teia de ideia [mídia e tecnologia]

Francisco Rolfsen Belda

Trabalho de criação de uma amostra de capa de jornal

com 32 comentários

Neste post, deve ser publicado, como comentário ao final da página, o texto de descrição da proposta editorial do jornal hipotético elaborado pelos alunos para o trabalho de criação de uma amostra de capa com logotipo da publicação. Atenção: as opções do projeto gráfico a ser apresentado em sala de aula, no dia 30/09, devem manter coerência em relação à proposta descrita no texto a ser publicado aqui.

Escrito por Francisco Rolfsen Belda

04/04/2017 às 10:29

Publicado em Planejamento Editorial

32 Respostas para 'Trabalho de criação de uma amostra de capa de jornal'

Acompanhe os comentários com RSS ou TrackBack para 'Trabalho de criação de uma amostra de capa de jornal'.

  1. O Opinativo é um jornal de tiragem diária e de alcance nacional que tem a promoção do debate e da reflexão como principal proposta editorial. Sediado na cidade de São Paulo, seu intuito vai além da transmissão de informação: o jornal propõe-se a ser espaço de lapidação de ideias, exibindo, de forma democrática, todas as principais opiniões acerca de um determinado tema. Por isso, o conteúdo opinativo ocupa uma parcela maior das publicações em relação à outros jornais, sendo privilegiados, assim, as colunas, os editoriais, as cartas do leitor, as crônicas, os artigos e as resenhas. Da mesma forma, as diferentes manifestações artísticas, mesmo as periféricas, têm seu espaço nas publicações. O público alvo d’O Opinativo engloba a classe média e a classe alta (classes B e A), e tem sua produção direcionada à assinatura, apesar de também ser disponibilizado em bancas. O formato é o berliner, o qual pode ser carregado manualmente com facilidade. Isso possibilita que o exercício de leitura reflexiva seja companheiro para todos os lugares. A identidade cromática do jornal é sóbria, sendo formada pelo preto, cinza e azul marinho, e a impressão é feita em papel-jornal. O planejamento gráfico editorial prioriza o texto em detrimento da imagem, sendo seu conteúdo de alto rigor formal. Seguindo sua proposta editorial, O Opinativo promove palestras, debates e eventos artísticos com frequência na capital paulista.

    Helena Nogueira

    29/09/2014 em 19:26

  2. Jornal “Prancheta”

    O objetivo do jornal “Prancheta” é levar informações detalhadas e aprofundadas sobre esportes em geral. Além de levar informações ao grande público, o jornal pretende explicar o quê essas informações significam. Porém, essa explicação será de forma simplificada, para facilitar o entendimento sobre o conteúdo. O jornal terá um preço acessível ou simbólico. O ponto que o jornal visa é o de apresentar notícias e análises com uma linguagem simples. Para chegar ao seu objetivo final, o jornal não necessitará de muitas ferramentas visuais. Um aspecto bem limpo, já que a leitura, apesar de simples, será densa. Por isso a escolha pelo formato tablóide, que traz mais comodidade na leitura. O jornal, que será veiculado apenas às segundas feiras, trará assuntos pertinentes ao momento atual esportivo, além é claro das notícias factuais da semana. Uma vez que será veiculado às segundas feiras, o jornal dará atenção apenas aos jogos disputados no fim de semana.
    Evitando ao máximo um visual poluído, o jornal dará prioridade à textos de opinião ou analises de cunho político, sociológico e/ou histórico de eventos esportivos. É importante ressaltar que o esporte primário da publicação será o futebol, já que é o esporte mais popular no país veiculado. Contudo, os demais esportes não serão esquecidos e terão também suas respectivas análises e notícias. A busca por opiniões de especialistas e estudiosos sobre os assuntos publicados deverá ser imprescindível. O que o “Prancheta” pretende, enfim, é ser um guia inteligente para admiradores de esportes. Ser quem irá ensinar as raízes e os desdobramentos que o esporte oferece para a sociedade. Aprender sobre os efeitos que o esporte têm em nós. É isso que o “Prancheta” quer expor.

    Daniel Linhares

    30/09/2014 em 3:59

  3. O jornal “O Horizonte”, cujo lema é: “é preciso enxergar além da notícia”, é um periódico que busca cobrir todos os acontecimentos do país e tem como área de circulação as principais capitais. O público alvo da publicação está na faixa dos 17 aos 70 anos, com um nível de segmentação pequeno, porém com uma grande diversidade de assuntos. É um jornal impresso em formato Berliner no papel offset, pois o material procura ser duradouro e de qualidade, já que procura harmonizar a quantidade de imagens com os textos, trazendo uma experiência mais firme de informações na vida corrida atual. O diferencial do “O Horizonte” se dá em dois aspectos: o primeiro, é quanto ao seu conteúdo.
    Para se observar o horizonte em todos os seus aspectos é necessário o uso de instrumentos, como o binóculo. Deste paralelo surge o lema do jornal e seu posicionamento para com as notícias do dia-a-dia. O periódico serve como meio para aguçar a visão crítica dos leitores, trazendo em suas notícias não só o relato, mas também as consequências e as versões da notícia. Assim o texto é escrito de forma limpa, sem ironias ou expressões, para que o leitor desenvolva seu senso crítico de forma usual, não manipulada.
    O segundo diferencial do “O Horizonte” é quanto à área de cobertura. Cada capa do “O Horizonte” possui diferenças, de acordo com a capital em que o leitor está. O jornal possui redações em todos os estados, e, com um manual de diagramação bem firme, traz as notícias importantes do estado em partes estratégicas da capa. Assim, temos os seguintes cadernos: Economia, Ciência, Política, Esportes, Internacional, Cultura, Principal e Diversos. No caderno Principal estão as notícias da capa e as do respectivo estado do jornal.
    “O Horizonte” é um jornal com periodicidade diária, vendido tanto em bancas quanto em assinaturas, com versão digital, que procura universalizar os acontecimentos do Brasil todo em uma plataforma única, acompanhando o brasileiro em qualquer situação do dia a dia.

    Monique L. M. Ferrarini

    30/09/2014 em 8:23

  4. O “Diário de Bauru” constitui-se em um jornal idealizado para circular na área de Bauru e região, mas mantendo seu foco em Bauru. A área de cobertura segue o mesmo molde: a cidade e o povo bauruense recebem maior atenção e são centros das principais notícias. No entanto, o jornal também dá espaço para grandes eventos e fatos importantes que acontecem nas cidades menores que fazem parte da região. O noticiário nacional tem pouco espaço, mas também pode ganhar destaque se a notícia modifica o cotidiano no interior paulista.

    O jornal visa atender as classes A e B e é pouco segmentado. Não há grande especialização no “Diário de Bauru”, já que o é lido tanto por jovens, quanto por adultos, e o jornal é diário.

    O “Diário de Bauru” é impresso em formato standart em papel jornal branco. As cores predominantes são o preto, o branco e o azul e a identidade cromática tem como objetivo dar destaque e mostrar a seriedade e sobriedade com as quais o jornal é produzido. O logo, em letras brancas com o fundo azul, mostra que o “Diário” não busca chamar atenção apenas com seu projeto gráfico, mas também com a forma que conduz suas matérias e as apresenta ao público bauruense.

    Com uma capa diferente e arrojada, que dá espaço para um número reduzido de manchetes e não “bombardeia” o leitor com várias informações, o jornal mostra que sua qualidade está nas páginas interiores e que possui um planejamento gráfico diferente dos grandes jornais da região.

    Com um design clean e bonito, os leitores fieis do “Diário de Bauru” já conhecem a seriedade tradicional dos seus jornalistas preferidos. A cor azul foi escolhida para contrastar com os jornais mais populares, que normalmente adotam o vermelho como parte de sua identidade cromática. Exatamente por seu projeto gráfico diferenciado, o “Diário” é qualificado como um “jornal de assinatura”, de modo que a venda em bancas não é seu forte.

    O jornal, em suas trinta páginas, possui os cadernos de “Esporte”, “Regional”, “Nacional”, “Cultura” e “Classificados”. Cada caderno possui sua força, porém o carro-chefe do “Diário” é o “Regional”, que é sempre mais recheado de informações diretamente úteis ao leitor, com notícias sobre o comércio da cidade, horários de funcionamento, agenda do prefeito e principais políticos, reportagens sobre o trânsito e segurança, etc.

    Mariana Fernandes

    30/09/2014 em 8:26

  5. Proposta editorial do jornal Acréscimo

    O jornal é uma publicação semanal especializada em futebol. Diferentemente da maioria dos jornais esportivos convencionais, o Acréscimo tem como principal objetivo fazer uma cobertura mais analítica e aprofundada do esporte, não apenas do jogo em si, jogado dentro de campo, mas também de tudo que o circunda fora deste. O contexto no qual o futebol está inserido, os aspectos políticos, sociais e culturais que servem como pano de fundo no Brasil e no mundo inteiro são os fatores levados em conta para a cobertura do periódico. O jornal tem a preocupação de oferecer um panorama preciso dos bastidores políticos e econômicos dos grandes clubes e federações, sempre adotando uma postura crítica e independente. O público, naturalmente, é bastante segmentado, constituindo-se daqueles leitores que buscam algo a mais e um tratamento mais a fundo do futebol do que se faz na mídia tradicional e até mesmo dos diários esportivos. O jornal, todavia, não se furta de fazer a cobertura futebolística tradicional, trazendo tabelas dos jogos, classificações, escalações, resultados e crônicas de jogos.
    Apesar da abrangência de aspectos do esporte que o jornal cobre, há uma maior ênfase e importância dada aos considerados quatro grandes clubes de São Paulo: Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo. Para tanto, as publicações são divididas em futebol nacional, matérias sobre os clubes do estado, futebol internacional e colunas.
    O Acréscimo é veiculado às sextas-feiras em todo o estado de São Paulo. O preço avulso do jornal encontrado nas bancas é de R$ 3,00 e a assinatura mensal custa R$ 10,00. O assinante tem acesso a certos materiais promocionais exclusivos, como guias de campeonatos e produtos especiais como bolas, camisas e bonés. Nos demais estados, o jornal só é veiculado através de assinaturas.
    O formato do jornal é de tabloide e o número de páginas pode variar entre 25 e 30, de acordo com a semana. O tipo de papel é o tradicional de jornal. Além da publicação impressa, o Acréscimo possui um site com conteúdos especiais e multimídia.

    Vinicius Passarelli

    30/09/2014 em 8:27

  6. Jornaleco da Cidade

    Na atividade de análise de jornal realizada anteriormente, escolhi a publicação de O Pasquim. Tamanha foi minha admiração pela iniciativa que o intuito de “Jornaleco” será focar no desenvolvimento do humor brasileiro buscando novos rostos e novas ideias, enriquecendo a cultura do país. A ideia seria melhor desenvolvida numa página na internet, mas parto do princípio que é possível misturar novas e antigas maneiras de divulgação. Jornaleco a princípio seria distribuído pelo campus gratuitamente e teria um total de cinco páginas de conteúdo.
    O campo de abrangência da publicação procura afetar principalmente a população universitária e sua periodicidade seria diária, sendo distribuída de segunda a sexta. Aos sábados e domingos no lugar do jornal seriam impressos folhetos para exclusivamente realizar a divulgação dos principais shows, programas e atualizações de canais do Youtube, além de dicas para conhecer canais novos durante a semana.
    O jornal tem o intuito de ser bastante aberto aos leitores, os quais podem enviar sugestões, reclamações ou dicas para melhorar o conteúdo do jornal. Além da sessão aberta aos leitores, outro princípio forte do impresso é a ética e política presentes no humor e fora dele. Haveria constantes discussões entre figuras famosas sobre os limites das brincadeiras, o tema delas entre outras questões sérias que apesar de implícitas, aparecem bastante no humor.
    A diagramação do Jornaleco é uma paródia do Jornal da Cidade, o impresso de maior circulação da região de Bauru. Seguindo os preceitos de O Pasquim, mas de forma mais sutil e mais leve, o Jornaleco vai trazer também à tona a política nacional usando de filtro os entrevistados. A parte mais importante do jornal é o fato se procurar opiniões diferentes e esclarecê-las para os leitores, ajudando na construção intelectual e crítica de pessoas que estão em processo de formação de opinião.
    Os dados da capa foram em grande maioria inventados para mostrar a face do impresso, nenhuma das informações é verídica. O fato é que achei importante além de investir numa diagramação parecida com a do Jornal da Cidade, o conteúdo das manchetes mostrasse de fato a personalidade do trabalho.

    Caroline Mello

    30/09/2014 em 8:28

  7. O Partidário é um jornal diário da cidade de São Paulo e foi criado para atender aos interesses do povo através de um jornalismo democrático, que pretende veicular acontecimentos sem destaque nos grandes veículos de comunicação objetivando valorizar a pluralidade de opiniões. O jornal aborda questões da política regional, nacional e internacional, economia e cultura, com foco em abordagens analíticas que fomentem o espírito crítico dos leitores.
    Ao contrário da maioria dos jornais, o jornal Partidário assume uma linha editorial vinculada a ideais progressistas, de maior inclusão social, redução da desigualdade, combate à corrupção e valorização da diversidade cultural, ideais sempre atrelados à opinião popular, que pode participar na elaboração do jornal, sugerindo pautas, criticando ou enviando opiniões a serem publicadas na seção “opinião do leitor”.
    O público do jornal são pessoas de todas as idades e de, principalmente, classes sociais menos favorecidas, apesar de almejar alcançar todos os públicos e todas as classes sociais.
    A partir desses princípios e visto que o alvo do jornal não são leitores de alto poder de renda, o Partidário opta por não colocar propagandas na capa, por considerar que a informação é mais importante que o anúncio publicitário.
    O tipo de papel utilizado é o papel-jornal, em tamanho standard (560 mm x 320 mm). O caderno é único e a dobra do jornal foi pensada para o destaque nas bancas, com uma foto na parte superior acompanhada da manchete. A fonte serifada dos textos contribui para maior fluidez na leitura das matérias.
    Há cinco colunas dividindo o jornal, e a cor vermelha, que faz parte de sua identidade, foi pensada pela identificação com ideais socialistas e o “P” de Partidário é circulado para chamar atenção e também porque é a mesma inicial de palavras centrais para o jornal, como Povo e Popular.

    Gabriel dos Ouros

    30/09/2014 em 8:28

  8. Jornal “Todo tempo”

    Tendo como lema “Cobertura que não para”, este periódico cobre a área de Campinas, interior de São Paulo, e circula só na cidade, uma vez que trata de assuntos exclusivamente campineiros. Todo Tempo é um jornal enxuto e objetivo, que visa os leitores da classe média, da alta à baixa, incluindo, por exemplo, um cidadão que no fim de semana passeia no shopping e durante a semana utiliza transporte público para ir ao trabalho. O jornal é diário e vendido nas bancas, mas também há a opção de assinatura. Não há muitas subdivisões; como na capa, as sessões são denominadas de modo geral, como “Esporte”, “Sociedade”, “Lazer”, “Educação”, “Serviços”, entre outros. Mais especificamente, estas sessões estão distribuídas em quatro cadernos distintos:
    – o caderno A: composto pela capa, contracapa (com editorial, charge e erratas) e nas demais páginas notícias sobre o cotidiano dos cidadãos campineiros (incluindo as sessões “Educação”, “Sociedade” e “Serviços”, dispostas nas chamadas da capa)
    – o caderno B: denominado TODO LAZER, este caderno traz a parte cultural de Campinas (incluindo a sessão de mesmo nome da chamada da capa). Aborda horários de cinemas, eventuais exposições, atrações de parques e shopping centers, restaurantes, entre outros.
    – o caderno C: denominado TODO ESPORTIVO, traz as últimas notícias dos esportes de Campinas (abordando a sessão “Esporte” da chamada da capa). Oferece opções ao cidadão de locais para a prática comum de atividades físicas (como preços de academias e o que pode ser aproveitado para esse fim em parques públicos).
    – o caderno D: este caderno, que muda todos os dias, é, na quinta-feira, o TODO ESPECIAL. Nesta edição, aborda o aniversário da cidade, trazendo fatos curiosos e perfis de pessoas que foram importantes para a história da região.
    O design do jornal é diferenciado e tem como objetivo facilitar a leitura do campineiro, prevendo um tempo curto para leitura (justificando a letra “Lithos Pro” utilizada no logo, no título e nas sessões e a linguagem mais simples e direta) e um espaço reduzido para carregá-lo e para lê-lo (por isso o formato menor, A4, e os selecionados cadernos).

    Rafaela de Campos Nogueira

    30/09/2014 em 8:38

  9. Jornal Voz Nacional

    A proposta do tablóide Voz Nacional é atingir o público trabalhador, que sai de casa cedo para ir trabalhar e depende do transporte público, assim, é veiculado exclusivamente em bancas de jornal pelo preço de R$ 1,50. A circulação é diária dividida em cadernos com as editorias de política, internacional, cultura, economia, metrópole e cadernos que se alternam durante a semana, como classificados, negócios ou empregos, atendendo um público genérico. O objetivo é atingir todo o território brasileiro, mas por ter sede em São Paulo acaba se concentrando na região sudeste.
    O tablóide foi pensado para ser um jornal popular e chamativo, para chamar o leitor em meio a tantos outros periódicos, por isso o uso de cores fortes e imagens grandes, apresentando um visual razoavelmente poluído. Foram usadas duas fontes para a capa, uma para o logotipo e outra para o corpo do texto, incluindo as manchetes e a linha fina, e o jornal é estruturado em seis colunas.

    Priscila Belasco

    30/09/2014 em 8:38

  10. Proposta editorial do jornal “Diário do Interior”

    O periódico “Diário do Interior” é um jornal diário da região de Ribeirão Preto com sede na mesma. Voltado principalmente para um público com alta escolaridade de Ribeirão, ele compete no mercado com o jornal “A Cidade”. A preocupação do “Diário” é tratar de assuntos diversos (economia/agronegócio, cultura, esporte, política, cidade), já que seu concorrente dá grande destaque para coberturas no tema de polícia. Assim, o preço do jornal da semana é mais alto em relação ao “A Cidade”: R$2,50 versus R$2,00.
    Por ser um jornal regional, a maioria das notícias que ficam em destaque na capa são sobre a cidade sede ou outras cidades próximas, como Araraquara e São José do Rio Preto. O “Diário” tem formato standard, papel jornal e faz uso de duas fontes serifadas: Times New Roman para títulos e Linux Libertine para texto. As cores com tom escuro e os variados ícones dão uma aparência mais sofisticada. Sua presença na internet e nas redes sociais seria marcante, mas seu maior lucro viria das assinaturas, mesmo havendo também a disponibilização em bancas. Como Ribeirão é uma cidade bem comercial, anúncios e classificados ocupariam boa parte do jornal, assim como acontece com o concorrente. Na capa, o anúncio da Azul condiz com a proposta pelo fato de essa empresa possuir muitos voos para cidades do interior paulista.

    Bárbara Costa

    30/09/2014 em 8:40

  11. “Diário de Capital”

    O jornal “Diário da Capital” possui sua área de cobertura e circulação centralizada na cidade de São Paulo e na Grande São Paulo, mas também presentes nas principais capitais do país. A ideologia do jornal é garantir a informação de qualidade sempre em primeiro lugar, e com imparcialidade, permitindo ao leitor formar sua própria opinião.
    O jornal circula de segunda a domingo, tendo seu público voltado para adultos e idosos de classe média/alta – tendo maior presença na venda de assinaturas ao invés das bancas, por ter uma aparência mais sóbria e uma diagramação mais clássica, com bastante textos e algumas imagens, e espaços em branco para dar um descanso maior. A venda avulsa tem o valor de quatro reais, sendo que a assinatura mensal custa vinte.
    Tem pouca variação de fontes e padrões, usando três tipologias diferentes: uma para títulos, outra para linha-fina e uma para o texto em geral. Faz uso de fios e de cinco módulos, com pouca variação de cores. Seu logotipo é o nome, Diário de Capital, e usa poucos ícones e timbres, marcas e selos.
    Não é um jornal segmentado, tem um nível de especialização generalizado, tratando dos principais assuntos da atualidade – como política, economia, esportes, cultura, entretenimento – incluindo as notícias de âmbito nacional e internacional. Seu foco será na região da Grande São Paulo.
    O Diário da Capital tem o formato Standard (525mm x 297mm), com dobra ao meio, e feito em papel-jornal, devido ao baixo custo, e passando por um processo de lavagem para deixá-lo mais branco.
    Conta com a editoria de notícias do Brasil, principalmente de São Paulo e região, e a de notícias internacionais. Possui também a de política, cidades (incluindo polícia, segurança e prestação de serviços), economia. Conta com os cadernos de esportes, cultura e entretenimento.
    Ao todo, o Diário possui 32 páginas:
    – Capa;
    – 7 páginas de notícias regionais – São Paulo e Grande São Paulo, cerca de 5 páginas, e cidades – polícia, cerca de 2 páginas;
    – 6 páginas de notícias nacionais e internacionais;
    – 8 páginas de cultura, entretenimento, agenda cultural, novelas e filmes;
    – 4 páginas de serviços, com classificados;
    – 2 páginas de economia;
    – 4 páginas de esportes.

    Bárbara Christan

    30/09/2014 em 8:41

  12. O jornal “Diário Nacional” é um periódico standard de circulação nacional e diária. Sua sede fica na cidade de São Paulo, porém conta com equipes nas principais cidades do país. O DN publica as principais notícias do Brasil e do mundo, dando preferência para a cobertura nacional. Ele foi pensado para o público com mais formação, por apresentar reportagens mais longas e analíticas e para pessoas dos aos 18 aos 75 anos. Ele é dividido em editorias, são elas: Nacional, que inclui cidades e política, Internacional, Esportes, Economia e Cultura.
    O Jornal foi desenvolvido pensando, principalmente, na venda em banca. A capa utiliza da divisão de dobra para destacar a primeira metade, que contém a manchete da matéria principal e um resumo da mesma, além disso, tem outras duas chamadas, com menor destaque. Na segunda metade, além do anunciante, tem outros destaques e assuntos que o jornal do dia abordará.
    O preço de capa é R$ 3,50, e mesmo sendo pensado para a venda avulsa em banca, conta com a opção de assinatura, que oferece um desconto ao leitor.

    Lara Rangel

    30/09/2014 em 8:42

  13. O União Cultural é um jornal semanal que possui um conteúdo exclusivamente cultural. Sai todas as sextas feiras, exceto feriados, quando sai na quinta feira, com o intuito de ser um guia cultural para seus leitores e para indicar as principais atrações que as grandes capitais brasileiras terão no final de semana. Sua sede é em São Paulo e circula nas principais capitais brasileiras, como Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Manaus e Salvador. O público alvo está na faixa dos 18 aos 70 anos da classe média/média alta. O jornal é impresso no papel jornal e no formato tablóide. É um jornal de banca e de assinatura, cujo valor unitário é 5 reais. O jornal tem como cores predominantes o preto e vermelho, e o laranja como cor secundária. O União Cultural possui muitas imagens e notícias compactas, mas que contenham tudo que o leitor precisa saber. As imagens precisam ser bem vivas e interessantes, pois ocupam quase todo o jornal. Os editoriais se dividem em Shows, Música, Filmes e Teatro. Além desses editorias, nas primeiras e últimas páginas do jornal, estão as notícias em geral e que não foram citadas nos outros editoriais como livros, gastronomia e a vida de famosos que tenham a ver com o mundo cultural. A linguagem é informal e utiliza-se muito pontos de exclamação, para que o leitor se sinta a vontade com o jornal.

    Bheatriz D'Oliveira

    30/09/2014 em 8:44

  14. A proposta do jornal ” A Voz do Estado” é levar informações e relatos das principais notícias que acontecem nos principais estados do país, com foco especial para o Estado de São Paulo; sua principal área de circulação. O seu público alvo corresponde à faixa etária dos 23 aos 70 anos, sendo um jornal um pouco mais requintado e com notícias mais sérias, com enfoque especial em economia, política e notícias gerais. Dessa forma, seus principais leitores são de classe média e alta. É um jornal no formato Standard, dobrado ao meio, sempre com foco principal em uma imagem principal ao centro da capa. Seu papel tem uma gramatura de 75g/m² offset, dando mais qualidade e durabilidade ao jornal. Suas cores principais são o azul escuro, branco e um azul amis claro. O jornal prioriza também o texto e o conteúdo no lugar das imagens, dando o ar de seriedade e sobriedade. Suas principais editorias são: Economia, Política, Geral, Internacional, Esporte, Cultura, Saúde e, em determinados dias da semana, abre espaço para textos opinativos e crônicas. Sua periodicidade é diária, com acesso através das bancas ou assinatura. Seu preço é de 3,50. Assim, “A Voz do Estado” tem como objetivo principal agregar todos os principais acontecimentos do país, com uma linguagem formal e uma cobertura abrangente.

    Tatiana Olivetto

    30/09/2014 em 8:47

  15. Diário +

    Publicado diariamente e de abrangência nacional, o jornal tem como objetivo ir além da informação – o Diário + busca a reflexão e o questionamento do modelo padrão de jornalismo. Assim, busca transmitir matérias mais complexas e aprofundadas. A publicidade no jornal não é grande – cadernos mais “limpos” e com mais conteúdo para seus leitores. Desse modo, o Diário + explora o campo opinativo, com grande desempenho para questões políticas, artísticas e culturais. O caderno + cultura, além de expor uma agenda cultural, explora a interpretação de representações artísticas como show (música), cinema, teatro, exposições, etc. No caderno Ciência&Tecnologia, há a exposição da situação e do desempenho tecnológico do país. Com preço relativamente acessível, destina-se (principalmente) à classe media, estudantes e trabalhadores. O formato standart é usado por ser mais reconhecido aos olhos dos leitores. A divisão em cadernos busca facilitar a escolha do leitor em determinado assunto. Suas editorias se dividem em nacional (incluindo política e esporte), internacional, economia, um caderno para cultura e outro para ciência e tecnologia.
    Elementos da capa: logotipo/slogan; cabeçalho com data, cidade, número de páginas, preço; principais matérias; rodapé com dados para contado (assinatura, endereço da web, redes sociais,etc). Formato: standart; Divisão: caderno principal; caderno +cultura; caderno ciência&tecnologia; Fontes utilizadas: Mom’s Typewriter (logotipo, rodapé); Adobe Garamond Pro (textos/ títulos); Cores: vermelho, preto e cinza; 12 páginas; Impressão em papel-jornal; Fonte das matérias: Agência Brasil.

    O Diário + busca, sobretudo, contestar a formalidade padrão de jornalismo. Trazendo matérias que vão além do lead tradicional.

  16. A capa criada foi pensada junto com uma proposta editorial de um jornal com sede na cidade de Bauru, SP- Brasil, de circulação diária em Bauru e região chamado Jornal Do Dia. A proposta visa uma segmentação geral com editoria de Cidades e Nacional(política e economia) fortes. Sendo dividido em 5 cadernos fora os classificados e propagandas, cidades, nacional, internacional, esportes e entretenimento, totalizando 24 páginas. A proposta editorial teria um público alvo geral, com médio foco na classe média e mais abastada da população de Bauru e faixa etária adulta.
    O diferencial do Jornal Do Dia é o fato de circular localmente (Bauru), mas trazer notícias relevantes da grande São Paulo.
    A proposta foi pensada para um jornal modelo Standard, com dobra horizontal, acabando por dar bastante destaque para a chamada de capa. A organização do jornal é feita por cadernos dispostos separadamente. A tipologia foi pensada para trazer seriedade e passar credibilidade ao público, fontes sóbrias como “Times New Roman” e “Didot” são encontradas tanto na capa quanto no recheio do Jornal. Optou-se por não fazer uso de um logotipo específico, para que apenas a o nome do jornal associado a sua fonte se torne uma marca registrada (a exemplo do New York Times). Entretanto, um grid único e grosso é sempre acompanhado do nome do Jornal, fazendo associação a algo sublinhado.
    Quanto a diagramação do Jornal, é possível dizer que há um padrão observando sua capa. O uso de grid é simples, duplos e finos para separar manchetes e finos para separar frases soltas, como o nome do repórter. Alem de simples e grossas para separar
    tabelas. No que diz respeito a coloração, o preto domina, dentro do jornal, foi pensado em usar azul cobalto para o caderno de economia, mas na capa, tudo é escrito em preto. A iconografia foi deixada para serviços como previsão do tempo, entretenimento e horóscopo.

    Giovanna Falchetto

    30/09/2014 em 8:51

  17. Amostra de capa e proposta editorial – A Diretriz

    A Diretriz é um periódico que destaca acontecimentos no âmbito do estado de São Paulo, mas também aborda notícias de cunho nacional. Circula majoritariamente no estado, mas é distribuído em diversas regiões do Brasil.
    É um jornal cuja temática abrange a informação geral, enfatizando política e economia, sob uma ótica analítica. Desta forma, volta-se para o público adulto e intelectual. Por isso, A Diretriz incorpora uma linguagem gráfica limpa, leve. As imagens ocupam grande parte da página, sendo articuladas de maneira que estabeleçam um diálogo claro com o texto. A fonte é serifada e basicamente a mesma por toda a extensão do jornal, enquanto a iconografia é usada com parcimônia e existem áreas de respiro estratégicas. O logotipo foi pensado através de uma fonte gótica, reforçando a sobriedade da identidade gráfica do veículo. O emprego da cor é minimalista, limitando-se, além das imagens, à palavra chave que encabeça as manchetes na página principal e ao fio-data que exibe o nome das editorias.
    A Diretriz é um jornal de 20 páginas e abrange as seguintes editorias:
    – Política (3 pág)
    – Economia (3 pág)
    – Ponto de Vista: onde são publicados artigos de opinião e análises conjunturais e perspectivas subjetivas (3 pág)
    – Tecnologia: inteira o leitor do que acontece no universo da ciência e tecnologia; serve como alerta a investidores pelo fato de as matérias serem tecidas sob uma ótica economista (2 pág)
    – Entretenimento: vem dividida em três seções, Esportes, Cultura e Viagem (4 pág)
    – Mundo: destaques da política e economia globais (2 pág)
    – Classificados/anúncios (2 pág)
    Possui um caderno destacável no formato tabloide, de nome Consciência Verde, que traz considerações na área de economia sustentável e política ambientalista (4 pág)
    Vem no formato standard (40cmx56cm) e o material é papel jornal 60g.

    Ingrid Woigt

    30/09/2014 em 8:52

  18. O Milésimo é um jornal esportivo diário, veiculado na cidade de São Paulo. O fator determinante para seu projeto editorial diferenciado da maioria dos jornais esportivos brasileiros é o público-alvo. Visando atender a parcela da população com mais de 40 anos, o Milésimo traz pouca variação de cor, letras serifadas e logotipo clássico. É um jornal mais sisudo, em detrimento dos demais. Sua capa valoriza o texto sem esquecer as imagens, imprescindíveis no esporte. As fotos seguem a tendência atual e destacam o “fato”, não mais o “pós-fato”.
    Além disso, o Milésimo é um jornal de esportes geral. Sua capa traz, ao lado do futebol, diferentes esportes em destaque que variam durante a semana(Vôlei, Basquete, Turfe, Tênis e Natação). A inspiração do seu nome vem de outros esportivos, como Lance e Placar. Uma pequena fração de segundo faz a diferença em qualquer esporte citado.
    O Milésimo é em formato tabloide, para facilitar a leitura. Seu tipo de papel é o papel jornal, e além da versão impressa possui um site, indicado no cabeçalho.

    Bruna Malvar

    30/09/2014 em 9:29

  19. ‘O Mensageiro’ é um jornal diário desenvolvido para circulação nas grandes e principais capitais do Brasil. Com inspiração no jornal paulista ‘Metro’, distribuído nas principais avenidas e pontos da cidade de São Paulo, ‘O Mensageiro’ tem como público alvo as pessoas em trânsito na cidade, o que justifica o formato Berliner de 470 x 315mm. A ideia dentro do projeto gráfico do jornal trabalha com a deus da mitologia grega, hermes, o mensageiro. A proposta de integração com conteúdo digital através de QR Codes e outros recursos de direcionamento acaba revelando o enfoque no público mais jovem, na faixa dos 18 a 35 anos, mas não deixando de atender uma parcela mais velha do público. O conteúdo do jornal seria abrangente e distribuído através de seis editorias: Nacional, Internacional, Mercado, Cidade, Esportes e Cultura. O jornal tem um baixo nível de especialização, tornando o conteúdo mais acessível e dinâmico através da proposta de análises, opiniões e comentários. Sendo assim, o jornal trabalha com os três principais gêneros jornalísticos, o informativo, o interpretativo e o opinativo. As notícias e informações teriam uma área de cobertura na cidade, levando aos leitores matérias muito relacionadas ao seu cotidiano e rotina. No entanto, os assuntos nacionais e internacionais são presentes por interferirem na dinâmica dos grandes centros e dessa maneira interessarem esse público. Dessa maneira, o jornal seria distribuído nas principais avenidas e pontos da cidade, em lugares estratégicos, não só disponível em bancas de jornal, mas também em livrarias, cafés, supermercados e outros estabelecimentos. O jornal é idealizado para a venda, e o preço é de um real, mas a assinatura também é disponibilizada. A tiragem seria adaptada de acordo com a população e fluxo de venda em cada centro. ‘O Mensageiro’ teria um volume único e seria impresso em papel de gramatura média, de cor branca, utilizando apenas uma dobra única e horizontal no meio. O caderno não seria preso por grampos, mas sim pela dobra padrão do Berliner. O esquema de modulação do jornal tem quatro colunas principais e apesar de apresentar um padrão visual, também tem flexibilidade para mudanças na diagramação. ‘O Mensageiro’ teria 12 páginas, distribuídas da seguinte maneira entre as editorias: Nacional (2), Internacional (1), Cidade (3), Mercado (1), Esportes (2), Cultura (2). As fontes utilizadas são Minion Pro (serifada e utilizada para títulos mais sóbrios e texto) e National First Font (utilizada para destacar algumas chamadas e dinamizar a página). A paleta de cores trabalha com o azul e o amarelo ouro, com variações de tonalidades, e o jornal trabalha com o uso de brancos para o respiro do leitor. ‘O Mensageiro’ utiliza muitos fios, infográficos, ícones e imagens, com o intuito de dinamizar a leitura e a disposição de informação.

    Pepita Martin Ortega

    30/09/2014 em 10:35

  20. O “Correio do Rechã” é um jornal de circulação quinzenal, sediado em Itapetininga, interior de São Paulo. De caráter extremamente popular, o jornal faz uso de uma linguagem simples, pois é voltado a um público de classe média baixa e de escolaridade não muito avançada. O jornal tem por objetivo cobrir os principais fatos do Distrito de Rechã e dos municípios de Itapetininga (sede administrativa do Distrito) e de Angatuba (localizado a 30 km do bairro). Trata-se, portanto, do primeiro impresso que circula no Distrito. Devido ao perfil socioeconômico dos leitores, o jornal não possui valor elevado, custando R$ 1,50. O formato do jornal é o Standart e as fontes usadas são “Times New Romes” e “Verdana”. A primeira fonte é usada para suavizar a leitura, já que é serifada. O jornal também possui elementos iconográficos importantes, tais como a previsão do tempo e as barras que separam as notícias. O “Correio do Rechã” é desprovido de cadernos, pois possui apenas 10 páginas. O objetivo maior do impresso é estimular a leitura entre os cidadãos do Distrito, estimulando neles o senso crítico. O jornal limita-se a noticiar os fatos do Distrito e, portanto, não há espaço para jornalismo opinativo. Por ser de caráter comunitário, já que o Distrito do Rechã possui pouco mais que 7 mil habitantes, o jornal preocupa-se em prestar serviços, tais como datas de shows, cursos gratuitos e previsão do tempo. O perfis publicados a cada edição buscam reforçar a identidade do jornal com o bairro. O jornal faz uma leitura crítica do Distrito de Rechã, limitando-se a isenção dos fatos.

    Jhony Borges

    30/09/2014 em 10:35

  21. O “Mesa Redonda”.

    Formato: Berliner.
    Tipo de papel: Papel jornal de alta gramatura.
    Público-alvo: Público letrado, classe média alta/ classe alta.
    Segmentação: Jornal esportivo, com foco em análises e opiniões.
    Preço e distribuição: R$3,00. Venda em bancas e assinaturas.
    Cobertura e circulação: Nacional, diária.
    Cadernos/Editorias: O jornal é dividido em seis editorias, a primeira de “futebol”, abrangendo conteúdo nacional e internacional, sendo a maior delas. Em seguida, as editorias de “basquete” e “vôlei” apenas nacional. A quarta é “automobilismo”, com destaque para Fórmula 1. A quinta editoria, “tênis”, com destaque para o circuito mundial, e a última, “USA”, cobrindo as ligas e esportes norte-americanos (NBA, NFL etc.).

    Possui caráter informativo factual, mas com destaque para análises e opiniões, traz os principais destaques do pós-jogo e análises do dia anterior e futuro das competições. Por causa disso, seu público-alvo tende a ser mais letrado, e em certo ponto, elitista. Os campeonatos de futebol terão prioridade na capa, principalmente os nacionais. Estas destacarão as partidas de certos times, de acordo com os grandes de cada estado. Eventualmente, em caso de decisões em outros esportes, como final da temporada de F1, Champions League etc., estes podem ter destaque na capa. Dividida em cinco colunas, a capa possui uma matéria principal em destaque, com pequenas chamadas aos lados para as outras editorias. A parte de baixo trará um destaque para análises, opiniões e visualização rápida das tabelas. Um Box exibe a introdução do quadro “opinião do convidado”.

    O jornal não terá cores principais, embora exiba cinco quadrados em verde e amarelo, cores da bandeira nacional, fazendo alusão ao penta campeonato de futebol. Isso permite que cada título tenha sua própria cor, de acordo com o time (futebol) ou editoria. Mesmo tendo foco em conteúdo mais aprofundado, não terá uma aparência densa, possuindo uma capa agradável e limpa. A iconografia é simples, feita em caixas com as cores das editorias, e a logo do jornal são as letras “MR”.

    Alexandre Wolf

    30/09/2014 em 14:21

  22. A criação é do jornal “Troféu”, jornal especializado em esportes. A criação segue a premissa de jornais como o Metro, a grande inspiração, e o já extinto jornal Placar, ou seja, a distribuição é gratuita.
    A grande diferença, e talvez o destaque do jornal, é sua periodicidade. Ao contrário dos dois já citados, o “ Troféu” não tem periodicidade regular, ele segue os grandes acontecimentos esportivos, em especial os eventos dos quatro grandes clubes de futebol de São Paulo.
    Os grandes eventos são as partidas, as competições. E seguir é fazer a cobertura objetiva deles, com matérias “pré-jogo” no dia e “pós-jogo” no dia seguinte. Portanto o jornal circula apenas no dia do jogo e no dia após o jogo. Supondo que numa semana haja jogos na quarta, sábado e domingo, a circulação é : quarta, quinta, sábado domingo e segunda.
    O planejamento gráfico e editorial é pensado para um jornal de leitura rápida, já que ele é pensado para ser distribuído em locais de grande movimentação, como o metrô. Então, tudo é pensado com base nisso: visual bem chamativo, quase apelativo, baseado em várias cores, mas sem muitas informações na capa, somente as informações básicas. Na amostra, vemos muitas cores, em blocos, e dentro desses blocos, manchetes grandes, um pequena pequena legenda e o placar dos jogos, quase em destaque.
    Como os textos são para leitura rápida, o nível de especialização não é muito grande, sendo de leitura para um público generalizado, mas com interesse em esportes.
    O formato do jornal é Berliner, pensando na praticidade de um jornal distribuído para pessoas em movimento. O número de paginas é em torno de 10, sem editorias, mas com uma divisão de times, como faz o jornal “Lance!”.

    Lucas Ayres

    30/09/2014 em 14:24

  23. Candeia é um jornal impresso semanal dedicado à cultura popular – abraçando a música, teatro, dança, circo, cinema, exposições etc – com enfoque em programações e eventos gratuitos e abertos ao grande público. O jornal Candeia tem cobertura e circulação na região metropolitana de São Paulo e possui alto nível de especialização. O periódico possui o formato tabloide. O público alvo do jornal é composto, majoritariamente, por leitores jovens e de meia idade (18 a 40 anos), de classe média, residentes na região metropolitana de São Paulo. Não há prevalência de gênero.
    O jornal possui apenas um caderno e não é dividido por editorias, mas, sim, por seções. Os nomes das seções são inspirados em canções de grandes artistas nacionais, como Cartola, Chico Buarque, Caetano Veloso, Zeca Pagodinho e Paulinho da Viola. As seções são divididas em: Remelexo (dança), Aconteceu (eventos que ocorreram no decorrer da semana anterior à publicação), Mambembe (circo), Camarim (entrevista semanal com alguma banda ou grupo artístico), Cenários (teatro), Acontece (resumo da programação da semana), Incandeia (editorial), Perfil (texto perfil sobre algum artista) e Claquete (cinema). O próprio nome do jornal é uma homenagem ao sambista carioca Candeia, célebre cantor e compositor brasileiro.
    O jornal Candeia tem como proposta principal divulgar e noticiar eventos, shows, espetáculos, mostras e exposições que estão fora da cobertura da grande mídia e que recebem pouca (ou nenhuma) atenção dos veículos tradicionais de comunicação. O periódico não deixa de lado os eventos noticiados pela grande mídia, mas prioriza aqueles que estão fora do circuito tradicional. O jornal também prioriza espetáculos e apresentações que têm entrada franca e são abertos ao grande público.

    Herculano Foz

    30/09/2014 em 14:32

  24. A proposta do WebNews esta fundamentada na transição de um site sobre tecnologia para uma proposta de jornal tradicional com o mesmo tema.
    A ideia deste projeto consiste em levar os elementos dos sites referentes as novidades tecnológicas para um jornal no formato Berliner (Germânico), um pouco maior que o tablóide; com circulação diária; área de cobertura mundial, com informações das novidades e eventos que ocorrem no mundo; com circulação no estado de São Paulo; seu público alvo visa a população interessada em tecnologia para investimento, interesses em coberturas dos principais eventos relacionados ao tema e para pessoas com o puro interesse sobre o tema com conteúdos voltados sobre games e utilidades para seus computadores; segmentação voltada somente para conteúdo tecnológico; utilizando papel offset para lembrar as partes brancas dos sites na internet; caderno único com segmentação em editorias (notícias, colunas, ciências, economia, games e consoles e tecnologia).
    O slogan do jornal expressa a velocidade que a internet possui para informar o leitor (rápida e direta), com isso o WebNews consiste em texto curtos e linguagem de fácil compreensão. Os aspectos dos sites como a barra de menu na parte superior do jornal, o mostrador de páginas, no inferior e o indicador de “play” em algumas imagens, demonstram a ligação com as peculiaridades da internet.

    Raphael Soares

    30/09/2014 em 14:40

  25. Pique Esconde é um jornal para crianças de 08 a 14 anos no formato Tabloide. Não utiliza dobras e usa papel LWC de alta gramatura (cerca de 70 g/m²). O papel do tipo jornal tradicional correria o risco de não chamar tanto a atenção das crianças. O preço do jornal é de R$ 1,00 e ele tem circulação aos sábados e domingos em todo estado de São Paulo. Sua distribuição é feita bancas de jornal, dentre outros pontos de venda, como padarias e lojas de conveniência.

    O jornal Pique Esconde é dedicado às crianças curiosas que gostam de aprender sozinhas. Basicamente trata de assuntos atuais remanejados para aspectos cotidianos das crianças. A intenção é que o jornal seja distribuído só durante os dois dias do final de semana e que o seu conteúdo seja pensado para a semana inteira – com várias atividades e tutoriais transformando-se numa espécie de “agenda” dos pequenos.

    A fonte utilizada no nome do jornal é do tipo moderna e se chama “Just a Kid”. As outras fontes da capa seguem o mesmo padrão de fonte moderna, dessa vez com “A Song for Jennifer”.

    O nome do jornal se refere à famosa brincadeira “pique-esconde”. Sua diagramação visou dar uma estilização criativa porém “clean”, sem exageros. Ao centro na parte superior encontramos o título, o preço e o mês de edição. Logo abaixo a imagem de capa seguida do título da matéria principal com um breve comentário. Ao redor da imagem, pequenos balões nos contam o que mais encontramos dentro da edição. As fotografias são coloridas. A paleta de cores é diversificada e foge dos tons pesados e maçantes.

    Letícia De Maceno

    30/09/2014 em 14:41

  26. O TEMPO é um jornal semanal desenvolvido para circulação no estado de São Paulo, focado em análises em profundidade em política, economia e conjuntura mundial. Tem como público-alvo pessoas já acostumadas a ler jornal, no entanto, sem necessidade de ser especialista no assunto tratado. Tem como preço sugerido cinco reais.
    A proposta editorial é ser uma publicação que explique os acontecimentos atuais com a ajuda de especialistas e textos opinativos que exponham dois pontos de vista diferentes, ajudando o leitor a ler criticamente e formar o seu próprio ponto de vista. O formato é Standard em papel jornal branco, com uso de dobra na metade do jornal. A publicação é dividida em cadernos, as editorias são Política, Economia, Mundo, Cotidiano, Esporte e Cultura, além da presença de editoriais e classificados.
    As fontes utilizadas são fontes serifadas para facilitar a leitura de textos longos e a fonte dos títulos (Fine Style PRO) é diferente da utilizada no corpo do texto (Minion Pro).
    A identidade cromática do jornal é monocromática, em tons de cinza, para não ser cansativo para o leitor. Como há a presença de textos compridos e densos, também há o uso de imagens para balancear. Para tornar a identificação do assunto mais fácil, foram utilizados diferentes tons para cada editoria. Os ícones também estão presentes na publicação para tornar a informação mais dinâmica e para identificação de temas como previsão do tempo, índices da bolsa, resultados de jogos de futebol, etc.

    Anna Satie

    30/09/2014 em 14:46

  27. O Correio de São Paulo é um jornal diário que circula por todo estado de São Paulo e possui a sede na capital. O jornal não é segmentado, pois procura abranger as principais notícias nacionais e internacionais, focando-se nos acontecimentos do estado. O seu compromisso com o leitor é propor uma compreensão mais aprofundada das notícias do que os demais jornais diários geralmente oferecem. O jornal deve oferecer as informações e questionamentos necessários para que o leitor forme a sua própria opinião. Por isso, os textos são maiores e mais densos. Entende-se que as imagens também são importantes para ilustrar e dialogar com a notícia, mas estas não podem ocupar muito espaço. Os editorias e colunas apresentam divergência de opiniões, convidando, assim, o leitor a refletir por meio de diferentes visões.
    O Correio de São Paulo é impresso em papel jornal e possui formato berliner (470 mm x 315 mm), a fim de facilitar o manuseio. Não possui dobras. O seu público visado é a classe A e B, com faixa etária a partir dos 18 anos. Durante a semana, o jornal custa R$ 2,00 e, aos domingos, R$ 3,00. O leitor pode assiná-lo diariamente por R$ 40 mensal. O Correio possui 30 páginas e é dividido em cinco cadernos: o caderno principal é o maior e apresenta as principais notícias nacionais, além das cartas do leitor e editoriais; o segundo é o internacional, informando o leitor sobre os acontecimentos relevantes de outros países; o terceiro caderno é o de cultura e entretenimento, apresentando a agenda cultural da região, resenhas críticas e as novidades do cinema e da TV; o quarto caderno é sobre esportes; o quinto caderno apresenta classificados e serviços.
    As páginas do Correio de São Paulo são divididas em cinco colunas. Seu conteúdo é organizado e limpo, não sobrecarregando textos ou imagens a fim de facilitar e tornar fluida a leitura. As propagandas são moderadas e bem distribuídas. O logotipo do jornal possui fonte gótica, atribuindo sobriedade ao veículo. O corpo dos textos apresenta fonte serifada, um recurso a mais para fluir a leitura. A variação de cor é pouco intensa: ressalta-se o azul e o preto tanto na capa quanto nas demais páginas. O jornal é econômico em iconografia, mais uma vez para reforçar a seriedade e a neutralidade visada.

    Laiza Castanhari

    30/09/2014 em 14:52

  28. Identidade Brasileira

    Identidade Brasileira

    Identidade Brasileira é um jornal segmentado e altamente especializado em Moda Brasileira, impresso em formato Tablóide. Inspirado na revista consagrada Vogue, a proposta é consagrar um jornal que trate do assunto. Dedicado à moda brasileira, moda internacional, eventos no brasil e mundo a fora que englobem o assunto. O jornal tem cobertura e circulação nacional, com foco nas principais capitais do país. O público alvo é composto por adultos da classe A e B, voltado para a elite intelectual que tenha interesse no assunto. A periodicidade será diário. A distribuição será por assinatura a 70 reais e cada edição sairá por 3,00 reais. Produzido no estado de SP, no Brasil.
    O papel utilizado é o papel jornal, cor off-set e a capa será colorida conforme o tema da edição.
    A Identidade cromática utilizada no jornal é uma derivação do magenta, e conforme a importância da matéria, a cor é mais escura, ao longo das editorias as cores derivadas do magenta serão mais claras ou fortes dependendo do conteúdo que abriga. Outra cor utilizada no jornal é o preto, que dialoga e harmoniza com o magenta e traz uma personalidade própria para o jornal.
    3) Organização:
    -Volume: unidos por uma única encadernação
    -Número de páginas: 60
    -Divisão de cadernos: um único caderno divido em 8 editorias
    -Descrição de editoriais: Moda brasileira, moda internacional, semana de moda, tecidos, coluna das blogueiras, entrevistado do mês, tendências e viagem (voltada para compras e moda)
    -Seções: Tecidos da estação, na editoria de tecidos
    -Suplementos: suplemento sobre as diversas semanas de moda ao redor do mundo, conforme elas vão acontecendo, cada edição traz um suplemento sobre o evento em tal cidade/país
    -Modelo de encadernação e acabamento: dois grampos no cavalo
    4)Tipologia:
    Manchetes e chamadas: Lucida Calligraphy, não serifada
    Conteúdo da matéria: DejaVu Sans
    5)Diagramação: 4 colunas
    6) Cores: As manchetes são em rosa, destacando o tema da edição e conforme sua importância o tamanho da letra é variado.
    7) Iconografia: cada editoria possui um ícone ilustrando do que se trata, cada edição possui um tom de rosa diferente

    Izabella Pietro

    30/09/2014 em 14:57

  29. 1)Jornal do mundo é um jornal de domingo que viria junto com o jornal original, como se fosse um jornal a mais. Ele teria como objetivo falar de todos os assuntos globais, mesmo aqueles não falados nas grandes mídias. Além disso, tem como objetivo conscientizar a população dos problemas que ocorreram ao redor do mundo, porque muitos não procuram conhecer. O jornal circulará no Estado de São Paulo e buscaremos parceria com as grandes mídias. Funcionaria como um “brinde” para o jornal grande. A venda avulsa seria mais caro, já que a intenção do jornal é vender junto com o outro. O preço seria R$:1,50. Abrange os segmentos políticos, econômicos e culturais do mundo.O público-alvo é o interessado em notícias internacionais, que costuma ler jornais grandes mas procuram uma abrangência mais especializada no assunto.
    2)Papel jornal, cor branco, tabloide britânico, duas dobras e não tem uso de recursos especiais.
    3) Editorias no jornal: Notícias de mundo da semana, a além disso assuntos que a imprensa não dá muito valor.
    4) O jornal é colorido. As matérias, títulos e outros são em preto e branco. As propagandas e as fotos são coloridas
    5) Na página inicial existem linhas separando o cabeçaria do nome do jornal. E existe uma linha no título das editorias.

    Catherine

    30/09/2014 em 14:57

  30. Jornal Janela de Bauru

    O diferencial do jornal Janela de Bauru é o setor de serviços. Direcionado às classes C e D, o diário traz aos leitores mais do que notícias de consumo rápido e fácil. Destaca-se na relação que estabelece com a comunidade local: além de página exclusiva para serviços – como Empregos, Loteria, Previsão do Tempo e Entretenimento – também traz uma sessão em que o leitor é o repórter. Assim, o cidadão pode trazer problemas ou eventos do seu bairro, tornando o periódico uma ferramenta de comunicação da população e para a população local. O jornalismo popular costumava ser ligado ao universo masculino, carregado de matérias de polícia, futebol e sexo. Porém, hoje é voltado para as mulheres e a família. Bruno Thys, diretor da Unidade de Jornais Populares da Infoglobo, afirma que a marca contemporânea do jornalismo popular é que “pode ser levado para a casa”, e essa é uma característica do jornal Janela de Bauru.
    Informações técnicas: o preço da Janela de Bauru é acessível aos seus leitores, num valor de R$ 1,00 e há somente a venda em bancas, sem assinatura. Sua identidade visual é trabalhada em cores fortes como o amarelo, preto e vermelho, de modo a atrair os cidadãos mais desinteressados no exercício diário da leitura. Seu formato é Berliner e contém 12 páginas de leitura rápida.

    Nathalie Portela

    30/09/2014 em 15:23

  31. O jornal “ulturalmente” é por uma distribuição semanal e não é apenas informativo, ele também traz, em todas as suas matérias, um caráter reflexivo sobre pontos importantes e serem considerados e conscientiza sobre como a cultura se faz presente e é importante em nossas vidas. Além disso, em matérias que sejam propícias, o jornal traz a evolução do que se está sendo falado até os dias atuais, além de depoimentos de pessoas que tiveram sua vida afetada de alguma maneira pela cultura, seja trabalhando ou entrando em um contato mais profundo com ela. O foco é a cidade de São Paulo, local em que será veiculado, mas também aborda temas variados do país. Retrata os acontecimentos da semana seguinte na cidade e também, assuntos não tão específicos, como resenha de filmes e críticas sobre variadas formas culturais que estejam em destaque. O jornal traz as sessões: Internet, Cinema, Artes. Televisão e Bibloiteca. Também apresenta muitos serviços sobre o que está acontecendo na cidade e os eventos mais importantes no país. A linguagem é simples, reflexiva e com personalidade. O formato é tabloide, pois o jornal tem um cunho mais descontraído, dinâmico e informal, podendo ser lido em qualquer lugar. Por isso o formato tabloide, para tornar a leitura mais fácil. O valor é simbólico, apenas para a impressão dos jornais. O objetivo maior é a conscientização das pessoas em relação aos benefícios que a cultura traz à vida e a disseminação de trabalhos e projetos interessantes que estejam acontecendo no ambiente em que vivem.

    Flávia Simão

    04/10/2014 em 21:42

  32. Escrevi errado o nome do Jornal. É “Culturalmente”.

    Flávia Simão

    04/10/2014 em 21:44

Deixe uma resposta