teia de ideia [mídia e tecnologia]

Francisco Rolfsen Belda

Exercício de análise de páginas internas de jornal

com 54 comentários

Agora, vamos analisar diversos modelos de páginas internas de jornal impresso. Assim como no exercício anterior, sobre capas, o objetivo é aplicar critérios de sintaxe visual ao exame dos elementos que compõem o design das demais páginas dessas publicações. Como corpus de referência, utilizaremos amostras de páginas de jornais disponíveis em pastas que estão acessíveis por meio da rede de computadores do LEE (pasta compartilhada do professor, dentro da pasta “Cursos”). Considerando os tópicos estudados nas apresentações da Aula 1 e da Aula 2, procure refletir sobre as seguintes questões: 

  • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
  • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
  • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
  • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
  • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
  • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
  • Como as cores são usadas, nas páginas internas, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
  • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?

A partir de suas reflexões, deixe um comentário sobre o assunto ao final desta página, citando alguns exemplos selecionados do corpus em análise.

Escrito por Francisco Rolfsen Belda

18/04/2017 às 20:20

Publicado em Planejamento Editorial

54 Respostas para 'Exercício de análise de páginas internas de jornal'

Acompanhe os comentários com RSS ou TrackBack para 'Exercício de análise de páginas internas de jornal'.

  1. DUPLA: Marina Machuca e Julia Gottschalk

    -Na capa do caderno Arts&entratainment o fundo é predominantemente branco. Uma imagem grande ocupa a parte superior direita da páginas, chamando a atenção do leitor para a matéria principal do caderno. Acompanhando a imagem existe a palavra MAD em laranja, compondo o título da chamada e combinando com as cores da fotografia. O resto da página é composta por outras três partes. Ao lado existe um box preto, com o que aparenta ser uma coluna ( inclusive com a foto da possível colunista). Na parte inferior esquerda existe uma chamada para outra matéria com uma foto, e ao lado um pequeno gráfico. A página é harmoniosa, a foto principal chama a atenção e de certa forma dita a o design principal da página.
    Já na capa do caderno da Free Russia Akzia, a pagina é quase puramente ilustrativa. O que predomina é uma imagem arabesca que ocupa quase todo o espaço. Com cores fortes e fundo preto, as partes textuais se limitam ao nome do jornal, do caderno e uma pequena chamada para a matéria principal ( supomos).

    -A tipologia do título do primeiro caderno se difere do resto da página, assim como o título da chamada principal, que remete ao filme sobre o qual a matéria trata. De resto, a página segue um padrão, que deve ser do próprio jornal.
    Já no segundo, apesar da presença pouco significativa de partes escritas, existe três variações de tipologia. No título, no canto superior direito e embaixo da página.

    -Na capa de um jornal, existem diversas chamadas. Por ser um resumo do interior do jornal, não pode existir um foco num só assunto. Já as capas de cadernos internos, podem tratar de um assunto em específico, e assim, trabalhar mais a parte visual e artística,

    -Nas páginas internas de um jornal, imagem e texto interagem harmoniosamente. Nos exemplos analisados, o texto se constrói em torno das imagens completando a informação visual, obtida ao se olhar a ilustração. A fotografia/imagem é o primeiro elemento que se nota ao olhar para página, chamando a atenção do leitor, que depois passará a ler o texto.

    – A mistura de imagem e texto, principalmente com uma imagem expressiva, chama mais a atenção do leitor. Ao bater os olhos em uma imagem diferenciada e bem colocada na página, seu interesse aumenta. Esses elementos, se estão em harmonia entre si, possibilitam uma maior fluidez de leitura.

    – No infográfico do filme Batman, as imagens são sempre acompanhadas por um pequeno texto explicativo. A principal função do infográfico, é explicar quem são os personagens da trama e fazer uma singela linha do tempo mostrando a evolução dos logos cinematográficos do Batman. Para isso, o infográfico mescla imagens, logos, cenas, ilustrações e textos. As imagens ocupam quase todo o espaço, os texto funcionam como apenas legendas.
    Já o infográfico sobre viagens, da revista Vida Útil, utiliza cores, elementos iconográficos ilustrativos e mapas para representar um guia de viagem que se adequa às necessidades de cada leitor. Quase não existe texto, criando um infográfico prático e de fácil entendimento.

    -No caderno Arts&Entretainment, as cores predominantes são o preto e o branco, com exceção do título principal, que harmoniza com a imagem e com o texto. A cor predominante da fotografia é o laranja, a mesma usada no título.
    Já no segundo caderno, as cores são fortes e expressivas. A imagem que ocupa quase toda a página, é composta por tons alaranjados e esverdeados sobre um fundo preto, criando uma harmonia quase que psicodélica.

    -O primeiro caderno possui um design mais contido e tradicional (apesar da fotografia chamativa que ocupa seu espaço) em comparação com o segundo, que utilizou cores fortes e desenhos diferenciados para compor a sua capa.
    Os dois cadernos souberam aproveitar o espaço disponível de forma harmoniosa e prática, combinando texto e imagem na medida certa.

    Marina Machuca/ Julia Gottschalk

    28/05/2013 em 21:38

  2. Jornais analisados:
    – Sudoeste do Estado – Fartura – 08/06/2013
    – Bom Dia – Bauru – 09/06/2013

    – Na página 3 do jornal Sudoeste, encontramos uma matéria única. O jornal é fortemente formado por publicidade, que ocupa boa parte de todas as páginas. As matérias são inseridas nos espaços onde não há propaganda, dando uma forma irregular ao texto. O espaço destinado a anúncios é maior que o destinado a informação: colunas inteiras são de anúncios e, todos eles, ou são do mesmo tamanho ou são bem maiores que as fotos que ilustram as matérias. Esse padrão continua até o fim do jornal, sendo que em algumas páginas (como a página 4) o espaço de publicidade é menor e, na maioria delas, o espaço é quase total.
    O jornal utiliza um grid de seis colunas e dispõe as matérias na folha de forma não padronizada. A página 4 apresenta duas matérias, sendo a primeira bastante curta, dedicando grande espaço a fotografias com legendas de até três linhas. As fotos seguem o grid, entretanto, as linhas da coluna à direita, sobre os vereadores, não seguem as das outras matérias. O principal critério para disposição espacial do jornal é ele ser bastante visual. Sua principal característica é chamar atenção para as imagens (sejam fotos, sejam propagandas), já que a maior parte dos textos é pequena. Uma curiosidade é que as matérias não possuem linha fina.
    Igualmente podemos ver a grande quantidade de propagandas no jornal Bom Dia, páginas 4 e 5. As imagens ilustrativas dos textos se confundem com o conteúdo publicitário. Por outro lado, esse jornal é mais bem elaborado que o Sudoeste, por apresentar matérias mais aprofundadas e dinâmicas, como vemos no infográfico das páginas 2 e 3.

    – Não há grande variação tipológica no jornal Sudoeste. Texto, título e legenda das fotos apresentam uma única fonte, não-serifada, da família Futura. Os títulos e intertítulos são em negrito, sendo os segundos em caixa alta. As legendas e a data do jornal são em itálico. Não analisando o conteúdo publicitário, nas páginas analisadas a única fonte serifada presente é a do logo do jornal, nos cantos superiores das páginas.
    No Bom Dia, a variação tipológica é maior. Os títulos não têm serifas e são em negrito, fonte Prelo Black. Em contrapartida, as linhas finas e o texto das matérias são serifados. A assinatura é serifada, já o e-mail do autor e o crédito das fotos são sem serifas.

    – Uma das diferenças é o grande destaque para a foto da matéria principal. Na capa do jornal ela é posta geralmente centralizada, em tamanho grande. Na capa de um caderno interno, existem mais fotos e elas são acompanhadas de textos. Outra diferença na composição visual é a atenção para o logo do veículo. A capa principal tem como objetivo atentar os leitores para o nome do jornal e seu logotipo. A capa de um caderno chama atenção, propriamente, para qual editoria ele pertence, para seu nome e sua cor. O jornal sudoeste não possui divisão em cadernos. O Bom Dia uma parte integrante do jornal, o Diário de São Paulo. Ele funciona como se fosse uma capa principal, com uma foto grande ilustrando a principal matéria e pequenas chamadas abaixo, com indicações de que páginas elas se localizam.

    – Nas páginas internas, a parte destinada a matérias traz tanto textos quanto fotos que os descrevam. Há também certos elementos que geram mais clareza e harmonia ao conteúdo, como linhas, boxes, tabelas, infográficos, chapéus e olhos. Algumas partes do texto – intertítulo, chapéu, olho – podem ser destacadas com negrito, itálico, fontes e cores diferentes, caixas coloridas, entre outros. Para que a informação visual seja passada de uma maneira agradável, ela deve seguir o grid do jornal, assim como os textos. Infográficos são de extrema importância ao conteúdo do jornal, pois, além de serem bonitos e despertarem interesse, transmitem a informação de maneira fácil e mais rápida que o texto. Eles, juntamente às fotos e ilustrações, dão suporte à parte escrita.
    O Sudoeste não se utiliza de muitos recursos imagéticos, se fixando às fotografias. Há destaque para o título e legenda, que estão em negrito. Também é importante citar as linhas que se subpõem aos nomes das cidades de que são as matérias. Há no jornal boxes de tonalidades diferentes, indicando colunas ou assuntos diversos aos das matérias.
    No Bom Dia, as informações textuais e imagéticas estão em grande sintonia. São utilizadas bastantes cores (em símbolos, na capitular, em boxes, etc). O jornal faz um uso bom de ícones, presentes em quase todas suas páginas. As imagens são alinhadas ao grid, dando bastante fluidez à leitura.

    – O uso de textos com imagens transmite com maior nitidez as informações ao leitor. Eles atuam como complementos uns dos outros. Uma foto ou ilustração pode dar maior precisão à ideia de quem está lendo, assim como o texto pode explicar claramente o que está se passando na imagem e o porquê de ela estar sendo utilizada naquele contexto.

    – O jornal Sudoeste não apresenta infográficos.
    Um infográfico de destaque no Bom Dia é o das páginas 2 e 3, sobre crimes praticados no Estado de São Paulo. Ele ocupa grande parte das duas páginas (três colunas na 2 e quatro colunas na 3). Seu elemento principal é remonta uma folha de papel vincada com um mapa do Estado. Nele, estão inseridos números, que representam regiões do estado de São Paulo. De cada número sai uma linha que termina apresentando informações quantitativas em negrito e um texto explicativo. Há imagens explicando o conteúdo do infográfico (uma faca suja de sangue, balas de revólver, drogas ilícitas, uma impressão digital e manchas de sangue). O título e a legenda do infográfico se encontram fora dele, na parte superior. Há também informação complementar na parte inferior, com a quantidade total de crimes no Estado. Juntamente à ilustração do infográfico, há uma imagem (Secretário de Segurança de São Paulo) acompanhada de um box em amarelo, que complementa tanto a informação do desenho, quanto a do texto. Ainda há uma tabela na página 2, pondo o conteúdo do infográfico em um tipo de ranking e uma informação complementar na última coluna da página 3, precedida por um ícone (um símbolo de + estilizado) em azul.
    O jornal Bom Dia ainda apresenta mais infográficos (página 7) e alguns conteúdos mais dinâmicos (como os indicadores da página 11 e um “jogo rápido” na página 13). O jornal é bastante harmonioso em relação ao conjunto texto-imagem. No conteúdo da página 13, por exemplo, já que está se falando de amor, a página é composta por vários corações ao fundo.

    – No Sudoeste, é utilizada página colorida poucas vezes. A página 3 é uma exceção, já que todo o resto do jornal é em preto e branco. Nela, além das propagandas, os conteúdos coloridos são a indicação da cidade em que ocorreu a notícia (nome da cidade + linha inferior em azul claro) e as informações na parte superior (nome do jornal, número da página e a linha as separando do título principal). A coloração tem como efeito deixar em evidência tais informações. Entretanto, elas ficam um pouco ofuscadas devido à quantidade enorme de cores utilizada no conteúdo publicitário.
    O Bom Dia usa bastante cor em seu conteúdo, principalmente para dividir as editorias (verde para Mural, laranja para Esportes, azul para Dia a Dia, etc). Alguns itens importantes de determinados conteúdos (como na página 12) são destacados por meio da cor. As cores têm função de deixar o jornal mais leve, quebrando a sisudez de um jornal em preto e branco.

    – O Sudoeste é não apresenta muita simetria e harmonia em seus conteúdos. Seus textos, imagens e publicidade são despadronizados, criando um painel de informações que, às vezes, confunde o leitor. Ele não apresenta certa regularidade: algumas páginas têm matérias grandes, outras têm matérias e fotos pequenas em meio a grandes anúncios e outras têm uma boa cobertura fotográfica e textos pequenos.
    Quanto à padronização, o Bom Dia mantém a sua desde o começo, embora algumas vezes as notícias também fiquem envoltas à publicidade. Ele é mais harmônico devido à diversidade de conteúdos (uso de cores, infográficos, iconografia).

    Jorge Salhani

    12/06/2013 em 11:22

  3. As páginas internas analisadas pertencem ao jornal Xpress. Trata-se de uma página dupla com o conteúdo de uma das chamadas da capa.
    Páginas internas: http://imgs.abduzeedo.com/files/articles/newspaper-design/xpress3.jpg
    Capa do caderno: http://imgs.abduzeedo.com/files/articles/newspaper-design/xpress5.jpg
    Capa do jornal: http://imgs.abduzeedo.com/files/articles/newspaper-design/xpress1.jpg

    – O principal conteúdo informativo está posicionado no centro da página (da esquerda para a direita do leitor). O topo da página conta com duas ilustrações que ocupam metade dele (lembrando que se trata de uma página dupla). A primeira ilustração é um pequeno infográfico com informações referentes a matéria principal, já a outra ilustração contém apenas informações visuais, sendo que é o inicio de uma ilustração que vai até o centro da página, dando um efeito de 3D. As informações escritas estão sob um fundo retangular azul claro, com um dos lados arredondado. A manchete é da mesma cor do fundo, mas com uma tonalidade mais escura. As informações estão divididas em quatro colunas, sendo duas a matéria e as outras duas um box com outras informações. Mais duas ilustrações completam a matéria principal com informações complementares. O equilíbrio é um ponto que chama a atenção na distribuição das ilustrações e textos da página. O espaço restante na lateral conta com mais informações e dados numéricos destacados em um fundo com tons pastel parecidos com as cores das ilustrações do topo. É interessante ressaltar que as informações destacadas na página são da cor característica do jornal (vermelho próximo do rosa). No rodapé da página há um infográfico muito mais ilustrativo do que informativo, que mostra o interior do metrô.

    – Não há variações significativas. A mesma tipologia é usada em toda a página analisada. A fonte usada é reta e simétrica e sem cerifas. A única mudança visível são as cores e efeitos utilizados em cada uma delas.

    – O nome do jornal na capa é escrito no topo na horizontal enquanto o nome do caderno é escrito na lateral esquerda na vertical. Na capa do jornal há uma chamada no rodapé da página embaixo da ilustração que chama a matéria principal já na capa de caderno há apenas a ilustração e chamada da principal matéria dele. A capa contém um índice com os nomes e páginas dos cadernos.

    – Nas páginas internas analisadas a presença de ilustrações é dominante, provavelmente por se tratar de uma página dupla com infográficos.

    — A composição da página com textos fotos e ilustrações chama a atenção do leitor e torna a leitura menos cansativa, mais leve e mais interessante, podendo atrair até pessoas que não tem hábito da leitura.

    – No infográfico analisado, as ilustrações ocupam o topo e o rodapé da página, sendo que a ilustração central do infográfico (a qual todas as informações e ilustrações estão ligadas) vem do topo direito até o centro da página. Os textos acompanham as suas respectivas ilustrações, sendo intercalados entre elas. A página é composta por dois pequenos infográficos, que aliados às ilustrações e boxes de informações e a matéria formam um todo sobre o mesmo assunto.

    – O vermelho tem destaque na página por ser a cor da manchete principal. O contraste entre vermelho e branco dá um destaque maior para as duas cores. A lateral esquerda do leitor, cujo preenchimento é amarelo, contém o nome do caderno em branco e o nome do jornal que completa o titulo do caderno é o mesmo vermelho da manchete. Os textos presentes nessa lateral estão nas cores verde e preto, que contrastam com o amarelo, tornando tudo mais chamativo. Na chamada no topo da página há um contraste entre preto e cinza dando falso efeito de sombreamento. As chamadas das matérias posicionadas acima da chamada principal são escritas sob fundos coloridos (Vermelho, azul, laranja e verde) que dão uma sensação de equilíbrio.

    – As páginas analisadas possuem grande simetria, equilíbrio e regularidade, pois os textos e as ilustrações se complementam e estão bem distribuídas.

    Laís Bianquini e Danielle Demarchi

    12/06/2013 em 14:16

  4. DUPLA: Camila Valente e Giovanna Cornelio

    Jornal analisado: Metro francês de 24 de abril de 2013, nº 2405, páginas 4 e 5

    • Essas páginas são compostas, em sua parte superior, por 3 boxes em cada com cores diferentes e que trazem notícias rápidas com assuntos diferentes, são eles: o primeiro box traz uma fala do Primeiro Ministro Jean-Marc Ayrault, o segundo tem como título -6% e fala sobre economia, o terceiro (já com assuntos determinados) trata sobre notícias, o quarto sobre justiça, o quinto sobre exterior e o sexto sobre notícias da web.
    Na primeira página, há apenas uma entrevista sobre o casamento gay e traz uma foto ocupando as 4 colunas na horizontal e com o título da matéria e legenda dentro da foto. No fim desta matéria há um box de cor diferente tratando sobre a inauguração do primeiro recinto para realização de casamentos gays.
    Na segunda página há uma matéria com uma pequena foto que ocupa apenas uma coluna, sendo que essa matéria ocupa menos espaço do que o anúncio que vem abaixo.

    • Não há variações tipológicas significativas, uma vez que as fontes utilizadas em grande parte dos textos pertencem à mesma família, diferenciando apenas na serifa que compõe alguns boxes e títulos.

    • O espaço é bem dividido, tendo predominância textual, com poucos espaços em branco, margens consideráveis e um bom número de imagens ilustrativas (inclusive para os boxes)

    • Uma imagem ou ilustração, quando aparecem ocupando grande espaço da página de um jornal, atraem ainda mais a atenção do leitor para a matéria a qual estão relacionados.

    • Um infográfico tem a função de transmitir a mensagem a partir de imagens, tabelas, gráficos, ícones ou ilustrações, tendo que depender menos do texto para ser compreendido, de modo que este aparece apenas como apoio.

    • As cores usadas pelo Metro Francês são as que compõem a sua identidade visual, elas variam numa escala entre verde e marrom, e ainda possuem o cor-de-rosa. Nessas páginas, o rosa é utilizado nos chapéus e em um box, enquanto as demais fazem parte dos 3 boxes de cada página analisada. Além disso, a identidade cromática padrão do Metro aparece com seu logo no cabeçalho das páginas.

    • Nas duas páginas, que pertencem à mesma editoria, há um equilíbrio entre as matérias, pois uma complementa a outra. A diagramação dessas páginas apresenta harmonia e simetria, não possuindo qualquer elemento que “poluísse” o visual.

    Camila Valente

    13/06/2013 em 3:00

  5. Jornal analisado: Jornal da Cidade – 13 de junho de 2013

    O texto é disposto de acordo com o grid. As imagens são dispostas de forma equilibrada, normalmente à direita e à esquerda, poucas vezes imagens ficam no centro. Os serviços e anúncios que não entram no caderno Classificados ficam na parte de baixo da página ou nas laterais em uma coluna só.Dificilmente os textos passam de meia página.

    Os textos e títulos são em fonte serifada e alguns intertítulos, legendas, olhos e serviços são em fonte sem-serifa, mas as fontes são parecidas, provavelmente da mesma família.

    A capa de jornal é mais colorida e chamativa. Os títulos (que na capa são manchetes) são maiores, assim como as imagens. As legendas são muito mais frequentes e informativas na capa. Nas páginas internas há mais sobriedade no uso das cores – no caso do JC, algumas páginas são inteiramente em preto e branco.

    O texto é mais valorizado, por isso, só algumas matérias mais importantes ou locais têm foto (em tamanho médio, nunca grande). As fotos são bem equilibradas na página. Os textos ocupam meia página, quando longos ou são distribuídos em pequenos blocos de acordo com o grid. Quando a matéria tem infográfico ou box, este fica na parte inferior ou na lateral direita, seguindo a direção da leitura.

    Imagens, olhos, tabelas e outros recursos são úteis para chamar a atenção para a matéria, facilita e torna a leitura mais leve, pois para muita gente é difícil ler textos muito longos sem pausas e recursos que possibilitem a pessoa de “marcar” onde está sua leitura (o uso de capitulares no meio do texto, por exemplo). Por ser um jornal diário, o uso desses recursos otimiza a leitura, seja através de pequenas “pausas” no texto ou seja através de um gráfico que explique rapidamente algo importante da matéria.
    Na edição analisada notei apenas um infográfico, que, na verdade, é um mapa simples, indicando sentidos de vias, ponto de referência e duas informações sobre horários de estacionamento. No caso, esse infográfico é apenas um auxílio ao texto, sem muitas informações e complexidade.

    As cores são usadas na identidade visual dos cadernos (verde para esportes, azul para cultura, por exemplo) e para chamar a atenção para algum box ou serviço e diferenciar do restante do texto.

    As páginas são muito regulares, quase nunca o grid é quebrado. São equilibradas também, já que os textos e imagens são bem distribuídos.

    Heloísa dos Santos

    13/06/2013 em 21:08

  6. Sports – Hindustan Times
    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    Nesta página, há uma vinheta, com fundo azul, caracterizando a editoria a qual ela pertence, que nesse caso, é Sport. Uma foto grande ocupa o canto superior direito da página, para chamar a atenção do leitor, para a matéria principal.Embaixo da foto, há uma chamada com letras maiores, em preto e apenas duas palavras em laranja, o que chama bastante a atenção do leitor.No canto superior esquerdo, há uma coluna, acompanhada por um retrato e logo abaixo, há um Box, com fundo azul, que tem duas pequenas fotos também.
    Completando a página, no canto inferior, há uma outra foto, um pouco menor do que a foto da chamada, que é um anúncio. Não há uso do branco nessa página do jornal. Todos os espaços são preenchidos, no entanto, devido à disposição e ao uso de cores, ele não parece “pesado” nem “poluído”

    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    As variações tipológicas ocorrem na descrição da editoria, com o uso de uma letra não- serifada; nas chamadas, onde os textos são escritos em caixa alta; e no título da matéria principal, que é bem maior do que os outros. Pode-se notar também uma variação no texto da chamada presente na vinheta e no começo da matéria principal ( EXCLUSIVE).
    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    Essa página, especificamente, contem diversas características que se assemelham a uma capa de jornal, como por exemplo, a presença de várias chamadas, de uma chamada da matéria principal com uma foto maior do que as outras, com um anúncio no final da página etc.
    Entretanto, isso ocorre porque a página analisada é capa de um caderno, fato este que determina a configuração.
    Em páginas que não são capa de caderno e são internas, nota-se uma presença maior de textos. Enquanto a capa do jornal traz inúmeras chamadas, com fotos, ilustrações, logo do jornal em tamanho maior, as páginas internas não possuem o logo, contém apenas a descrição da editoria em uma vinheta ou chapéu, além de imagens menores e menos chamadas.
    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    No exemplo analisado, o espaço é bem dividido, apesar da informação visual ocupar um espaço um pouco maior do que a informação textual. Há três imagens que chamam mais a atenção. Há uma foto maior em na parte de cima da página, que é a foto da matéria principal; uma pequena foto no meio e uma foto no final da página, de um anúncio.As outras ilustrações presentes são pequenas, apenas retratos intercalados a textos, no canto esquerdo da página. Todo o restante da página é preenchido por texto.
    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    No caso analisado, duas coisas chamam bastante atenção, conferindo um diferencial significativo: a foto do nadador e as duas palavras em laranja na chamada principal. Quando se olha para essa página, essas são as duas primeiras coisas que você nota. Muitas vezes, as fotos e ilustrações são suficientes para demonstrar ou passar para o leitor a mensagem daquela matéria.
    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    Como na página analisada não há infográfico, analisarei o infográfico “Como era o primeiro automóvel?”
    O título, como em quase todos os infográficos que ocupam duas páginas inteiras, ocupa o canto superior esquerdo da página, com um tamanho médio.Logo abaixo, há um texto, introduzindo o tema a ser ilustrado e descrito pelo infográfico. A maior ilustração aparece centralizada e é a que chama mais a atenção. Para ela, há um título do lado esquerdo, acompanhado de um texto e, posteriormente, aparecem subtítulos, que são destinados a peças menores daquele automóvel.
    No canto superior direito, há como se fosse um zoom de outras duas peças do automóvel. Para elas, há também subtítulos, seguidos de pequenos trechos explicativos.
    Todos os pequenos textos são interligados ao local que descrevem ou explicam através de setas.
    No canto inferior esquerdo, há uma tabela, que traz uma linha grossa, na cor vermelha, chamando bastante a atenção, já que todo o resto do infográfico ( exceto uma seta também vermelha, no canto superior direito), aparece em um tom sépia, apagado. No final dessas quatro linhas, há pequenas ilustrações, de cavalo, carros.
    No canto inferior direito, há uma linha do tempo ilustrada, que também é colorida, mas não chama tanto a atenção quanto as linhas vermelhas. As ilustrações, mostrando a evolução dos veículos aparecem sobre a linha e abaixo da linha, os números demonstrando a passagem do tempo através dos anos.Logo abaixo dos números, há uma pequena descrição sobre as características dos veículos daquela época.
    É interessante ressaltar que há uma moldura que envolve o infográfico, como se ele fosse um quadro.
    Há também, dispostas em três locais aleatórios, três círculos preenchidos em preto e com letras em branco que destacam-se sobre o tom sépia.
    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?

    Nesta página a cor mais utilizada é o azul, que também está presente no nome e logo do jornal. A cor azul é utilizada para caracterizar a editoria, aparecendo na vinheta e como preenchimento do Box.
    A cor que predomina na foto principal também é o azul. Essa mistura de tons de azul é harmônica e apenas o carro que aparece em vermelho no anúncio, causa uma quebra significativa da tonalidade, porque as duas palavras em laranja, chamam a atenção, mas a harmonia ainda é mantida.
    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    O equilíbrio dessa página se dá verticalmente, pelo fato de haver uma foto superior, uma inferior e um predomínio de textos ocupando o meio e a lateral esquerda. No entanto, quando se analisa a página horizontalmente, as imagens “pesam” mais para o lado direito.
    As duas fotos estabelecem uma relação de simetria e as colunas superior e inferior(Box) do lado esquerdo conferem uma certa regularidade à página.

    Beatriz R. Vital

    13/06/2013 em 21:40

  7. Isabelle Hoffmann

    Páginas analisadas:
    Style – Washington Post
    Turismo – Vida Útil

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    A página está organizada de acordo com o destaque que a publicação pretende dar para cada matéria. Por ser a capa do caderno, ela contém pequenas chamadas para matérias menores e um maior destaque para as matérias principais, por exemplo a resenha do filme Avatar que ocupa a maior parte da página.

    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    Há diversos tipos de tipologias usadas nessa página. Elas mudam conforme o destaque e local que devem ter. (títulos, subtítulos, texto, chapéu, chamadas, etc)

    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    Acredito que a diferença seja o tema mais específico das matérias e também a maior liberdade para se trabalhar com as fotos e informações de acordo com cada caderno e suas manchetes/publicações.

    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    As informações foram bem divididas, um maior destaque foi dado para a foto do filme Avatar e para as fotos no final da página que são as principais matérias do caderno. Mas as outras notícias também ganharam suas ilustrações/fotos, contribuindo para uma harmonização da página.

    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    Como já disse antes, a maior liberdade para utilizar o espaço conforme o destaque/atenção que se quer atribuir a certa matéria/publicação podem dar esse diferencial. As fotos e tipologias diferentes podem chamar mais atenção do leitor e, consequentemente, dar maior destaque para tal lugar na página.

    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    No infográfico sobre viagem, as informações textuais são poucas, mas as informações visuais compensam muito bem a falta do texto. As imagens e demonstrações combinadas com o pequeno texto e as legendas formaram um bom infográfico com muitas informações.

    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    No Style, a cor vermelha foi utilizada para dar destaque a algumas palavras e ícones. O negrito também foi usado como forma de se diferenciar o título do restante do texto.

    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    Por possuírem uma maior liberdade de opções, acredito que as páginas internas e infográficos se tornam mais atraentes quando o uso das imagens e informações visuais é maior, promovendo uma experiência mais confortável para o leitor. Mas tudo isso sendo usado com cuidado e de forma equilibrada para que não ocorra confusão. A maioria das páginas disponibilizadas é dessa forma e acabei gostando da maior parte delas.

    Isabelle Hoffmann

    13/06/2013 em 23:32

  8. ANÁLISE DAS CAPAS INTERNAS

    – Na capa do caderno ‘Sports’ do ‘Wyoming Tribune’ pode-se notar um arranjo harmonioso entre os variados elementos. Primeiramente, acima, um box em dégradé de azul, faz as chamadas de algumas matérias do caderno. Nele há ilustrações ‘recortadas’ e o texto se adequa a elas. Além disso, um traço vermelho separa esse box do restante da página.
    Abaixo, os três destaques têm seus títulos em fontes de tamanho variáveis, de acordo com a importância. Uma linha, bem fina, separa as matérias e, de uma para a outra, a ilustração muda de lado, para não sobrecarregar um dos lados. Vale ressaltar também que as linhas finas são grafadas em azul, harmonizando com toda a identidade visual da página.
    Por fim, à esquerda, há um artigo de opinião. Apesar de tanta informação, a diagramação deixa a página leve e, pra mim, as cores e as linhas, que sempre tem um bom espaço entre elas, são as responsáveis por isso.
    – Primeiramente, é evidente como a variação tipológica de uma publicação para a outra é muito grande. Mais que isso, numa mesma publicação, fica claro como esse tipo de variação é usado para distinguir os elementos da página. Por exemplo, no ‘SportsMonday’, a capa tem como destaque uma ilustração. Logo abaixo, a matéria explica o porque da ilustração e garante a informação. Complementando, os números do jogador em destaque são colocados à direita em tamanho grande, dando um grande enfoque. Abaixo de tudo isso, há chamadas de duas matérias. Nesse caso, a tipologia é totalmente alterada, a fonte deixa de ser serifada e os títulos são bem mais evidentes que o restante da chamada.
    – Basicamente, a principal diferença é a liberdade editorial e visual. Na capa do jornal, muita informação deve ser colocada e deve sintetizar um todo, que é a publicação. Na capa de caderno interno já há um segmento temático. Sendo assim, elas possuem ilustrações mais ‘ousadas’. Por exemplo, do ‘The Philadelphia Business (?)’ que faz uma paralelo entre o time do Phillies de 2008 e o de 1980, encaixando uma na outra com a marcação 80’. Há mais liberdade pra esse tipo de ‘sacada’.
    – Com as diversas opções que temos no corpus de análise, é difícil criar um padrão. Mas, de uma forma mais generalizada, as imagens são usadas para complementar a informação textual mas também para deixa-la mais ou agradável. Por exemplo, no caderno ‘alt.’ o texto é diagramado ‘em curva’ seguindo o padrão da ilustração que o acompanha.
    – Dentro do corpus de análise, o caso mais simbólico pra mim é sobre os dois times dos Phillies, no caderno ‘World Series Preview’. Usando uma brincadeira com a data (80’), ele encaixa uma foto do time vencedor antigo e do time atual, que estava próximo do título. Mesmo sem dominar o assunto, ou sem ler o texto, a imagem já monstra que a informação textual fará uma comparação entre as equipes e épocas diferentes.
    – No infográfico sobre o primeiro automóvel há um texto, muito próximo de um lead, que situa o leitor sobre o assunto, alocado à esquerda abaixo do título. No meio da página, bem destacado, está uma ilustração de como seria a carruagem motorizada. À partir ilustração ‘principal’, as outras surgem como suplementares, algumas inclusive sendo indicadas por uma seta, mostrando de qual parte do veículo está falando.
    Abaixo, mais à direita, há uma linha do tempo com alguns dos pioneiros do automobilismo, dando uma base histórica para o leitor situar-se sobre o assunto. Ainda abaixo, mas mais à esquerda, por fim, há uma gráfico de barras, ilustrado com carros, que mostra a velocidade que o carro atingia e o que os atuais atingem, para que o leitor tenha uma noção da evolução.
    – Para destacar o uso das cores usarei dois casos. O primeiro é do caderno ‘arts’ que destaca a morte de Marlon Brando. Devido ao ocorrido, as cores predominantes são preto e branco, demonstrando respeito à perda. Mesmo os destaques são feitos num tom não muito chamativo, semelhante a um dourado.
    O outro caso é o caderno ‘Arts&Entertainment’. A página inteira predomina preto e branco mas, aproveitando a ilustração do ator Johnny Depp como o Chapeleiro, do filme alice, predominantemente laranja, o título também é usado em tom alaranjado. Mais que isso, a palavra em destaque é ‘Mad’ (louco) e a cor, junto com a tipografia diferenciada, exprimem esse tom de fora do comum.
    – Analisando o corpus num geral, não constatei simetria em nenhum deles. Entretanto, devo destacar que as diagramações são muito boas. Embora sejam, num geral irregulares, elas são equilibradas, por exemplo alternando em que lado vão as fotos das matérias, como citei em resposta anterior, e harmoniosas, utilizando muito bem de linhas e espaços, por exemplo.

    João Victor Belline Correia

    14/06/2013 em 3:54

  9. Caderno 2 – O Estado de S. Paulo (11/06/13)

    As páginas 6 e 7 do Caderno 2 são bem diferentes entre si. A página 6 apresenta vários segmentos de informação diferentes. Há a coluna de Cristina Padiglione, que é recheada de notinhas. Logo abaixo, há uma matéria sobre música e mais embaixo, há um guia de TV, com os canais e horários. Já a página 7 não é tão variada assim, há apenas uma entrevista com o maestro Mariss Jansons e uma propaganda de vinho no canto inferior direito da página.
    Não há variações tipológicas muito grandes entre as páginas, todas as fontes são serifadas, exceto as que dão título às notinhas da coluna de Cristina Padiglione, que acabam por chamar atenção na página 6 por estarem em negrito. Outras fontes não serifadas e em negrito que aparecem são no início das legendas das fotos, nos boxes e nos intertítulos. A única fonte que destoa é a do título da coluna por estar em caixa alta, e o título da entrevista com o maestro, que aparece com letras brancas em fundo vermelho escuro.
    As diferenças entre a capa e o caderno interno é que os textos não são tão curtos, além do mais, as informações no caderno são segmentadas exclusivamente para um editoria, enquanto que a capa apresenta informações de várias editorias.
    Na página 6, há quatro imagens, uma na coluna, uma na matéria e duas bem pequenas no guia da TV. As duas primeiras fotos são grandes e chamam atenção em seus respectivos espaços, criando harmonia com o texto, já as duas do Guia de TV não têm tanto destaque, quase não é possível perceber do que se tratam e meio que se perdm em meio a tantas informações. Na página 7, há uma foto enorme no topo da página e quatro menores ao longo do texto, garantindo que a entrevista não canse o leitor visualmente e que a foto em destaque realmente chame atenção. Há um bom euilíbrio entre informaçoes textuais e visuais nessa página.
    Na página 7, a grande foto do maestro que concede a entrevista chama a atenção e se diferencia das demais páginas do Caderno 2 por conta disso, some-se a isso a combinação do título da matéria ser branco com fundo vermelho escuro e a página torna-se destaque do Caderno 2, obviamente, tudo isso foi pensado de maneira proposital, pois a entrevista com o maestro é o destaque na capa do Caderno e na capa do jornal, ou seja, tudo foi pensado para que aquela entrevista fosse o centro das atenções dessa edição do Caderno 2.
    Todas as chamadas para colunas e matérias possuem o vermelho escuro característico do Caderno 2 (que, por sinal, não possui infográficos), como já foi destacado, a entrevista com o maestro possui as mesmas cores do restante (vermelho e branco), porém invertidas. Outra matéria que apresenta essa mesma carcterística é a da última página, onde o título “Sotaque Latino do Soul” tem letras brancas e fundo vermelho, bem como o olho da reportagem, obviamente para chamar atenção para essas reportagens.
    O Caderno 2, assim como a capa não apresenta equilíbrio entre imagem e texto, há fotos grandes e muito pequenas numa mesma página, e quase sempre há mais texto que imagens, sendo que a presença de ícones e ilustrações é pouca.

    Ana Carolina de Oliveira

    16/06/2013 em 18:41

  10. -Não há nenhuma variação tipológica nos diversos elementos textuais, o texto permanece sempre não serifado. A única variação na formatação é um grifo preto (caixa preta em que a palavra se insere) dando destaque a alguns títulos e chamadas de matérias, porém esse destaque não se faz presente em todos os títulos.
    -As capas internas de jornais costumam apresentar manchetes com um mesmo tema. No caso de uma capa de jornal, não há um foco específico, uma vez que a capa costuma ser o resumo do conteúdo do jornal como um todo. Já na capa interna, podemos notar uma certa autonomia.
    -Nas páginas internas, a informação textual tende a ser muito maior e mais numerosa que a informação visual, assim, conclui-se que fotos e demais elementos gráficos ainda funcionam como suporte ao texto, apesar de ter a função de prender e chamar a atenção.
    -Eu acho que, hoje em dia, um jornal que aposta em uma mistura entre imagens e texto se mostra um jornal moderno e diferenciado. Além disso, elementos gráficos, se em harmonia com o texto, podem deixar a leitura mais fluida e leve, e tornar o conteúdo mais atraente.
    -A página A6 possui um infográfico que indica o número de latrocínios registrados em janeiro e em fevereiro na capital, para isso, há duas tabelas com números e, abaixo um infográfico que aponta os números nas zonas norte, oeste, sul, central e leste. As informações textuais são apenas especificações dos departamento de polícia ou locais (como “11º dp” ou “zona norte”)
    -As diversas capas dos cadernos do jornal possuem cores diferentes que tão destaque aos cadernos. O caderno Show!, por exemplo, tem com temática televisão e entretenimento. Sua cor é a violeta. A capa interna possui uma foto grande, com contorno em violeta e letras brancas e pretas. A sensação que a composição foto-cor violeta passa é a de descontração, que tem tudo a ver com o conteúdo do caderno.
    -As páginas internas não possuem muita simetria, porém são harmoniosas. As formas do grid ainda são muito respeitadas mesmo quando há o uso de imagens, o que reforça a regularidade da composição.

    Isabella Holouka

    16/06/2013 em 22:23

  11. Páginas analisadas:
    – Golf News – Olympic Stadium
    – Eleições – Folha de S. Paulo

    – Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    Por tratar-se de um caderno especial de Eleições, a Folha de S. Paulo opta por uma disposição independente de seu tradicional grid de seis colunas. Com uma cabeça especial caracterizando o caderno de Eleições, a página traz em sua parte superior uma manchete em seis colunas seguindo com 4 destaques que se confundem a uma linha fina. Na sequência, ocupando cerca de 60% da página, a edição apresenta caricaturas para representar os três principais candidatos a presidente que naquele dia poderiam vencer as eleições, de acordo com as pesquisas. É importante ressaltar que a opção por caricaturas é diretamente relacionada a uma estratégias para destacar os resultados da pesquisa ao mesmo tempo em que utiliza de linguagem mais leve e atrativa, já que os desenhos conversam com os resultados. Um texto em três colunas, também independente de grid, encerra a página. Na página, a informação está em harmonia direta com os elementos gráficos, que ajudam não apenas na compreensão, mas também na forma como o leitor interpreta a página.

    – Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    A família tipológica utilizada é a mesma em toda a página, como característico da Folha de S. Paulo. Entretanto, ocorrem variações importantes como a utilização de negritos em palavras específicas, o que não é comum, e a colocação de destaques em caixa alta. Como pode ser visualizado, inclusive nos desenhos, as fontes são as mesmas, variando em tamanho e cor apenas.

    – Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    A primeira e mais relevante é em relação ao número de chamadas. Os principais jornais no mundo fazem opção por colocarem em suas capas o maior número possível de chamadas, o que não ocorre em capas de cadernos internos. Assim, existe mais liberdade para tratar de um assunto específico, abusando de fotos e elementos gráficos. Também é comum que em capas de cadernos internos venham com reportagens completas.

    – Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    Normalmente os jornais ainda disponibilizam mais espaço para informação textual do que informação visual. Isso é característico dos jornais brasileiros, como Folha de S. Paulo, por exemplo. Entretanto, é importante salientar que nos últimos anos as empresas já identificaram a necessidade de ampliar o espaço para informação visual e estão produzindo mais infográficos e materiais gráficos do tipo. Na página analisada, por exemplo, acontece algo não comum, quando a informação visual ganha consideravelmente mais espaço que a informação textual.

    – De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    Como já abordado anteriormente, os próprios jornais já perceberam que ilustrações são diferenciais fundamentais para o futuro do jornal impresso. Com o advento das novas plataformas e as mudanças no fluxo da informação, o jornal impresso deve se reinventar para conseguir sobreviver. Neste sentido, os leitores estão lendo cada vez menos devido ao pouco tempo disponível e composições especiais vão ao encontro deste novo leitor, além do fato de muitas vezes um infográfico transmitir mais facilmente uma informação do que um longo texto. É o que podemos observar com a análise da página do Gulf News, a respeito de um estádio olímpico. A informação se fragmenta, o leitor busca aquilo que é de seu interesse, ao mesmo tempo em que consegue uma visão geral do fato abordado. Em síntese, composições especiais são importantes não apenas pelo fator estético, mas também pelo poder de informação que consegue atingir.

    – Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    O mais importante em infográficos é a harmonia entre os elementos utilizados. O título, o texto, os números devem conversar com as fotos, os gráficos e as ilustrações. Em Folha de S. Paulo – Eleições, o indicativo do percentual de Dilma, Serra e Marina, respectivamente, torna a ilustração compreensível. O mesmo ocorre em Gulf News – Estádio Olímpico – quando as legendas descrevem o desenho, interpretando o estádio.

    – Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    Mais que composição estética, as cores nas páginas internas exercem forte papel de identificação. Editorias, por exemplo, são identificadas na grande maioria dos veículos através de cores diferentes. Retomando o corpus analisado, Folha de S. Paulo atribui cores aos candidatos no gráfico. Dilma é caracterizada pelo vermelho, Serra pelo azul e Marina com o verde. Mesmo sendo cores representativas das campanhas, são utilizadas como fator de identificação para o leitor, ao longo de todo o caderno. Em outras publicações, é comum que cores sejam utilizadas para construir imagens e momentos. Cores mais fortes para denúncias e crimes, cores mais leves para entretenimento e comportamento.

    – Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    As páginas internas não apresentam, de modo exato, simetria, por mais que busquem, através dos grids, por exemplo, estabelecer uma noção simétrica. Gulf News – Estádio Olímpico, por exemplo, não apresenta nenhuma regularidade, enquanto deixa claro um traço de equilíbrio. No geral, não se restringindo ao corpus analisado, as páginas internas de jornal buscam transmitir regularidade, equilíbrio, simetria, ou seja, as técnicas de reprodutibilidade acabam por garantir tais características. Neste sentido, as inovações gráficas contribuem para quebrar essa reprodução e arejar as páginas.

  12. Estarei analisando a seguir o jornal “O POVO”, de Fortaleza/CE. A edição é a nº28.501.
    Para ser mais preciso, ficarão aqui registradas as impressões que tive sobre o conteúdo disposto nas páginas 12 e 13 do primeiro caderno, local onde foi colocada a editoria “Mundo”.
    Em sua capa, o jornal faz questão de colocar, assim como em todas as outras editorias, o endereço da página do Facebook e do Twitter ao lado contrário do nome da editoria, e com um destaque de grifo amarelo. Também são presentes os editores da editoria, e os contatos do jornal. Tudo isto, na parte superior.
    Um recurso muito interessante do jornal e bastante utilizado é colocar um “fecha colchete” (“]”) após algumas palavras. Na editoria Mundo, ele é colocado no título da notícia junto com o nome do país ali tratado na mesma cor padrão da editoria, algo como um verde-água.
    São serifadas o título da editoria, os textos das notícias, as capitulares, títulos de colunas, e infográficos.
    As capitulares ocupam três linhas e são da mesma cor padrão da editoria. As linhas que separam “olho” e infográficos dos textos também são dessa cor.
    Nomes próprios presentes no início das linhas finas ficam em negrito.
    Nas imagens, a legenda fica numa faixa branca que se sobrepõe à imagem. O jornal é totalmente colorido e tem muita propaganda, parecendo até que há mais espaço comercial do que conteúdo.
    O jornal possui um visual moderno e bem distribuído e possui 6 colunas. Não há preocupação de deixar o texto justificado nos títulos, infográficos e outros boxes. Essa preocupação fica só nas reportagens.
    Há uma linha grossa e cinza no final das páginas pare delimitar o espaço final do jornal, na parte de cima, a linha é mais fina e separa o conteúdo da identificação do jornal, da data, página e editoria.
    Os boxes possuem um pequeno e grosso traço da cor da editoria. A seção “Breves”, que traz drops de vários locais do mundo, tem um fundo acinzentado.
    As fotos das reportagens não chamam muita atenção, talvez pelas imagens das propagandas serem tão grandes, uma diferença da capa do jornal, onde não há nenhuma propaganda e onde títulos e imagens chama bastante a atenção.
    “O POVO”, com seus 85 anos de existência não se manteve com cara de “jornalzão velho” e soube se modernizar. Por ter um preço mais acessível, talvez por tal motivo as propagandas algumas vezes sejam tão grandes na parte interna. (Fique claro que isso é uma característica visto em algumas páginas, algumas outras nem chegam a apresentar anúncios)
    O jornal gosta de brincar com os espaços em branco e com a tipologia nas páginas. o uso do colchete é um diferencial também muito bem explorado e que não confunde o leitor. Confesso que quando vi na capa o colchete escrito “Cotidiano]” e em seguida o texto achei que pudesse ser um erro e tive um rápido estranhamento, mas ao ler o resto do jornal entendi como funcionava. Gostei bastante e achei um jornal muito interessante.

    João Pedro Ferreira

    17/06/2013 em 2:51

  13. Publicação analisada: Metro São Paulo – edição 17/06/2013
    – Existe uma tendência de manutenção do conteúdo essencialmente informativo ao centro das páginas, com as laterais normalmente ocupadas por conteúdos de serviço, citações, referências, artigos de opinião, infográficos, coleção de dados, etc. A diagramação ao longo das 16 páginas é disposta em seis colunas. Nas últimas páginas e no setor de serviços, principalmente, pode ser notada uma maior ousadia na disposição espacial dos elementos.

    – A variação tipológica concentra-se basicamente em diferenciar os títulos, linhas-finas, legendas e corpo do texto. Nas partes de maior destaque, descarta-se o uso da serifa com a finalidade de oferecer uma apresentação leve e atrativa. No corpo do texto a fonte aparece serifada.

    – Enquanto na capa do jornal as informações aparecem sintetizadas de maneira a chamar atenção, com presença de imagem dominando boa parte da diagramação, as capas de seções internas do Metro não são exatamente diferentes das páginas de conteúdo normal. O único detalhe fica por conta de uma coluna (que aparece nos cantos direito ou esquerdo) com o número e nome do “caderno interno”. Isto se justifica pelo fato do Metro não possuir divisão de cadernos no estrito sentido, mas sim numa divisão lógica de conteúdo dentro do mesmo caderno principal.

    – O Metro conta com uma profusão de elementos visuais nas suas páginas internas, o que não significa que estas chegam a “apagar” o conteúdo textual. Em sínteses, os textos surgem permeados por infográficos, ilustrações, imagens e outros recursos que contribuem e complementam os dados e fazem parte da proposta editorial da publicação.

    – As composições envolvendo imagens, textos e ilustrações são importantes para conferir às páginas um tom diferenciado e arejado, quebrando a seriedade e cansaço do puro texto. Em uma publicação como o Metro, cuja proposta é a de leitura rápida e leve em ambientes como o próprio transporte coletivo urbano, tais composições são de muita serventia e de presença essencial no planejamento gráfico-editorial.

    – A combinação entre os elementos visuais e textuais nos infográficos é basicamente equilibrada, embora possa ser notada certa predominância dos elementos visuais. Mais uma vez, tal fato está provavelmente associado com decisões editoriais do veículo. Os infográficos do Metro fazem uso constante de imagens como mapas e esquemas práticos, denotado certo tom urbano, evidentemente indissociável da natureza da publicação.

    – O uso das cores tem o objetivo de diferenciar e destacar seções. A principal combinação utilizada nas páginas internas acontece com as cores verde, cinza e preto. O amarelo surge algumas vezes em títulos específicos. Preenchimentos também são largamente empregados, principalmente em boxes (que estão presentes em boa parte do Metro).

    – Como foi amplamente explicitado nas linhas acima, a publicação Metro preza por critério gráfico-editoriais que privilegiam leveza e forte presença de elementos visuais. Sendo assim, suas páginas internas são muito regulares e simétricas, apresentando considerável equilíbrio. A leitura do Metro é simples e atrativa, devendo isso ao seu planejamento. É possível criticar o jornal por certa falta de profundidade e ampliação dos seus temas e conteúdo, mas é importante lembrar-se da proposta da publicação e da maneira com que ele alcança seus objetivos editoriais.

    Mauricio Daniel

    17/06/2013 em 17:12

  14. Folha de S. Paulo – Edição 30.700 – Segunda-feira, 22 de abril de 2013
    (A análise foi feita a partir dos cadernos Tec e Esporte do jornal Folha de S. Paulo)

    Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    O caderno Tec é bem ilustrativo. Há espaço para textos de reportagem, notas, opinião, pequenas notas. Além disso, há o auxílio de boxes, infográficos, ilustrações tabelas e ícones que ajudam a dar mais “leveza” à página, tornando-a mais atrativa ao leitor. Por exemplo, na F3 (terceira página do caderno), o texto está dividido em seis colunas. Mas ela não é composta apenas pelas informações textuais. Alguns dados numéricos estão dispostos em gráficos ou caixas em destaque. Para se explicar aplicativos, a página apresenta ilustrações. O uso de ícones é maior que o de imagens.
    Já no caderno Esporte, não é muito diferente. Os textos são acompanhados por imagens (essas em maior número), infográficos, tabelas e ícones. As tabelas usadas nas páginas são bem características do universo esportivo, seja fornecendo a classificação dos times em um campeonato, o horário dos jogos ou, ao relatar os principais fatos sobre uma partida, fazer comparação de títulos e pontos fortes ou fracos dos times competidores.
    Em ambos os cadernos, as páginas são bem preenchidas. Os brancos são percebidos apenas quando há o uso de ilustrações que funcionam como “link” para os textos. Há também a presença de anúncios publicitários, que podem ocupar meia página ou um quarto dela.

    Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    A tipologia no caderno Tec não apresenta muita variedade. Os textos estão em fontes serifadas, não muito diferente daquelas utilizadas em jornais impressos. A diferença percebe-se apenas nos textos “complementares”, grafadas em fontes não serifadas, como as legendas dos infográficos, em pequenas “chamadas” e informações dispostas nas caixas de destaque e nos boxes.
    No caderno Esporte, há pouca variação da fonte serifada dos textos. Algumas palavras em destaque (na cor azul), a linha-fina e as chamadas da seção de tabelas e informações de infográficos são apresentadas em fontes não serifadas.

    Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    A capa principal do jornal não está preocupada em apresentar textos. Chamadas para as principais notícias que a edição trará são o bastante. Também há a preocupação de colocar de tudo um pouco que há nas páginas, desde ícones, imagens, citações e textos. A função primordial dela é atrair a atenção do leitor. Por ser em formato standard, o veículo é dobrado no meio para exposição nas bancas. Desse modo, a metade a ser exposta tem que conter informações importantes e chamativas.
    Já as capas de cadernos internos apresentam o texto da reportagem, além de pequenas chamadas do conteúdo das demais páginas. É possível perceber, que na capa interior os anúncios publicitários são maiores. Enquanto na capa da Folha há um pequeno anúncio no rodapé (cerca de um sexto do tamanho total da página), no caderno Tec, ele ocupa um terço e no Esporte, pouco menos da metade da página.

    Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    No caderno Tec, em geral, há certo equilíbrio entre textos e informação visual. Alguma página ou outra, há o predomínio de um sobre o outro. Essa relação torna as páginas mais chamativas, despertando maior atenção dos leitores. Isso acontece porque as ilustrações e os demais ícones não estão dispostos sem motivo; eles servem para se ligar aos textos e/ou exemplificá-los.
    No caderno Esporte, os textos predominam sobre as ilustrações. Mas isso não faz com que o leitor perca o interesse. A informação visual que está presente nas páginas internas é suficiente para informar, de modo que se houvesse mais, poderia prejudicar a leitura dos textos (já que o foco do leitor estaria em ilustrações ou ícones desnecessários).

    De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    Além de chamar a atenção do leitor para alguns detalhes da informação, deixam as páginas internas mais “leves”. Se fossem dispostos apenas textos, o leitor poderia perder o interesse ao longo da leitura. Há momentos em que as informações estão muito densas e quem está lendo precisa “digerir” o que foi lido. Se há imagens ou ilustrações complementares, ao correr os olhos por elas, ele terá tempo para isso sem desviar o foco do assunto.

    Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    O caderno Tec parece, como um todo, um infográfico, uma vez que apresenta certo equilíbrio entre informação textual e visual. Mas nos infográficos de fato, também há esse padrão: por exemplos, na página F4, para explicar “a quarta geração”, há gráficos de barra e de coluna, ícones explicativos e textos informativos – composição que é mais eficaz que se fossem apresentados apenas dados em texto corrido.
    Nos infográficos do caderno Esporte, informações textuais e visuais estão lado a lado. Podemos perceber essa relação principalmente nas tabelas comparativas de times: há sempre imagens dos principais jogadores próximas ao símbolo dos clubes e aos dados textuais (nomes dos participantes, colocação, números de vitórias, empates ou derrotas, técnico, saldos, entre outros).

    Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    As cores utilizadas na composição do caderno Tec são, predominantemente, azul e verde. Elas aparecem em tons claros e vivos, para chamar a atenção do leitor e dar uma identidade ao segmento do jornal. Essa paleta oferece a impressão de jovialidade também, combinando com o assunto do caderno – geralmente, de interesse de leitores mais jovens.
    O caderno Esporte também apresenta o azul claro e vivo do caderno acima mencionado (presente também nas demais páginas do jornal, já que é uma das cores predominantes em toda a Folha). Ele está presente em alguns títulos e pequenas chamadas. Para diferenciar de outras páginas, há também o laranja, em algumas chamadas e fundos de títulos ou legendas. A intenção dessa cor é não se relacionar diretamente a algum time brasileiro (o que poderia causar certo desconforto nos torcedores de times rivais).

    Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    Ambos os cadernos não apresentam rigidez na composição textual e visual, ao se analisar as páginas. Não há um padrão, em que todas as páginas concentram as imagens na parte superior esquerda, por exemplo. Mas isso não prejudica o equilíbrio da página como um todo.
    O caderno Tec apresenta maior balanceamento entre imagens e textos que o caderno de Esporte – porém, como já foi dito, isso não faz com que o leitor perca o interesse, já que a informação visual é o suficiente.

    Giovanna Hespanhol de Oliveira

    17/06/2013 em 23:40

  15. Página analisada: Arts&Entertainment 2

    Ao olhar a capa, o que logo chama a atenção é uma foto que ocupa um espaço considerável. Tomando a parte direita do jornal, a imagem conversa harmoniosamente com uma palavra do título (MAD) da matéria que ilustra, bem como com o fundo branco da página. Ao lado da imagem encontra-se uma breve introdução à matéria ilustrada pela imagem. Esses dois elementos trabalham de forma complementar dando um aspecto de leveza à página. O branco é altamente utilizado ajudando no aspecto mais “clean”.

    Fora a matéria e a imagem que se compelmentam, ocorrem mais algumas divisões na página. À esquerda têm-se uma coluna preta, com foto e o texto em branco que dá uma quebrada na harmonia da página como um todo. Essa parte da página parece trazer o espaço de uma colunista. Esse aspecto mais chamativo, com o fundo preto, me passa a impressão de que o jornal dá um destaque à parte das colunas.

    A parte inferior da capa está dividida em uma matéria com aspecto comum e que traz uma foto. Ao lado, encontra-se um ranking, em forma de infográfico, dos filmes mais vistos e, logo abaixo, o que o leitor encontrará dentro do caderno. Essa combinação ao meu ver não deixa a página muito pesada, trabalhando bastante com recursos gráficos.

    Na página analisada existe o predomínio das cores branco, preto e laranja. As três cores trabalham de forma que nenhuma chega a atrapalhar a outra ou estar em excesso. Apenas a coluna de fundo preto que se destaca bastante, bem como o jogo da cor laranja entre a imagem e a palavra “MAD”.

    Quanto à tipologia, a página parece seguir um padrão com a fonte dos corpos das matérias no que parece ser um itálico. Os títulos são com fontes não serifadas, simples. O que muda, porém, é o título da matéria principal que brinca com fontes e tamanhos, e conversa harmoniosamente com a imagem.

    Uma capa de jornal pode ser mais limpa ou mais densa de acordo com os propósitos e a linha gráficaeditorial do jornal em si. Elas, basicamente, constituem-se em alguma matéria principal da publicação, acompanhada de foto e título chamativo, bem como conter diversas chamadas para outra matérias que serão encontradas dentro do jornal. Podem ou não conter um índice e serviços. Vale lembrar que uma capa chamativa, ou diferenciada, provocante, pode prender mais a atenção do leitor e fazê-lo desejar ler o conteúdo do jornal. Já as páginas internas de um jornal, embora variem de acordo com a publicação, possuem, basicamente, uma estrutura mais densa, uma vez que conta com as matérias completas, imagens, infográficos, charges, imagens e todos os elementos que desejar.

    Os recursos textuais e visuais devem trabalhar de modo harmônico a fim de promover o interesse do leitor, de trazer o maior número de informações possíveis de forma diferenciada. Na página analisada essa harmonia acontece, sobretudo, pelas cores chamativas e pela imagem maior. Ambos os recursos trabalham complementando-se.

    Em um infográfico a combinação entre elementos textuais e visuais são fundamentais para a fácil compreensão de seu conteúdo. É também de vital importância que o infográfico seja harmônico e chamativo, inovador, de modo a prender a atenção de quem lê, além de fazer com que a pessoa que esteja apenas folheando a publicação, possa sentir-se provocada e passe a se interessar pelo conteúdo nele contido. Para isso, trabalhar com cores que conversem e textos mais leves é a medida certa para um bom infográfico. Na página analisada existe apenas um gráfico simples em cinza na matéria “TOP MOVIES”. Apesar de simples, cumpre seu papel informativo.

    Citado mais acima, as cores predominantes na página analisada são o preto, o cinza, o branco e o laranja. As cores são distribuídas de modo a dar uma leveza à página, embora o preto e o laranja cheguem a ser bem intensos.

    A página analisada pode ser considerada não muito fora dos padrões com os quais somos acostumados. O que chama a atenção e difere um pouco fica por conta da chamada da matéria principal, com texto e imagem conversando, sobretudo pelas cores e limpeza. No mais, a página não ousa muito, fora a foto grande, mas nem por isso deixa de ser um modelo interessante. A página está harmônica, leve, bonita e prática.

    Andrey

    18/06/2013 em 0:35

  16. Ilustrada – Folha de SP – 17/06
    – A Ilustrada geralmente é composta por letras avermelhadas que estouram um azul claro, usado com contraste. Ao lado, duas chamadas de temas que serão tratados. A manchete vem logo abaixo, com uma linha fina. Ao lado uma foto do tema principal do caderno. Ao lado uma coluna de opinião e abaixo um texto corrido, com 4 colunas e sem foto.
    – Fonte serifada e vermelha. Atrás um azul usado para dar contraste. Nas páginas que adentram a Ilustrada, existe uma grande variação de ícones, mas nada que chame muito a atenção.
    – Grande espaço para fotos, que se espalham por quase metade do caderno. As últimas folhas possuem grande quantidade de quadrinhos.
    – A questão é dispor e distribuir fotos e imagens harmoniosamente, deixando o ambiente propício para a aleitura.
    – Sempre grandes imagens com circulos explicativos ao lado.
    – As cores são distribuídas de acordo com o tema, com o objetivo de despertar emoção ou remeter a algo.
    – A Ilustrada possui uma padronização aparente, buscando equilibrar cada página igualitariamente.

    Vitor Augusto Rodrigures Fávero

    18/06/2013 em 0:59

  17. Veículo para análise de páginas internas : Le Canard Enchaîné
    Edição : 4827 – Ano 98 (30 de abril de 2013)

    Os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nas páginas internas parecem seguir uma ordem de preferência: assunto geopolítico (Europa), nacional (França) e regional. Os assuntos que ganham mais destaque são aqueles de maior interesse público, porém de maior apelo satírico. A disposição dos elementos textuais e outros visuais dão a impressão do tipo de jornalismo “de parede” que se fazia na época da Revolução Francesa, notícias coladas e espalhadas pelas fachadas de prédios diversos.

    Há uma variação tipológica significativa ao longo das páginas internas do jornais, variando entre manchetes, títulos, intertítulos, assinaturas, falas de balões de charges, títulos de charges, chapéus, etc.

    Não há cadernos internos.

    As informações visuais parecem intercalar as informações textuais. Servem ora de divisória, ora de ligação de um texto com o outro, ora de interrupção, ora de conclusão, manchete, ora início ou matéria em si (grandes charges).
    No caso de Le Canard Enchaîné, as charges abundantes (excluindo o uso de fotografias) representam o espírito do jornal, seu grande diferencial. Talvez o que a imprensa francesa já foi no passado ainda sobrevive nas páginas do jornal, sua essência altamente satírica, sarcástica e/ou irônica.

    Não há infográficos. As ilustrações em charges e ícones são os grandes elementos responsáveis pela dinamização do visual do jornal.

    Nas páginas internas do jornal só se faz uso do preto e do branco. Na última página, o uso do vermelho se faz para colorir o logotipo “Le Canard Enchaîné” no topo, a borda de duas colunas, a borda de uma charge e o logotipo das duas referidas colunas.

    É um jornal assimétrico, isto é, a estrutura que se vê de um lado não é a mesma que se vê do outro. O equilíbro sai em prejuízo, dada a alta concentração de estilos tipológicos diferentes em alguns espaços, somados à riqueza de detalhes de determinadas charges. Harmonia é tudo que a aparência do jornal não inspira, o que é condizente com um espírito satírico e combativo. O que ele vai revelar, dizer, defender não tem nada de harmônico. O universo que ele vai abordar não tem nada de harmônico. Não há uma regularidade evidente ao longo das páginas, pois, pelo que parece, é o que o jornal busca evitar, pois todas têm um padrão estrutural diferente. O que se pode traçar em comum entre todas as páginas é um aspecto de mural de muitos informes.

    Willy Delvalle

    18/06/2013 em 1:07

  18. Jornal Valor Econômico. Exemplar do dia 28 de fevereiro de 2013.

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    O jornal possui um grid de seis colunas recheadas de textos. Algumas páginas podem pareces confusas por ter textos utilizando toda a coluna disponível, enquanto as outras 5 podem ser ocupadas por publicidade.
    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    Não há variações gritantes nos elementos textuais. São utilizadas fontes serifadas, e as utilizadas nos títulos e nos textos são muito semelhantes, talvez se diferenciem apenas por estarem em negrito (no caso do título).
    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    A maior diferença é que nas capas internas encontramos matérias completas, e não só chamadas, mas encontramos também matérias menores, e maior número de infográficos, uma forma de resumir ou preparar o leitor para o conteúdo que virá pela frente. Assim como ocorre nas capas dos jornais em geral. Uma particularidade das capas internas são uma área maior destinada a publicidade.
    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    Algumas das páginas são basicamente formadas pro textos, e algumas fotos para compor a matéria/reportagem. Mas, por se tratar de um jornal de assuntos “pesados” e ás vezes de difícil compreensão (economias, finanças e negócios) o Valor Econômico investe na utilização de infográficos que facilitam e auxiliam a compreensão do conteúdo.
    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    O jornal que aposta e investe na combinação imagem/texto tem um diferencial. Ele se mostra a frente, até mesmo na dentro do conteúdo que está repassando ao leitor, pois é possível notar a dificuldade em criar elementos gráficos coesos, e que isso só é possível quando se domina o assunto e as técnicas. E quando utilizados de forma harmônica, essa combinação soma ao entendimento e facilidade para a leitura.
    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    Como já foi explicitado, trata-se de um jornal de assunto pesado e muitas vezes conservador. São utilizados gráficos dos mais clássicos possíveis, sem muita “arte”, ou exigência do design. Mas existem alguns, poucos, que são mais “aventureiros” utilizando de imagens descontraídas acompanhadas de pequenos textos explicativos e números. Os infográficos são explorados também na representação de mapas acompanhados de algum outro fator de informação.
    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    O jornal não explora muito o uso de cores. A maioria de suas páginas são em escala de cinza, inclusive as fotos. Pode-se enganar quanto a isso ao folhar o jornal, porém ao olhar com cuidado verá que as páginas coloridas tratam-se de publicidades, que é muito recorrente no jornal. As cores são exclusividade das capas, tanto a principal quanto as internas.
    Não são utilizadas cores nem mesmo nos gráficos, ocorrem exclusivamente em casos como os de mapas ou algo menos clássico/tradicional.
    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    As páginas costumam ser regulares e respeitar o grid de seis colunas, porém ás vezes parecem confusas e/ou bagunçadas pela quantidade de tabelas e números nelas inseridas. Quando aparecem fotos elas respeitam as colunas, e não costumam invadir espaços, quebrar colunas ou parecerem ousadas, trata-se de um jornal mais tradicional e sem intenções artísticas.

    Aline Antunes

    18/06/2013 em 4:26

  19. Nome: Thales Valeriani e Paulo Beraldo
    Período: noturno
    Páginas analisadas: Caderno “Aliás” do jornal O Estado de S. Paulo, domingo, 16 de junho de 2013.

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    Uma das maiores características deste caderno do Estadão é o aproveitamento dos espaços em brnacos. No caderno avaliado, não é diferente. O espaçamento entre os textos, fotos e títulos chama a atenção. Geralmente, a capa também usa bastante o espaço em branco, mas a analisada privilegiou a foto em detrimento do espaço em branco.

    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    Há mais variações neste caderno do que nos demais cadernos do jornal. Na capa, é usada uma letra branca com fundo laranja no nome no caderno. Há, então, uma foto enorme que ocupa cerca de 50% da página, embaixo há um título e uma espécie de legenda que juntos anunciam do tema que o caderno tratará na semana. Nas páginas internas, há uma variação considerável, uma vez que na s seções de fotos as letras são diferentes das usadas nos textos e títulos das demais matérias.

    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    A capa deste caderno interno é uma capa cartaz. Traz o tema principal do caderno, com uma foto de destaque e um breve resumo de quem foi entrevistado e sua opinião. Já a capa do jornal, apesar dos grandes destaques, faz várias chamadas para as principais manchetes dos cadernos- é uma espécie de resumo do que há de principal no jornal.

    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    No caso do caderno “Aliás”, a informação textual prevalece. Mas é importante lembrar que o caderno trabalha com imagens e sempre traz ensaios de fotógrafos. No caderno objeto de estudo, o ensaio é do fotógrafo Mauricio de Paiva, sobre as famosas “peladas” que há no Brasil. O caderno também tem uma página destinada as principais imagens da semana- além de que cada reportagem tem ao menos uma foto.

    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    Elas podem chamar atenção do leitor a pontos específicos, marca-lo de alguma maneira, além de informar. Neste caso, recomenda-se o uso de infográficos, que contam com o uso de texto, imagem e informação.

    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    Geralmente, há uma imagem com textos, números e legendas que a cercam. Neste caso, tem pontos que fazem destaques ao mapa, foto ou roteiro, que são ligados através de uma linha a espécies de box, que contêm a informação textual.

    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    No objeto de análise, as cores são usadas para diferenciar o título da linha fina. O título, assim como o texto, é preto, já o subtítulo é laranjas- tem a cor do caderno. O que reforça a ligação entre a cor laranja e o caderno “Aliás”.

    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    As páginas do caderno “Aliás”, do Estadão, tem equilíbrio e harmonia- resultado, em partes, a utilização de espações em brancos e imagens bem dispostas. Em relação a simetria, elas não são simétricas entre si, apesar se serem bem organizadas. Cada página tem um gride, não tem um gride fixo para todas as páginas do caderno. Mas é importante ressaltar que esta falta de simetria não compromete em nada a leitura ou a beleza das páginas

    A partir de suas reflexões, deixe um comentário sobre o assunto ao final desta página, citando alguns exemplos selecionados do corpus em análise.
    Só gostaria de dizer que escolhi o caderno “Aliás” do Estadão por considerá-lo o melhor caderno do jornal, do ponto de vista gráfico. Sempre me impressionou como é trabalhado o espaço em branco e a sua disposição imagética e visual.

    Thales Valeriani

    18/06/2013 em 10:20

  20. Diário de Arujá – 18/06/2013 – Edição 4078 -http://www.diariodearuja.com.br/
    Folha de São Paulo – 13/06/2013 – http://acervo.folha.com.br/fsp/2013/06/13/30/

    – Na página 5 do Jornal de Arujá, mais de um terço do espaço é ocupado por propagandas, assim como acontece em boa parte das páginas do jornal. Além disso, a matéria possui três fotos e uma manchete de duas linhas com um grande espaçamento entre essas linhas, fazendo com que o espaço dado para a matéria seja diminuído.
    O jornal quase não faz uso do branco e em algumas páginas a publicidade parece invadir o espaço que havia sido destinado para o conteúdo informativo. A última página do jornal é totalmente composta por propagandas.
    Esse uso abusivo de propagandas pode ser justificado, pois o jornal é de distribuição gratuita.
    Já no caderno Turismo da Folha, há maior uso do branco e de imagens ilustrativas. Na página F4, a foto ilustrativa ocupa cinco das seis colunas e ainda chega até a página seguinte.
    Da mesma forma que acontece no Diário de Arujá, o caderno Turismo da Folha também dedica um grande espaço para publicidade. A página F3 é totalmente destinada à publicidade, e a página F2 possui uma propaganda que ocupa mais de um terço da página.
    Essas opções fazem com que o espaço dedicado à elementos informativos no caderno Turismo da Folha seja extremamente limitado.

    – Na página 5 do Diário de Arujá há variações tipológicas significativas entre os elementos textuais. O texto e a manchete são compostos por letras serifadas, já o fio-data por letra semi-serifada e as legendas,por letras não-serifadas.
    Na página F4 do caderno Turismo da Folha de São Paulo, também há variações tipológicas entre os elementos textuais. Títulos e intertítulos aparecem em negrito. O texto, a manchete, a linha fina, os intertítulos e as legendas são compostos por letras serifadas. Já a assinatura do repórter e os créditos das fotos são compostos por letras não-serifadas.

    – A capa de um jornal deve chamar atenção para o nome do jornal, portanto o logotipo deve ser grande o suficiente para o jornal ser facilmente reconhecido. Além disso, na capa de um jornal há preocupação com a dobra, ou seja, o diagramador deve pensar em que quando o jornal for dobrado algum elemento, como manchetes, fotos ou o logo do jornal, deve chamar a atenção de possíveis leitores.
    Já a capa de um caderno interno preocupa-se em ser atrativa para o leitor que já está com a publicação em mãos, podendo trazer uma foto de página inteira que vá atrair o leitor, como acontece no caderno Turismo da Folha. A capa de um jornal raramente faz uso desse recurso, pois precisa trazer chamadas para outras matérias que estejam dentro de suas páginas.
    O Diário de Arujá não possui cadernos internos.

    -O Diário de Arujá concede mais espaço para propagandas do que para informações textuais. Já o caderno Turismo da Folha, dá bastante espaço para propagandas e para a informação visual, mas isso não acontece em todas os cadernos do jornal. Em outros cadernos,como o Primeiro Caderno, há um equilíbrio maior entre informação visual e informação textual, como aconteceu na página A18, a primeira da editoria Mundo.
    Apesar disso, o espaço concedido para a publicidade continua grande em todas as editorias e não é raro ver anúncios de mais de uma página.

    – Composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações são modos de chamar a atenção do leitor para determinada matéria de uma página interna de jornal. O mesmo acontece quando a página faz um uso maior do branco.

    – O Diário de Arujá não faz uso de infográficos. Já na Folha de São Paulo, o infográfico da página F6 traz um mapa com algumas informações textuais importantes que foram resumidas para não poluir a imagem.

    – O Diário de Arujá não faz forte uso das cores, mas na Folha as cores são usadas para destacar editorias, manchetes, cadernos e cartolas. No caderno analisado há o uso de azul em algumas cartolas e do verde no nome do caderno, em cartolas e em outros elementos gráficos.
    As cores são geralmente usadas em jornais para fazer uma separação de assuntos, chamar a atenção do leitor e também como um modo de construir uma identidade para a publicação.

    – O Diário de Arujá não possui páginas equilibradas ou simétricas, pois faz uso excessivo de elementos gráficos, principalmente publicidade. Além disso o espaçamento entre as linhas das manchetes é excessivo e no texto, muitas vezes, por conta do alinhamento as palavras ficam muito distantes umas das outras.
    Já o caderno Turismo da Folha de São Paulo possui mais equilíbrio por fazer um uso maior do branco, entretanto esse equilíbrio acaba sendo prejudicado pelas propagandas também excessivas e que ocupam grande espaço das páginas.

    Bianca Arantes dos Santos

    18/06/2013 em 11:44

  21. Folha de S. Paulo
    exemplar de 22/04
    Análise dos cadernos de Esporte e Tecnologia (Tec)
    – O caderno Tec apresenta elementos que chamam a atenção do leitor, mas sem exageros, com ícones, alguns boxes informativos, pequenas notas, ilustrações, dados numéricos em destaque, infográficos e tabelas. Ele é ilustrativo. O texto de reportagem é dividido em seis colunas. O de Esporte tem os textos expostos ao lado de muitas figuras, infográficos e imagens ilustrativas, alguns poucos ícones. Diversas tabelas também aparecem.
    – Os textos do caderno Tec estão em fontes com serifas, mas alguns textos complementares são trabalhados em fontes não-serifadas, como as legendas das imagens, comentário nos boxes. A tipologia do de Esporte também apresentas fontes serifadas, o uso do azul em algumas palavras que ganham destaque. Porém a linha fina, as informações do infográfico e as das tabelas não apresentam serifa.
    – A capa do Jornal Folha de S.Paulo traz pequenas chamadas dos principais assuntos tratados na edição. Apresenta formato standart, imagens de impacto que são bem atrativas. Já as capas internas apresentam a reportagem, acompanhada de chamadas dos demais conteúdos do caderno. A publicidade ocupa muito mais espaço dentro da edição, pode ocupar até metade da folha, no caso do caderno de Esportes.
    – Existe um balaço do conteúdo trabalhado no caderno Tec, textos e imagens ilustrativas aparecem em proporções semelhantes. Claro que de uma edição para outra deve haver predomínio de um sobre o outro, mas sem grandes discrepâncias. As imagens utilizadas têm sempre alguma relação com texto, nunca são colocadas para apenas preencher um espaço. No caderno Esporte, os textos são dominantes. Porém as imagens são maiores e suficientes para ilustrar o fato trabalhado.
    – Acredito que suaviza a leitura, pois muitos textos contêm muitos detalhes e exigem muita atenção do leitor, cansando a sua leitura. Assim, as imagens e ilustrações dão uma característica de leveza para a página.
    – No de Tec, o uso de um infográficos é presente. Gráficos e tabelas também são usados para representar e explicar o conteúdo trabalhado no texto. Nesse caderno, há um equilíbrio entre os elementos textuais e visuais. No do caderno de Esporte, as informações geralmente aparecem em tabelas comparativas, além do texto explicativo. Fotografias dos jogadores também são bem usuais.
    – As cores azul e verde são usadas em tons claros no caderno de Tecnologia. Esse uso parece dar uma cara mais jovem e descontraída para o caderno, provavelmente o público alvo deva ser o jovem. O caderno Esporte também usa um azul claro e vivo em títulos e algumas chamadinhas. Outros títulos e legendas são feitos em laranja vivo.
    – Os dois cadernos não apresentam um modelo de composição fixo, mas o equilíbrio e a suavidade de cada página são mantidos para não cansar a leitura do consumidor. O caderno de Tecnologia é mais balanceado, os textos e a imagens ilustrativas aparecem em proporções próximas e o caderno de Esportes, apresenta muitos dados em tabelas, textos explicativos e grandes imagens.

    Francielle Kuamoto

    18/06/2013 em 12:21

  22. Jornal “Segunda-Feira” – 17/06/2013
    Guilherme Costa e Fabiane Carrijo

    • As informações estão divididas em 3 grandes cadernos: Esportes, Atitude e Andanças, precedidas de um caderno índice, com colunas de opinião, culinária e comportamento.
    As páginas com textos maiores estão em 4 colunas, com fotos grandes ocupando em sua maioria 2, 3 ou 4 colunas.Normalmente, textos com assuntos mais descontraídos ou que falam mais diretamente ao público não são justificados. Os demais textos são justificados.
    Índices e tabelas estão presentes em boxes, predominantemente ao final das matérias, principalmente nas matérias de esporte.Em Atitude e Andanças, boxes circulares estão presentes no meio dos textos.

    •A tipologia predominante ao longo das páginas é a não-serifada, ela aparece na maior parte dos títulos, nas legendas e textos. A serifa aparece de maneira pontual em apenas 2 títulos da editoria de Comportamento. As fontes não serifadas ao longo do jornal possuem grande variação, principalmente nos títulos e linhas-finas.

    •Não há texto relevante na capa. Há uma imagem que ocupa a maior parte da página e essa é seguida apenas de um título e linha fina. Também há uma coluna lateral que, assim como a imagem central, também só possui título e uma pequena chamada para matéria, com algumas pequenas fotos.

    •O texto é separado da imagem por meio de boxes de diferentes cores, linhas e algumas vezes só pelo próprio recuo da imagem. Não existe um padrão estético. A maioria das imagens não é recortada, mantendo-se dentro de um limite separada do texto. Apenas nas capas internas dos cadernos pequenos textos se sobrepõem à foto.

    •No geral, o vasto uso de fotos grandes atrai a atenção do leitor. Os três cadernos possuem uma página-capa que traz uma foto de página inteira seguida pela identificação do caderno, o que é um recurso notável que contribui tanto para marcar com clareza o início de cada parte do jornal quanto para ilustrar e chamar atenção para a matéria considerada mais importante ou com maior potencial atrativo no caderno.
    No caderno de esportes, os boxes contendo resultados dos jogos, ficha técnica dos jogadores e informações adicionais sobre as partidas contribuem para complementar a análise da partida que o precede. Desse modo, mesmo estando ao final da matéria, seu destaque em um box de cor diferente atrai o olhar do leitor que não assistiu a partida e precisa primeiro obter a informação factual para depois ler a análise. Da mesma maneira, o leitor que assistiu a partida pode obter informações adicionais, como público pagante e nome do árbitro.Algumas boxes contém pequenas notícias relacionadas a matéria principal, enriquecendo a página.
    No caderno Atitude, os boxes circulares contém pequenas asserções, em tom de conselho, que complementam a atitude abordada na matéria, em caráter de resumo.
    No caderno Andanças, os boxes circulares contém informações mais factuais e em caráter de reiteração do que foi dito na matéria.

    •A edição não possui infográficos. Os elementos visuais disponíveis dessa edição e que se relacionavam com algum tipo de texto foram: A tabela e o placar dos jogos no caderno de Esporte. Extremamente simples, dentro de boxes com os cantos arredondados. As letras do título, nome do clube e números utilizados no ícone “placar” vem em negrito.

    •A seção índice, as colunas de opinião, culinária e comportamento utilizam majoritariamente tons de laranja, amarelo e vermelho. As cores quentes chamam a atenção para as receitas apresentadas logo nas primeiras páginas.
    Em seguida, o caderno de esportes também vem em laranja, trazendo assim algum caráter de imparcialidade perante aos quatro grandes times do estado.
    O caderno de atitude traz uma paleta de cores em tons de azul, que contrastam bem com a paleta utilizada no caderno anterior e assim traz um ar de mudança e serenidade, que são os assuntos editorias propostos para esse espaço.
    Já o caderno Andanças vem em uma paleta com tons mais amenos da cor verde. A peleta mais discreta não tira a intensidade e caráter de espetáculo de suas reportagens e colunas.

    •As páginas internas estão razoavelmente bem equilibradas. A divisão dos cadernos é bem definida e a diagramação em 4 colunas é predominante, havendo apenas alguns desvios do padrão no índice, nas tabelas e nas seções de fotos. O bom uso dos espaços em branco traz leveza para a página. A simetria ocorre nos boxes e na disposição do texto, entretanto há irregularidades quanto à variedade de fontes utilizadas, tamanho das fontes e presença, ausência e posição de linhas-finas. Há um bom porém limitado uso de elementos iconográficos: Pequenas bolas, quadrados ou losangos que introduzem títulos, subtítulos específicos e nomes dos repórteres. Replicação do logo do jornal em cada capa de caderno.

    Guilherme Costa e Fabiane Carrijo

    18/06/2013 em 13:08

  23. CADERNO 2 – Estadão – 14/06/2013
    – Na capa do caderno, é utilizado duas cores para o nome: vermelho mais desbotado e bege. Ao lado do nome, já aparecem duas chamadas para reportagens. Uma foto ocupa quase metade da página, e logo abaixo, existem duas colunas laterais divididas por uma propaganda do relógio marca “rolex”. Na parte interior do caderno, as cores vermelho desbotado e bege voltam a aparecer no cabeçalho e em alguns box. A presença de propagandas é grande, sendo que elas aparecem em 7 das 10 páginas do caderno, e alguma ocupam metade da página. Os títulos das matérias variam no que se refere à utilização de fontes com serifas, sendo que elas se alternam de matéria para amtéria. Na página 6, mais voltada para a interatividade, o caderno possui quadrinhos, cruzadinhas e sudoku, além do horóscopo.
    – Como já dito antes, existem variações no que se refere as serifas. Além disso, quando é citado o nome de algum livro ou filme, é utilizado o itálico. Quando aparecem box ao lado das matérias, é utilizado o negrito nas letras. No espaço reservado as seções (como por exemplo, Tutty Humor ou crônicas da última página) o nome do jornalista alterna entre as cores vermelho desbotado e bege.
    – A capa da página principal é mais poluída, possui mais informações e mais matérias, além de aparentar ser mais séria. No entanto, na página principal também está presente uma propaganda. Já a capa da página interior é mais leve, com os títulos podendo variar de cores e não utilizando apenas o preto, como no primeiro caderno.
    – Acredito que essas combinações chamam a atenção do leitor e desperta certo interesse, além de quebrar um pouco a seriedade do jornal.
    – Podem ser um complemento eficiente para fixar informações da matéria, além de tornar a leitura mais leve. Por exemplo, na página 4, no final da página há um destaque em vermelho chamando a atenção para que o filme “Lincoln” de Spielberg teve 12 inidicações para o Oscar.
    – A página analisada não possui infográficos.
    – As cores utilizadas já foram citadas, sendo vermelho desbotado e bege. É utilizado as duas cores para destacar o nome dos colunistas, além de alternar as cores para o tema de cada página (teatro, cinema…). Os efeitos é de suavizar a leitura, além de melhorar a estética da página e ter uma melhor divisão de assuntos.
    – A simetria não está muito presente no caderno. Mas as páginas são bem equilibradas, com muitas fotos e imagens, além da presença de box. As páginas não são muito poluídas, o que trona um caderno prazeroso e fácil de ler. Ademais, os textos presentes não são extensos, sendo que em alguns deles a foto é maior do que o texto. As publicidades estão em um espaço reservado e não se confundem com as matérias.

    Sempre fui leitor do CADERNO 2, pois os quadrinhos e as cruzadinhas sempre me chamaram a atenção. Agora, com maior análise, percebo o quanto é necessário que o caderno seja de leitura leve e cheio de imagens, sendo que é um caderno de lazer, de passar o tempo.

    Tiago Pavini

    18/06/2013 em 13:32

  24. Análise de páginas internas

    Dupla: Isabela Ribeiro e Jaqueline Galdino

    Jornal Analisado: O Estado de S.Paulo – Caderno 2
    Edição 12 de junho de 2013
    Caderno 2

    Já na capa do Caderno 2 vemos uma foto em detaque, vazada e com o título da matéria em cima da foto, assim como a legenda. . As informações visuais contidas na capa trás destaque para uma matéria que ocupa meia página ( o restante é propaganda). Além da chamada principal, no canto superior da capa, ao lado da identificação do caderno há mais 2 chamadas menores.
    O que diferencia a capa do Caderno 2 da capa da Edição do dia é claramente o número de manchetes e os elementos visuais. Na capa do jornal há muitas informações textuais, o que não acontece na capa do caderno.
    O Caderno 2 do Estado de S. Paulo possui uma identificação visual que é caracterizada pela cor do logo em tons de vermelho e marrom. Nas páginas internas do caderno há muitas referências visuais, muitas imagens (além de publicidade) e o uso de textos mais curtos.
    Os chapéus, números em destaques e alguns títulos seguem as cores características do caderno, no tom marrom. Apesar de ser um caderno voltado para o entretenimento, não há uso de gráficos e infográficos, mas utiliza-se desenhos caricatos, charges. No caderno também possui a sessão de quadrinhos, palavras cruzadas e horóscopos. O caderno trás ainda serviços como programação da televisão e guia de cinema, com filmes, salas e horários.
    Apesar de todo o visual, com muitas imagens, as páginas internas não deixam de seguir o padrão de colunas em sua maioria, na última página vemos uma maior diferenciação dos tipos de coluna. Para dar destaque em um título, ele vem acompanhado de uma caixa em marrom de fundo. Não há diferenciação nas fontes utilizadas nos títulos das matérias, segue-se um padrão quanto a isso.
    Basicamente o caderno é leve, possibilitando uma leitura rápida, fluente e gostosa e explora muito bem o uso das mega fotos, nesse caso vemos que algumas são vazadas e não seguem o quadrado da foto e sim o formato, o contorno da imagem.

    Jaqueline Galdino e Isabela Ribeiro

    18/06/2013 em 13:43

  25. Dupla: Isabela Ribeiro e Jaqueline Galdino

    Jornal Analisado: O Estado de S.Paulo – Caderno 2
    Edição 12 de junho de 2013
    Caderno 2

    Já na capa do Caderno 2 vemos uma foto em detaque, vazada e com o título da matéria em cima da foto, assim como a legenda. . As informações visuais contidas na capa trás destaque para uma matéria que ocupa meia página ( o restante é propaganda). Além da chamada principal, no canto superior da capa, ao lado da identificação do caderno há mais 2 chamadas menores.
    O que diferencia a capa do Caderno 2 da capa da Edição do dia é claramente o número de manchetes e os elementos visuais. Na capa do jornal há muitas informações textuais, o que não acontece na capa do caderno.
    O Caderno 2 do Estado de S. Paulo possui uma identificação visual que é caracterizada pela cor do logo em tons de vermelho e marrom. Nas páginas internas do caderno há muitas referências visuais, muitas imagens (além de publicidade) e o uso de textos mais curtos.
    Os chapéus, números em destaques e alguns títulos seguem as cores características do caderno, no tom marrom. Apesar de ser um caderno voltado para o entretenimento, não há uso de gráficos e infográficos, mas utiliza-se desenhos caricatos, charges. No caderno também possui a sessão de quadrinhos, palavras cruzadas e horóscopos. O caderno trás ainda serviços como programação da televisão e guia de cinema, com filmes, salas e horários.
    Apesar de todo o visual, com muitas imagens, as páginas internas não deixam de seguir o padrão de colunas em sua maioria, na última página vemos uma maior diferenciação dos tipos de coluna. Para dar destaque em um título, ele vem acompanhado de uma caixa em marrom de fundo. Não há diferenciação nas fontes utilizadas nos títulos das matérias, segue-se um padrão quanto a isso.
    Basicamente o caderno é leve, possibilitando uma leitura rápida, fluente e gostosa e explora muito bem o uso das mega fotos, nesse caso vemos que algumas são vazadas e não seguem o quadrado da foto e sim o formato, o contorno da imagem.

    Jaqueline Galdino e Isabela Ribeiro

    18/06/2013 em 13:44

  26. Veículo analisado: Jornal da Cidade

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    A diagramação é regular, o que varia não é o numero de colunas, mas sim a disposição de matérias/imagens entre as páginas do jornal. Não apresenta muita inovação, possui uma diagramação e disposição de elementos como fotos e infográficos bem tradicionais, nada que ultrapasse uma página (anúncios também não fogem a essa regra).

    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    Somente entre títulos e demais textos, onde os títulos vêm sempre em negrito serifado, linha fina em itálico, e texto em fonte padrão de tamanho menor.

    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    No JC, a primeira página é bastante colorida. Nas capas internas, essa composição visual varia. As capas internas são mais “cleans”, onde o nome da editoria pode ser colorido ou não, bem como as imagens de suas reportagens. Há editorias em que até a capa é inteira em preto e branco, assim como as páginas internas.

    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    Todas as páginas são muito carregadas de texto e informação textual. Somente matérias com grande destaque possuem fotos. Isso pode ser devido ao fato do JC importar conteúdo de agência de notícias ou por não haver espaço mesmo. Eu aposto em uma falta de reconstrução visual das páginas.

    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    O modo com que tais composições especiais atuam na diferenciação da leitura é bastante interessante. Um infográfico pode resumir milhares de frases em sua composição, abrindo espaço para outras explorações dentro do texto da reportagem. Tão bem como imagens, olhos e etc ajudam na fluência da leitura, a deixam mais prazerosa. Muitos desses elementos se fazem pouco presentes no JC, e quando o fazem, são de maneira simples, com infográficos de construção básica.

    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    A maioria é construída de maneira simples e básica, mais parecendo uma foto, com pouca interatividade. Muitos parecem mais gráficos simples.

    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    Nas páginas internas, as cores servem para demarcar as editorias (Ex.: cultura, azul, causa uma possível calmaria; Brasil, verde; etc).

    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    O Jornal da Cidade mantém sua tradição no que diz respeito à sua diagramação. O numero de colunas quase nunca é alterado, e as imagens seguem sempre uma regra de disposição nas páginas de forma que garantam uma leitura linear. Tudo isso dá o equilíbrio do jornal, mesmo que seja uma publicação de predominância textual intensa.

    Higor Boconcelo

    18/06/2013 em 16:37

  27. Jornal: The Guardian (Nigéria) de 17/06/2013
    Link para a publicação: http://issuu.com/theguardian-ngr/docs/june20130617

    Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?

    Reportagens principais aparecem sempre no topo da página, com o título em negrito e na fonte com o maior tamanho entre todos os elementos da página. Cada matéria é separada por linhas de auxílio, e há uma hierarquia em cada página, com a matéria principal sendo complementada com outras matérias secundárias, que possuem título próprio, também em negrito mas em fonte menor do que a usada na principal, e sempre com um assunto que faz menção à manchete daquela página.

    Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?

    Não. Fora a diferença do tamanho das fontes, todos os elementos de texto seguem os mesmos critérios.

    Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?

    Não há grandes diferenças. Com exceção de, nos cadernos internos, o topo da página – que na capa é dedicada ao logo do jornal – ser um espaço para pequenas chamadas das principais matérias que o caderno possui, o estilo de composição entre a capa do jornal e a capa dos cadernos internos é praticamente o mesmo.

    Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?

    Não há nenhuma divisão diferente da mais tradicional – uma foto simples, com uma legenda, e a material colocada em colunas ao redor dela. Poucas matérias possuem foto – a maioria delas se vale apenas de texto.

    De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?

    Não foi encontrado nenhuma página onde esse diferencial é aproveitado. Exceto para publicidade, o uso de imagens pelo jornal é bem sofrível.

    Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?

    Apenas uma página contém elementos que podem ser considerados como infográficos: gráficos de básicos na parte de economia. E esses mesmos não diziam muito, apenas mostrava barras horizontais, cada uma com o nome de um das principais Bolsas de Valores do mundo e, no “topo” dessas barras, um número que servia para indicar a variação dela, e alguns gráficos de variação de mercado que apenas alguém que entendesse do assunto conseguiria decifrar.

    Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?

    Como a maior parte do jornal é preto-e-branco, só o fato de serem utilizadas algumas cores nas capas internas já serve como destaque suficiente. Não foi encontrado nenhum truque além disso.

    Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?

    Apesar de seguirem um padrão bem “duro” e “quadrado”, as páginas internas do jornal são extremamente equilibradas. A composição das matérias em cada página segue uma simetria fácil de reconhecer e que não choca e, caso algum elemento quebre essa simetria em algum momento, é uma publicidade que foi colocada daquele modo justamente para receber atenção.

    Rafael R. Silva e João Otávio

    18/06/2013 em 16:40

  28. Jornal analisado:
    Jornal da Cidade – Caderno JCRegional – 12/06/2013

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    A primeira página do caderno JcRegional, é organizada com a primeira matéria de destaque ocupando quase metade da folha, depois da matéria principal da capa do caderno a página conta com apenas mais uma pequena matéria e o resto da página possui apenas publicidade. É importante ressaltar que logo após o logotipo do caderno (na preta com fundo laranja) possui as chamadas dos cadernos Brasil e Internacional (com fundo verde-água). Já a segunda página possui uma matéria de destaque, seguido por mais quatro matérias, consideravelmente, pequenas e em um arranjo desarmônico, sem padrão e novamente no fim da folha há uma propaganda.
    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    Há algumas variações nas duas folhas do caderno. Os títulos das matérias principais de cada folha estão em negrito, as chamadas dos cadernos Brasil e Internacional estão grifadas, as linhas finas das matérias estão em itálico. Em sua maioria as manchetes possuem serifa, com exceção de uma aviso sobre a ExpoJaú.
    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    Acredito que na composição de capa há um resumo maior dos conteúdos do jornal inteiro, assim como há uma atenção nas particularidades estéticas para que o leitor se sinta atraído pela capa para adquirir o jornal, já nas páginas internas o conteúdo é mais especializado e também de certa forma mais desleixado esteticamente, pelo menos no Jornal da Cidade.
    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    Nesse caderno não possui muita informação visual, há destaque de imagem para a matéria principal e pequenas imagens para algumas matérias de menor importância, algumas linhas horizontais são utilizadas para separar as matérias e como dito anteriormente há um grande número de propagandas que são colocadas na parte inferior de ambas as páginas.
    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    Acredito que isso possa fazer com a página se torne mais prática e mais atrativa para a leitura, já que por se ter uma mais especificidade de assuntos e um conteúdo mais concentrado, é possível utilizar desses artifícios para o jornal seja mais atrativa a até mais clean na questão do peso das matérias.
    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    Nesse caderno não possui nenhum tipo de infográfico, entretanto nas fotografias há as legendas abaixo da imagem em negrito e sem serifa.
    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    As cores utilizadas no JcRegional é o laranja, mas mais como uma forma de diferenciar o caderno dos demais do que de destacar algum elemento. Também é utilizado a cor verde-água para destacar as chamadas dos próximos cadernos de Brasil e Internacional. De resto é utilizada a cor preta para as demais informações.
    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    Por possuírem uma maior liberdade de opções, acredito que as páginas internas e infográficos se tornam mais atraentes quando o uso das imagens e informações visuais é maior, promovendo uma experiência mais confortável para o leitor. Mas tudo isso sendo usado com cuidado e de forma equilibrada para que não ocorra confusão. A maioria das páginas disponibilizadas é dessa forma e acabei gostando da maior parte delas.
    Analisando não só esses cadernos, como os demais do jornal, é possível perceber que não há padrão na composição das páginas internas do jornal. Alguns cadernos possuem 4 colunas, enquanto outras 6 colunas. Não possui muita simetria, visto que as matérias são visivelmente encaixadas nos espaços que lhe foram determinados, então é possível ver que em alguns locais ela quase invade a outra matéria ou a imagem. E pela grande parte de publicidade que é utilizada, é possível perceber que isso espreme mais ainda os conteúdos do jornal e faz com que seja, de certa forma, desorganizado.

    Acredito que por ser um jornal tradicional da cidade de Bauru, o projeto gráfico é bem “primitivo” e cansativo, o jornal nos últimos anos tem tentado de várias formas mudar algumas partes de seu projeto gráfico, mas ainda assim precisa de reparos urgentes para que possa ser mais atrativo ao leitor tanto em conteúdo interno como na capa.

    Isabela Giordan

    18/06/2013 em 17:41

  29. Página interna do jornal A tarde – Bahia

    Nesta página, o principal critério usado para colocar os elementos informativos é o infográfico. Os vários lidões que conversam com o infográfico, principal elemento da página, tentam complementar e adicionar um sentido ao trabalho gráfico desenvolvido. Quanto a tipografia, o chapéu da página possui uma letra diferente, em caixa alta, não serifada, enquanto o título da matéria apresenta outra letra serifada. O resto do texto da página, também é serifada. Apenas alguns sub lides e olhos da página, tem a mesma composição tipográfica do chapéu.
    Em uma capa de jornal, a disposição da informação pretende atrair o leitor, apresentar um pouco do que os conteúdos internos do jornal oferecem, já a composição interna precisa organizar toda informação que foi “anunciada” na capa. Precisa oferecer boas condições de leitura e associar outros elementos gráficos que não são usados nas capas.
    O inforgráfico, principal elemento da página interna analisada, é associado a alguns lidões que se integram com esse elemento principal. Além disso, o uso de elementos iconográficos da página está associado com as informações presentes tanto no infográfico quanto nesses pequenos blocos de textuais.
    Um laranja amarelado é usado para destacar o chapéu da página, um único olho presente na página. Alguns pequenos intertítulos dos lidões que interagem com o infográfico são destacados em vermelho. Este tipo de composição, nesta página, que o tímido da página, reforça o dinamismo buscado através do infográfico destacado na página. E, mesmo com esse grande destaque, a página tem um aspecto de limpeza, proporcionado pelos poucos espaços em branco presentes. A simetria, equilíbrio e regularidade também são valorizados pela composição harmônica do infográfico com os lidões e componentes textuais que o complementam.

    Letícia Ferreira

    18/06/2013 em 23:50

  30. Jornal analisado: Cruzeiro do Sul (18/04/2013(

    Em geral, o conteúdo informativo se encontra alocado no centro da página e as imagens são deslocadas para os cantos. O jornal aparenta utilizar algumas variações de tipológicas no título, linha fina e o texto para uma gradação visual mais agradável.

    Entretanto, as fontes utilizadas são todas “padrões” (Sugerem ser da família Arial, Times New Roman, entre outros). Fora isso, não há nenhuma outra variação notada. As principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno são que na capa, há muito mais textos formatados em fontes distintas, além da utilização do negrito muito maior do que na capa de caderno. Além disso, as cores na capa do jornal são muito variadas. As chamadas estão dentro de boxes com fundos coloridos, em tons de rosa, vermelho, e amarelo (dependendo da cor específica correspondente a cada editoria). Outro ponto notado tange na questão das imagens, as quais são muito maiores nas capas de caderno do que na do jornal. Há uma boa distribuição entre imagens e texto nas editorias do jornal.

    A predominância nas páginas internas são textos, porém as poucas imagens e fotos presentes nelas são de tamanho médio a grande, fato que acaba criando um bom contraste texto-imagem e, à longa distância, o jornal não aparenta ser aquele jornal do tipo cansativo de se ler, devido a esse balanço harmônico entre imagem e texto.
    Os jornal valoriza a utilização dos infográficos, pois sabe que eles são esteticamente agradáveis e de fácil entendimento. Em geral, tem caráter mais ilustrativo do que informativo. A utilização de cores nas capas de cada editoria no sentido de que o leitor crie uma identidade visual de cada parte do jornal. Cada editoria possui uma cor: são elas Cidades (amarelo), Mais Cruzeiro [cultura] (rosa), Economia (salmão), Esportes (verde). O nome da editoria é em cor branca, e ele é inserido em um quadrado com fundo dessas cores mencionadas. Vale lembrar que a letras capitulares de cada editoria são coloridas coma cor da editoria específica. Fora isso, não há utilização de outro tom além do preto.

    Visualmente, há uma ótimo senso simétrico na composição das páginas. Mesmo pelo fato de haver muito texto e pouca imagem, a imagem que há está num tamanho bom, e combinado com alguns usos de branco, cria um equilíbrio visual interessante e regularidade na distribuição.

    Pedro Cardoso

    18/06/2013 em 23:57

  31. Le Monde Seléction Hebdomadaire – 16/03/2013

    No geral, as páginas internas do Le Monde são bem preenchidas com texto. No entanto, o uso de uma fonte serifada torna a leitura mais agradável. Boxes e pequenos infográficos são elementos utilizados pelo jornal para “quebrar” o texto corrido e deixar as páginas mais dinâmicas. O Le Monde é um jornal clássico, não utiliza muita variação de cores e de tipografias. O que me chamou atenção nele foi o uso de linhas variadas para destacar editorias e dividir diferentes reportagens em uma mesma página. O uso de branco no jornal geralmente vem acompanhado de imagens expressivas com o intuito de destacá-las. Não há quase nenhuma variação ao longo das páginas do Le Monde: as manchetes geralmente estão em negrito seguidas da linha-fina e da reportagem. Pode-se dizer, então, que a disposição dos elementos gráficos segue um padrão em todo o jornal, o qual raramente é modificado.

    Tatiane de Sousa

    19/06/2013 em 0:25

  32. Jornal analisado:
    O Estado de S. Paulo – 18.06.2013

    Nesta edição do jornal O Estado de S. Paulo, houve um amplo destaque às manifestações que se espalharam pelo Brasil com reflexo na capa do jornal, que estampou uma foto dos protestos em Brasília.

    Nas páginas internas, pode-se notar que não há diferenciações tipológicas, exceto quando há algum destaque na reportagem quando há algum complemento no portal Estadão.com ou no Estadão Acervo. A tipologia do jornal é serifada, sendo uma fonte própria de O Estado de S. Paulo.

    Todas as páginas internas do jornal são compostas por seis grades, havendo, majoritariamente, uma predominância de texto em relação a imagens. As imagens das reportagens principais são bem destacadas pelo jornal, mas, ainda assim, há um predomínio do texto.

    Cada caderno do Estado é caracterizado por uma cor, assim como cada caderno possui a sua paleta de cores na qual a principal é referente à cor principal do jornal – o azul.

    As páginas possuem um equilíbrio entre imagem e texto, mesmo quando há grandes propagandas, que ajudam a contrabalançar um possível excesso de texto. As páginas também são regulares entre si, garantindo uma harmonia ao jornal. Na editoria “Internacional”, nota-se uma maior presença de pequenas notas que relatam acontecimentos em diferentes regiões do mundo, mas que não são tão impactantes para saírem como reportagens e/ou matérias, simplesmente.

    Victor Francisco Rezende

    19/06/2013 em 0:59

  33. Le Journal du Dimanche – França (acervo pessoal)

    – O jornal francês trabalha com pouco texto nas páginas, que levam o título da editoria no alto em tons cinzas e vermelho. São muito utilizados os boxes e os infográficos, que muitas vezes passam de uma página para outra, de modo mais interativo. A formatação do texto “brinca” com olhos e subtítulos, muitas vezes destacados de vermelho e alocados entre duas colunas. O tipo das matérias são maiores do que costuma ser.

    – Em todas as páginas há um padrão: o título da editoria, o título da matéria, o texto, subtítulos e legendas cada um com seu padrão tipológico. Apesar de cada variação textual ter sua própria tipografia, essas variações são as mesmas em todas as páginas, de modo que o jornal não fique carregado ou passe a sensação de “bagunçado”.

    – A capa do jornal traz a foto principal quase que na folha inteira, com legenda dentro da foto e demais títulos (muito poucos) contornando a beirada da página. A manchete da capa chama mais atenção do que o nome do jornal. Olhando pela capa o jornal poderia passar por um tablóide sensacionalista, mas ao abrí-lo percebemos que não: são textos organizados de forma sóbria, fotos relativamente pequenas e alinhadas. De modo geral, as páginas internas possuem textos mais organizados e mais tradicionais que a capa.

    – As fotografias do jornal são alinhadas de um modo padrão e/ou comum, no meio da matéria ou alinhadas à grade. Os infográficos, em sua maioria, aparecem no rodapé do jornal, mesmo quando ultrapassa a próxima página. Os textos mantém uma boa margem das fotos e dos boxes, de forma que não dê a sensação de mistura entre os dois.

    – Com fotos grandes ou chamativas por seu próprio conteúdo podem chamar atenção em um momento em que se folheia o jornal, podendo fazer com que o leitor permaneça por mais tempo nela. Os infográficos e linhas do tempo podem ser um estímulo a mais para a leitura, uma vez que sugerem uma explicação quase que didática e mais simples.

    – Quanto às cores do jornal, há predomínio do vermelho e do rosado. Todas as editorias vêm com fundo acinzentado. Política, Economia e Sociedade são escitas em vermelho, uma vez que são as editorias de maior destaque do jornal e a cor é forte e chamativa. O editorial é laranja, Esportes no verde, Cultura é um azul sóbrio, Serviços no lilás e Entretenimentos em azul escuro. Pode-se encontrar destaques de textos e olho em verde claro. Os boxes possuem fundos rosados, cinzas, esverdeados ou azulados, todos em tons claros.

    – Como já dito antes, as páginas internas do jornal são muito simétricas e harmônicas (uma contradição da capa). Os espaços entre os textos permitem “respirar” e não tornam a leitura cansativa.

    Marina Rufo Spada

    16/09/2013 em 11:21

  34. Folha de S. Paulo
    Domingo, 15 de setembro de 2013

    Todas as páginas da Folha de S. Paulo são diagramadas dentro do padrão de seis colunas. A Folha possuí um grande apelo imagético, presente ao longo de todo o jornal. As matérias principais são evidenciadas com as maiores imagens e com os infográficos mais elaborados. Nestes, os espaços em branco são valorizados, proporcionando alívio entre texto e imagem.
    Nas páginas internas, tanto as imagens quanto os infográficos são posicionados próximos aos títulos, gerando uma interação proposital. Já na capa, algumas imagens assumem o papel de manchetes e só são identificadas pela legenda.
    Enquanto a capa principal traz um resumo dos pontos mais relevantes do jornal, as capas dos cadernos reservam espaço maior para uma única matéria. Outro aspecto relevante das páginas internas é quantidade exacerbada de publicidade. Na capa principal, a propaganda fica apenas no rodapé; nas páginas internas, chega a ocupar três páginas inteiras e consecutivas.
    A tipologia empregada no jornal é integralmente serifada, com os títulos das matérias variando entre o negrito e o regular e a caixa alta e baixa. Todas as páginas da Folha são coloridas. Cada editoria possuí uma paleta própria, estimulando o leitor de acordo com o tema. Como citado em aula, à editoria de esportes é atribuída a cor laranja, que transmite energia e, ao mesmo tempo, torna a editoria imparcial, já que nenhum time brasileiro ostenta tal cor. Além disso, todas as imagens possuem tons vivos e chamativos.
    De um modo geral, a Folha de S. Paulo é um jornal que investe no dinamismo em detrimento da regularidade, optando por um visual atraente e ousado à composição tradicional.

    William de Moura M. Orima

    17/09/2013 em 16:00

  35. Análise da capa do caderno sobre as eleições presidenciais de 2010, da Folha de São Paulo

    – Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?

    Na região superior da página, aparece, em grande destaque, o título da seção a que corresponde o caderno (eleições 2010). A chamada da principal matéria do caderno aparece sob esse título, sendo seguida de informações a serem esclarecidas nas páginas seguintes. Essa disposição se define por uma espécie de hierarquia, em que se anuncia, primeiramente, o tema geral, seguido de suas especificações – a matéria sobre as estatísticas dos turnos nas eleições e, depois, o caso de outros dados estatísticos sobre as eleições.
    A página é majoritariamente preenchida por uma ilustração/infográfico que dipõe Dilma, Serra e Marina Silva respectivamente da esquerda para a direita, em ordem de colocação nas pequisas sobre os turnos das eleições.
    Três colunas de texto fecham a página sem chamar muito a atenção.

    – Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?

    O título do caderno aparece em fonte significativamente diferente do restante (fontes serifadas, negrito, em cor azul e fundo azul mais escuro), para estabelecer identidade com os títulos de outros cadernos e, ainda, para que o leitor identifique facilmente a seção sobre as eleições.
    As informações abaixo da chamada principal são dispostas em caixa alta e o restante da tipologia é a daquela utilizada nos demais cadernos da Folha, sem alterações significativas.

    – Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?

    As capas de jornais, geralmente, necessitam apresentar os conteúdos mais diversos trazidos pelo material em uma única página e, por isso, possuem estilo generalizado. Chamadas de esporte, cultura, saúde, economia, política e cotidiano disputam o mesmo espaço. No caso das capas de cadernos internos, por outro lado, os elementos visuais acompanham um determinado estilo correspondente à editoria em questão.

    – Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?

    Geralmente, as páginas internas de um jornal trazem informação textual permeada de informação visual, sendo as imagens e infográficos sempre fundamentados pelos textos. A informação textual toma grande parte do espaço nas páginas internas de um jornal, sendo a informação visual uma espécie de complemento de conteúdo. No caso da capa de caderno interno analisada, o infográfico resume o tema em questão e não recebe suporte de grande quantidade de texto. O aprofundamento textual aparece nas páginas internas do caderno.

    – De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?

    Elementos de amplo destaque nas páginas internas de um jornal podem conferir um diferencial significativo no momento em que o leitor foleia o jornal, observando superficialmente os conteúdos. Tais elementos resumem os temas e facilitam seu reconhecimento, despertando mais rapidamente o interesse do leitor.

    – Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?

    No caso do infográfico presente na capa de caderno analisada,as informações textuais respeitam uma divisão espacial, mantendo a proximidade com os elementos visuais a que se referem. Além disso, uma correspondência de cores e proporções é mantida. Dilma está em primeiro lugar nas pesquisas apresentadas, aparecendo em representação gráfica maior e em cores predominantemente vermelhas (referência a seu partido). À direita de sua imagem, Serra aparece em menor tamanho (segundo lugar nas pesquisas), a cores azuis, como em seu partido. Por último nas pesquisas, Marina Silva é apresentada em temas verdes (referindo-se a seu partido) em menor tamanho.

    – Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?

    As cores são utilizadas, geralmente, para destacar seções, facilitando os agrupamentos de temas nos jornais e, também, conferindo identidade aos cadernos e seções. Seus efeitos de sentido estão associados às impressões que as cores causam, àquilo que simbolizam. O verde está relacionado a saúde, enquanto o azul costuma ser utilizado para economia ou política, por exemplo.

    – Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?

    A página interna analisada é disposta de maneira razoavelmente simétrica. As informações estão bem distribuídas e equilibradas. Nota-se que não há grandes espaços sobrando e não é verificada região de acúmulo ou poluição.

    Adriana Kimura

    18/09/2013 em 2:15

  36. CORRIERE DELLA SERA
    30 de Março de 2013

    – O jornal diário italiano, com circulação nacional e internacional, no Brasil, é impresso em papel-jornal no formato Standard. Encadernado de forma separada, divide-se em ‘Primo piano’, ‘Esteri’, ‘Cronache’, ‘Tempi Liberi’ e ‘La Gazzetta dello Sport’.
    – Entre a capa e as páginas internas do jornal ‘Corriere della Sera’ não há muita diferença. A diagramação de ambos tem formatos bem retangulares e quadrados, sem muito uso do espaço em branco. O que os separa é o cabeçalho da capa e a sua diagramação em oito colunas. Apesar de o texto ser predominante, aparecem ainda variadas fotos, figuras e infográficos. Os infográficos, no caso, tendem a valorizar muita mais as imagens, no lugar dos textos. As fotos e propagandas costumam aparecer em formato também retangular, o que dá sequência ao formato comum da diagramação do jornal.
    – O grid das páginas internas é variável, mas permanece entre 5 e 7 colunas. São utilizadas muitas linhas (grossas e finas, verticais e horizontais) para separar conteúdos, em todo o jornal. Tabelas e, principalmente, boxes também são muito comuns. Mescla-se também o alinhamento dos textos, alguns são justificados e outros alinhados à esquerda.
    – A tipologia também não é fixa, no entanto, os títulos e o corpo do texto costumam se manter em fonte serifada. O caderno com maior variação tipológica é o ‘La Gazzetta dello Sport’. Por o jornal ser preto e branco, tipos em negrito também são bastante utilizados para destaque.
    – Essa quantidade de variações (no grid, de tipologias e de alinhamentos) é, provavelmente, utilizada como ferramenta de diagramação para separar conteúdos e estabelecer uma hierarquia visual, para, sobretudo, facilitar a leitura do exemplar. Apesar dessa não regularidade, as páginas internas continuam a apresentar equilíbrio visual entre texto e imagem, não causando desconforto aos leitores.
    – A iconografia do jornal é ampla. Aparecem, por exemplo, setas e aspas, que são bastante características. Alguns números também são destacados, aparecem em fontes diferentes e em tamanho maior.
    – Quanto aos elementos textuais, todos os textos da edição apresentam título e linha fina, e é muito comum o uso de retrancas. Outro recurso bem utilizado é o olho do texto, sempre apresentado com tipologia diferente.

    Lígia de Morais Oliveira

    18/09/2013 em 8:53

  37. O material de análise são as páginas internas do jornal da Cidade do dia 18/09, mais especificamente as páginas 5 e 9 da publicação.
    A página 5 é da editoria Geral/Política. Ela contém nove matérias, duas imagens e duas propagandas. O grid padrão do jornal é de 6 linhas, os títulos variam entre o uso do negrito ou não e a página é impressa em preto e branco. A matéria principal é de um assunto de grande repercussão em Bauru: a falta de água na cidade. O final do título sobrepõe a imagem, o que dificulta a leitura e prejudica o layout da página. A página em si não tem muitos espaços em branco, o que deixa a publicação muito pesada.

    A segunda página analisada é a capa da editoria de esportes do Jornal da Cidade. Ela possui apenas duas matérias e metade da página é de propaganda. O grid também é de 6 linhas. A página é colorida e o título da editoria tem cor verde, o que dá um destaque e uma identidade. Novamente, o título sobrepõe a imagem, o que prejudica a leitura e a estética.
    As fotos das duas páginas seguem o grid do jornal. As duas páginas têm cabeçalhos diferentes, o que tira a identidade do jornal.

    Mariana de Sousa Caires

    18/09/2013 em 11:04

  38. Na capa do caderno de esportes do jornal World Series Preview a disposição dos elementos textuais e visuais são bastantes interessantes. A capa é preenchida com uma foto de um jogo de beisebol e logo abaixo dela está uma foto mais antiga, de outro jogo, porém ela está invertida, de cabeça para baixo. Os elementos textuais também são feitos da mesma maneira – na parte de cima da capa, está escrito os detalhes da foto, bem como informações adicionais. Já no lado de baixo, outras informações, relativas à foto invertida, também encontram-se invertidas. Penso que o principal critério para essa disposição foi a autonomia do autor da matéria de contrapor um momento do jogo de beisebol atual contra um antigo, utilizando a ferramenta de inversão.

    -Não. Acredito que tenha se mantido um padrão tipológico constante em virtude da capa ser bastante chamativa pela disposição das fotos e dos elementos textuais. A única variação tipológica que encontro no World Series Preview é o logo do jornal. O resto da tipologia segue a mesma linha.

    -Acredito que a grande diferença entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno seja a liberdade. Observando várias capas internas, a liberdade que os designers têm para fazer páginas criativas e aos jornalistas que possuem maior liberdade de escrita, as páginas internas são mais “soltas”, enquanto que a capa de um jornal é no estilo “hard news”, entre outras palavras, aquilo que você precisa saber e ponto.

    -Nas páginas internas de um jornal, por haver maior liberdade, a disposição de imagens é bem maior do que a disposição textual. Isso fica claro no World Series Preview – Existem apenas 4 caixas de textos pequenas nos cantos superiores e inferiores da folha em contraposição com as duas fotos gigantes, as quais ocupam mais da metade da página.

    – A disposição de fotos e textos, bem como a soma harmoniosa deles, podem contribuir para chamar a atenção do leitor. É comprovado que muitas pessoas compram muitos produtos apenas pela aparência e como eles são vistosos. Ou seja, são atraídos pela aparência. E é assim também que acontecem com os jornais e as páginas internas dele. Devem ser chamativos e atrativos com uma boa disposição entre textos e fotos, dando maior espaço para as imagens.

    -No infográfico, existe a brincadeira com o número grande no meio da folha, entre aspas abertas. Não necessariamente é um infográfico contendo uma explicação explícita. O número combinado com as aspas, é uma informação para um público específico que entende sobre beisebol. Não há texto, apenas uma informação “subliminar”, que vai do conhecimento dos leitores sobre o assunto. É um infográfico específico.

    – Nada de cores suaves. A cor em destaque é o vermelho e o preto com as letras escritas em branco. São cores chamativas e fortes que prendem a atenção do leitor. Outras páginas internas também possuem essas estratégias utilizando cores fortes, tais como, laranja, roxo, azul marinho. Acompanhada com uma foto ou desenho bastante colorido.

    – Embora os elementos textuais e visuais sejam “exagerados” se comparados a uma capa de jornal tradicinal, eles são bem equilibrados e assimétricos, na maioria das vezes. A página interna do jornal “Alt” é um bom exemplo disso. As figuras remetem ao equilíbrio, por isso não são simétricos, com alternancias entre tons fortes (laranjas) e fracos (cinza). Várias capas são irregulares e mais livres.

    gabriela sanches de lima

    18/09/2013 em 11:25

  39. Jornal utilizado: The Wall Street Journal, Europe Edition

    • Nas páginas analisadas, as matérias são dispostas horizontalmente e possuem visual bem organizado e simples, mostrando que não há grande preocupação com um design inovador e sim com a praticidade. Uso quase que regular de uma imagem por texto, sem ocupar mais espaço que o mesmo.
    • As fontes utilizadas são as mesmas da capa, com serifa e na cor preta. Há diferença apenas no título das matérias, que é maior e em negrito.
    • A capa do caderno único interno não possui quase nenhum texto, apenas chamadas e legendas, além de possuir uma ilustração que ocupa quase todo o espaço e um quadro com outras imagens e títulos. A capa também é bem colorida. Já na principal há muito mais texto e menos cor.
    • O texto é bem denso e na parte principal do jornal há pelo menos 1 imagem por matéria. Já no caderno Off Duty há muitas imagens e muitas propagandas com imagens que ocupam bastante espaço nas páginas.
    • Como dito anteriormente, há predominância textual dentro do jornal, o que pode torná-lo mais maçante de ler, embora possua visual organizado e com espaços em branco. As imagens também contextualizam o leitor e tornam a compreensão do assunto mais fácil.
    • Os infográficos são bem organizados e possuem número equilibrado de informação textual e informação visual. Todos são em tons de cinza, o que pode dificultar um pouco a compreensão.
    • O jornal analisado tem a maioria das suas páginas em preto e branco, exceto pela capa e algumas páginas específicas, além do caderno Off Duty. Dentro dele, a “capa” de cada editoria tem o título em azul para mostrar essa diferença. Fora isso, não há nenhuma cor nos elementos gráfico do jornal.
    • O jornal difere pouco no número de colunas – na capa e na contracapa apresentam 6, no resto do jornal 5 e em algumas páginas do caderno Off Duty, apresenta 4 colunas – e no geral é bem simétrico e equilibrado. As imagens normalmente apresentam o formato retangular e nunca invadem o espaço do texto – e vice-versa. Embora possua um número maior de imagens e cores, o caderno especial também é, em geral, bastante regular e organizado.

    Giovanna Diniz

    18/09/2013 em 20:57

  40. Para a análise utilizei o Jornal da Cidade do dia 18/09 e as páginas estudadas foram a página 3 (caderno de Política)e a página 15 (caderno Brasil). Ambas seguem o grid de 6 colunas e são impressas em branco e preto, apesar de apresentarem imagens representativas junto às matérias. A tipologia varia nos títulos, alguns em negrito, e nos olhos das matérias. A capa apresenta-se mais visualmente chamativa, com grande uso de cores e imagens, enquanto as paginas internas concentram-se no uso de textos e com pouco ou nenhum uso de cores.
    A informação visual é complemento do texto ou então é uma propaganda.O uso de imagens e infográficos podem deixar o interior do jornal mais leve e fácil de ser lido, tornando a página mais atrativa e a matéria mais facilmente assimilada. As cores são utilizadas na capa e em grande parte das editorias, dando a impressão de que algumas paginas foram impressas sem cores devido ao assunto que trata ( politica, por exemplo) enquanto que outras precisam de cores, devido ao seu publico alvo. Há uma ordem no jornal fazendo com que o leitor possa se adaptar e esperar por uma propagando no canto, por exemplo.

    Heloise Montini

    18/09/2013 em 23:14

  41. O Correio Popular, de Campinas, trabalho com jornal no formato standard, embora a capa seja impressa em papel branco, o restante do jornal é impresso em papel-jornal.
    As páginas internas estão estruturadas em 6 colunas, diferentemente da capa que esta estourada em 5 colunas.
    O Correio Popular utiliza bastante linguagem visual, fazendo uso de fotos coloridas que ocupam grande parte das páginas. Os títulos das matérias são escritos com fonte serifada, enquanto o corpo do texto trabalha com fonte não-serifada.
    A tipologia do caderno C (Cultura / variedade) é diferente do restante do jornal
    Nas páginas internas também é comum o uso de box e citações escritas em negrito e com o corpo maior. Algumas matérias são separadas por duas linhas, uma grossa e colorida (geralmente azul, cor predominante no jornal) e outro fina e preta.
    Também é comum encontrar muitas caricaturas. Há quadros com fundo colorido, destacando algumas chamadas, muito presente no caderno B. (Caixa preenchido com a cor preta e texto em branco). O jornal faz bastante uso de ícones (como brasão do time de futebol a que se refere, grandes aspas em algumas citações, uma lupa, entre outros)
    A parte superior da capa de cada caderno possui um quadro lateral esquerda com a letra e a cor correspondente ao caderno e na lateral direita possuído nome da editoria com o nome do jornal, a cidade e a data. E entre elas possui uma pequena manchete que pode ou não estar acompanhada por uma figura.
    Cores
    Cadernos A – Azul marinho
    Caderno B ( Economia, Brasil e Mundo) – verde escuro
    Caderno C (Cultura/Variedade) – verde
    Caderno D (Esportes)- Vinho
    Caderno E (turismo) – Laranja
    Classificados – Imóveis – verde claro
    – empregos – Laranja claro
    – veículos – vinho/roxo

    Ihanna Barbosa

    19/09/2013 em 1:23

  42. Análise dos cadernos Cotidiano e Tec, da Folha de São Paulo – 20 de maio de 2013.

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    Os dois cadernos são bem distintos. Enquanto o Cotidiano trata de assuntos mais sérios e de interesse geral, no Tec encontramos matérias tratando do universo da tecnologia e web. Esta diferença de conteúdo reflete-se na diagramação dos cadernos. No Cotiano, segue-se uma diagramação mais tradicional, com imagens e gráficos respeitando o grid e uso de uma tipologia única. Já no Tec, por ser uma caderno mais voltado ao público jovem é mais moderno e faz muito uso de infográficos, ilustrações e imagens muito coloridas, podendo estes elementos estarem organizados de acordo com o grid ou não; também faz-se uso de tipologia diferenciada em alguns títulos e colunas.
    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    No caderno cotidiano, utiliza-se uma tipologia única, sem variações quanto às fontes utilizadas e poucas mudanças de cores. No Tec a publicação explora diferentes padrões de fontes nos títulos e infográficos, fazendo muito uso, também, do uso de cores vivas para destacar alguns títulos e intertítulos.
    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    A capa de um jornal reflete toda a edição, agregando elementos e matérias de cada um de seus cadernos, por isso ela é mais geral e contém mais informações. Já a capa de um caderno pode estar focada em uma só matéria, além de trazer chamadas para outros textos internos relacionados ao mesmo tipo de assunto (Esportes, Tecnologia, Cidades etc).
    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    Em cadernos mais tradicionais, como é o Cotidiano, o texto é mais valorizado do que as imagens, que são utilizadas somente como ilustração. Mas em cadernos mais diferenciados e modernos, como o Tec, a imagem é utilizada também como recurso informativo, ganhando mais destaque em relação ao texto. O texto, em ambos os cadernos organiza-se no grid, podendo conter 5 ou 6 colunas, em geral. As imagens encontram-se alinhadas com o texto na maioria das vezes, distribuídas nas laterais da página (poucas vezes encontramos imagens centralizadas numa folha).

    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    O texto e as imagens (fotos/ilustrações) quando utilizados de maneira complementar, tornam a leitura mais fácil e nítida. Através da exploração de recursos visuais, o autor do texto pode-se fazer entender mais facilmente e de forma menos maçante do que utilizando-se somente do texto.

    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    Os infográficos, que são um recurso cada vez mais utilizados nas publicações impressas, tem como objetivo traduzir as informações gerais do texto de maneira mais visual. Para conseguir alcançar este objetivo, combinam títulos chamativos, pequenos textos explicativos e dados numéricos a gráficos, tabelas, ilustrações e ícones relacionados ao assunto tratado. Um bom infográfico facilita e agiliza o entendimento do seu leitor.
    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    As cores mais quentes e vivas são utilizadas para chamar a atenção do leitor para um determinado ponto importante. Nos cadernos da Folha de São Paulo observa-se o uso de cores mais quentes e sóbrias, como o roxo e o vermelho para destacar assuntos mais sérios. Ao mesmo tempo, a publicação utiliza-se de cores mais frias nas áreas neutras, como o azul presente nos cabeçalhos e colunas secundárias.
    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    As páginas da publicação analisadas tem um bom equilíbrio de cores e elementos gráficos, o que torna a leitura mais prazerosa e menos cansativa. O caderno Cotidiano é mais harmônico, enquanto o caderno Tec as vezes confunde um pouco o leitor devido a grande quantidade de elementos visuais.

    Isabela Romitelli Rocchi

    19/09/2013 em 12:57

  43. O jornal analisado foi o Público, nº8490, do dia 9 de julho de 2013. Trata-se de uma publicação portuguesa.

    O Público é tem formato tabloide, caderno único e é impresso em papel jornal. Tem todas suas páginas coloridas, com destaque para as cores: Vermelha (cor do logotipo, a letra “P” no canto superior esquerdo da capa), cinza (cor em que aprece o nome dos repórteres) e verde (explicações em boxes ou olhos). Há uma faixa vermelha no topo das páginas em que se concentram as matérias de destaque;o título das editorias e o tema das reportagens também são escritos na cor vermelha, remetendo sempre ao logotipo e criando a identidade do jornal. É dividido sempre em cinco colunas; os títulos das matérias estão em negrito, assim como eventuais explicações em boxes ou em olhos.

    A disposição de textos e imagens é bem balanceada: Há pelos menos uma foto por página (podendo ocupar até meia página, se merecer destaque), além de gráficos e olhos e citações (que são quase sempre coloridas). As propagandas podem chegar a ocupar meia página, mas sempre relacionadas ao próprio jornal (novo aplicativo disponível, promoções, etc) e, consequentemente, seguindo o esquema de cores da publicação, o que torna a página menos poluída visualmente, na minha opinião. A seção de classificados apresenta boxes coloridos, a fim de tornar a leitura menos cansativa.

    A capa apresenta uma única foto, no caso sobre a principal notícia do caderno Mundo, além de chamadas de outras quatro matérias. Nas páginas internas, as fotos ainda apresentam destaque na composição das matérias, mas tem de competir com boxes e colunas dispostos na mesma página. O único infográfico presente na edição analisada é bastante colorido e utiliza legendas (tanto em texto como em cor) para explicar as informações apresentadas.

    Existe nessa edição uma propaganda de uma série de quadrinhos da DC Comics que passarão a ser vendidos com o jornal. O anúncio é feito ao longo de quatro páginas, na primeira dessas há ilustrações que ocupam mais da metade da página. Nas duas seguintes, além de ilustrações existem textos explicando quem são os heróis presentes nos quadrinhos e autores em destaque. Apesar de se tratar de uma propaganda, a composição foi feita de um jeito criativo e, por incluir textos, possui caráter informativo, garantindo seu diferencial.

    Achei o jornal bastante equilibrado, não há nem muito texto nem muitos aspectos gráficos por página, o que torna a leitura agradável. Sempre seguindo o modelo de cinco colunas por página, a diagramação não é inovadora, mas é bastante interessante, usando bem o espaço ainda que por vezes não preenchendo espaços em branco, para que o visual não fique poluído.

    Caroline Braga

    19/09/2013 em 21:10

  44. O jornal escolhido para se analisar as páginas internas foi o Correio Braziliense, com destaque para o caderno de Cidades, do dia 9 de março de 2013.
    A grid do jornal é composta por seis colunas. As fotos costumam ficar no centro da página ou logo abaixo do título e as poucas propagandas aparecem na final da folha. As colunas de opinião ou informativas aparecem no lado direito.
    As tipologias textuais são diferentes entre a linha data, a classificação da matéria, a manchete, o título, o nome dos repórteres, os títulos dos boxes, o olho e o corpo do texto. A linha data, o título, a classificação, os subtítulos, o olho do texto e a legenda aparecem em negrito.
    A capa do Correio apresenta várias fotos e chamadas, sem propagandas. A capa do caderno de Cidades tem dois destaques: o início de uma matéria e uma coluna ao lado. Há duas fotos, sendo uma no centro e logo abaixo do título da matéria. No final da página há uma propaganda.
    As informações visuais costumam aparecer no centro da matéria ou no canto direito. Em algumas páginas, elas ocupam a folha inteira ou grande parte dela, quando se trata e infográficos. As notas de falecimento e missa de sétimo dia aparecem em boxes especiais no final da página. Apesar d apresentar muitos infográficos e colunas, o caderno utiliza poucos boxes, a maioria diferenciada apenas pela cor, sem linhas.
    A distribuição dos recursos textuais e visuais nas páginas internas deve garantir a fluidez da leitura, destacando mais ou menos uma foto ou um infográfico. Essa divisão também deve assegurar que a leitura seja confortável, para isso, os elementos devem estar equilibrados.
    As informações visuais de um infográfico são explicativas e simples. As informações textuais aparecem apenas como um complemento ou uma explicação a mais, sem muito destaque.
    O efeito das cores nas páginas internas é destacar o título, e separar as matérias. Elas não costumam ser muito chamativas, mantendo a mesma tonalidade do caderno. As cores fortes aparecem nas fotos e nas propagandas como forma de chamar a atenção do leitor.
    As páginas são equilibradas, mas não são simétricas. Os recursos visuais aparecem ao longo do texto, mas nem sempre bem localizadas, podendo deixar a leitura desconfortável. Aparentemente, a diagramação das matérias é feita individualmente, sem pensar no conjunto, o que pode causar essa confusão.

    Moema Novais

    20/09/2013 em 0:01

  45. Jornal Valor Econômico
    – Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?

    Matérias principais, de conteúdo factual, são mantidas à direita das páginas e, embora haja uso de elementos gráficos (imagens, tabelas e infográficos), o texto é predominante. A esquerda das páginas é reservada a colunas opinativas ou a matérias menores. Sempre que possível, a publicação coloca matérias complementares, ou seja, um texto principal seguido de outra matéria que apresenta algo relacionado ou consequente.

    – Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?

    Não há grande variação tipográfica entre os elementos textuais do jornal. Em geral, textos são grafados com fonte serifada e nomes de seções e subseções aparecem com tipos não serifados. Em matérias opinativas, embora o texto seja escrito com fonte serifada faz-se uso de capitular grafada em fonte não serifada.
    No caderno EU&Investimento (que engloba as seções EU&Livros, EU&Carreira e EU&Prazeres), mantém-se as fontes-padrão do jornal, mas títulos aparecem com o tipo não serifado. O mesmo ocorre em algumas das colunas opinativas do Valor Econômico.

    – Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?

    A capa de um jornal seria sua vitrine. Desse modo, deve haver um equilíbrio entre as melhores imagens e o melhor conteúdo textual, o qual aparece de modo conciso. No caso do Valor Econômico, a capa apresenta um resumo do que será apresentado na edição, mesclando as principais notícias de cada editoria.
    Visualmente, por haver maior número de matérias/manchetes, boa parte do texto aparece em negrito ou colorido (no caso de algumas chamadas, algumas indicações de páginas e nomes de algumas seções).
    Ainda avaliando o jornal Valor, observa-se que há maior espaço para propagandas na parte interna do jornal, uma vez que na capa a prioridade é o conteúdo jornalístico. As páginas internas também possuem maior “liberdade” em relação à diagramação, há maior espaço para textos não justificados, uso de tabelas e infográficos.

    – Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?

    Embora o texto seja predominante, o conteúdo visual é bem explorado. Há muitas tabelas, gráficos e imagens ao longo da publicação. O espaço das seis colunas é obedecido, não havendo sobreposição de ilustrações ou texto. Os elementos gráficos e textuais são separados por espaços em branco ou por linhas.

    – De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?

    A atenção do leitor pode ser conquistada de diversos modos. Uma matéria bem escrita, por si só, auxilia o vínculo entre o leitor e o conteúdo. No entanto, uma chamada criativa, uma imagem coerente com o texto, gráficos e informações que complementem a parte textual e tornem a leitura mais leve são elementos que chamam a atenção e podem diferenciar uma publicação da outra.
    A leitura de jornais é uma questão de costume e de fidelidade. A escolha dessa ou daquela publicação, muitas vezes, se dá pelo vínculo prévio entre público e jornal. No entanto, o público leitor reage a boas criações. Uma boa matéria, bem construída textualmente e esteticamente, pode atrair um leitor independente do tipo de conteúdo que exibe.

    – Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?

    Por haver uma relação de complementaridade entre matérias e seus infográficos, muitas vezes esses se tornam autoexplicativos. Ainda assim, as partes das tabelas e gráficos exibidos, em geral, vêm acompanhadas de legendas ou explicações complementares.

    – Como as cores são usadas, nas páginas internas, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?

    Não há grande variação de cores na publicação, sendo padrão o uso do verde (é utilizado o mesmo tom do nome do jornal), do vermelho, do preto, do cinza e do branco. Essas cores servem para diferenciar o conteúdo puramente textual, utilizado nas matérias, de conteúdos-padrão do jornal, como nomes de seções, editorias e chamadas. Ajudam, portanto, a compor a identidade visual do Valor Econômico, tornando-se uma característica da publicação. Além disso, boa parte das imagens é colorida. E há, também, uso de cores em elementos de gráficos e tabelas.

    – Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    O espaço das colunas é respeitado, de modo que há grande simetria entre os elementos das páginas do jornal. Há harmonia e relação de complementaridade entre elementos gráficos e textuais. Não há grandes inovações em relação à diagramação, trata-se de uma publicação conservadora, tradicional. Porém, é um jornal com bons padrões estéticos.

    Nathalia dos S Rocha da Silva

    20/09/2013 em 0:15

  46. LE MONDE DIPLOMATIQUE BRASIL / ano7 número 76 agosto de 2013

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?

    Reportagens longas ocupando uma ou mais páginas com texto distribuído em quatro grades. Os elementos informativos como ilustrações, fotos, textos, estão distribuídos harmonicamente, dando a cara de um jornal sofisticado e elegante. Os elementos pictóricos, quando ocupam as quatro colunas, se situam logo acima do texto e abaixo o título. Quando ocupam menos de três colunas, estão alinhados de forma simétrica e estável com os outros elementos. As propagandas, notas de rodapé e outros também estão inseridos nessa estrutura de disposição espacial, dando tom de regularidade estética a todo o jornal.

    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?

    Os elementos textuais (olho, título, linha fina, subtítulos…) possuem regularidade quanto à fonte e tipologia em todo jornal, apesar dessas características serem diferentes entre esses elementos, ou seja, a fonte e o tipo do olho é diferente da fonte e tipo do título.

    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?

    O LE MONDE Brasil não possui cadernos internos

    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?

    Por se tratar de um jornal mensal, difere dos diários por dedicar grande espaço às ilustrações, fotos, elementos pictóricos em geral e ainda assim conservar grandes textos aprofundados. As imagens estão dispostas organizadamente de modo que ocupam uma, duas, três ou quatro colunas.

    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?

    Quando o leitor folheia o jornal, mesmo que com pressa e sem tempo de ler, podem saber do que se trata o assunto por essas composições especiais. É uma forma de chamar atenção, reforçar a mensagem e sua transmissão.

    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?

    A edição analisada não possui infográficos.

    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?

    Todo elemento textual é de cor preta. Outras cores são encontradas nos elementos imagéticos, mesmo assim, em combinações que são graficamente sofisticadas e elegantes como o roxo, o cinza e o preto, o verde, o cinza e o preto, todas as outras cores combinadas com cinza e preto. Algumas vezes fazem uso de cores vibrantes como o amarelo, vermelho e laranja, ainda assim de uma maneira harmônica e prazerosa.

    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?

    São páginas equilibradas (elementos textuais e imagético têm pesos iguais). São simétricas, regulares, dão ênfase às imagens, elementos estão dispostos de forma estável.

    Tânia Rita Mendes de Camargo

    20/09/2013 em 1:21

  47. Analisei a estrutura interna do Jornal de Hoje. Ele é um jornal diário de Natal/RN. Sua estrutura é bem tradicional, e gostei da organização do jornal, mas senti falta de certa ousadia ou de algum elemento que pudesse atrair a fidelidade do leitor. Eu por exemplo vou começar a acompanhá-lo por curiosidade, já que não moro na região, mas quem mora lá deve lê-lo por sua credibilidade, já que o jornal não possui elementos que viabilizem uma identificação ou participação do leitor com a linha editorial proposta, o que acredito que deve ser o principal problema dos jornais.
    A maioria das páginas são em preto-em-branco, e outras são coloridas. Isso me incomodou bastante. Mas achei a diagramação impecável, embora em alguns momentos eu tenha sentido uma desvalorização dos espaços em branco possa acarretar numa sensação de “há informações demais aqui”.

    Agnes Sofia Guimarães Cruz

    20/09/2013 em 11:13

  48. Jornal Financial Times – edições variadas

    • Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?

    Analisando as páginas internas do jornal Financial Times pode-se perceber que a disposição das matérias em uma página se dá pela importância concebida a cada uma delas, ou seja, a matéria que seria mais relevante aparece no topo da página.

    • Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?

    As variações tipológicas são mínimas, há variação no tamanho da fonte e no uso ou não de negrito para certos títulos e subtítulos.

    • Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?

    A capa do jornal tem o objetivo de captar a atenção do leitor para compra do mesmo, assim as imagens têm maior destaque na capa do jornal do que no caderno interno, tanto em relação ao tamanho em que são expostas, como pela quantidade.

    • Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?

    Há sempre a associação de imagem com texto, o texto é predominante sobre a imagem, sendo que esta ocupa, normalmente, menos colunas que o texto.

    • De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?

    Quando o jornal procura se livrar de certos padrões e tenta inovar na produção da notícia, como por exemplo, uma matéria composta unicamente por um infográfico, confere a uma página interna um diferencial no modo de condução da leitura, contudo é preciso atenção e cuidado para que não se prejudique a notícia, sendo com excesso de informações visuais ou com a falta de elementos textuais.

    • Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?

    Os infográficos são compostos por: título, imagem, um texto correspondente e legenda. A presença de gráficos é freqüente por ser um jornal econômico.

    • Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?

    O Financial Times é um jornal predominantemente preto e branco, algumas páginas possuem elementos coloridos (títulos e fotos). Não consigo captar o efeito de sentido, pois a escolha de quais elementos serão ou não coloridos parece um tanto quanto aleatória, com exceção da parte destinada a uma coluna, na qual o uso de cores tem o óbvio intuito de destacá-la do restante do jornal.

    • Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?

    Avalio um certo desequilíbrio em relação a escolha de imagens coloridas ou não, me questiono o motivo do jornal não ser totalmente preto e branco ou colorido. Não há regularidade no número de colunas das páginas e também não existe simetria em relação ao tamanho das fontes de cada matéria.

    Amanda Fonseca

    20/09/2013 em 14:21

  49. Jornal analisado: Welt Kompakt de 2 de março de 2012.
    O jornal apresenta uma diagramação regular, sempre com cinco colunas com variação na disposição das matérias entre as páginas do jornal, mas nada muito inovador e tudo bem simples.
    A editoria de serviços (pag 18) apresenta tipologia não-serifada, assim como os chapéus das matérias. Fora isso, a tipologia é basicamente padrão no jornal todo, com fonte serifada variando apenas no tamanho para os títulos, que também são colocados em negrito.
    Há pouca diferença entre a capa e as páginas internas do jornal, basicamente a única diferença são as chamadas presentes capa, que é levemente mais colorida, e fica com a composição bem equilibrada quando o jornal é dobrado ao meio, não ficando informação demais em nenhum dos lados.
    O jornal apresenta uma cor diferente para cada editoria, mas ela só é utilizada no nome da editoria e nos chapéus das matérias, não causando muito impacto no sentido geral.
    Ele consegue equilibrar bem a composição das páginas, apresentando bastante simetria e regularidade, equilibrando principalmente a quantidade de imagens à quantidade de texto. Apresenta geralmente uma imagem grande centralizada e algumas outras pequenas por página, com pouco uso de branco, sem um grande diferencial significativo.
    A edição analisada continha apenas um infográfico, que mais parecia uma matéria com muitas fotos e uso de branco, nada muito elaborado, mas que combinou com a cara do jornal.

    Marília Garcia

    20/09/2013 em 17:21

  50. Jornal analisado: Folha de S. Paulo do dia 04 de março de 2013.
    Disponível em:

    – Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?

    Nas capas dos cadernos, há presença de uma faixa colorida no topo com o nome dele, igualmente colorido. Nas páginas internas, há uma linha fina na parte superior com o nome do caderno, com indicação de data, nome do jornal e numeração do caderno. Há sempre presença de imagens, tanto fotografias quanto infográficos, ícones, linhas e desenhos. Existem boxes complementando as matérias, anúncios publicitários, ícones e linhas. Os textos estão sempre obedecendo ao gride, em geral de seis colunas.

    – Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?

    Não há variações tipológicas significativas entre os elementos textuais quando se refere a títulos e corpo de matéria, sendo sempre fontes serifadas. As fontes utilizadas para infográficos, nomes de autores das matérias e mais alguns itens são sem serifa, mas mantêm-se sempre em um padrão, não havendo alguma que destoe das demais. Há uma uniformidade característica nas páginas do jornal.

    – Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?

    A principal diferença é que a capa precisa chamar a atenção do leitor de forma mais forte, trazendo chamadas de outras matérias, com imagens de destaque. Como quando estará vendo a capa do caderno o leitor já terá comprado o exemplar do jornal, o foco é outro, visto que o cliente já foi conquistado. Há presença de matérias inteiras e não há a necessidade de colocar chamadas para as outras matérias presentes no caderno. A composição visual da capa do jornal precisa ser de maior destaque, mostrando tudo que ele trará em seu conteúdo.

    – Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?

    A principal informação visual presente no caderno é de propagandas. Em várias páginas elas ocupam mais da metade do espaço disponível e, em alguns casos, até mais de uma página. É o elemento mais “gritante” quando se observa a página do jornal. Agora, quando se tratando de imagens informativas no sentido jornalístico e texto de matérias, o espaço é razoavelmente bem dividido. Quase sempre há presença de imagens, que são de destaque, mas não prejudicam, aparentemente, em demasiado a presença de texto.

    – De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?

    De modo a atrair a atenção do leitor e passar a
    principal informação que aquela matéria pode conter. Uma página que consiga prender os olhos de um leitor apressado, que somente folheia o jornal, pela disposição gráfica destes elementos é uma página “bem-sucedida”, já que conseguirá passar a informação devido a um fator estético.

    – Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?

    Há infográficos de vários tipos no jornal, desde os que combinam imagens, linhas e tabelas até os que contêm apenas um desses elementos combinados a textos/dados. Não há necessariamente um padrão observado nos infográficos. Em alguns, a imagem é o que possui mais destaque, em outros são as cores das linhas ou o negrito dos textos.

    – Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?

    As cores são utilizadas para destacar, principalmente, ícones, linhas, tabelas e imagens (não há imagens em preto e branco). Quando há cor em texto, trata-se de um título ou subtítulo especial, como de uma nota que componha um conjunto de reportagens, ou o título de uma informação trazida em um box. Os efeitos de sentido são que é dado o destaque sem perder a seriedade/sobriedade do jornal, já que os textos do corpo da matéria são sempre em preto, e, ao mesmo tempo, não fica algo extremamente formal, dando leveza para a composição gráfica da página como um todo.

    – Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?

    Em geral, mantém-se um padrão de seis colunas. O gride é respeitado, não havendo, em uma mesma página, informações ora em duas, ora em três colunas, por exemplo, que não estejam alinhadas. Há sempre a presença de linhas entre os títulos e as matérias, entre outros locais da página, passando ideia de regularidade para a composição visual do jornal.

    Flávia Nosralla

    20/09/2013 em 19:59

  51. O jornal analisado foi o El País, edição 13.107 de 18 de maio de 2013.

    A primeira vista, percebe-se que o El País é um jornal bem tradicional, sendo a notícia o principal elemento de suas páginas internas. Assim, quase não existe o uso de imagens, gráficos e outras elementos que poderiam ajudar na compreensão dos textos, e estes organizam-se ao redor do texto. Encontra-se, em média, apenas uma imagem por página, sendo esta alguma foto (e não infográfico ou tabelas etc).

    Não há muita variação tipológica. Há duas fontes básicas, a do título e do corpo de uma notícia. O nome do jornalista vem todo em maiúsculo abaixo do título, mas com um tamanho de fonte bem menor.

    A principal diferença entre a capa do jornal e suas páginas internas é, claro, o objetivo de chamar a atenção do leitor para sua capa, que contém fotos e títulos chamativos (não confundir com sensacionalistas). Dentro, o El País é bem comum, com exceção da editoria de cultura, que possui disposição diferente para seus textos, desta vez com esses girando ao redor das ilustrações e fotos.

    A única divisão tanto entre notícias e elementos visuais é uma linha fina, que cumpre seu propósito de não chamar atenção e simplesmente dividir a página muito bem.

    A editoria de cultura se destaca por seu “layout” menos tradicional, ou seja, é a editoria que mais “brinca” com os elementos visuais e textuais do jornal. Obras de arte, cartazes de filmes, tudo se encaixa na editoria, mas sempre com cuidado para que a editoria não perca o foco, que ainda são os textos.
    Quase não há o uso de cores nas páginas internas do El País. Com exceção de fotos e ilustrações, o único elemento que vem colorido é o nome da editoria no alto da página. Algo que deve servir para que o leitor reconheça instantaneamente aonde se encontra na publicação.

    Por fim, acredito que o El País seja um jornal bem simples quanto a seus elementos gráficos. Como citado anteriormente, é um jornal tradicional, e portanto segue os padrões há muito enraizados no planejamento gráfico do jornalismo impresso. Se isto é bom ou ruim, não depende mais de mim.

    Jonas L. C. Junior

    20/09/2013 em 20:11

  52. Correio Braziliense – Caderno Diversão e Arte
    Brasília, sábado, 9 de março de 2013

    – Quais os critérios que determinam o arranjo ou a disposição espacial dos diferentes elementos informativos alocados nessas páginas?
    O jornal ao qual este caderno faz parte, utiliza-se bastante de elementos que evidenciam a preocupação com o equilíbrio entre texto e imagem e a garantia de conforto na leitura. O ‘Diversão e Arte’ confirma essas ideias e mostra-se também em sintonia com a temática abordada, sendo o caderno de cultura do jornal, a disposição de ícones e conjunto de texto e imagens faz referência ao tema mais leve.

    – Há variações tipológicas significativas entre os diversos elementos textuais que compõem as páginas?
    O caderno exibe variações tipológicas que mantêm a proposta de entretenimento, apostando em títulos grandes e com disposição dinâmica, ora em caixa alta, ora em caixa baixa. No conteúdo dos textos, a fonte serifada é a mesma do resto da publicação.

    – Quais as principais diferenças entre a composição visual de uma capa de jornal e de uma capa de caderno interno?
    A capa principal do jornal precisa manter como principal foco, a atratividade, utilizando fonte grande, pouco texto e imagens chamativas. Esses elementos formam o conjunto pensado pelo fato de uma porção da venda de jornais ainda ser dedicada às bancas. Portanto, se mais de um jornal vai noticiar a mesma coisa, é a forma como a capa aborda o fato que garantirá a venda para a maioria dos clientes na rua. No caso da capa interna, a preocupação pode se tornar mais específica, considerando que o desafio então, é chamar a atenção do leitor que previamente já escolheu ler o jornal. Ela apresenta mais texto e, geralmente, uma aposta maior em imagem do que o interior do caderno, como a colocação de uma grande reportagem. No caso do Diversão e Arte, a capa atrai pelo visual, utilizando a cor preta como fundo para uma variedade de retângulos que mesclam texto e fotos.

    – Como é dividido o espaço entre informação textual e informação visual nas páginas internas de jornal?
    O caderno valoriza muito as imagens, colocando-as, inclusive, como informação adicional e não apenas mera ilustração. A especial dedicação ao fato visual e um pouco artístico se explica pelo fato da temática do caderno. Há rompimentos do grid e as imagens nem sempre seguem o padrão angular.

    – De que modo composições especiais envolvendo textos, fotos e/ou ilustrações com amplo destaque podem conferir um diferencial significativo a uma página interna de jornal?
    As imagens, apelam para a atenção visual do leitor, para o primeiro instante em que ele abre a página e direciona o olhar para o que mais chama atenção, isto é, geralmente, o que diferencia-se de texto, que é o que se espera encontrar predominantemente. Por isso, matérias com maior apelo visual, tendem a ter seu conteúdo mais lido também.

    – Como são combinadas, nos infográficos, as informações textuais (títulos, textos, legendas, números) e as informações visuais (fotografias, gráficos, tabelas, ilustrações e iconografia)?
    Como dito anteriormente, as informações visuais são bem presentes no caderno, em algumas páginas, como a de serviço e a intitulada “Fama”, há predominância de quadros e tabelas, como palavras cruzadas, horóscopo, programação etc. Isso garante o caráter diferenciado do caderno, anunciando que o texto tem seu espaço também, mas não é tão denso quanto em um caderno de política, por exemplo.

    – Como as cores são usadas, nas páginas internas capa, para destacar elementos específicos da composição? Quais seus efeitos de sentido?
    A maior parte do caderno tem páginas coloridas, configurando-se, no geral, como bastante colorido. O principal exemplo é a sessão Roteiro, cujo próprio logo vem com um fundo colorido e varia entre 6 cores em seus subtítulos (dividas por sessões, como referências de ‘teatro’, ‘bares’, ‘música’, festas’ etc). Através dessa observação, percebe-se o dinamismo que as cores buscam transmitir.

    – Como é possível avaliar a composição dessas páginas internas segundo critérios de equilíbrio, simetria, regularidade, entre outros?
    O caderno foge do que se considera uma estrutura rígida de formatação, mas, mesmo sem utilizar regras repetidas entre suas páginas, essa abertura acaba sendo agradável, ao invés de um possível desequilíbrio, se mal executada.

    Amanda de Moura Costa

    20/09/2013 em 20:47

  53. Jornal Analisado: Le Monde Diplomatique Brasil

    O espaço em branco é uma marca forte da revista, assim como o uso de linhas da cor preta separam o topo da matéria em si. As matérias em si são extensas e algumas podem chgar a ocupar 3 páginas. Propagandas também se fazem presentes, mas não em grande quantidade. Não há variações tipológicas entre os conteúdos internos, todas chegam a seguir uma mesma fonte, negrito para os títulos e letra capitular.
    Por ser um caderno único, o jornal tem em sua capa um semelhança que vai se seguir por dentro do jornal, a forte presença de desenhos e caricaturas. Na capa, ela ilustra a matéria principal e ocupa quase que inteiramente o espaço. Já nas matérias dentro do jornal, os desenhos também se fazem presentes e chegam a ser um atrativo a mais. Dessa forma, os elementos visuais ocupam um lugar de destaque ao lado do texto, ocupando espaços maiores que o tradicional e o branco marca esse espaço. Essa marca registrada do jornal foi capaz de torná-lo um diferencial dentro do círculo de periódicos, onde o destaque para a arte se faz tão importante quanto a reportagem em si. Quando se faz uso de um quadro ou tabela, eles aparecem em boxes no alto ou no centro das matérias, mesmo assim não chegam a poder concorrer com as ilustrações.
    Como o jornal tem sua estrutura bem definida, as suas cores são sóbrias, como o preto, cinza e o colorido de cada imagem carrega. Não há variações fortes entre uma e outra edição da mesma forma. Nesse sentido, é ´possível concluir que há um equilíbrio saudável que não “enjoa” o leitor, seus desenhos são capazes de quebrar esse modelo justo e há total simetria entre o que um ocupa e o outro.

    Maria Esther Castedo Valdiviezo

    20/09/2013 em 21:29

  54. Jornal: O Globo, edição de 9 de maio de 2013.

    A tipologia das páginas internas varia entre títulos (não-serifado), linha-fina e corpo de texto (com serifa). Olhos e destaques de texto também são em fontes sem serifa.

    Assim como a capa do jornal, cada caderno deste apresenta uma matéria em destaque. A diferença entre a capa da edição analisada para o restante dos cadernos é que em cada caderno, acompanhando a manchete principal, há uma imagem em tamanho grande, o que cria um maior equilíbrio entre texto e imagem na página.

    Há também a maior exploração de recursos visuais como tabelas, iconografia e gráficos, o que não acontece na capa do jornal. Em todos os cadernos é observado um maior equilíbrio e relação significativa entre imagem e texto.
    Ter um destaque em uma capa interna faz com que o leitor perceba que mudou de editoria ou caderno de forma rápida e simples. Além disso, é possível observar que, por conta da maior quantidade de recursos gráficos, o leitor consegue identificar as informações principais em uma leitura rápida.

    Os elementos textuais e visuais são bem relacionados nos infográficos. Eles apresentam as informações principais já presentes nos textos. Como já foi dito, o leitor consegue ter, rapidamente, uma noção maior do assunto e do que é mais importante.

    As cores nas páginas internas mantêm o padrão azul do jornal com destaques em laranja nos cadernos principais e se alteram apenas nos cadernos de esporte (verde) e cultura (roxo) e no suplemento (verde claro), cada um seguindo sua cor de identificação também no interior.

    Critérios de composição:
    As páginas internas têm equilíbrio entre texto e imagem. Podem ser consideradas fragmentadas por conter muitas matérias em uma única página e por elas serem divididas por fios (padrão do jornal). Elas apresentam simplicidade, sem muita inovação, mas são práticas a hora de leitura e conseguem interligar o olhar do leitor de uma matéria para outra ou de uma matéria para um recurso visual. Elas podem ser consideradas regulares, pois é possível observar um padrão de tamanho entre as matérias mais longas da página e das mais curtas.

    Thainá Zanfolin

    21/07/2015 em 0:35

Deixe uma resposta