teia de ideia [mídia e tecnologia]

Francisco Rolfsen Belda

O campo do jornalismo agroeconômico

nenhum comentário

A segementação temática jornalística em temas de agroeconomia. Panorama do agronegócio no Brasil, aspectos políticos, científicos, eixos e desafios de cobertura.

Uma nova especialização profissional?

  • Associação de Jornalismo e Agricultura da Dinamarca (1905)
  • Associação Brasileira de Informação Rural (1966)
  • Associação dos Jornalistas de Agropecuária de São Paulo (1984)

Vocação natural para o agronegócio

  • Diversidade climática: áreas temperadas, tropicais e equatoriais
  • Duas safras de grãos por ano
  • Regularidade pluviométrica
  • Sol na maior parte do ano
  • Disponibilidade de recursos hídricos
  • Terras férteis utilizadas para agricultura: 388 milhões de hectares
  • Terras férteis ainda inexploradas: 90 milhões de hectares
  • Estrutura fundiária e reforma agrária

Participação econômica

  • 33% do PIB (US$ 180,2 bilhões 2004)
  • 42% das exportações totais (US$ 36 bilhões)
  • 37% dos empregos brasileiros
  • Aumento de exportações e produtividade

Brasil: celeiro do mundo?

  • Previsão da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (Unctad)
  • Liderança em produção e exportação: café, açúcar, álcool e sucos de frutas.
  • Liderança em exportação: soja, carne bovina, carne de frango, tabaco, couro e calçados de couro
  • Culturas emergentes: algodão e biocombustíveis, feitos a partir de cana-de-açúcar e óleos vegetais.
  • Outros destaques: milho, arroz, frutas frescas, cacau, castanhas, nozes, suínos e pescados
  • Mercado interno: 75-80% da produção brasileira de alimentos
  • Mercado externo: 20-25%, com cerca de 3 mil produtos para mais de 200 países
  • Mercados estrangeiros tradicionais: Europa, Estados Unidos, Argentina, Uruguai e Paraguai
  • Mercados emergentes: Ásia, Oriente Médio e África

Desafios da política agrícola

  • Incorporação do setor ao mercado de capitais
  • Novos instrumentos financeiros para o setor
  • Atração de capitais de fundos de investimento
  • Apoio à capacitação, extensionismo, tecnificação
  • Universidades e centros de pesquisa rurais
  • Aperfeiçoamento de mecanismos de compra direta
  • Logística e infra-estrutura de escoamento

Pesquisa e desenvolvimento

  • No Sistema Nacional de Pesquisa em Agropecuária, a Embrapa desenvolve 52% dos projetos em agricultura no Brasil. Governos estaduais contribuem com 20%. Universidades, com 21%.
  • Rede de Inovação e Prospecção Tecnológica do Agronegócio. Focos de pesquisa: Cosméticos, nutracêuticos, uso da biotecnologia para desenvolvimento de raças e variedades resistentes a parasitas, doenças, pragas, estresse hídrico e secas prolongadas, informática agropecuária, agricultura de precisão, programas de sanidade animal e vegetal

Algumas cadeias produtivas

  • Pecuária: Ações prioritárias: Recuperação de pastagens, melhoramento genético e certificação de origem do produto, valorização do “boi verde” como artifício de competitividade no mercado externo. Subproduto: exportações de couros para os Estados Unidos (9o% do total)
  • Álcool e açúcar: Exportações de açúcar consolidadas para mercados diversos, mas com baixo valor agregado. Cada tonelada de cana tem o potencial energético de 1,2 barril de petróleo. O álcool movimenta 20% da frota automotiva do país e tem grande mercado externo potencial como biocombustível.
  • Café: Exportações: principais destinos foram Estados Unidos, Alemanha, Itália e Japão. O país detém 30% do mercado mundial de café em grão in natura.
  • Soja: Principal grão do agronegócio brasileiro. Segundo maior produtor mundial. Liderança no mercado internacional do complexo soja (exportação de grãos, farelo e óleo).
  • Sucos e frutas: Mercado interno absorve 21 milhões de toneladas/ano, com excedente exportável de cerca de 17 milhões de toneladas.  95,5% corresponde a suco de laranja, do qual o país é o maior produtor e exportador.
  • Produtos florestais: Papel, celulose, madeiras e suas obras, para exportação. Estados Unidos é o principal comprador brasileiro, absorvendo 44% das vendas. Outros importantes destinos foram Reino Unido, China, Bélgica, França, Japão e Espanha.
  • Agricultura familiar: Produção de subsistência: diversificação de culturas. Comercialização da produção excedente. Saneamento rural e posse da terra. Acesso a crédito e a mercados.

Eixos temáticos de pautas jornalísticas

  • Resultados econômicos: safra, exportação, crescimento, disputas na OMC, novos mercados
  • Impactos climáticos: estiagem, perdas de safra, macro-previsões meteorológicas
  • Modernização: sistemas de irrigação, informatização, implementos, máquinas, reflexos na mão-de-obra
  • Sanidade e segurança alimentar: doenças, pragas, rastreabilidade, certificação, barreiras de mercado
  • Casos de sucesso: iniciativas de destaque, métodos alternativos de manejo, solução de problemas
  • Infra-estrutura e logística: transportes, portos, rodovias, hidrovias, consórcios de produção e escoamento
  • Política agrícola: ações do MAPA, programas de crédito agrícola, regulamentação do setor
  • Pesquisa e desenvolvimento: novas tecnologias agropecuárias, métodos de aumento da produtividade
  • Impactos ambientais: escassez e poluição das águas, erosão, desertificação, perda de biodiversidade
  • Mercado consumidor: padrões e hábitos alimentares, embalagens e marketing de produtos

Desafios da cobertura jornalística

  • Interface em agropecuária, economia, ciência, tecnologia, inovação, saúde e meio ambiente
  • Pluralidade de fontes e desfragmentação da cobertura
  • Priorização do trabalho de reportagem in loco
  • Superação do jornalismo de negócios
  • Mediação crítica como cultura de comunicação no setor

Escrito por Francisco Rolfsen Belda

01/09/2010 às 7:11

Deixe uma resposta