teia de ideia [mídia e tecnologia]

Francisco Rolfsen Belda

Avaliação do primeiro bimestre

com um comentário

Avaliações do primeiro bimestre da disciplina de Laboratório de Tecnologias Digitais:

  • Resumo do livro “Jornalismo 2.0” (entrega até dia 23/04, pelo site da disciplina. Valor: 4 pontos)
  • Prova dissertativa sobre tendências e cenários de comunicação na era digital (redação presencial, dia 30/04. Valor: 4 pontos)
  • Criação de blog do aluno (exercício em laboratório, de 9 a 23/04. Valor: 2 pontos).

Escrito por Francisco Rolfsen Belda

02/04/2012 às 11:58

Uma Resposta para 'Avaliação do primeiro bimestre'

Acompanhe os comentários com RSS ou TrackBack para 'Avaliação do primeiro bimestre'.

  1. Síntese do livro: Jornalismo 2.0
    “Um guia de cultura digital na era da informação”
    (Mark Briggs)

    Capítulo 1) FTP, MB, RSS, oh!!!
    – Uma das dificuldades que as pessoas enfrentam em relação ao funcionamento da Internet, dispositivos móveis e outras tecnologias digitais é a quantidade de siglas usadas. É importante saber o tamanho de arquivos baixados, quanto maior for o tamanho, mais tempo vai levar para o download ser concluído. A velocidade da conexão da Internet, com o tamanho do arquivo, é que vai determinar a velocidade do arquivo na hora de baixá-lo.
    A Internet é o conjunto de rede que permite o acesso a informações. A Web é a ferramenta que as pessoas usam para pesquisar as informações publicadas, recupera a informação e transfere para exibição no computador. Neste capítulo é citado que o e-mail não é uma ferramenta capaz de capturar centenas de tópicos. O RSS (mensagens de notícias) pode fazer isso com apenas um clique do mouse. Também aprendemos como localizar um feed e sugestões para assiná-lo. Existem muitos programas gratuitos disponíveis para executar o FTP (Protocolo de Transferência de Arquivo).

    Capítulo 2)Web 2.0.
    – Este capítulo estudo sobre o termo “Web 2.0”, no qual a importância relaciona-se com a participação dos usuários, que os permitem maior controle, flexibilidade de suas experiências e criatividades online. Web sites não são mais armazéns de informação, mas são fontes de conteúdos e funcionalidades. O Google mudou as estratégias de publicidade e forneceu a maior parte dos argumentos que sustentaram o crescimento na Web 2.0. Os leitores criam, compartilham e comentam, não sendo mais receptores de mensagens.
    No final dos anos 90, houve uma enorme expansão dos investimentos em projetos na Web visando à criação de empresas online, as chamadas ponto com.

    Capítulo 3) Ferramentas e Brinquedos.
    – O panorama digital esta sempre mudando. O que existe hoje no mundo digital são pequenos dispositivos com grande capacidade de armazenamento de dados. Pen drives USB e cartões de memória como CF (compact flash) ou SD (secure digital), podem armazenar milhares de megabytes. O Ipod é uma máquina que mudou o panorama da mídia. O crescimento das tecnologias móveis de comunicação não altera o modo pelo qual as audiências recebem as notícias, mas também integra novas formas de produzir informações.

    Capítulo 4) Novos métodos de Reportagem.
    – Este capítulo ensina como organizar os dados eletronicamente, para maximizar seu uso no futuro, mesmo que seja uma lista de contatos. Através do uso de tecnologia e de uma postura mais aberta, em relação a coletar informação, repórteres, editores e fotógrafos podem melhorar significativamente seu talento para reunir e avaliar notícias, sem que haja a perda de qualidade. A tecnologia e a transparência são duas qualidades essenciais para ampliar o importante papel do jornalismo na era digital. O capítulo também ensina como fazer planilhas e armazenarem dados. Pode-se usar um banco de dados numa cobertura jornalística. Muitos jornais adotaram o “formato alternativo de narrativa jornalística”, para coberturas básicas. Alguns jornais têm hoje mais de uma rede de leitores. Os jornalistas devem buscar novas ferramentas e equipamentos (preferencialmente eletrônicos), para continuar seu importante trabalho.

    Capítulo 5) Como fazer um Blog.
    – O capítulo irá abordar alguns princípios básicos de como fazer um blog, e ajudar a cultivar uma comunidade online. Muitos analistas da nova mídia sugerem que cada repórter tenha seu blog, um bom blog ajuda aumentar a credibilidade e autoridade do blogueiro/repórter em uma cobertura jornalística.
    O blog tornou-se o alicerce da autêntica revolução da informação.

    Capítulo 6) Como fazer reportagens para a Web.
    – É trabalho do jornalista preencher a página principal do jornal com notícias de atualidade. Portanto, é preciso estar pronto para usar as ferramentas de midiáticos disponíveis para fazer uma cobertura imediata. Os leitores gostam dos jornalistas que não perdem tempo; uma linguagem simples e direta transmite a informação de forma eficiente. Os principais sites de notícias devem produzir reportagem completa no tempo certo e com algum estilo. Sabemos que hoje muitos jornais estão publicando notícias que não foram submetidas a um revisor e nem a um especialista na redação de manchetes e títulos. No entanto, os próprios repórteres passam a produzi-las; também são raros os blogueiros que escrevem boas manchetes.

    Capítulo 7) Áudio Digital e Podcasting.
    – É citado neste capítulo, como combinar som ambiente, gravação de uma entrevista e edição de um clipe. Um desafio para muitos repórteres é traduzir em palavras os sinais e sons de uma reportagem jornalística. É importante descartar os gravadores antigos, aderindo a um gravador digital. Vários modelos, marcas, preços, tempo de gravação dos gravadores é apresentado neste módulo.
    O capítulo nos ensina como gravar com o computador, editar um áudio, usar marcadores de tempo para acelerar a edição, produzir para podcasting (distribuição de arquivos de áudio pela Internet usando uma assinatura da RSS).

    Capítulo 8) Tirando e Administrando Fotos Digitais.
    – As vendas de câmera digital continuam crescendo de forma acelerada a cada ano. As câmeras armazenam fotografias como arquivos digitais num cartão de memória; quanto mais pixels (representação visual de dados numa imagem digital ou gráfica) numa fotografia, mais bytes você vai precisar para guardar a foto. Na fotografia digital, a resolução se refere ao número de pixels numa imagem.
    Algumas dicas adicionais para ajudá-los a fotografar, como editar fotografias digitalmente, como reduzir uma imagem para exibição num site ou blog, são apresentadas no capítulo.

    Capítulo 9) Produzindo Vídeos para Notícias de Atualidade e Variedades.
    – O capítulo nos ensina ligeiramente como fazer um vídeo que pareça profissional e que não consuma horas de edição para produção de um clipe.
    Como resultado, algumas empresas de TV estão desmontando suas equipes profissionais de jornalismo, criando os VJs (videojornalistas), também conhecidos como jornalistas mochileiros. Os capítulos seguintes nos ajudam a compreender os fundamentos básicos para produzir e editar vídeos digitais, com instruções passo a passo de como fazer uma cobertura, editar e publicar online.
    O jeito mais fácil de fazer o vídeo parecer profissional é usar sempre um tripé. Outras dicas que abordam o capítulo são de como fazer um vídeo no estilo documentário, gravar um vídeo e ter um bom áudio.

    Capítulo 10) Edição Básica de Vídeo.
    – A mágica do vídeo digital está na simplicidade com que você pode reordenar as sequências de cenas filmadas em vídeo. Além de escolher a ordem das sequências e de cenas, você vai ter que decidir se vai querer usar elementos como trilha sonora e narração para contar a estória. Os softwares como o iMovie e Movie Maker facilitam a importância de arquivos de música ou de voz e os colocam exatamente onde terão mais impacto em seu vídeo. Tanto um software como o outro, permitirá o controle da passagem de um vídeo para os outros, através da transição.
    Com o iMovie e o Movie Maker você pode capturar um quadro só do filme ou uma foto que servirão para criar um ícone promocional, chamando atenção do público, tanto no impresso, como na página Web.
    O capítulo mostra sequências de como organizar os clipes, operar com áudio, adicionar transições, adicionar títulos, usar quadros parados ou fotografias, exportar vídeo para a Web.

    Capítulo 11) Escrevendo Roteiros, fazendo Gravações em Off.
    – Alguns procedimentos para tranquilizar quando estiver “no ar”, são apresentados neste capítulo. Não improvisar na hora de escrever uma matéria ou cobrir evento como fotojornalista, tomar cuidado com o que diz, pois pode ser gravado, gravar as chamadas no final da entrevista, escrever um roteiro, fazer um aquecimento.
    O livro aborda várias habilidades importantes para um jornalista poder trabalhar online. É preciso, além de tudo, ter uma cabeça digital.

    Bruna Fernandes Galo

    23/04/2012 em 9:09

Deixe uma resposta