre na medida em que as pessoas se sentem “livres” para “desorganizarem” as informações já prontas . Mas, devemos observar que há muito mais oportunidades do que ameaças, presente nesses meios. A internet, sendo uma dessas mídias digitais alcançou públicos muito maiores hoje, a conferência de dados ficou mais rápida, simples, e eficaz.

    A mídia digital com certeza, nasceu para a segmentação de uma maneira ,como a mídia impressa, por exemplo, não pode fazer. O único fator que precisa acabar é a cultura existente de achar que essas novas mídias canibaliza, ou seja, aproveita o que ainda resta das antigas, fazendo com que elas não acelerem a sua participação no mercado. Hoje, as grandes corporações de mídia têm um poderoso componente de entretenimento, onde eles vendem a distração que as pessoas procuram, ficando assim com essa mistura de diversão e informação.

    As pessoas vivem falando em convergências, mais não sabem o real significado desse termo, a convergência não está em um aparelho de televisão ou algo do tipo, e sim na idéia da portabilidade da informação que você irá receber.
    Para “sobreviver” nessa realidade, é fácil. Há de ter disposição, coragem suficiente para mudar, idéias ,conhecimento da desenvoltura das tecnologias das mídias digitais existentes em nosso meio , ignorar todos os paradigmas impostos pelas antigas mídias. As pessoas precisam de aptidão para estarem produzindo conforme as mudanças que vêem a ocorrer durante os próximos tempos.

    Jéssica Fernanda das Taboas

    23/04/2012 em 22:05

  11. Internet amiga ou inimiga?
    Todos os dias, milhares de pessoas sentam em frente a um computador e acessam a internet. O hábito comum entre a população do século XVI tem permitido que essas pessoas possam obter na rede mundial de computadores, o rápido acesso a informação. Mas se por um lado o avanço tecnologico vem atraindo cada vez mais pessoas, por outro lado, está a insegurança dos demais veículos, principalmente do jornal impresso em manter sua existência.
    Não há dúvidas de que essa nova mídia vem cativando a cada dia que passa mais pessoas. E isso se dá por diversos motivos: seja pela curiosidade em entrar no mundo virtual, a praticidade de obter a informação, não deixando de citar a instantaneidade em que essa informação será públicada, entre diversos outros motivos que poderiamos discorrer neste parágrafo.
    Outro tópico que precisamos refletir, principalmente quando consideramos a internet versus jornalismo digital, está justamente no fato de tentarmos entender a maneira como se executa esse processo de jornalismo online. Afinal, ao contrário dos veículos de informação, como rádio, tv, revistas e jornais, a internet, como foi citada no parágrafo anterior, tem a capacidade de rapidamente publicar uma informação.
    No entanto, ao mesmo tempo em que o internauta terá acesso a uma informação “instantanea”, ele deverá estar ciente de que essa instantaneidade está diretamente relacionado a veracidade da informação, já que na maioria das vezes, a ânsia em publicar a informação pode comprometer a veracidade dos fatos, haja visto que nem sempre existe tempo hábil para uma apuração mais precisa.
    E antes de encerrar o texto, preciso deixar aqui minha opinião sobre o futuro dos outros veículos diante da internet. Isso porque sinceramente, não acredito que algum veículo será prejudicado pela rede mundial de computadores, e acredito nisso porque a internet não veio com o intuito de roubar espaço, mas sim como uma ferramenta a mais para difundir a informação. Caberá portanto, aos veículos, saber utilizar dessa ferramenta. E é melhor ter uma internet amiga, do que inimiga, afinal, um veículo de comunicação que não aderir a rede, corre o sério risco de ser destruído por ela.

  12. As novas tecnologias a sua disposição

    É impressionante o que a tecnologia pode nos proporcionar.
    Tudo se tornou tão mais fácil e rápido. É praticamente o mundo ao alcance das mãos.
    As novas tecnologias são as responsáveis por toda essa praticidade, se você as domina certamente consegue perceber isso, consegue fazer com que elas “trabalhem a seu favor”, como Mark Briggs afirmou.
    É basicamente isso. Se você tem acesso a essas tecnologias, se consegue trabalhar facilmente com elas, a sua vida se tornará bem mais prática.
    Até porque não há como fugir. Tudo atualmente gira em torno disso. A era digital veio para ficar, e se você não está atualizado, é preciso se adaptar.
    Todas as profissões sofreram mudanças que foram provocadas por essa onda de novas tecnologias, e com o Jornalismo não é diferente.
    Surgiram novas versões, novos métodos de trabalho e profissionais que estão dispostos a fazer a diferença.
    Mesmo que haja no Jornalismo os profissionais tradicionais, que não gostam muito dos métodos da versão online, e preferem seguir os padrões, é perceptível a crescente onda de jornalistas que aderiram a essa nova prática e estão se destacando com seus Blogs, que permitem uma escrita mais suave e uma interatividade com os leitores.
    O e-mail, ao surgir causou certa desconfiança, mas logo depois conquistou a todos. É a mesma reação que os tradicionais estão tendo com relação aos blogs, há resistência, mas todos os fãs da praticidade e do novo estilo do jornalismo esperam que seja rompida logo.
    Essa praticidade que as novas tecnologias trouxeram, e esse novo modo de se “fazer jornalismo”, permitiu também o surgimento dos jornalistas mochileiros, que conseguem ir atrás de noticia interessante, portando acessórios fáceis de carregar, como uma câmera, um microfone, gravador, ou um celular, e depois editam sua matéria de maneira simples e rápida, com a ajuda de um computador.
    A tecnologia esta aí disposta a ajudar, basta saber como usá-la.

    Edna Adriana Novais Moreira

    23/04/2012 em 22:09

  13. Um mundo de jornalistas
    Um mundo aberto a todas as possibilidades, aonde regras são feitas para serem quebradas e parâmetros criados para serem superados. Esse é o cenário de um mundo moldado pela “Era Digital”, a era em que todos somos alguém com direitos e probabilidades reais de termos nossas opiniões vistas, respeitadas e acatadas por bilhões de pessoas.
    Nesse novo mundo, em que tudo vira notícia em uma fração de segundos, como reposicionar o papel do Jornalismo? Como impedir que o jornalista se misture aos avatares do mundo digital até que se torne imperceptível? Mais um no meio de tantos ávidos para que as opiniões sejam ouvidas?
    Talvez esse seja o principal desafio da profissão, muito maior que o desafio encontrado pelos monges da Idade Média, que antes da invenção de Gutenberg, eram os donos do monopólio da verdade e o perderam com a disseminação da palavra escrita.
    O jornalista, que antes era acostumado a emitir opinião sem que o grande público tivesse oportunidade para contestar, de repente, com a chegada da Internet e as milhares de possibilidades proporcionadas, se viu diante de um bombardeio de críticas daqueles que antes somente estavam acostumados a ler, ouvir e absorver a informação recebida.
    Exatamente nesse momento que muitos se perderam, pois relutaram para aceitar que o mundo havia mudado e que a palavra não tinha mais dono, que era agora de todos com um computador conectado à Internet ao alcance.
    Mas, enquanto muitos travavam uma luta contra um inimigo invencível, outros usaram a velha tática de unirem-se a ele. Assim, reposicionaram-se em sua profissão, passando a trabalhar em conjunto com aqueles que antes somente eram receptores do Jornalismo. São esses profissionais que hoje se destacam, pois souberam compreender que o advento da “Era Digital” foi a chance que o Jornalismo precisava para ser mais participativo.
    Blogs, Vlogs, inúmeras redes sociais, são incontáveis as oportunidades para que jornalistas ou pessoas sem qualquer formação na área sejam lidas ou ouvidas. Agregar essa multidão insaciável por informação ao Jornalismo é a nova missão dos novos profissionais que se formam aos milhares nas universidades de todo mundo.
    No Jornalismo da “Era Digital”, a palavra pertence mais do que nunca ao consumidor da informação. Compreender que o público não é mais um mero receptor é a chave para o sucesso nos novos tempos. Por isso, interagir é a ordem para não se tornar ultrapassado e decadente.
    Aos que obterem a glória de compreender que a lei agora é outra, sabendo compartilhar a informação ao invés de impor a opinião, caberá a dádiva do reconhecimento profissional. Reconhecimento esse não mais enxergado de cima para baixo na relação entre o jornalista e seu público, mas em uma linha reta de igualdade com aqueles que hoje marcam presença dentro das redações, sendo ouvidos, lidos e propagados.

    Daniel Mastroiano

    23/04/2012 em 22:15

  14. O novo jeito de informar

    Muitos dizem que o jornalismo acabou. Outros dizem que o jornalismo impresso acabou. Eu digo que o jornalismo mudou.
    As mudanças são inevitáveis para qualquer coisa que você fazer, elas são benéficas, apesar de não parecerem. Na verdade, o jornalismo se adaptou a nova forma de se informar e ser informado.
    Com a tecnologia presente fica difícil querer correr contra a corrente e continuar com o jornalismo clássico impresso ou aquele telejornal onde apenas informa. O público quer participar. As mídias digitais estão ai para difundir idéias, provocar questionamentos, debates, fazer com que seja mais do que apenas informação. A informação é dada, o público quer de alguma maneira ajudar. Por isso, as redes sociais viraram uma “febre”. O twitter, por exemplo, uma boa forma de se expressar e debater usando cento e quarenta caracteres? O que dizer do facebook com sua forma de compartilhar idéias, questionar seus amigos, o fotolog, o flickr… Uma foto às vezes pode dizer mais que muitas palavras.
    No livro do Briggs, Jornalismo2. 0, é mostrado que o jornalismo digital não é um terror e que, se aprofundado, pode ser uma boa base para novos profissionais no mercado de trabalho.
    É fato que atualmente estamos vivendo em uma fase de adaptação, o jornalismo está tentando se adaptar neste novo mundo tecnológico, interagir com seu público, fazê-lo participar e é isso o que ele quer. Nada acabou. Apenas está se readaptando.
    Eu vejo um futuro bem promissor para este “casamento” entre o jornalismo e as mídias sociais. A nova forma da informação minuto a minuto com o comentário também minuto a minuto só faz dobrar a sede de notícias e de conhecimento. Quanto mais se lê mais se sabe, quanto mais se sabe torna-se melhor o local onde você vive. O move o jornalismo é o seu público e quanto mais comentários e debates tiverem, melhores reportagens e matérias virão.
    Concluindo, o jornalismo está “dançando conforme a música”, e quanto mais à tecnologia se desenvolver mais o jornalismo irá junto. O que falta agora é profissionais para esta nova função, é um campo extenso e que ainda há certo receio de muitos profissionais. Por isso, quanto mais gente interessada melhor para o mundo da informação. As mídias sociais é o caminho. Não é preciso matar o clássico jornalismo impresso, é continuar andando paralelamente, o online com suas características em tempo real e o impresso com seus maiores e melhores detalhes.

    Simone Silva

    23/04/2012 em 22:17

  15. A evolução do jornalismo com as mídias digitais

    Vivemos em um novo ambiente comunicacional, multimidiático, onde nos surpreendemos a cada dia com as mudanças e alterações nos modos convencionais de transmitir a noticia. As atuais tecnologias de comunicação – a mídia impressa, o rádio e a televisão, estão sofrendo cada vez mais transformações impostas pelas tecnologias digitais.
    Com grande alcance de audiência devido às transmissões digitais, a comunicação de massa está se adaptando as novas tecnologias. Deixamos de lado o “papel” para dar lugar aos impulsos eletrônicos, que nos auxiliam e transformam nosso o cotidiano.
    É claro que no começo dessas mudanças tecnológicas, o jornalismo (impresso principalmente) se sentiu ameaçado. Muitos jornalistas se sentiam inseguros e se fechavam às mudanças. Como no caso do email, que foi uma das primeiras mudanças tecnológicas que nos trouxeram praticidade, chegou a fazer as pessoas pensarem que seria uma perda de tempo, uma confusão e confiar dados ali seria muito arriscado.
    As primeiras experiências de jornalismo digital aconteceram na década de 80, com a incipiente expansão da internet. Desde então, as mídias digitais foram se ampliando. Até que atualmente, encontramos milhares de jornais e revistas online.
    Estes números crescem cada vez mais revelando o interesse dos grupos editoriais pela mídia online, já que a mesma atrai milhares de consumidores devido ao conjunto de informações e entretenimento. Os leitores de um jornal já podem participar online de uma reportagem, conseguem ajudar dando apenas um comentário numa matéria e com a mídia online, ele tem uma visão mais abrangente sobre determinado assunto, já que dentro de um site consegue se entreter em outros assuntos, pesquisando, compartilhando e comentando.
    Conseguimos atingir a massa nos adaptando a essas mudanças. Não é falta de tempo, é falta de visão para o futuro. Uma ferramenta inserida ao nosso trabalho comum, só nos trará mais conhecimento e praticidade. Num mundo em que vivemos onde o número de internautas só tende a crescer, as mídias digitais devem ser uma forma de treinamento, renovação e evolução.
    As tecnologias não param e o jornalismo deve acompanhá-las sempre.

    Tamires Frasson

    23/04/2012 em 22:17

  16. Jornalismo digital e conhecimento

    As mídias digitais nos dias de hoje vem se mostrando cada vez mais importante quando o assunto é inovação. É possível dizer que sem as mídias digitais não seriamos capazes de absorver tantas informações que hoje temos disponível.
    Através do meios digitais que hoje dispomos, é possível se informar a todo momento sem precisar de papéis, canetas, ir a uma banca de jornais, etc. Claro, se você quiser ir e comprar, é uma boa opção também, pelo conteúdo que nunca deixou a desejar. Mas eu falo de praticidade, imediatismo, comodidade. Dá para usar vários termos pra afirmar e confirmar que tudo está sendo feito para o indivíduo ter consigo várias opções perto de si e manter-se
    “antenado”.
    Computadores, notebooks, ipad’s, celulares, todos possibilitam o acesso ao jornalismo digital. Basta você ter um deles, uma conexão em casa, ou 3G que possibilita que você acesse conteúdos online em qualquer lugar. O avanço tecnológico está rápido, não só na criação de aparelhos ultra-modernos, que apenas um clique, já te leva para um site de notícias atualizado naquele momento. Mas os próprios meios jornalísticos tem digitalizado seus acervos e contado com a participação dos leitores.
    É possível comentar em uma notícia de um jornal online conceituado, e obter respostas. Assistir o jornal que foi ao ar na TV na internet e você não pode acompanhar, ouvir o programa da rádio que você gosta pelo computador, celular, entre outros. Esse é o modo de interação que faz com que os meios de comunicação evoluam e construam conteúdos que agradem o público.
    Existe uma evolução enorme, e o jornalista que não se manter atualizado e conhecedor das tecnologias digitais, estará atrás na corrida pelo melhor emprego. O jornalista hoje tem que ter seu blog para expressar suas opiniões, tem que usar ferramentas digitais de edição, seja ela de áudio ou vídeo.
    Não é possível dizer onde esse avanço tecnológico vai chegar, mas é possível dizer que existem muitas e grandes oportunidades de fazer um jornalismo com conteúdo. Muitas novidades virão e irá trazer benefícios para futuros jornalistas como eu, que busca um lugar ao sol. Adquirir conhecimento e manter-se informado é a chave para descobrir dia-a-dia uma infinidade de coisas que as mídias digitais têm para oferecer.

    Alexandre Rocha

    23/04/2012 em 22:24

  17. O grande impacto das Mídias Digitais

    Nos últimos anos o jornalismo tem sofrido um grande impacto, devido as novas tecnologias. Sendo que uma das maiores ferramentas é a internet, que acelerou os caminhos da comunicação, produzindo novas ferramentas de trabalho.
    Com isso, a comunicação jornalística, vem trazendo grandes mudanças no cenário das reportagens e a rapidez nas redações, as notícias são em tempo real, com competência, imagens com texto, vídeo, argumentação entre outras possibilidades.
    Ressalto também, a evolução e praticidade que a internet trouxe para o Jornalismo, com as novas tecnologias digitais, facilitando a procura de fontes, , mais informação em curto prazo .
    O jornalista de hoje em dia, tem que estar bem preparado para o mercado de trabalho, sabendo administrar todo e qualquer meio de comunicação, já que a cada dia, surge novas ferramentas de trabalho e de mídias.
    Antigamente as mídias eram somente as televisões, rádios, as revista, os jornais. Hoje em dia isso mudou, pois muitas pessoas começaram a se preocupar mais com as notícias on-line, pela praticidade. E os leitores estão cada vez mais exigentes com o trabalhos dos editores e jornalistas.
    As mídias socias tem grande importância na vida dos jornalistas. Como Facebook, Twitter, apesar de alguns jornalistas não fazerem nenhum uso das mídias sociais.
    Sem dizer que o bom profissional de comunicação tem que ser versátil, sabendo como fazer vídeos, edição, áudio, inserir arquivos, podcasting, entre outros.
    Lembrando também, da contribuição que as mídias digitais trazem para a sociedade, seja ela nas escolas ou não.
    Sendo assim, os jornalistas tem aprender a andar junto com a era digital.
    Para que possam mostrar um bom trabalho.

    Daniele Merola

    23/04/2012 em 22:28

  18. Atenção para as novas tecnologias digitais
    O Jornalismo sempre foi a área mais dependente de informações, por isso os jornalistas sempre tiveram dificuldades para atuar nesta profissão, pois dispunham de tecnologias sem tanto alcance e sem as facilidades que as novas mídias proporcionam.
    Atualmente o mundo vive sua fase mais tecnológica devido ao grande numero de tecnologias digitais disponíveis. Os computadores são muito poderosos nos dias de hoje; aparelhos e dispositivos móveis facilitam a comunicação entre as pessoas; e a Internet é uma fonte muito abrangente de notícias, entretenimento, comunicação, interação, entre outros serviços em prol da humanidade.
    A Internet possui um enorme banco de dados, além disso, tem um alcance gigantesco, atingindo praticamente o mundo todo. Esse veículo de comunicação é muito útil para os jornalistas, que geralmente são os responsáveis pela maior parte de conteúdos de pesquisa e divulgação de notícias em Websites e blogs.
    No que se diz respeito a Websites e blogs, a interação é vasta, onde o autor das publicações ou postagens (no caso dos blogs) mantém contato com os leitores, tudo através da opção dos comentários. Existem inúmeras funções disponíveis pela rede para as pessoas seguir ou assinar como as redes sociais e conteúdos RSS.
    Outras tecnologias que facilitam o desenvolvimento do trabalho jornalístico são os dispositivos moveis, como celulares, smartphones, pen drives e câmeras que passam por modificações constantes, tornando-se cada vez mais potentes devido a enorme concorrência entre os fabricantes. A vantagem é que as pessoas tem na palma da mão acesso a tecnologias de software potentes para o desenvolvimento de pesquisas e postagem de conteúdos Web.
    Portanto, para um jornalista sobreviver no mercado na atualidade ele não pode se prender nos meios arcaicos e ultrapassados, mas sim, se incorporar a sociedade tecnológica e estar sempre atento as novidade do mercado em relação a rede, aparelhos multimídia, dispositivos e principalmente na escolha do conteúdo a se seguir pelas páginas Web entrelaçadas pelo mundo todo.

    Fábio Penariol

    23/04/2012 em 22:31

  19. As mudanças do Jornalismo na Era Digital
    O Jornalismo vem mudando suas plataformas de atuação e os efeitos dessas mudanças permitem aos profissionais de comunicação novas possibilidades dentro dessa carreira. Antes, o jornalista passava boa parte do seu tempo apurando, captando informações; Hoje, com a grande inundação de notícias veiculadas a todo instante,principalmente na internet, o trabalho desse profissional, além de publicar notícias,é também descartar informações e selecionar o que é essencial.
    Como o surgimento de novas mídias digitais, surgiu em alguns a preocupação com o futuro dos jornais, principalmente os impressos e com o rumo do Jornalismo. Será que vai acabar? Era o que muitos questionavam. Passado os momentos de “susto”, verificou-se que mais interessante que ficar indagando sobre os rumos do Jornalismo era importante procurar se adaptar às novas plataformas e se transportar para essas mídias.
    A necessidade humana de se informar e influenciar o meio em que vive é ancestral. Dentro deste parâmetro, o jornalismo aparece como atividade fundamental. O que vem ocorrendo através das mudanças tecnológicas, é que as fontes, que antes era só fontes,hoje também estão produzindo informação, seja no twitter, blog ou facebook. Os meios de comunicação perderam sua exclusividade como distribuidores de informação; Hoje, qualquer pessoa pode publicar notícias, vídeos, fotos, etc, participando do processo de troca de conteúdos.
    Fatores positivos podem ser mencionados com a introdução dessas mídias no Jornalismo: facilidade de contato e interação com o público, alcance de mais leitores que antes não liam o jornal impresso, hoje consomem notícias online e pesquisas que podem ser feitas pela internet. Mas é necessário que o profissional de comunicação seja capaz de lidar com todas essas mídias e consiga se adequar a este novo formato de produção de notícias.
    Se por um lado, existe atualmente uma grande disseminação de informações em outras plataformas e a diversificação do trabalho do jornalista, há que se ter cuidado e não esquecer dos princípios fundamentais e básicos de credibilidade, apuração da informação e responsabilidade. Os jornais também precisam ter um caráter opinativo, com matérias mais elaboradas, produzindo coisas mais analíticas que acrescentem algo novo além daquilo que se vê no dia a dia.
    Desta forma, o profissional de comunicação que souber aproveitar o cenário atual para trabalhar com responsabilidade e inovação, utilizando essas novas mídias, poderá se transformar em um profissional melhor e diferenciado.

    Fabianne Herênio

    23/04/2012 em 22:32

  20. Aluna: Caliandra Segnini
    03511-003

    Jornalismo Digital

    Estamos na era da informação e do conhecimento, onde o jornalismo é um instrumento de difusão de notícias. As mídias sociais permitem que os fatos sejam contados à medida que eles acontecem, praticamente em tempo real. A instantaneidade é a maior característica da internet no âmbito do jornalismo.
    Para o jornalista, é necessário estar constantemente atualizado e em contato com seus leitores para criar uma relação de confiança, credibilidade e compartilhamento de ideias. As mídias sociais permitem isso de maneira eficaz através da participação, conversação e compartilhamento, sendo caracterizadas por uma possibilidade de expressão pública, sem fronteiras de acesso à informação. Além disso, trazem facilidades para o jornalista por serem econômicas, com baixo custo para produzir e distribuir conteúdo, além de não exigir grandes habilidades na área de programação. O jornalismo nas mídias sociais não necessita de intermediários, permite uma relação direta entre o repórter e seu leitor, dando um feedback imediato sobre tudo que é publicado e permitindo assim uma relação amigável entre o jornalista e seu público, criando uma relação de colaboração, além de facilitar na coleta e apuração dos dados. No jornalismo digital a cobertura é infinita, mais ágil, objetiva, interativa, direta e até mesmo descontraída. A convergência de formatos enriquece o jornalismo digital. Fotos, vídeos e áudio aproximam o leitor da notícia e acrescentam emoção aos relatos.
    A tendência é que o jornalismo digital continue a crescer dentro das mídias sociais com a criação de novas tecnologias e aperfeiçoamento das já existentes. Dispositivos móveis e conexão sem fio se desenvolvem e permitem que os usuários estejam sempre on-line, a qualquer momento e em qualquer lugar, próximos das notícias e propagando informações, consumindo conteúdo virtual e tornando leitores em usuários ativos que participam da criação e divulgação dos acontecimentos.
    As mídias sociais tornaram a informação um bem público, de consumo imediato, e que chega ao público de maneira instantânea e direta, permitindo que o jornalismo seja feito na sua maneira mais crua, pura, aproximando a notícia do leitor.
    Informação ágil e dinâmica é a fórmula para que o jornalismo digital continue a crescer promovendo socialização virtual e descentralizando o poder da informação.

    Caliandra Segnini

    23/04/2012 em 23:35

  21. A época digital na comunicação
    Tecnologia é a razão das mudanças de comportamento social ocorridas atualmente, principalmente com o acumulo de informações geradas a cada instante. A parte importante é notar que esse processo também tem percorrido o seu caminho na comunicação que tem tomado posicionamento para isso.
    A passagem da era analógica para o digital tem sido inevitável, imediatismo é a palavra exata para descrever como os processos de mídias digitais têm feito nas empresas de comunicação. Digital vem o ato de digitar, é ter a tecnologia na ponta dos dedos não é algo tão palpável. Ser polivalente, saber lhe dar com as inúmeras ferramentas que só tem a acrescentar no trabalho inovação, é o perfil do futuro.
    É uma revolução digital que provoca grandes mudanças no hemisfério das informações. É preciso encarar e aceitar o novo momento, pois só está aí para acrescentar. Ora do que a sociedade é conduzida atualmente? Não é se atribuir pouca importância, mas o tempo está cada vez mais curso é preciso facilitar, por isso creio que a tendência do jornalismo nas mídias digitais é simplificar e tornar mais dinâmico.
    Se não houver uma mudança nas empresas haverá um fator prejudicial é preciso correr com aqueles que se modificam. Um dos exemplos mais curiosos é notar que até os livros tem sofrido modificações para o digital. O Ipad é um instrumento precioso para este exercício, através do aplicativo iBooks é possível ler como se estivesse em um livro de capa dura. A diferença é a dinâmica, inovação que foi recebida muito bem pelo público; uma forma nova de ser ler e conquistar leitores.
    Outras características importantes para atribuir ao universo digital é a mobilidade oferecida, portabilidade e multiprogramação. Redes e mídias sociais são um dos maiores alvos da era digital na comunicação, grande tem sido a socialização por meio deste, onde há compartilhamento de conteúdos e interesses comuns, assim tornando a propagação da notícia mais veloz. A nova forma de execução; influência fortemente na transmissão e com isso tem atingido maior massa em toda sua distribuição. Portanto ressalto a grande importância e vantagem que o digital tem feito na sociedade e recebida de uma maneira geral.

    Raíssa Vitulli

    24/04/2012 em 0:08

  22. Tecnologia digital Antecipando o Futuro.
    Atualmente vivemos em um mundo Interativo, onde tudo vive em volta dessa tecnologia e claro que o Jornalista tem que se adaptar a essa era digital. A tecnologia chegou, trazendo com ela melhoria ao mundo da Comunicação deixando ela voltada ao publico alvo, com sites, blogs, facebook etc.; dando aos Jornalistas uma nova Frente de Trabalho dando iniciativas capazes de adequar o velho Jornalismo as novas Modalidades fazendo com que suas matérias tenham um feedback uma ampliação da audiência e a interação, esta fantástica ferramenta que as tecnologias nos proporcionam.
    Na comunicação, nada mudará de repente, mas nada permanecerá como está. E isso pela simples razão de que, graças à velocidade e ao uso estratégico das tecnologias de informação e difusão, o mundo acelerou extraordinariamente a sua capacidade produzir mutações no campo das interações humanas. Até as cidades municipais estão dando livre acesso a internet, levando ao publico noticias mais rápidas dando a ela permissão em tempo real e permitindo que as pessoas compartilhem as matérias dando credibilidade ao site e blogs veiculados dando uma interatividade inteligente. Pois os leitores não são mais receptores passivos de mensagens, eles criam, compartilham e comentam.
    As ações que o Jornalismo faz hoje são as mesmas que fez ontem e fará amanhã: relatar, comentar, desvendar e elucidar os acontecimentos explícitos ou ocultos da atualidade, com as artes da narração e da argumentação. A Internet está aí como sinal do futuro, e o que ela representa para o Jornalismo? Um ambiente fantástico, maravilhoso, de resgate do texto, depois de tanto se ter espalhado que entraríamos irreversivelmente na era da imagem.
    Até na televisão o texto é cada vez mais essencial. Estamos vendo que o publico está mudando e para melhor, notamos que a Tecnologia já chegou para nova geração, à conectividade sem fio para telefones móveis permite que celulares normais, telefones inteligentes e outros possam ser conectados à Internet através de uma rede de alta velocidade assim o publico terá as informações na hora exata notam que essa tecnologia é como tentar antecipar o futuro, pois ganham massa e muda o mundo das comunicações.
    Certamente mudarão as formas de produção do Jornalismo, devido às inovações tecnológicas. Mudarão, também, os papéis sociais e culturais do Jornalismo, em sociedades marcadas pela capacidade discursiva dos sujeitos sociais – pessoas e instituições. Mas a linguagem caminhará apenas para requintes qualitativos que platéias cada vez mais críticas e interativas exigirão do Jornalismo. Nesse Jornalismo de amanhã, saber escrever terá o significado de saber pensar, na dimensão das complexidades. Sem obedecer a verdades pré-estabelecidas tão ao gosto das antigas fronteiras disciplinares, que simplesmente devem ser pulverizadas.

    Nome: Daiane Luciano

    24/04/2012 em 15:45

  23. Tecnologia digital: a colaboração e a escravidão

    A tecnologia tem evoluído cada dia mais, podemos ver isso através de celulares que de meses em meses, as técnicas e as funções são totalmente novas. A tecnologia foi feita para facilitar a vida do ser humano.
    A era digital, acelerou o trabalho do homem, as condições, as possibilidades, o que ontem um simples recado demorava dias para chegar ao destino, agora acontece em segundos.
    Assim também acontece para os profissionais de jornalismo. O que no passado se levava dias para transmitir ao telespectador uma noticia que em muitas vezes acontecia em outro país, hoje é no mesmo instante em que o fato acontece.
    A internet é a principal ferramenta para levar uma noticia imediatamente ao telespectador.
    E o jornalista hoje, deve estar aberto para essas novas tecnologias, acompanhar o que o mundo atual esta trazendo de novo. Ao menos o básico, pois essa tecnologia esta vindo para a melhoria, qualidade e rapidez da noticia.
    A tecnologia digital e sua evolução constante, tem uma tendência muito forte no jornalismo. Os blogs, por exemplo, são os meios mais usados para manter uma pessoa informada de tudo o que ocorre no mundo, desde tragédias, moda, esporte, etc.
    Além da internet, hoje os celulares com as suas tecnologias avançadas, também são capazes de fornecer informações instantâneas de uma noticia do outro lado do mundo.
    E como não só os jornalistas usufruem dessa era digital, assim são também de grande utilidade para as pessoas mais comuns.
    Mas o que era para servir de um apoio ao ser humano com as tarefas do cotidiano, com a rapidez na comunicação e na interatividade das pessoas, agora se tornou apesar de extraordinário, algo totalmente dependente. Tornaram-se escravas de um objeto digital, como um computador, um celular, etc. Não conseguem fazer com que seja apenas uso rotineiro, pelo contrário, esses objetos fazem parte de suas próprias vidas.

    Taiana

    25/04/2012 em 13:16

  24. A Tecnologia presente na Sociedade Contemporânea.

    A tecnologia no campo da comunicação avançou muito e dominou os consumidores de dispositivos midiáticos. A tecnologia e a atuação dos meios de comunicações digitais destacam-se pela velocidade da informação. Um exemplo de como a tecnologia está reconfigurando a prática social, é em salas de aula, o ensino já não é realizado sem a interferência das mídias.
    Na comunicação midiática, surgem os rádios e as TVs, e paralelamente, uma evolução na forma de entender e interpretar as informações. O ser humano passa a perceber os acontecimentos em tempo real. Os meios de comunicação passaram a deter o poder da verdade e a influenciar o cotidiano dos indivíduos, interferindo diretamente nas práticas escolares; com tanta tecnologia o educando não faz uso adequado pelos meios de massa.
    Os jovens, em especial, têm acesso à internet no horário que desejar, porém não faz uso correto deste veículo, pois se prende à sites de relacionamento, entretenimento, e não de cultura, educação, política, atualidade. A tecnologia veio para inovar, desde o inicio da era do fogo, está se atualizando, usando novas tecnologias até os dias atuais. No entanto, o uso de softwares é muito recente, pois a máquina (computador) começou a se difundir a partir dos anos 90.
    Com a tendência das mídias e das telecomunicações, as quantidades de informações têm um aumento significativo e passam a ser disponíveis a todos que tenham acesso à conexão. A revolução digital provocou muitas mudanças para com a realidade humana; as pessoas estão deixando de ser cultas, estão cômodas pelo grande número de informação na comunicação, e pelo acesso em tempo real. Novos valores estão sendo construídos, novas percepções estão sendo agrupadas ao nosso dia a dia. Isso implica novas necessidades, novas formas de avaliação por parte dos consumidores em relação ao marketing e à postura comercial de empresas. O crescimento é constante e mostra sua força.
    Com o uso do celular, por exemplo, é possível estar em um determinado lugar, onde ocorra um fato relevante/marcante, e este, pode ser capturado e enviado para publicação em tempo real do acontecimento. A era tecnológica nos impõe hábitos de vida social, como concepções de comportamento, estética, atitudes… Enfim, valores que agregam à sociedade contemporânea.

    Bruna Fernandes Galo

    28/04/2012 em 1:14

  25. Título: Basta procurar

    A era digital revolucionou vários segmentos da sociedade, incluindo os veículos de comunicação e, por consequência, o Jornalismo. Esta nova forma de se comunicar mudou a relação do público com a imprensa e fez com que os profissionais que se adaptassem a essa nova realidade.
    A informação deixou de ser exclusividade dos principais (e mais antigos) veículos de imprensa, como rádio, jornal e TV, e passou a ser acessada pela internet, em qualquer lugar. Primeiramente, com os computadores pessoais, os PCs. Depois, os notebooks começaram a trazer certa mobilidade aos usuários. Hoje, aparelhos de telefone celular com conexão sem fio e tablets, que ainda estão se popularizando, também são opções de acesso à rede mundial de computadores.
    Conforme vai passando o tempo, a sociedade fica mais dependente da internet. Checar um e-mail, deixar um recado para um amigo e ver o que as pessoas estão postando nas redes sociais são tarefas que passaram a fazer parte da rotina de grande parte do público. Em meio a essas mudanças, o Jornalismo não passou ileso.
    O principal exemplo disso é o jornal impresso. “Extinto” várias vezes por especialistas e consumidores de notícias em geral, ele segue na ativa. Mas, para isso, teve que se reinventar. Por que um cidadão vai comprar um jornal (e dedicar um tempo da rotina corrida para lê-lo) se todas as notícias já estavam na internet e passaram na TV e no rádio? Informar não bastava, e a contextualização passou a ser a grande marca da mídia impressa. Opiniões de especialistas, a favor e contra algum tema, e várias visões de um acontecimento passaram a ser exploradas pelos jornais como um todo.
    Outra mudança significativa foi a multiplicação de blogs e portais noticiosos. A informação democrática, com várias visões de um acontecimento, hoje é realidade na internet. O público não depende mais da mídia tida como tradicional, que regulava o que deveria ser visto ou não. E jornalistas possuem seus próprios blogs, muitos deles opinativos, o que os transformam em espaços para trocas de ideias com as pessoas.
    Não há mais desculpas para não estar informado sobre os principais acontecimentos do Brasil e do mundo. As notícias estão disponíveis em praticamente qualquer lugar. Basta procurá-las.

    Celso Luís

    28/04/2012 em 12:02

  26. Jornalismo e mídias digitais
    Hoje o mundo é conectado à internet. Tudo que acontece no mundo, é divulgado em primeira mão na web, em blogs, sites de noticias e o acesso está cada vez mais fácil, podendo conectar-se à internet em diversos dispositivos como, celulares, netbooks, ipads e outros derivados. Hoje em dia, todos gostam de postar na internet, em sites de relacionamento, blogs e outros, tudo o que gosta e dos mais variado assuntos.
    Os blogs hoje em dia, vem tomando conta da internet, pois todo mundo pode abrir uma conta no wordpress ou no blogspot e falar daquilo que gosta, comentar sobre política, esporte, entretenimento, música, moda entre outras coisas que estão espalhadas pela internet. Hoje os blogs é o maior exemplo de comunicação leitor/editor. Além dos blogs, precisa-se estar sempre alerta sobre as novas tecnologias e mídias digirais e procurar aprender cada vez mais, nossas vidas está se tornando pura tecnologia. Cada dia que passa algo novo é descoberto, o mundo tecnológico está se expandindo e é necessário estar atento, disposto e não ter só um conhecimento teórico mas sim um acesso maior a esses aplicativos que hoje movem o mundo.
    Não há mais como controlar a internet hoje em dia, o povo vive de internet e sempre está conectado, no computador de casa ou no trabalho e até mesmo no celular em qualquer lugar que ele esteja. Hoje não há como arrumar desculpas para estar sabendo de tudo que acontece no Brasil e no mundo, a internet está ai para isso e, sim, aquele que não se mantém informado acaba ficando para trás, num mundo cada vez mais tecnológico.

  27. Novos ventos e sentidos

    Nos últimos 10 anos ocorreram grandes mudanças na comunicação, principalmente nos veículos e usuários. Podemos dizer que vem ocorrendo até mesmo uma inversão em alguns casos. Hoje o usuário é ativo, ele não apenas modifica, mas também produz o conteúdo. O mercado pede um conteúdo cada vez mais dinâmico e com isso também o avanço diário na capitação e transmissão de informações. Com todas essas transformações é natural que haja questionamentos quanto aos rumos que o jornalismo irá tomar. Vemos hoje uma maior necessidade de renovação de conteúdo, assim como, de formatos de compartilhamento.
    Em diferentes culturas encontramos diferentes caminhos na formação multimídia. É necessário levar em consideração perfil de usuário, costumes e condições econômicas. Fornecer noticia e informação de forma interativa e gratuita tem tornado o leitor, ouvinte, colaborador cada dia mais exigente. A Publicidade já não se aplica como antes. O consumo de idéias já não se aplica como antes. Nesse sentido notamos que nosso país “engatinha” em direção a essas mudanças, afinal são mudanças que nos obrigam não apenas a comunicar instantânea e completamente, mas também a refazer nossas folhas de cálculos econômicos, pois investimentos e retornos são mensurados de forma diferente.
    O Jornalismo tende cada dia mais a ser mutante, a ser instantâneo, a ser cultivado por leitor e jornalista. Observamos a necessidade constante de domínio das formas mais variadas de compartilhamento. Hoje o jornalista precisa ser multimídia, assim como os veículos. Fornecer uma informação não é mais apenas um texto seco e rígido, há com ele toda estrutura de apoio que “rola na rede”. A informação já é esperada com “links” de imagens, sons e outros diversos artifícios que com o avanço tecnológico estão presentes nas mais simples publicações, não privando a mais simples mídia impressa.
    Dispomos de muitas ferramentas imediatistas, teremos a missão de alimentá-las.

    Anna

    30/04/2012 em 13:46

  28. cenário atual e as tendências do jornalismo em mídias digitais
    Para Ken Doctor, a fase atual é de transformação da notícia e da forma como será repassada. “Uma nova era, uma nova revolução da mídia, com preceitos tecnológicos acessíveis a todos, essa é a proposta para hoje e para os próximos anos”, ressalta Doctor.
    O jornalismo não está ameaçado, não vai acabar. Mas a forma como é produzido, os recursos, os meios e as tecnologias que serão usadas daqui para frente são as geradoras de dúvidas nessa renovação jornalística inserida na nova revolução midiática.
    A velocidade com que circula a informação, a notícia e a maneira que a notícia é comentada são os grandes avanços da tecnologia à serviço da informação. No atual mundo, globalizado, de exposição extrema aonde o compromisso com a verdade é relevado e a futilidade e banalização dos assuntos são constantes. O papel do jornalista ou o jornalismo esta aberto ao público e cabe ao público a escolha do que consumir e como dentro e fora da internet.
    A notícia virando nova notícia e como é repercutida, com velocidade assustadora, gerando comentários sobre as notícias sendo assim parte da notícia.
    O cenário atual é de evolução, atualização e renovação constantes das novas mídias e a tendência do jornalismo nesse novo cenário é de manter-se ligado nas mudanças sempre acompanhando todos os passos bem de perto, andar junto e à favor das novas mídias e tecnologias como um instrumento favorecedor da informação e da maneira que o novo mundo tecnológico, cada vez mais veloz da vida das pessoas, possa ser bem aproveitado no ritmo de todo esse samba.

    Rafael Zuolo Alberici

    30/04/2012 em 16:11

  29. Jornalismo na era Digital
    A cada dia que passa a tecnologia avança mais,e isso não é diferente no Jornalismo digital.Com esse avanço ajuda todos da comunicação, pois as noticias chegam cada vez mais rápido com a era digital.
    E por causa da internet o jornal impresso esta pendendo força a cada dia que passa, e a era digital tomando conta da comunicação com seu fácil acesso em qualquer lugar do mundo que você estiver.
    Nos tempos atuais, não temos mais como controlar a internet são tantas informações vindo de várias mídias sociais, que se pode ser publicada em blogs,faces,site etc, usando apenas um aparelho celular se consegue acessar a internet, conseguindo informações necessárias do mundo todo.

    Raphael V. Satyro

    30/04/2012 em 21:29

  30. […] dissertativa sobre Jornalismo e mídias digitais. Para ver comentários de outros alunos, clique aqui. Share this:TwitterFacebook Publicado em Tecnologias Digitais por Celso Luís. Marque Link […]

  31. A transição do jornalismo e a conquista de novos usuários.

    As mídias digitais estão cada vez mais próximas das pessoas no cenário atual. Devido ao grande número de computadores, a facilidade de acesso à internet, ao grande investimento de empresas em propagandas em sites jornalísticos e a falta de tempo das pessoas de desfrutarem das mídias impressas o jornalismo vem crescendo muito dentro das mídias digitais.
    Muitos jornalistas estão usando blogs para divulgar seus trabalhos na internet. Eles são uma boa opção para quem quer expressar suas próprias idéias e até promoverem campanhas de interesse próprio. Claro que nem tudo que se posta em um Blog pode ser considerado jornalismo, mas geram certa discussão e uma reflexão entre as pessoas. E os blogs têm um grande poder de alcance entre os usuários de internet, por isso deve- se ter cuidado com o conteúdo postado em blogs.
    Os sites especializados exclusivamente em jornalismo ainda são um pouco carentes de informações completas, o que é causado pela disputa de tempo e notícias em primeira mão por estes. Isso tira um pouco ainda a credibilidade de alguns sites e alguns usuários ainda preferem jornalismo impresso ou televisivo.
    Porém, a aparência e a interatividade desses sites chamam a atenção dos usuários. Conexões com outros sites, links para diversos tipos de matéria, deixam a leitura um pouco menos cansativa.
    Com os lançamentos de aparelhos com cada vez mais tecnologia como aparelhos celulares com acesso à internet, computadores portáteis, tablets, internet 3G entre outros, as pessoas estarão cada vez mais próximas das informações via internet. Isso se deve também ao barateamento desse tipo de tecnologia, que há algum tempo atrás, jamais se imaginava serem acessíveis à quase todos.
    Com o grande crescimento de usuários desse tipo de tecnologia, os sites jornalísticos terão que, de alguma forma, se adequar a esse público, que com o tempo se tornará cada vez mais exigente.
    Enfim, o jornalismo tem tudo para crescer nas mídias digitais, e com isso conquistar leitores de mídias impressas e também novos leitores.

    Daniel Martins Casimiro

    07/05/2012 em 22:08

  32. Muito se tem questionado o futuro do jornalismo e quais seriam os impactos que as mídias digitais estariam imputando na produção de notícias. Há quem diga que os tempos em que vivemos serão conhecidos como o fim do monopólio informacional como apreciamos atualmente já que, com a internet, todos passam a ser produtores e receptores de conteúdo.
    Porém, é necessário ressaltar desde já que mudanças, de fato, ocorrerão. A sociedade mudou e, com isso, nossos hábitos também foram modificados. Já não mais consumimos informações como antigamente, caminhando calmamente rumo à nossa banca de jornal preferida. Somos ‘informívoros’, ávidos pelo consumo frenético e imprescindível de conteúdo informativo. Esse termo foi criado pelo cientista e psicólogo canadense Zenon Pylyshyn, com o intuito de classificar uma nova relação humana proveniente de uma revolução orgânica que tornará tão essencial a busca por informações quanto à necessidade por adquirir alimento.
    Assim, o que podemos observar como impacto no jonalismo impresso não é sua extinção, mas uma reflexão a cerca dos novos formatos e modelos e a convergência como cada meio será entregue ao seu consumidor final.
    Surgem, na sociedade moderna e digital, novos públicos, cada vez mais customizados e interativos em relação às marcas, produtos e serviços. Surgem, também, novos dispositivos de produção e entrega da informação. Nunca antes os modelos de distribuição foram tão essenciais para o jornalismo.
    Entretanto, focalizar apenas alguns dispositivos significa não sair do tradicional. Isso é transposição, não modificação. O uso massivo e aparentemente único dos tablets não será a salvação dos jornais. Tais dispositivos abrirão portas para diferentes oportunidades para produzir, reunir e distribuir informação. Porém, apenas exportar o conteúdo para esses meios nos torna apenas meros produtores do ‘mais do mesmo’.
    Nesse caso, não haverá interação, distribuição nas redes sociais ou inserção de novos conteúdos gerados pelos usuários em cima daquele oferecido pelos grandes veículos. Seria apenas outra mídia, não uma plataforma informacional. E o que o jornalismo precisa entender é que ele necessita de formas de interação com o seu leitor, tornando-o parte do processo de produção e transformação das concepções da Sociedade.

    Nícolas Bertate

    26/11/2012 em 20:18

Deixe uma resposta